TEOLOGIA EM FOCO: Abril 2018

TEOLOGIA EM FOCO

sábado, 14 de abril de 2018

ÉTICA CRISTÃ E DIREITOS HUMANOS



TEXTO ÁUREO
“O estrangeiro não afligirás, nem o oprimirás; pois estrangeiros fostes na terra do Egito.” (Êx 22.21).

VERDADE PRÁTICA
Os direitos do ser humano revelados na Palavra de Deus têm como fundamento o amor.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Isaías 58.6-12: “Porventura não é este o jejum que escolhi, que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo e que deixes livres os oprimidos, e despedaces todo o jugo? 7 Porventura não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres abandonados; e, quando vires o nu, o cubras, e não te escondas da tua carne? 8 Então romperá a tua luz como a alva, e a tua cura apressadamente brotará, e a tua justiça irá adiante de ti, e a glória do SENHOR será a tua retaguarda. 9 Então clamarás, e o SENHOR te responderá; gritarás, e ele dirá: Eis-me aqui. Se tirares do meio de ti o jugo, o estender do dedo, e o falar iniquamente; 10 E se abrires a tua alma ao faminto, e fartares a alma aflita; então a tua luz nascerá nas trevas, e a tua escuridão será como o meio-dia. 11 E o SENHOR te guiará continuamente, e fartará a tua alma em lugares áridos, e fortificará os teus ossos; e serás como um jardim regado, e como um manancial, cujas águas nunca faltam. 12 E os que de ti procederem edificarão as antigas ruínas; e levantarás os fundamentos de geração em geração; e chamar-te-ão reparador das roturas, e restaurador de veredas para morar.

INTRODUÇÃO.
Grande parte da história da humanidade demonstra que os direitos foram prerrogativas de uma minoria privilegiada. Em tempos modernos foi que surgiu o conceito de direitos fundamentais inerentes à dignidade humana: os Direitos Humanos. Apesar desses conceitos florescerem em tempos atuais, desde a criação do homem, as Escrituras Sagradas revelam a vontade de Deus acerca do que é direito e dever nas relações humanas.
A sensação de impunidade traz a ideia de que os direitos humanos foram estabelecidos para defender os bandidos. Esta não é uma ideia correta a respeito dos direitos humanos, mas a expressão que denuncia militantes que os usa, não segundo os valores interiores inerentes ao ser humano, mas a uma agenda fraudulenta político-ideológica. Entretanto, é importante ressaltar que a instituição dos direitos humanos é uma expressão do Estado Democrático de Direito. Vivemos num império das leis. Por exemplo, o dogma jurídico de que todo cidadão tem a presunção da inocência é enfatizado, sobretudo, pela Palavra de Deus (1ª Tm 5.19,20). Só saberá o que significa realmente os direitos humanos quem um dia sofrera injustiça.

I. A ORIGEM DOS DIREITOS HUMANOS
1. Definição de Direito.
A raiz da palavra "direito" tem origem no latim rectus, que significa "aquilo que é reto, correto, justo". Na perspectiva da Ética, o que é direito torna-se modelo do que é bom e correto. Assim, a ética, ou a moral, comum a todas as culturas, pode-se expressar em termos de direitos do indivíduo. Esses direitos refletem a dignidade do ser humano, como por exemplo: a proteção à vida, a liberdade individual e a igualdade.
 Estes são pressupostos fundamentais acerca da dignidade humana.

2. Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão.
Promulgada pela primeira vez em 26 de agosto de 1789, em Paris, na França, essa declaração foi resultado da Revolução Francesa, que inspirada pelo Iluminismo, elaborou 17 artigos proclamando a liberdade e a igualdade entre os indivíduos. Esses direitos passaram a ser considerados "universais", ou seja, válidos para todos os homens em qualquer época ou lugar.

3. Declaração Universal dos Direitos Humanos.
Foi adotada em 10 de dezembro de 1948, após a 2ª Guerra Mundial, pela Organização das Nações Unidas (ONU). A declaração, contendo 30 artigos, reconhece os direitos "fundamentais" e "universais" do ser humano como o ideal comum a ser atingido por todos os povos e nações sem distinção de raça, sexo, língua ou religião.

4. Direitos Humanos no Brasil.
Em nosso país, a expressão "direitos humanos" foi popularizada durante a década de 1980. Nessa época militantes políticos de esquerda passaram a usar a expressão em oposição ao regime militar. Hoje, após a redemocratização do Brasil e a concessão de amplos direitos ao cidadão, a expressão "direitos humanos" tem sido associada constantemente a "direitos de bandidos". Discute-se, por exemplo, que os "direitos humanos" deveriam valer unicamente para os “humanos direitos”.

SUBSÍDIO PEDAGÓGICO
Caro professor, prezada professora, quando se estuda o Direito deparamos com o conceito de "direito natural". Esse aspecto dos estudos jurídicos remonta à ideia de direito inerente à natureza humana. Nesse sentido, os direitos humanos são considerados direitos inerentes a todos os seres humanos, independente de raça, sexo, nacionalidade, etnia e religião. Esses direitos estabelecem a vida, a liberdade de opinião e de expressão, o direito ao trabalho e à educação. São direitos inalienáveis à pessoa.

Neste tópico, é importante fazer uma reflexão sobre a importância da liberdade religiosa que desfrutamos em nosso país, mas que em muitos outros, infelizmente, irmãos nossos padecem perseguições sistemáticas e intensas praticadas pelo Estado ou religião dominante. Nessa oportunidade, a fim de enriquecer a sua exposição, traga dados atualizados sobre essas perseguições.

O site da missão Portos-Abertas traz informações atualizadas, pois trata-se de um movimento de auxílio aos cristãos perseguidos. Como seguidores de Jesus, precisamos ter a consciência de que neste momento há milhares de irmãos em Cristo que são (serão) violados em seus direitos inalienáveis. Oremos pelos cristãos perseguidos!

II. A BÍBLIA E OS DIREITOS HUMANOS
1. Direitos Humanos no Pentateuco.
Os cinco Livros de Moisés revelam o código divino e indicam a maneira de viver de seu povo (Dt 6.1-9). Nesses escritos há um arcabouço de concepções libertárias e igualitárias que antecedem a muitos direitos que vão aparecer na Modernidade. No texto do Pentateuco, Deus requer do povo de Israel que o estrangeiro não seja maltratado (Êx 22.21), que a viúva e o órfão sejam protegidos (Êx 22.22} e que o pobre não seja explorado (Êx 22.25-26). Tais preceitos eram estranhos ao Mundo Antigo e constitui-se numa espécie de síntese da Tora: o cuidado divino para com os menos favorecidos e o valor da dignidade humana.

2. Direitos Humanos nos Evangelhos.
A mensagem de Cristo presente nos Evangelhos resume-se na prática do amor a Deus e ao próximo (Mt 22.37-40). Durante o seu ministério Jesus quebrou vários paradigmas da cultura dominante. Ao curar no sábado, Cristo colocou a dignidade humana acima do Legalismo (Mt 12.10-13). Ao conversar com a Samaritana, Cristo se opôs ao preconceito étnico (Jo 4.9,10). Ao jantar em casa de Levi, o publicano, Cristo rechaçou atitudes discriminatórias (Mc 2.14-17). Ao receber e abençoar os meninos, Cristo defendeu os direitos das crianças (Lc 18.15-16). Assim, a Palavra de Deus mostra que a fé cristã não está dissociada das necessidades humanas.

3. Direitos Humanos em Paulo.
Em suas cartas, o apóstolo dos gentios reconhece o direito de igualdade entre as raças, as classes sociais e o género (Gl 3.28). O apóstolo também legitimou o uso dos direitos civis ao ser preso em Jerusalém, quando ele evocou sua cidadania romana para não ser açoitado (At 22.25-29). E ao perceber as manobras dos judeus para condená-lo sumariamente, o apóstolo reivindicou o direito de um julgamento justo e apelou para César (At 25.9-12). Assim, as Escrituras nos estimulam à defesa de nossos direitos e de nossa cidadania.

SUBSÍDIO BÍBLICO-PEDGÓGICO
Uma das narrativas mais tensas da Bíblia encontra-se em Atos 22.25-29, onde ela descreve o momento em que romano. O apóstolo estava prestes a ser açoitado por um centurião, quando decidida e corajosamente perguntou: "É-vos lícito açoitar um romano, sem ser condenado?" O centurião não podia dar aquele tratamento ao apóstolo, pois este estava investido da cidadania romana.

À Luz desse relato bíblico, reflita com os alunos a respeito da consciência dos direitos do cidadão. Essa consciência só é possível a partir da apreensão do conteúdo de nossa carta magna: a Constituição Federal. Neste documento, há um artigo que é considerado o coração de nossa carta: o artigo 5°.

É o artigo que inaugura o texto constitucional que trata especialmente dos direitos individuais e coletivos. Nele, há três itens (VI, VII e VIII) que todo crente deveria ser consciente de sua existência em nosso país. São as nossas garantias constitucionais de liberdade de crença, culto e todo valor religioso que podemos desfrutar em nossa nação. Aprofunde-se no tema e conscientize sua classe a respeito desses direitos fundamentais.

III. A IGREJA E OS DIREITOS HUMANOS
1. A Igreja e o trabalho escravo.
O trabalho é essencial para o sustento da vida. Desde a Criação o trabalho está presente na história da raça humana (Gn 2.15). Sustentar a si mesmo e a família por meio do trabalho é uma dádiva divina e dignifica o ser humano (Ec 3.13; Ef 4.28). No entanto, quando a carga horária é exaustiva, os salários são baixos e as condições de trabalho são degradantes, a dignidade humana é violada e o trabalho se torna em escravidão. A igreja de Cristo não pode ficar insensível diante do trabalho escravo. Há uma condenação direta e objetiva da Palavra de Deus, segundo Tiago, que condena a exploração e a injustiça praticada contra os trabalhadores (Tg 5.4-6).

