TEOLOGIA EM FOCO

quarta-feira, 12 de junho de 2013

O SÁBADO FOI PRIMEIRAMENTE DADO A ISRAEL, E É O SINAL DE DEUS PARA ISRAEL


Os Sabatistas ensinam que os homens guardavam o sábado desde os dias de Adão, mas isso contradiz o registro da própria Bíblia.

Embora seja verdade que o sábado se originou no final dos seis dias da criação (Gênesis 2.1-3), ele foi o descanso de Deus, não do homem. Não há registro em Gênesis de que Deus deu o sábado ao homem. Os santos em Gênesis construíram altares, oravam, ofereciam sacrifícios, e dizimavam, mas a Escritura mantém-se silenciosa em relação à guarda do sábado.

Neemias 9.13-14 diz claramente que o sábado foi dado pela primeira vez a Israel no deserto:

"E sobre o monte Sinai desceste, e dos céus falaste com eles, e deste-lhe juízos retos e leis verdadeiras, estatutos e mandamentos bons. E o teu sábado lhes fizeste conhecer; e preceitos, estatutos e lei lhes mandaste pelo ministério de Moisés, teu servo" (ACF).


Se Abraão, Isaque e Jacó guardavam o sábado, seus filhos estariam familiarizados com a prática, mas Neemias nos diz que este não foi o caso.

Êxodo 31.12-18 diz claramente que o sábado foi um sinal especial entre Deus e Israel. Se o sábado tivesse sido dado a humanidade em geral após a criação, ele não poderia ter sido um sinal exclusivo para Israel. O fato é que o sábado pertence à nação de Israel e não a qualquer outro povo. Também é importante notar que o sábado será uma eterna possessão de Israel (Êx 31.16). 
Este sinal nunca vai ser anulado ou transferido para outro povo. Isso explica por que os profetas anunciam que Israel guardará o sábado, mesmo após o reino de Cristo ter sido estabelecido na terra (Is 66.23). Isso também explica por que Jesus Cristo mencionou o sábado em sua profecias a respeito da tribulação (Mt 24.20). Judeus, ainda hoje, guardam o sábado e não há restrições para sua observância na terra de Israel. As linhas aéreas El Al não possui vôos aos sábados, por exemplo.
O SÁBADO E OS SANTOS DO NOVO TESTAMENTO

Em seus escritos para as igrejas, os apóstolos só mencionaram o sábado três vezes:

1. O sábado é um símbolo de descanso na salvação em Cristo (Hb 4). Assim como os judeus não trabalham no sábado, assim o crente é salvo pela graça de Deus sem as obras.

2. O crente do Novo Testamento não é obrigado a guardar o sábado (Cl 2.16). Quando Paulo fala de "dias de sábado", no plural, ele está se referindo a todos os dias de descanso que Deus deu a Israel, incluindo aqueles associados com as festas. Por exemplo, o Pentecostes sempre caia no primeiro dia da semana, mas era um sábado especial em que o trabalho não era realizado (Lv 23.16-21). Os
sabatistas do sétimo dia e afirmam que Colossenses 2.16 não se refere ao sábado semanal regular, mas não há evidências de que seja este o caso.2
3. O crente do Novo Testamento tem a liberdade na questão dos dias santos (Rm 14.4-6).
Aqueles que afirmam que o sábado é imposto ao cristão, estão ensinando uma doutrina contrária a dos apóstolos.
"O sábado se relaciona com a velha criação e foi dado exclusivamente a Israel; o Dia do Senhor refere-se à nova criação, e pertence especialmente à Igreja. O sábado fala da lei, seis dias de trabalho que são seguidos do repouso, mas o Dia do Senhor fala da Graça, pois começamos a semana com o repouso, que é seguido então pelas obras" (Wiersbe do Antigo Testamento Outlines).
Por que, então, Jesus guardou o sábado? Ele guardou o sábado pela mesma razão pela qual Ele guardou todas as outras leis de Moisés. (Ele também observou as festas.) Jesus fez estas coisas, porque Ele nasceu judeu, nascido sob a lei, para que pudesse cumpri-las perfeitamente e resgatar seu povo de sua penalidade e escravidão (Gl 4.4, Rm 9.5).
EVIDÊNCIA BÍBLICA DE QUE OS CRISTÃOS PRIMITIVOS ADORAVAM NO DOMINGO