2. A Igreja e os prisioneiros.
Em 2014, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) do Brasil divulgou que a nossa população carcerária era de 563.526 presos e que estavam encarcerados 206.307 prisioneiros além da capacidade de vagas. Somado ao problema da superlotação, os presídios públicos também não oferecem as condições mínimas de dignidade humana, higiene e salubridade. Nosso índice de reincidência no crime é de 70%, o que demonstra a ineficiência do Estado na ressocialização dos prisioneiros. A igreja não pode negligenciar o seu papel de visitar e evangelizar os encarcerados (Hb 133). Por meio da ação dos servos de Cristo, os prisioneiros recebem dignidade e, sobretudo, a salvação (Mt 25.36-40; Lc 4.19).

3. A Igreja e o problema social.
Os principais problemas sociais do Brasil são o desemprego, a precariedade de moradia, a saúde, a segurança, a educação e outros. Como resultado da ineficiência do Estado os índices de violência e de criminalidade aumentam a cada dia. É consenso que tais problemas são agravados pelo desvio das verbas públicas por meio da nefasta prática da corrupção. Habacuque, em sua época, constatou problemas similares: opressão, violência, Litígio, impunidade, suborno e juízo distorcido (He 1.1-4). O profeta tinha a consciência de que o mal a ser combatido era o pecado. Assim como fez Habacuque, e como ensina o cronista, a igreja deve unir forças para restaurar a nação por meio da confissão sincera e do clamor a Deus (2 Cr 7.14).

SÍNTESE DO TÓPICO III
A igreja local está imersa na realidade social de seus membros.

Encerre a aula lendo a regra de ouro que se encontra no Sermão do Monte: "Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós, porque esta é a lei e os profetas" (Mt 7-12).

CONCLUSÃO
Nenhum outro livro tem enaltecido tanto a dignidade humana como o faz a Bíblia Sagrada. As Escrituras revelam o amor de Deus sem acepção de pessoas (Jo 3.16; Rm 2.11). A igreja é advertida em perseverar na prática do bem ao próximo (2 Ts 3.13). E os que ficam impassíveis diante da violação dos direitos humanos são considerados pecadores (Tg 4.17).

PARA REFLETIR
A respeito do tema “Ética Cristã e Direitos Humanos”, responda:

• Dê o significado da palavra “direito.
A palavra "direito" significa "aquilo que é reto, correto, justo".

• De acordo com a lição, explique a formação dos Direitos Humanos.
Com o advento da 2a Guerra Mundial, e após a tragédia que ela trouxe ao mundo, no dia 10 de dezembro de 1948 foi adotada a Declaração Universal dos Direitos Humanos pela Organização das Nações Unidas (ONU).

• Segundo o Pentateuco, destaque os grupos de pessoas que devem ser protegidos socialmente.
O estrangeiro (Êx 22.21), a viúva e o órfão (Êx 22.22) e o pobre (Êx 22.25-26).
• De acordo com os Evangelhos, em que se resume a mensagem de Cristo?

A mensagem de Cristo presente nos Evangelhos resume-se na prática do amor a Deus e ao próximo (Mt 22.37-40).
• No tópico três há uma lista de urgências que a igreja não pode se esquivar. Quais são essas urgências? Justifique a sua resposta.
O trabalho escravo, os prisioneiros e os problemas sociais. Os seguidores de Jesus, têm na mensagem dEle, a responsabilidade de levar aconchego espiritual aos necessitados.

Fonte: Lições Bíblicas 2° trimestre de 2018, Adultos – CPAD| Divulgação: Subsídios EBD

quinta-feira, 12 de abril de 2018

ÉTICA CRISTÃ



1 Coríntios 10.1-12, 23, 31, 32:
“Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem; e todos passaram pelo mar, 2 e todos foram batizados em Moisés, na nuvem e no mar, 3 e todos comeram de um mesmo manjar espiritual, 4 e beberam todos de uma mesma bebida espiritual, porque bebiam da pedra espiritual que os seguia; e a pedra era Cristo. 5 Mas Deus não se agradou da maior parte deles, pelo que foram prostrados no deserto. 6 E essas coisas foram-nos feitas em figura para que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram. 7 Não vos façais, pois, idólatras, como alguns deles; conforme está escrito: O povo assentou-se a comer e a beber e levantou-se para folgar. 8 E não nos prostituamos, como alguns deles fizeram e caíram num só dia vinte e três mil.  9 E não tentemos a Cristo, como alguns deles também tentaram e pereceram pelas serpentes. 10 E não murmureis, como também alguns deles murmuraram e pereceram pelo destruidor. 11 Ora, tudo isso lhes sobreveio como figuras, e estão escritas para aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos. 12 Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe para que não caia. 23 Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam. 31 Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para a glória de Deus. 32 Portai-vos de modo que não deis escândalo nem aos judeus, nem aos gregos, nem à igreja de Deus.”

INTRODUÇÃO. Entender o que é certo e o que é errado, num mundo em que estão invertidos os valores morais gravados por Deus na consciência do ser humano e ao mesmo tempo exarados no Livro do Senhor, não é tarefa fácil. Graças a Deus, temos o maior e melhor referencial ético que o mundo já conheceu: a Palavra de Deus. Ela é lâmpada e luz divinas, tanto para nosso ser interior como para nosso viver exterior. Neste trimestre, apresentaremos uma visão panorâmica da Ética partindo do ponto de vista bíblico sobre o qual o cristianismo fundamenta seus valores. Esperamos contribuir para o entendimento do assunto, tecendo considerações sobre alguns casos éticos típicos, considerando o limitado espaço dos comentários que não permite uma abordagem mais ampla.

I. CONCEITUAÇÃO E DEFINIÇÕES
1. Ética como ciência secular. A Ética é um aspecto da filosofia. A Filosofia está segmentada em seis sistemas tradicionais: Política, Lógica, Gnosiologia, Estética, Metafísica e Ética que é o objeto de estudo de Lições Bíblicas neste trimestre.

Dentre suas muitas acepções, filosofia é o saber a respeito das coisas, a direção ou orientação para o mundo e para a vida e, finalmente, consiste em especulações acerca da forma ideal de vida. Em suma, é a história das ideias. Tudo isto sob a ética humana. Precisamos aferir o pensamento humano com os ditames da Palavra de Deus que são terminantes, peremptórias, finais. O homem, seja ele quem for, é criatura, mas Deus é o Criador (Os 11.9; Nm 23.19; Rm 1.25; Jó 38.4).

Todos os campos de pensamento e de atividades têm suas respectivas filosofias. Há uma filosofia da biologia, da educação, da religião, da sociologia, da medicina, da história, da ciência etc. Consideremos entretanto, os seis sistemas acima mencionados que foram sistematizados por três antigos pensadores: Sócrates, Platão e Aristóteles.

1.1. Política. Este vocábulo vem do grego polis e significa “cidade”. A política procura determinar a conduta ideal do Estado, pelo que seria uma ética social. Ela procura definir quais são o caráter, a natureza e os alvos do governo. Trata-se do estudo do governo ideal.

1.2. Lógica. É um sistema que aborda os princípios do raciocínio, suas capacidades, seus erros e suas maneiras exatas de expressão. Trata-se de uma ciência normativa, que investiga os princípios do raciocínio válido e das inferências corretas quer seja partindo da lógica dedutiva quer seja da indutiva.

1.3. Gnosiologia. É a disciplina que estuda o conhecimento em sua natureza, origem, limites, possibilidades, métodos, objetos e objetivos.

1.4. Estética. É empregada para designar a filosofia das belas-artes: a música, a escultura e a pintura. Esse sistema procura definir qual seja o propósito ou ideal orientador das artes, apresentando descrições da atividade que apontam para certos alvos.

1.5. Metafísica. Refere-se a considerações e especulações concernentes a entidades, agências e causas não materiais. Aborda assuntos como Deus, a alma, o livre arbítrio, o destino, a liberdade, a imortalidade, o problema do mal etc.

1.6. Ética. É a investigação no campo da conduta ideal, bem como sobre as regras e teorias que a governam. A ética, o homem distanciado de Deus por sua incredulidade e seus pecados, a estuda, entende e até se propõe a observá-la, mas não consegue, por estar subjugado pelo seu eu, pelos vícios, pelo mundo, pelo pecado (Rm 2.15-19). Já os servos de Deus, pelo Espírito Santo que neles habita, triunfam sobre o pecado (Rm 8.2).

Existem inúmeros argumentos e considerações acerca deste tema, que será tratado aqui do ponto de vista da ética bíblica a qual expõe Deus como fundamento e alvo da conduta ideal.

2. Origem da palavra. Ética vem do grego, ethos, que significa “costume”, “disposição”, “hábito”. No latim, vem de mos (mores), com o sentido de vontade, costume, uso, regra.

3. Definição. Ética é, na prática, a conduta ideal e reta esperada de cada indivíduo. Na teoria, é o estudo dos deveres do indivíduo, isolado ou em grupo, visando a exata conceituação do que é certo e do que é errado. Reiterando, Ética Cristã é o conjunto de regras de conduta, para o cristão, tendo por fundamento a Palavra de Deus. Para nós, crentes em Jesus, o certo e o errado devem ter como base a Bíblia Sagrada, a nossa “regra de fé e prática”.

O termo ética, ethos, aparece várias vezes no Novo Testamento, significando conduta, comportamento, porte e compostura (habituais).

A ética cristã deve ser fundamentada no conhecimento de Deus como revelado na Bíblia, principalmente nos ensinos de Cristo, de modo que “...ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou” (2 Co 5.15; Ef 2.10).

II. VISÃO GERAL DA ÉTICA SECULAR E DA ÉTICA CRISTÃ

1. Antinomismo. Esse ensino errôneo é humanista e secular. Tudo depende das pessoas, e das circunstâncias. O filósofo incrédulo e existencialista Jean Paul Sartre, um dos seus promotores, afirma que o homem é plenamente livre. Num dos seus textos, ele escreve: “Eu sou minha liberdade; eu sou minha própria lei”.

1.1. Posicionamento cristão. Esta teoria não serve para o cristão. Nela, o homem se faz seu próprio deus. A Bíblia diz:
“Há caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte” (Pv 14.12).
“De tudo o que se tem ouvido, o fim é: Teme a Deus e guarda os seus mandamentos; porque este é o dever de todo homem” (Ec 12.13).
O antinomismo é relativista, isto é, cada um age como quiser. É o que ocorria com o povo de Israel quando estava desviado, sem líder e sem pastor (Jz 17.6 e 21.25).

2. Generalismo. Essa falsa doutrina prega que devem haver normas gerais de conduta, mas não universais. A conduta de alguém para ser chamada de certa ou errada depende de seus resultados. É o que ensinava, no século XV, o descrente, político e filósofo italiano Nicolau Maquiavel: “Os fins justificam os meios”.

1.2. Posicionamento cristão. O generalismo não se coaduna com a ética cristã, pois, para o crente em Jesus, não são os fins, nem os meios, que indicam se uma conduta ou ação é certa ou errada. A Palavra de Deus é que é a regra absoluta que define se um ato é certo ou errado. Ela tem aplicação universal.
O dever de todo homem é temer a Deus e guardar seus mandamentos (Ec 12.13).
A Palavra de Deus não muda de acordo com as circunstâncias, os meios ou os resultados. Deus vela para a cumprir (Jr 1.12b; Mc 13.31).

Há outras modalidades, formas e expressões da ética secularista, como o situacionismo, o absolutismo e o hierarquismo, mas nada disso se coaduna ou se enquadra na ética bíblica, tanto a declarativa, como a tipológica e a ilustrativa. Estamos mencionando estas formas aqui porque o mundo fala muito nelas, mas não as cumpre.

O cristão ortodoxo na sua fé, e fiel ao seu Senhor, terá sempre no manancial da Palavra de Deus tudo o que carece sobre a ética, na sua expressão prática em forma de conduta, compostura, costumes, usos, hábitos e práticas diuturnas da nossa vida para agradar a Deus e dar bom testemunho dEle diante dos homens.

CONCLUSÃO. As abordagens éticas humanas são todas contraditórias. Como seus autores, humanos e falhos. Uma, como vimos, procura suprir as deficiências das outras. As abordagens éticas conflitam entre si, deixando um rastro de dúvida e confusão em sua aplicação. Por isso, devemos ficar com a Palavra de Deus, que não confunde o crente, nem pode ser deixada de lado ao sabor dos meios, dos fins ou das situações. A Palavra de Deus satisfaz plenamente.

FONTE DE PESQUISA
1. Elinaldo Renovato. Ética Cristã. 3º Trimestre de 2002. CPAD - RJ.

2. Douglas Baptista. Valores Cristãos. Lições bíblicas 2º Trimestre 2018. CPAD – RJ.

domingo, 8 de abril de 2018

OS TRÊS INIMIGOS DO HOMEM



CONFLITO ESPIRITUAL

Introdução: A expressão “batalha espiritual” nunca aparece na Bíblia. É um termo teológico prático para descrever o conflito da vida cristã. A batalha espiritual que estamos enfrentando é uma luta espiritual contra Satanás e seus anjos, contra os principados e as potestades. Ela está sendo travada diariamente onde nós vivemos – em nossos lares, nossos escritórios, nossos casamentos, nossa igreja e no íntimo do nosso coração. Billy Graham descreve a batalha espiritual que é travada.
Vivemos em um perpétuo campo de batalha – a grande Guerra das Eras continua a ser travada. As linhas de combate pressionam cada vez mais fortemente contra o próprio povo de Deus. As guerras entre as nações são meramente brincadeiras com armas de plástico em comparação com a ferocidade da batalha no mundo espiritual invisível. Este conflito espiritual invisível é travado ao nosso redor incessante e persistentemente. Onde o Senhor age, as forças de Satanás atrapalham; onde os anjos realizam as ordens divinas, os diabos se enfurecem. Tudo isso acontece porque os poderes das trevas pressionam seu contra-ataque para retomar o terreno que é mantido para a glória de Deus.
Neste estudo desejo falar sobre os três inimigos que estão sempre a nossa volta: Satanás, o mundo e nós mesmo, ou seja, as concupiscências da carne. Para o cristão ser bem sucedido espiritualmente, vitorioso e uma vida repleta de bênçãos, precisa conhece-los e para saber como vence-los e também saber quais as armas da nossa milícia.

I. Batalha de fé
1ª Tm 6.12 Paulo diz: “Combate o bom combate da fé. Toma posse da vida eterna, para qual foste chamado...”.
A vida do servo de Deus, negativamente foge do continuamente da avareza, e segue continuamente os valores espirituais. Em todas as circunstancias, defende a fé, isto é, combate o bom combate. O combate do cristão nesta vida é intensivo, isto é, estamos sempre na batalha.

II. Requer completa consagração
1ª Tm 2.4-5 “Nenhum soldado em serviço se envolva em negócios desta vida, porque o seu objetivo é satisfazer aquele que o arregimentou. 5 Igualmente, o atleta não é coroado se não lutar segundo as normas”.
Paulo faz uma comparação a um soldado militar. O soldado em serviço deve sempre estar em prontidão, pronto para guerra, assim deve ser o soldado de Cristo; Pronto para o combate. O soldado de Cristo que está alistado para esta guerra, jamais deve se envolver com os negócios desta vida, pois qualquer embaraçado pode ser presa fácil para o inimigo.

III. Os Inimigos são invisíveis
Ef 6.12 “Pois não temos de lutar contra a carne e o sangue, e, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os poderes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais da maldade nas regiões celestes”.
Satanás o anjo caído comanda nas regiões celestiais a classe de demônios, que atua sobre a humanidade, para destruir a criação de Deus. Não enxergados, mas sentimos a sua opressão no mundo, e o efeito do seu trabalho, por isso dizemos que são invisíveis.

IV. Quais são as armas da nossa luta
2ª Co 10.4 Paulo diz: “Porque a s armas de nossa milícia não são carnais, e sim poderosas em Deus para destruir fortalezas”.
Armas poderosas”: Que armas são estas? São armas espirituais que usamos no combate: (Oração, louvor e a Palavra de Deus que é a Espada do Espírito).
As armas contaminadas com o mal são incapazes de combater o pecado ou conquistar almas para Cristo. Para a igreja de Efésios o apóstolo Paulo ensina a usar as armas espirituais dizendo:
“Estai, pois, firmes cingindo-vos com a verdade e vestindo-vos a couraça da justiça. Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz. Embraçando sempre o escudo a fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno. Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito; Com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos” (Ef 6.14-18).
O cristão não precisa dos armamentos bélicos para esta guerra, pois é uma guerra espiritual e as armas são espirituais.

V. O cristão é um soldado em combate
1ª Tm 1.18 Paulo diz: “Esta instrução te dou, meu filho Timóteo, que, segundo as profecias que houve de ti, por elas combatas o bom combate”.
Para alcançarmos as vitórias e por fim a vida eterna, o cristão precisa se alistar neste exército e partir para a luta, sem olhar para traz. Combater é lutar, partir para cima do inimigo sem vacilar, pois, qualquer descuido o cristão podem perder a batalha.

VI. Qual o propósito desta luta
1. Para resistir o dia mau - Ef 6.13: Paulo diz: Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois se terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis".”
2. Para receber a coroa da vida eterna - 2ª Tm 4.7-8: “Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé. 8 Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, o reto Juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda”.

Conclusão. Enquanto estivermos nesta vida terrena estaremos sempre lutando. Mas, graças a Deus que nessa batalha contra o poder das trevas já temos a vitória garantida. O inimigo de Deus já foi derrotado e está aguardando o juízo final, quando Cristo triunfalmente voltará para buscar sua igreja. Enquanto o aguardamos, marchemos firmemente ao encontro do Senhor, semeando Sua Palavra que transforma vida. Amém.
Existem muitas vagas nesse exército, para todo o tipo de trabalho. E você que já se alistou não pare, mas continue firme para receber as promessas de Deus. Façamos como Paulo disse: “Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé” (1ª Tm 4.7). 