1. Jesus ressuscitou dos mortos no primeiro dia (Mc 16.9).
2. Jesus apareceu aos seus discípulos no primeiro dia (Mc 16.9).
3. Jesus várias vezes se encontrou com os discípulos após a ressurreição, em locais diferentes, no
primeiro dia (Mc 16.9-11; Mt 28.8-10; Lc 24.34;. Mc 16.12-13; Jo 20.19-23).
4. Jesus abençoou os discípulos no primeiro dia (Jo 20.19).
5. Jesus deu aos discípulos o dom do Espírito Santo no primeiro dia (Jo 20.22).
6. No primeiro dia, Jesus comissionou os discípulos a pregarem o evangelho a todo o mundo (Jo 20.21; com Mc 16.9-15).
7. No primeiro dia, Jesus subiu ao Céu, assentou-se à destra do Pai e foi feito a Cabeça de todos (Jo 20.17; Ef 1.20).
8. No primeiro dia, muitos dos santos mortos ressuscitaram e saíram dos túmulos (Mt 27.52-53).
9. O primeiro dia se tornou o dia de alegria e de regozijo para os discípulos (Jo 20.20; Lc 24.41).
 10. No primeiro dia, o evangelho de Cristo ressuscitado, foi primeiramente pregado (Lc 24.34).
11. No primeiro dia, Jesus explicava as Escrituras para os discípulos (Lc 24.27, 45).
12. No primeiro dia o pagamento da nossa redenção foi completado (Rm 4.25).

13. No primeiro dia o Espírito Santo desceu (At 2.1). O Pentecostes acontecia no  500 dia após o sábado seguinte a oferta de jubileu (Lv. 23.15-16). Assim, o Pentecostes era sempre realizado em um domingo.

14. Os cristãos reuniam-se para adorar no primeiro dia (At 20.6-7; 1ª Cr 16.02)
Desde aqueles dias, a grande maioria dos cristãos tem sempre se reunido para o culto no dia do Senhor. Eles fazem isso em honra a ressurreição do Salvador. Cristo estava no túmulo, durante o sábado, e levantou-se como o primogênito dentre os mortos no primeiro dia. O sábado significa o ultimo dia da velha criação (Gn 2:2). O Domingo é o primeiro dia da nova criação.

EVIDÊNCIA HISTÓRICA DE QUE CRISTÃOS PRIMITIVOS ADORAVAM NO DOMINGO
A Epístola de Barnabé (cerca de 100 dC) - "Portanto, também nós mantemos o oitavo dia com alegria, o dia também em que Jesus ressuscitou dos mortos".
A Epístola de Inácio (cerca de 107 dC) - "Não vos enganeis com estranhas doutrinas, nem com as fábulas antigas, que não são proveitosas. Porque, se nós ainda vivemos segundo a Lei Judaica, nós reconhecemos que não temos recebido Graça... Portanto, aqueles que foram educados na antiga ordem das coisas vieram à posse de uma nova esperança, não mais observando o sábado, mas vivendo na observância da do Senhor Dia, em que também a nossa vida surgiu novamente por Ele e por Sua morte".
Justino Mártir (cerca de 140 dC) - "E no dia chamado domingo todos os que vivem nas cidades ou no país se reúnem em um só lugar, e as memórias dos apóstolos ou os escritos dos profetas são lidos. ... Mas o Domingo é o dia em que todos têm uma assembleia em comum, porque é Primeiro dia da semana em que Deus ... fez o mundo; e Jesus Cristo, nosso Salvador no mesmo dia ressuscitou dos mortos ."
Bardesanes, Edessa (180 dC) - "No primeiro da semana, nós nos reunimos juntos, em assembleia".
Clemente de Alexandria (194 dC) - "Ele, em cumprimento do preceito, segundo o evangelho, mantém o Dia do Senhor ... glorificando ao Senhor pela Sua ressurreição".
Tertuliano (200 dC) - "Nós tornamos solene o dia depois do sábado, em contradição com aqueles que chamam este dia o seu sábado".
Irineu (cerca 155-202 dC) - "O Mistério da Ressurreição do Senhor não pode ser comemorado em qualquer dia senão no Dia do Senhor, e somente nele devemos observar o descanso da Festa de Páscoa".
Cipriano (250 dC) - "O oitavo dia, isto é, o primeiro dia após o sábado, é o Dia do Senhor".
Anatólio (AD 270) - "Nossa preocupação com a ressurreição do Senhor, que teve lugar no Dia do Senhor nos levará a celebrá-lo".

Pedro, Bispo de Alexandria (306 dC) - "Mas o Dia do Senhor, nos celebramos como um dia de alegria, porque nele, ele se levantou outra vez".

1.      A palavra hebraica sabath significa cessar. DEUS descansou não por que estava cansado, humanamente falando, mas por ter descansado (cessado) da obra da criação.
2.      Para uma excelente explicação a respeito de Col 2.16-17 (e Oseias 2.11), ler o capitulo A EXTINÇÃO DO SÁBADO  do livro A GUARDA DO SÁBADO  do Dr Aníbal Reis (publicado pela Edições Caminhos de Damasco e recentemente republicado pelas Edições Cristas). O Dr Aníbal de forma conclusiva identifica os dias de festas (cerimônias ANUAIS), as luas novas (cerimônias MENSAIS) e os sábados (cerimônias SEMANAIS), com as atividades cerimoniais exclusivamente judaicas, demonstrando que desde o Antigo Testamento DEUS já havia prometido fazê-las cessar.

Pr David Cloud