O PRIMEIRO INIMIGO DO HOMEM - NOSSA CARNE


Introdução: O primeiro inimigo e o mais feroz, somos nós mesmos. Devemos saber que a nossa carne é nosso inimigo número um, pois é terrena e procura as coisas terrenas, ou seja, carnais. O cristão deve lutar e ter o domínio sobre o corpo, para ele não fazer o que quer.

i. Batalha interior

Rm 7.23 Paulo diz: “Mas vejo, nos meus membros, outra lei que, guerreando contra a lei da minha mente, me faz prisioneiro da lei do pecado que está nos meus membros”.
O cristão vive em dois mundos ao mesmo tempo. A carne “milita” contra o Espírito, e o Espírito contra a carne, porque são opostos entre si (cf. Gl 5.17). O espírito procura levar o homem para as coisas espirituais, ou seja, para as coisas de Deus, e a carne para as coisas terrena, ou seja, do pecado.
A vitória contra este inimigo, (o pecado que reside em nós), não vem sem luta, ou num minuto; É uma luta serrada. O cristão que deseja entrar no céu deve lutar e vencer suas paixões carnais. Mas somente a graça de nosso Senhor Jesus é que garante-nos a vitória.
O cristão deve saber, que: A autoridade que domina e governa o corpo não é mais a lei, nem a carne, nem o pecado, mas a lei do Espírito.

ii. OBRAS DA carne
A maior batalha que o cristão enfrenta é contra ele mesmo, por isso Paulo diz em Gl 5.16-17: “Digo, porém: andai no Espírito e jamais satisfazeis as concupiscências da carne. 17 Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque são opostos entre si; para que não façais o que, porventura, seja do vosso querer.
Andar no Espírito é seguir a vida do Espírito Santo (cf. Rm 8.13-14). Antes da conversão, o homem é carne que naturalmente satisfaz os desejos do coração dominado pelo pecado. Mas quando o Espírito entra e habita no coração, ele luta contra esses apetites, produzindo em seu lugar o novo fruto que é, nada mais, nada menos, que as qualidades e atributos de Cristo.
Na carta aos Rm 8.5 Paulo diz: “Os que são segundo a carne inclinam para as coisas da carne: mas os que são segundo o Espírito para as coisas do Espírito”.
Na carne, não refere à substância física, mas a “aquilo a que estávamos sujeitos”. É a esfera onde o poder do pecado e o diabo controla, onde as obras da carne são praticadas (Gl 5.19-21).
Depois da morte e ressurreição de Cristo existem somente duas esferas: “a carne” e “o Espírito”. É impossível morar nos dois lugares ao mesmo tempo; Andamos na carne ou no Espírito. Olhando para a Bíblia aos Rm 8.9 o apóstolo Paulo diz: “Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se de fato, o Espírito de Deus habita em vós. E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele”.
Se andarmos no Espírito somos de Deus, se andamos na carne seremos condenado eternamente por Deus. Lembre que a escolha é sua.

1. Concupiscência da carne. Concupiscência é o desejo carnal, ou seja, uma cobiça, ou atração. 1ª Jo 2.16-17: “Porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas procede do mundo”.
“Carne” (no grego sarx) é a natureza pecaminosa com seus desejos corruptos, a qual continua no cristão após a sua conversão, sendo seu inimigo mortal.
1.2. Homens e mulheres têm concupiscência. Eva tendo concupiscência nos olhos comeu do fruto proibido por Deus, e após ter comido também deu para seu marido.
Gn 3.6: “Vendo a mulher que a árvore era boa para comer, agradável aos lhos e árvore desejável para dar entendimento, tomou-lhe do fruto e comeu e deu também ao marido, e ele comeu”.
Eva e Adão foram atraídos pela concupiscência da carne e seduzidos pela serpente (Satanás), não tiveram o domínio próprio e ambos comeram, desobedecendo assim a ordem de Deus que “não comessem da árvore da ciência do bem e do mal”.

2. Frutos da carne - Gl 5.19-21: “As obras da carne são conhecidas, as quais são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, ciúmes, iras pelejas, dissensões, facções, invejas, bebedices, orgias, e coisa semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos preveni, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus”.
“Carne” (gr. sarx) é a natureza pecaminosa com os seus desejos corruptos, a qual continua no cristão após a sua conversão, sendo seu inimigo mortal (Rm 8.6-8,13; Gl 5.17-21). Aquele s que praticam as obras da carne não poderão herdar o reino de Deus (5.21) Por isso, essa natureza carnal pecaminosa precisa ser resistida e mortificada numa guerra espiritual contínua, que o crente trava através do poder do Espírito Santo (Rm 8.14; ver Gl 5.17 nota). As obras da carne (5-19-21) incluem:

Obras de nível moral.
Prostituição. Vem da palavra grega “Πορνεία” porneia e designa todos os tipos de relações sexuais ilícitas fora do casamento biblicamente válido. Não se refere apenas ao comércio do corpo, mas a qualquer prática sexual ilícita, inconveniente. Imoralidade sexual de todas as formas, homossexualidade, bestialidade, pedofilia, isso inclui também filmes e revistas pornográficas.
O propósito do inimigo é sujar o nosso corpo porque devemos ser o “templo do Espírito” (1ª Co 3.16). Por isso sabemos que devemos: “fugi da impureza. Qualquer outro pecado que uma pessoa cometer é fora do corpo; mas aquele que pratica a imoralidade peca contra o próprio corpo” (1ª Coríntios 6.18). A lascívia é um desejo indecente e ilícito.

Impureza. Vem da palavra grega akatharsia e indica uma contaminação geral da pessoa inteira, maculando todas as esferas da vida. Pecados sexuais, atos pecaminosos e vícios, inclusive maus pensamentos, pronuncias de palavrão e desejos do coração (Ef 5.3; Cl 3.5).

Lascívia. Vem da palavra grega aselgeia - denota o pecado tão aberto e atrevido que deixa de ter a mínima consideração por aquilo que alguém possa pensar, sentir ou dizer. William Barclay diz que Aselgeia indica um amor ao pecado tão desenfreado e tão audaz que o homem deixou de importar-se com aquilo que Deus ou os homens pensam a respeito das suas ações. Um homem, diz ele, pode ser viciado em pornografia (porneia), pode ser akathartos, impuro, sujo, e esconder o seu pecado, porque a opinião e a decência públicas ainda têm algum domínio sobre ele; mas o homem não se torna aselges (o adjetivo) até que choque a decência pública. Conforme John lightfoot entende, a essência de aselgeia é que chegou a uma etapa do pecado que a pessoa não faz o mínimo esforço para ocultar ou mascarar o seu pecado; é o pecador que perdeu toda a vergonha. Lascivo, portanto, como disse Barclay, é uma pessoa que já perdeu aquilo que deveria ser sua melhor defesa — seu respeito-próprio, e seu senso de vergonha.
Sensualidade. É a pessoa seguir suas próprias paixões e maus desejos a ponto de perder a vergonha e a decência.

Obras de nível espiritual.
Idolatria. Essa palavra vem do grego eidolon, “ídolo”, e latreuein, “adorar”. Esse termo refere-se à adoração ou veneração a pessoas ou ídolos ou imagens, a adoração de espíritos, instituição ou objeto como se tivesse autoridade igual ou maior que Deus e sua Palavra (Cl 3.5). É adorar a criatura em vez do Criador
É também a confiança numa pessoa, quando usado em seu sentido primário. Porém, em um sentido mais lato, pode indicar a veneração ou adoração a qualquer objeto, pessoa, instituição, ambição etc, que tome o lugar de Deus, ou que lhe diminua a honra que lhe devemos. Assim, idolatria consiste na adoração a algum falso deus, ou a prestação de honras divinas ao mesmo. Esse deus falso pode ser representado por algum objeto ou imagem. A idolatria é má porque seus devotos, em vez de depositarem sua confiança em Deus, depositam-na em algum objeto, de onde não pode provir o bem desejado; e, em vez de se submeterem a Deus, em algum sentido submetem-se à valores representados por aquela imagem.
A religiosidade do mundo se apega a coisas palpáveis, mas a verdadeira fé acredita no que é invisível (Hebreus 11.1). A Palavra de Deus revela que Deus não aceita a idolatria nem a feitiçaria (Apocalipse 21.8 e 22.15).

Feitiçaria. Essa palavra vem do grego farmakeia que significa feitiçaria e bruxaria. É usada, por exemplo, repetidas vezes para os feiticeiros e mágicos egípcios que competiam com Moisés quando Faraó não queria deixar Israel ir (Êx 7.11, 22; 8.18; Sab. 7.12; 18.13); a magia, bruxaria e feitiçaria são pecados por causa dos quais Isaías prediz a destruição da Babilônia pela ira de Deus (Is 47.9, 12).
Feitiçaria é adoração de demônios. É o envolvimento com espiritismo, macumba, magia negra.
A feitiçaria também é praticada de muitas maneiras, como forma de desejar o mal ao próximo e manipular pessoas através de recursos espirituais como simpatias e feitiços, coisas abomináveis a Deus (Dt 18.10).
A idolatria está presente em quase todas as culturas, onde as pessoas fabricam imagens de escultura para adorar como seus deuses (Êx 20.4).

Obras de nível temperamental.
Inimizades. Essa palavra vem do grego echthra e significa inimizades. Intenções internas, contendas e ações fortemente hostis; antipatia e inimizade extremas.

Porfias. Vem do vocábulo grego “eris”, que significa desavença, contenda, brigas, oposição, luta por superioridade (Rm 1.29; 1Co 1.11; 3.3). A pessoa que tem prazer em contendas, nunca está errada e pior, não fica satisfeita até causar a desordem.
2ª Tm 2.24: “E ao servo do Senhor não convém contender, mas sim, ser manso para com todos.”

Emulações. Vem do vocábulo grego zelos, que significa ciúmes, ressentimento, inveja amarga do sucesso dos outros (Rm 13.13; 1Co 3.3).

Iras. Vem do vocábulo grego thumos e significa ira ou fúria explosiva que irrompe através de palavras e ações violentas (Cl 3.8).

Obras de nível relacional.
Pelejas. Essa palavra vem do grego eritheia que significa ambição egoísta e a cobiça do poder (2Co 12.20; Fp 1.16,17).
Discórdia. Esta palavra vem do grego “dichostasia” e significa desarmonia; discordância; desavença; desordem; luta; desinteligência.
A palavra usada para peleja é “eritheiai” que significa discórdia. No grego trata-se de uma das formas pela qual se manifesta o egoísmo.
A luta pelo poder é algo bastante comum entre as pessoas neste mundo cheio de orgulho e soberba.
Apesar de ser comum, o cristão não deve ser levado por essa busca ambiciosa; É triste perceber que muitos se envolvem nesta luta, e, pior ainda, é encontrar este sentimento dentro da igreja, no que se refere a posições, serviços e ministérios. Jesus já afirmava em certa ocasião, quando os apóstolos “ensaiaram” uma disputa entre eles, que no reino de Deus as coisas não deviam ser assim (Mateus 20:26-28).

Dissensões. Esta palavra vem do grego “dichostasiai”, e significa “sedições, levantes”. Podiam ser de qualquer tipo (políticos, sociais, etc.). No caso estudado trata-se de levantes dentro da igreja; rebeliões contra a autoridade pastoral ou de qualquer liderança estabelecida.
Escrevendo aos Romanos, Paulo recomendou que aquela igreja tivesse cuidado e se afastasse de pessoas que causam divisões, dissensões e rachas nas igrejas (Rm 16.17). Na igreja de Corinto havia quatro divisões ou grupos, a saber: os de Paulo, os de Apolo, os de Pedro e os de Cristo (1 Co 1.11-13). A existência dessas divisões era um sinal claro da carnalidade daquela igreja, conforme denunciou apóstolo Paulo em 1ª Co 3.1-9.

Heresias. Esta palavra vem do grego “hairesis” que significa introduzir ensino que contraria a doutrina bíblica.
A discórdia ou divisão ou dissensão é um pecado da carne que se refere ao espírito faccioso que, quando entra em ação, promove a divisão ou racha de um grupo em duas facções ou dois partidos rivais, o que enfraquece o grupo e prejudica a união. Porém, o crente nunca deve cometer esses pecados da carne, pois a Bíblia afirma: “Oh! Quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união!” (Sl 133.1).

Invejas. A palavra inveja, do hebraico qinah, do grego phthonos, e do latim invidere, pode ser entendida como uma tristeza, um ressentimento pela prosperidade e felicidade do próximo. O invejoso não deseja o lugar ou os bens do outro (cobiça), mas que o outro não seja bem sucedido em suas realizações e na vida. Antipatia ressentida contra outra pessoa que possui algo que não temos, mas queremos.
A inveja é resultado de mentes contenciosas e entorpecidas por heresias, que usam a piedade com fonte de lucro (1 Tm 6.3-5): O entorpecimento, a obsessão, o desejo egoísta dos falsos mestres fazem nascer inveja (gr. givetai phthonos, γινεται φθονος, (1ª Tm 6.3-5).

Homicídio. A palavra homicídio vem do latim “hominis excidium”, no grego phonos, e significa matar o próximo por perversidade e consiste no ato de uma pessoa matar outra. É tido como um crime universal, sendo punido em praticamente todas as culturas.
Os pecados de inimizades, iras e homicídios são graves e típicos de uma vida não regenerada e inclinada para as coisas da carne (Rm 8.1-2,5-6,8; Gl 5.16-26; Cl 3.1-11). Esses pecados implicam na perda da comunhão com Deus e levam seus praticantes à condenação eterna (Mt 5.21-26; Gl 5.19-21; 1 Jo 2.9-11; 3.14-16; Ap 21.8; 22.15). A solução para isto é produzirmos o fruto do Espírito (Gl 5.22-26) e seguirmos a seguinte recomendação bíblica: “Portanto, como povo escolhido de Deus, santo e amado, revistam-se de profunda compaixão, bondade, humildade, mansidão e paciência. Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Perdoem como o Senhor lhes perdoou” (Cl 3.12-13 – NVI).

Obras de nível físico.
Bebedices. A palavra embriagues vem do grego methe que significa descontrole das faculdades físicas e mentais por meio de bebida embriagante.

Glutonaria. A palavra glutonaria vem do grego komos e significa comilão; guloso; diversões, festas com comida e bebida de modo extravagante e desenfreado, envolvendo drogas, sexo e coisas semelhantes.
A gulodice também é um descontrole que prejudica a saúde. Não podemos nos permitir ser dominados por nada (1ª Coríntios 6.12), mas devemos buscar o fruto espiritual do “domínio próprio” (Gálatas 5.23).
O primeiro pecado do ser humano foi com relação a algo para comer (Gênesis 3.6). A embriaguez tira grande parte da capacidade da pessoa e por isso não agrada a Deus.
Podemos concluir com as palavras de Paulo: “coisas semelhantes a estas...”.
As obras da carne podem ser resumidas em tudo que é operado pela nossa natureza carnal. Outras coisas semelhantes são os vícios, as mentiras, a desonestidade, a violência, o roubo, a preguiça, etc.
O restante do versículo 23 traz algumas informações importantes:
O quê: “a respeito das quais eu vos declaro”, as coisas já referidas na listagem de obras da carne.
Quando: “como já, outrora vos preveni”, fomos avisados antecipadamente para saber o que é pecado.
Por quê: “não herdarão o Reino de Deus”, estas coisas não agradam ao Senhor.
Quem: “os que tais coisas praticam”, pessoas que planejam premeditadamente o pecado.

Precisamos entender que tanto podemos alimentar nossa carne como fortalecer o espírito para que possamos vencer as obras carnais (Marcos 14.28).
“Bebedices” (grego:

III. O que devo fazer para vencer a carne?

1. Crucificar a Carne - Gl 2.20 Paulo diz: “Estou crucificado com Cristo, e já não vivo, mas Cristo vive em mim. A vida que agira vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim”. Gl 5.24,25 “E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne com suas paixões e concupiscências. 25 Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito”. 1ª Pe 4.2 “Para que, no tempo que vos resta na carne, já não vivais de acordo com as paixões dos homens, mas segundo a vontade de Deus”.
Crucificar a carne significa deixar as obras da carne e viver segundo os parâmetros da Palavra de Deus. O cristão que deseja entrar no céu deve crucificar a sua carne, ou seja, ela não tem domínio sobre ele. O cristão está livre da lei do pecado, mas controlado pelo Espírito.

2. Buscar os frutos do Espírito: G1 5.22-23: “Mas os frutos do Espírito são: amor alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio.  Contra essas coisas não há lei”.

3. O cristão crucificado está morto para o pecado: Rm 6.1-14: “Que diremos. Pois? Permanecemos no pecado, para que a graça mais abunde? 2 De modo nenhum! Como vivemos ainda no pecado, nós os que para ele moremos? 3 Ou, porventura, ignorais que todos nós que fomos batizados em Cristo Jesus fomos batizados na Sua morte? 4 Fomos, pois, sepultados com Ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida. 6 Sabendo isto: que foi crucificado com Ele o nosso velho homem, para que o corpo do pecado seja destruído, e não sirvamos o pecado como escravos. 7 Porquanto quem morreu está justificado do pecado. 8 Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também com Ele viveremos. 10 Pois, quanto a ter morrido, de uma vez para sempre morreu para o pecado, mas quanto a viver, vive para Deus. 11 Assim também vós considerai-vos mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus. 12 Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, de maneira que obedeçais às suas paixões. 13 Nem ofereçais cada um os membros do seu corpo ao pecado, como instrumentos de iniqüidade; mas oferecei-vos a Deus, como ressurretos dentre os mortos, e os vossos membros, a Deus, como instrumento de justiça. 14 Porque o pecado não terá domínio sobre vós; pois não estais debaixo da lei, e sim da graça”.
O batismo simboliza os atos redentores de Cristo; imersão-morte; submersão sepultamento; emersão-ressurreição. Porém, todos estes atos precisam ser atualizados na vida mortal e espiritual do cristão.
O velho homem, ou seja, o homem que éramos antes foi crucificado na cruz de Cristo (Gl 2.20), isto é, já esta morto. O corpo do pecado significa a “carne”, a natureza não regenerada da velha solidariedade com Adão.

Conclusão: A Bíblia diz que: “A inclinação da carne é a morte, mas a inclinação do Espírito é vida e paz. Pois se viverdes segundo a carne morrereis; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis” (Rm 8.6-13).
Deus criou o homem e deu a ele o livre arbítrio. Portanto temos a livre escolha. Se vivermos segundo a carne sofreremos a condenação eterna, e se andarmos segundo o Espírito, receberemos a vida eterna com Deus. Somente em Cristo poderemos ter segurança, é por isso que Paulo diz em Rm 8.1: “Nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito”.

O SEGUNDO INIMIGO DO HOMEM - O MUNDO

 
1ª João 2.15 “Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele.”

Introdução: O segundo inimigo do cristão é o mundo. O cristão que se converte a Jesus sai do mundo, ou seja, fica desligado do mundo, torna-se inimigo do mundo e de seus prazeres. O mundo é o campo onde satanás usa para nos tentar.

I. DEFININDO O TERMO “MUNDO”
Ao estudarmos o tema mundo, é muito importante que entendamos os vários usos dessa palavra na Bíblia. Há, pelo menos, três usos principais.

1. O universo.
Este é o mundo bonito criado por Deus – “O Deus que fez o mundo e tudo o que nele existe” (At 17.24). “O Verbo (Jesus) estava no mundo, o mundo foi feito por intermédio dele” (Jo 1.10).

2. Todos os seres humanos.
Sendo o homem a parte mais importante do universo, a palavra “mundo” é mais usada para significar “a humanidade”. Foi este mundo de homens e mulheres de carne e sangue que “Deus amou” (Jo 3.16) e para o qual “enviou seu filho” … “para que o mundo creia…” (Jo 17.21).
.
3. O mundo em oposição a Deus
O mundo que Deus criou para refletir a Sua glória está em rebelião contra Deus; pelo pecado de um só homem, o pecado entrou no mundo com as suas consequências desastrosas. Agora é um mundo desordenado – confuso – e licencioso que jaz no Maligno (1ª Jo 5.19). Por causa disso, no Novo Testamento, frequentemente a palavra mundo (kosmos) tem um significado sinistro. É dito que Paulo recebeu uma revelação especial a respeito da Igreja, enquanto o evangelista João recebeu uma revelação especial a respeito da natureza do mundo. Kosmos é uma palavra peculiar de João, que a emprega 105 vezes nos seus escritos.

I. O mundo nos odeia
Devemos saber que Satanás usa o mundo para nos odiar. No Evangelho de Jesus segundo Jo 16.33 Jesus diz: “... No mundo tereis aflições; mas tende bom animo; eu venci o mundo”. E em 1ª Jo 3.13 está escrito: “Irmãos, não vos maravilheis se o mundo vos odeia”. Em Jo 17.14 Jesus diz: “Eu tenho dado a Tua Palavra, e o mundo os odiou, porque eles não são do mundo, como Eu não Sou”.
O mundo refere-se á pessoas que Satanás usa contra os cristãos, ou seja, para abalar a fé do cristão, para entristecer e ferir o cristão.

II. Jesus nos tirou do mundo
Jo 17.9 Jesus diz: “É por eles que Eu rogo; não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são Teus”. Jo 15.19 “Se vós fosseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; como, todavia, não sois do mundo, pelo contrário, dele vos escolhi, por isso, o mundo vos odeia”.
Em primeiro lugar Jesus nos tirou do mundo, e segundo lugar Ele tira o mundo de nós, ou seja, as obras carnais. Jesus intercede pelos crentes que não são do mundo, que se converteram a Ele.
O mundo nos odeia porque Jesus nos tirou dele (reino de Satanás) e nos transportou para o Reino da Sua luz.

III. Não devemos amar o mundo
Em 1ª Jo 2.15 diz: “Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele”.
Não ameis o mundo: O apóstolo do amor nos mostra que não devemos estar ligados com o mundo; E nem receber as glórias que o mundo nos oferece. Se estivermos ligados com mundo o amor de Deus não está em nós, pois não devemos servir a dois senhores. Se servirmos um aborrecemos o outro.

IV. Os homens do mundo são nossos adversários
No Sl 38.19-20 diz o salmista: “Mas meus inimigos são vigorosos e fortes, e são muitos os que sem causa me odeiam. 20 Da mesma sorte, os que pagam o mal pelo bem são meus adversários, porque eu sigo o que é bom”. E em Jo 15.20-21 Jesus diz: “Lembrai-vos da palavra que eu vos disse: não é o servo maior do que seu Senhor. Se me perseguiram a mim, também perseguirão a vós outros. 21 Tudo isto, porém, vos farão por causa do meu nome, porquanto não conhecem aquele que me enviou”.
O mundo também se refere aos homens ímpios que odeiam os crentes em Jesus. Se odiaram a Jesus e os mataram também nos odiaram, é o que Jesus está nos dizendo. Estamos cercados de inimigos; por todos os lados, mas devemos saber que está peleja não é nossa, mas do Senhor Jesus o Filho de Deus aquele que venceu todas as coisas. Amem!

V. Torcem nossas palavras e seguem nossos passos
Sl 56.5-6 “Todo o dia torcem as minhas palavras; os seus pensamentos são todos contra mim para o mal. 6 Ajuntam-se, escondem-se, espionam os meus passos, como aguardando a hora de me darem cabo da vida”.
Davi era um homem segundo o coração de Deus, e também sofria perseguições. Torciam suas palavras, armavam laço para tirar sua vida. Podemos notar que os inimigos que Davi enfrentava, também nós enfrentamos hoje.
Satanás usa homens ímpios como arma contra os cristãos, para desvanecer a nossa fé.

VI. Saiba que em Jesus temos a vitória
Jo 16.33 Jesus diz: “no mundo tereis aflições; mas tende bom animo; eu venci o mundo”. E Mt 28.18 Jesus diz: “Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra”.
Jesus é o nosso General e comandante, pois Ele venceu Satanás, a morte, o inferno. Ele está à destra de Deus para nos socorrer na hora da luta e do perigo.

VII. Jesus prepara uma mesa perante os nossos inimigos
Sl 23.5 “Preparas-me uma mesa na presença dos meus adversários, unges-me a cabeça com óleo; o meu cálice transborda”.
A mesa que Deus tem preparado para você, é a mesa da prosperidade, saúde, alegria, paz, da salvação etc.. Precisamos confiar no Senhor e esperar na Sua promessa. Davi sabia que o senhor estava com ele quando escreveu o Salmo 23 “O Senhor é meu Pastor e nada me faltará. Ele me faz repousar em pastos verdejantes. Refrigera a minha alma. Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome. Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo; o teu bordão e o teu cajado me consolam. Preparas-me uma mesa na presença dos meus adversários, unges-me a cabeça com óleo; o meu cálice trasborda. Bondade e misericórdia certamente me seguiram todos os dias da minha vida; e habitarei na casa do Senhor para todo o sempre”.

Conclusão: O problema com o mundo é que ele atrai e seduz. Ele desobedece a Deus, não O ama, é inimigo do Senhor, nos afasta Dele e leva ao inferno.
Em meio a uma luta espiritual devemos lembrar das palavras do apóstolo Paulo: “Se Deus é por nós quem será contra nós?” A nossa vitória está no nome de Jesus. Nesse nome Satanás e seus adeptos têm que bater em retirada. Amem!
Devemos clamar com confiança em nome de Jesus e Ele é poderoso para nos socorrer.


O TERCEIRO INIMIGO DO HOMEM - SATANÁS

Introdução: Vamos conhecer agora o terceiro inimigo do homem, que se chama Satanás. Existem pessoas que tem em si, uma pergunta, e buscam a resposta. Essa pergunta é: Como surgiu Satanás e os demônios? Neste tópico veremos como surgiu Satanás, que faz, quem é, o que pode, e os nomes e títulos de Satanás, como satanás atua, sete armas contra satanás e as sete debilidades de satanás.

I. COMO SURGIU SATANÁS?
1. Deus criou a terra.
Gn 1.1 “No princípio criou Deus os céus e a terra”. Deus é o criador de todas as coisas, visível e invisível, Ele criou os anjos arcanjos, querubins e serafim. Tudo é obra de Suas mãos.

2. Deus não fez a terra vazia, mas criou para ser habitada.
Is 45.18 “Porque assim diz o Senhor que tem criado os céus, Ele é Deus; foi Ele que formou a terra, e a fez, Ele a estabeleceu; Ele não a criou para ser vazia, mas a formou para que fosse habitada. Diz Ele! Eu sou o Senhor e não há outro”.
A maioria dos teólogos concorda que Lúcifer (anjo de luz), habitava na terra antes da criação do homem. A terra era diferente da qual vivemos hoje. Após o pecado de Lúcifer, Deus transformou esta terra e ela ficou sem forma e vazia uma terra caótica.

3. Satanás era um querubim ungido.
Querubim (do Hebraico כרוב – “keruv” ou do plural כרובים - keruvim) é uma criatura sobrenatural, espiritual, mencionada várias vezes no Tanakh (ou o Antigo Testamento), em livros apócrifos e em muitos escritos judaicos.
No livro do profeta Ezequiel ele diz: “Tu eras querubim ungido para proteger, e te estabeleci”. (Ez 28.14).
Lúcifer era o protetor da terra. Habitava nela antes da criação do homem.

4. Era perfeito e cheio de sabedoria.
Ez 28.12b-15 “Tu és o selo da perfeição, cheio de sabedoria e perfeito em formosura. 15 Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia que foste criado”.

5. Estava no Éden e era coberto de pedras preciosas.
Ez 28.13, 16 “Estavas no Éden, jardim de Deus, e usava pedras preciosas de todo o tipo: o sardônio, o topázio, o berilo, o diamante, a turquesa, o ônix, o jaspe, a safira, o carbúnculo, a esmeralda. Você tinha jóias de ouro que foram feitas para você no dia em que foste criado". 16b “... ó querubim da guarda, em meio ao brilho das pedras”.
Estava no Éden aqui se refere ao paraíso. A terra onde Lúcifer habitava era adornada de pedras preciosas e ouro. A Bíblia mostra a glória que o querubim Lúcifer possuía, antes de sua queda; guardava a presença de Deus, vivendo no brilho das pedras, ou seja, no meio do fulgor de relâmpagos que para Deus serve como pavimento.

6. O pecado de lúcifer. Orgulhou-se por causa da sua formosura. Ez 28.17 diz: “Elevou-se o teu coração por causa da tua beleza.” Ez 28.2 b. “No orgulho do teu coração, tu dizes: Eu sou Deus, sobre a cadeira de Deus me assento.”
Por causa da sua grandeza orgulhou seu coração e quis ser igual a Deus. O poder, a riqueza e a sabedoria perdem seu valor quando se misturam com a soberba; é como tomada elétrica desligada da força. Até mesmo um arcanjo que se desliga do contado amoroso de Deus nada mais faz com seus poderes sobrenaturais senão arruinar os homens e decretar sua própria e eterna destruição.

7. Sua cobiça.
Is 14.13-14 está escrito: “Tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono; e no monte da congregação me assentarei. Subirei acima das mais altas nuvens; serei semelhante ao Altíssimo”
O orgulho e a cobiça entraram no coração de Lúcifer, a ponto de igualar a um deus. Qualquer criatura quer seja visível ou invisível que se coloca no lugar de Deus, perde a comunhão com Ele e por fim recebe a condenação eterna.

8. Sua queda.
A soberba de Lúcifer fez com que Deus expulsasse do Jardim do Éden. Lúcifer querendo elevar-se acima do seu nível, foi precipitado à destruição.
“Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filho da alva! Como foste lançado por terra, tu que debilitavas as nações! Mas você será jogado no mundo dos mortos, ao mais profundo abismo” (Is 14.12, 15).
Não se deixará de perceber aqui uma aplicação a Satanás que, ao se exaltar contra Deus, foi rebaixado até o inferno. Estrela da manhã, no heb. hêlel, “glorioso”, “luzente”, que alguns interpretam como nome próprio. “Lúcifer”, o assim considerado nome original do diabo.
Não só Lúcifer, mas muitos homens têm caído pelo orgulho e a cobiça. Deus abomina o pretensioso, mas exalta o humilde.

9. Levou junto a terça parte dos anjos.
No livro de Ap 12.4, 7-9 diz: “Com a cauda ele arrastou do céu a terça parte das estrelas e a jogou sobre a terra. 7 E houve guerra no céu: Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão e os seus anjos. 8 Mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar achou nos céus. 9 E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e satanás, que engana a todo mundo. Ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele”.

10. Deus transformou a terra em caos, para que Satanás não mais habitasse nela.
Gn 1.2 diz: “E a terra que era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo.”
Não temos palavra para explicar a beleza que era a primeira terra. Mas após o pecado de Lúcifer Deus transformou esta terra em um caos, ou seja, sem forma e vazia. Tudo que havia de vida animal morreu e a terra ficou coberta de água, até a criação do homem.
Hoje quando o homem encontra fossas de animais pré-históco, os cientistas dizem: Este animal tem cinquenta milhões de anos; e muitos têm me perguntado como pode. Sim estes animais habitavam aqui quando Lúcifer habitava na terra perfeita. A terra que Lúcifer habitava era diferente da qual nos habitamos hoje. Para o ser humano Deus o recriou.

11. Lúcifer ficou sem moradia e passou a viver no ar.
Ef 2.2 diz: “Nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que, agora, opera nos filhos da desobediência.”

12. Hierarquia demoníaca.
Ef 6.12 Paulo diz: “Porque não temos que lutar contra a carne e sangue, mas sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.”

13. O inferno está preparado para o diabo e suas hostes.
Em Mt 25.41 Jesus diz: “Então, dirá também aos que estiverem a sua esquerda; apartai-vos de Mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos.”

14. Satanás já está julgado.
Jo 16.11 Jesus diz: “... porque o príncipe deste mundo já está julgado.”
O justo juiz já que venceu todas as coisas já tem julgado o inimigo do homem e de Deus. Não há nenhuma oportunidade de salvação para o diabo, pois ele pecou sem ser tentado, mas o homem pecou porque foi tentado e por isso Deus tem dado oportunidade de salvação, mas o diabo não tem este privilegio é por isso que ele engana a humanidade com sua astúcia e luta contra todos.

II. A CRIAÇÃO DO HOMEM
1. Satanás viu Deus criar o homem.
Gn 2.7: “E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou lhe nas narinas o fôlego da vida, e o homem tornou-se alma vivente”.
A partir do verso dois de Gêneses, Deus recria a Terra para habitação do homem. Note que Deus criou todas as coisas, mas os metais Deus não criou! Por quê? Porque metais não se deteriora debaixo da água. Após ter criado os animais pelo poder de Sua Palavra, Ele cria o homem do pó da terra, com sua imagem e semelhança, fazendo um boneco de barro e soprando em suas narinas o fôlego de vida.

2. Satanás viu Deus criar o jardim para o homem.
Gn 2.8: “E plantou o Senhor Deus um jardim no Éden, da banda do oriente, e pôs ali o homem que tinha formado.”
Satanás não se conformou em ficar sem a sua antiga moradia, procurou tirar de lá os seus moradores (o homem), através da astúcia.
Gn 3.1-6, 13 e 14 diz: “Ora, a serpente era o mais astuto de todo os animais do campo que o Senhor Deus tinha feito. E esta disse à mulher: É assim que Deus disse: Não comereis de toda a árvore do jardim? 2 Respondeu a mulher à serpente: do fruto da árvore do jardim podemos comer 3 Mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: não comereis dele, nem nele tocareis, para que não morrais. 4 Então a serpente disse à mulher: certamente não morrereis. 5 Porque Deus sabe que no dia em que comerdes deste fruto, se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, conhecendo o bem e o mal. 6 Vendo a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento, tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, que estava com ela, ele comeu. 13 E disse o senhor Deus à mulher: porque fizeste isso? E disse a mulher: a serpente me enganou, e eu comi. 14- Disse, pois, o Senhor Deus a serpente: Porque fizeste isto, maldita és entre todos os animais domésticos, e entre todos os animais do campo; sobre teu ventre andarás, e pó comerás todos os dias da tua vida”.
Satanás induziu o homem a desobedecer á Deus, e tornou-se inimigo de Deus, e também do homem, e não quer que ninguém seja feliz.
Deus criou o homem para viver eternamente, mas por causa do pecado da desobediência ele perdeu esse direito, e passou a ser um mortal. Mesmo assim Deus enviou o Seu Filho Unigênito para resgatar o homem e dar a vida eterna.
A glória que Lúcifer possuía e o paraíso que habitava, Deus têm preparado para o homem que for fiel a Sua Palavra. É por isso que Satanás tem lutado dia e noite para que eu e você não venhamos receber essa glória e a vida eterna com Jesus Cristo nosso salvador.
Sabemos que ele já está julgado e em breve levado ao inferno, não há salvação para ele, pois ele pecou sem ser tentado, mas o homem pecou porque foi tentado, por isso existe perdão para os que se arrependem. Para habitarmos no paraíso com Deus devemos ser fiéis até o fim.

III. QUE SATANÁS FAZ NO PRESENTE
Satanás trabalha de muitas maneiras para enganar o homem, e levar junto para o inferno. É importante conhecermos este inimigo que tão de perto nos rodeia para nos tragar.

1. Vive a rodear a terra.
Jó 1.7 está escrito: “Então o Senhor disse a satanás: Donde vens? E satanás respondeu ao Senhor, e disse: de rodear a terra, e passear por ela.”

2. Incita o homem a pecar.
Mt 4.1-4 diz: “Então foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo. 2 E, tendo jejuado 40 dias e 40 noites, depois teve fome. 3 E, chegando-se a Ele o tentador, disse: Se tu és o Filho de Deus, mande que estas pedras se tornem em pães. 4 Ele porém respondendo, disse: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus.”
Nem o Filho de Deus ficou sem ser tentado pelo diabo. Todos os seres humanos também são tentados por ele; para provação da nossa fé.

3. Arma laços ao homem.
Sl 91.3 diz: “Porque Ele te livrará do laço do passarinheiro, e da peste perniciosa”. 2ª Tm 2.26 “E que se desprendam dos laços do diabo, por quem haviam sido presos, para cumprirem a vontade de Deus”.

4. Cega o entendimento dos incrédulos.
2ª Co 4.4 Paulo diz: “Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que não lhes resplandeça a luz do Evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus.”

5. Coloca maus pensamentos nos homem.
Jo 13.2 Diz: “E, acabando a ceia, tendo já o diabo posto no coração de Judas Iscariotes, filho de Simão, que o traísse.”

6. Se apossa dos homens.
A Bíblia diz em Jo 13.21-27, que satanás apossou-se de Judas para trair Jesus. Mt 17.14, 15, 18 “Quando chegou a multidão, um homem aproximou-se de Jesus e ajoelhou-se, dizendo: 15 Senhor tem misericórdia de meu filho, que é epiléptico e sofre muito. Ele muitas vezes cai no fogo e na água. 18 Jesus repreendeu o demônio, e este saiu do menino, e desde àquela hora o menino ficou são.”
Os médiuns e Pai de santo são enganados pelo diabo, pois ele se apossa dos tais dizendo ser um espírito bom. Eu quero dizer aos leitores que Deus na pessoa do Espírito Santo a terceira pessoa da trindade jamais se apossa de alguém, mas Satanás com sua astúcia vive enganando as pessoas. Ele trabalha de uma forma astuta para enganar a humanidade.

6. Arrebata a boa semente.
Mc 4.15 “Na parábola do semeador Jesus referindo-se a semente que cai na beira do caminho diz: E os que estão junto do caminho são aqueles em quem a palavra é semeada, mas, tendo-a ele ouvido, vem logo Satanás e tira a palavra que foi semeada nos seus corações.”
A missão de Satanás é roubar matar roubar e destruir. Ele procura de uma maneira sutil roubar dos corações a Palavra de Deus que plantada.

8. Se transforma em anjo de luz para enganar.
2ª Co 11.14 Paulo diz: “... porque o próprio satanás se transfigura em anjo de luz.”

9. Molesta aos servos de Deus.
2ª Co 12.7 diz: “E, para que não me exaltasse pela excelência das revelações, foi me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de satanás para me esbofetear, a fim de não me exaltar.”

10. Põe obstáculos aos servos de Deus.
1ª Ts 2.18 diz: “Por isso quisemos ir ter convosco, pelo menos Eu, Paulo, não somente uma vez, mas duas, e satanás nos impediu.”

11. Domina o mundo.
1ª Jo 5.19 “Sabemos que somos de Deus, e que o mundo inteiro jaz no maligno.”
  

QUEM É SATANÁS



I. Um adversário
1ª Pe 5.8 diz: “Sede sóbrio, vigiai.  O vosso adversário, o diabo, anda em derredor, rugindo como leão, buscando a quem possa tragar.”

II. Um acusador
Ap 12.10 “Então ouvi uma grande voz no céu, que dizia: Agora está chegada a salvação, e a força, e o Reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo. Pois já o acusador de nossos irmãos foi lançado fora, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite”.

III. Um assassino
Jo 8.44 Jesus diz: “Vós pertenceis ao vosso pai, o diabo, e quereis executar o desejo dele. Ele foi homicida desde o princípio.”

IV. Um mentiroso
Jo 8.44b Jesus diz: “... e não se firmou na verdade, pois não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, pois é mentiroso, e pai da mentira”.

V. Um Pecador
1ª Jo 3.8 “Quem comete pecado é o diabo, porque o diabo peca desde o princípio. Para isto o Filho de Deus se manifestou: Para destruir as obras do diabo.”

VI. Um tentador
Mt 4.1-3 “Então Jesus foi levado pelo Espírito ao deserto para ser tentado pelo diabo. 2 Depois de passar 40 dias e 40 noites sem comer, teve fome. 3 O tentador chegou-se a Ele e disse: Se tu és o Filho de Deus, mande que essas pedras se transformem em pães.”

VII. Um ladrão e destruidor
Jo 10.10 Jesus diz: “O ladrão só vem para roubar, matar e destruir; Eu vim para que tenham vida, e tenham em abundância.”

VIII. Um Inimigo
Mt 13.25 Jesus diz na parábola do trigo e do joio: “Mas em quanto os homens dormiam, veio o seu inimigo, semeou o joio no meio do trigo e retirou-se.”

O QUE SATANÁS PODE


I. Induzir ao pecado
Jo 13.2 “Durante a ceia tendo já o diabo posto no coração de Judas Iscariotes, filho de Simão, que o traísse". Em At 5.3 Disse então Pedro: "Ananias, porque encheu satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo, retendo parte do preço da propriedade?”

II. Contender com os Cristãos
Ef 6.12 “Pois não temos de lutar contra a carne e o sangue, e sim, contra os principados, contra as potestades, contra os poderes desse mundo tenebroso, contra as forças espirituais da maldade nas regiões celestes.”

III. Inspirar falsos milagres
Ex 7.7-12 “Era Moisés da idade de oitenta anos, e Arão de oitenta e três, quando falaram a Faraó. 8 Disse o Senhor a Moisés e a Arão. 9 Quando o Faraó vos disser: Apresentai da vossa parte algum milagre, dirás a Arão: Toma a tua vara, e lança-a diante de Faraó, e ela se tornará em serpente. 10 Então Moisés e Arão foram ter com Faraó, e fizeram assim como o Senhor ordenara. Lançou a Arão a sua vara diante de Faraó e diante de seus oficiais, e ela se tornou em serpente. 11 Faraó então mandou vir os sábios e encantadores, e os magos do Egito também fizeram o mesmo com os seus encantamentos. 12 Cada um deles lançou a sua vara, e elas se tornaram em serpentes. Mas a vara de Arão tragou as varas deles.”
Vejamos que os magos, os sábios e encantadores também fizeram um milagre, ou seja, uma imitação, transformando as suas varas em serpentes; porém a vara de Moisés engoliu as outras. Isto mostra os falsos milagres que Satanás opera no meio feiticismo.
No Evangelho de Jesus segundo Mt 24.24 Jesus diz: “Surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganaria até os escolhidos.”
, 2ª Ts 2.9 Paulo diz: “A vinda de iníquo é segundo a eficácia de satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios da mentira.”

IV. Dominar os pecadores
At 26.17-18 “Eu te livrarei deste povo e dos gentios, a quem agora te envio. Para lhes abrir os olhos, e das trevas os converter à luz, e do poder de satanás a Deus, afim de que recebam remissão dos pecados e herança entre aquele que são santificados pela fé em Mim.”

V. Afligir os justos e causar enfermidades, mediante permissão de DeuS
Jó 1.12 diz o Senhor a satanás: “Muito bem, tudo que ele tem está no teu poder, mas somente contra ele não estendas a mão. Então satanás saiu da presença do Senhor.”
Jó 2.4-7 diz: Respondeu satanás ao Senhor: “Pele por pele! Tudo que o homem tem dará pela sua vida. 5 Mas estende a tua mão, e toca-lhe nos ossos e na carne, e ele certamente blasfemará de ti na tua face. 6 Disse o Senhor a satanás: Pois bem, ele está no teu poder; mas poupa-lhe a vida. 7 Então saiu satanás da presença do Senhor, e feriu a Jó de chagas malignas, desde a planta do pé até ao alto da cabeça.”
Satanás só pode afligir os justo mediante a permissão de Deus.

VI. Incorporar nas pessoas
Lc 9.42, 43 “Quando o menino vinha chegando, o demônio o derrubou e convulsionou. Porém Jesus repreendeu o espírito imundo, curou o menino e o entregou ao seu pai. 43 E todos ficaram admirados com a grandeza de Deus".”
Lc 13.16 “E não convinha soltar desta prisão, no dia de Sábado, esta filha de Abraão, a qual há 18 anos satanás tinha presa”?
Os demônios são enviados de Satanás, para enganar os homens. Eles trabalham em muitas entidades e com diversas maneiras.

VII. Opor-se aos justos
Zc 3.1 “Então ele me mostrou o sumo sacerdote Josué, o qual esta diante do Senhor, e satanás estava à sua mão direita, para se lhe opor.”

VIII. Caluniar os Cristãos
Jó 1.9-11 “Respondeu satanás ao Senhor: Teme Jó a Deus em vão? 10 Acaso não tens protegido de todos os lados a ele, a sua casa a tudo o que tem? A obra de suas mãos abençoastes e os seus bens se multiplicam na terra. 11 Mas estende a tua mão e toca-lhe em tudo o que tem, e ele certamente blasfemará de ti na tua face”!

IX. Perseguir, acusar
Ap 2.10 Jesus diz: “Nada temas das coisas que estás para sofrer. Escutai: o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais provados, e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.”
Satanás através dos homens ímpios, usa-os para acusar, caluniar e perseguir os cristão que são fiéis a Santa Palavra de Deus.

X. Intimidar os homens
1ª Pe 5.8: “Sede Sóbrio, vigiai. O vosso adversário, o diabo, anda em derredor, rugindo como leão, buscando a quem possa tragar.”

XI. Seduzir os homens
2ª Co 11.3 Paulo diz: “Mas temo que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompido os vossos entendimentos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo.” 

NOME E TÍTULOS DE SATANÁS


Abadom: Ap 9.11 - quer dizer lugar de Morto, sepultura, extermínio e ruína.
Apolion: Ap 9.11 - quer dizer anjo do abismo.
Belial: 2ª Co 6.15 - quer dizer: Perversidade, indignidade.
Belzebu: Mt 12.24 - quer dizer: Nome do príncipe dos demônios.
Diabo: Mt 4.1 - Nome que se dá ao chefe dos demônios. Em grego diabolos quer dizer “caluniador”.
Satanás:1.6 a 9 - Em hebreu é Satã, que quer dizer “adversário”.
Espírito Imundo: Mt 12.43.
Serpente: Gn 3.4.
Tentador: Mt 4.3.
Deus deste século: 2ª Co 4.4.
Homicida: Jo 8.44.
Maligno: Mt 13.19.
Príncipe deste mundo tenebroso: Ef 6.12.
Príncipe da potestade do ar: Ef 2.2.
Acusador: Ap 12.10.
Adversário: 1ª Pe 5.8.
Anjo do abismo: Ap 9.11.
Príncipe dos demônios: Mt 12.24.

COMO VENCER O DIABO


INTRODUÇÃO. Justamente diante das crescentes tribulações em nossos dias, é necessário vencer triunfalmente o inimigo no dia-a-dia. Em Apocalipse 12.11 nos é mostrado claramente o caminho vitória.

I. PELO SANGUE DO CORDEIRO E O TESTEMUNHO QUE DERAM POR CAUSA DA PALAVRA
“Eles, pois, o venceram por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do testemunho que deram e, mesmo em face da morte, não amaram a própria vida.” (Ap 12.11).
Não apenas é importante confiar no sangue de Jesus e conhecer o Seu poder, mas também aplicá-lo no testemunho. Em outras palavras: a vitória sobre o inimigo acontece baseada na morte de Cristo e em nosso testemunho a respeito do valor dessa morte. Precisamos saber que o poder está sempre na Palavra de Deus. No momento em que reivindicamos a Palavra de Deus para nós, o sangue de Jesus torna-se eficaz. É como no caso de uma herança que você recebeu de presente. Para que o inimigo não mais possa reivindicá-la e a herança passe a ser sua ou se torne eficaz para você, é preciso um testamento escrito. Esse documento com a assinatura do testador lhe garante a herança. Nenhuma outra pessoa pode reivindicar ou tirar-lhe esta herança. Todas as acusações ricocheteiam quando confrontadas com a Palavra de Deus.

II. Sujeitar a Deus
Tg 4.7 “Sujeitai-vos, pois, a Deus. Resisti ao diabo, e ele fugirá de vós.”
1ª Pe 5.9 “Revesti-lhe, firmes na fé, sabendo que os mesmos sofrimentos estão-se cumprindo entre os vossos irmãos no mundo.”

III. Usar as armaduras
Ef 6.10-18 “Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo. Quanto ao mais, sede fortalecidos no Senhor e na força do seu poder.”
Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes. Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis. Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade e vestindo-vos da couraça da justiça. Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz; embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno. Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos

IV. Deixar a mentira
Ef 4.25 “Por isso, deixando a mentira, fale cada um a verdade com o seu próximo, porque somos membros um dos outros.”

V. Não irar
Ef 4.26 “Irai-vos, e não pequeis: Não se ponha o sol sobre a vossa ira. 27 E não deis lugar ao diabo”.
Tg 1.19 “Sabei isto, meus amados irmãos: Todo homem seja pronto para ouvir, tardio para falar e tardio para se irar.”

VI. Não furtar
Ef 4.28 “Aquele que furtava não mais; antes, trabalhe, fazendo com as próprias mãos o que é bom…”

VII. Não dizer palavrão
Ef 4.29 “Não sai da vossa boca nenhuma palavra torpe, e sim unicamente a que for boa para edificação....” 

VIII. Não entristecer o Espírito.

Ef 4.30 “E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção.”

 IX. Não deixar o mal entrar em nós
Ef 4.31 “Longe de vós, toda amargura, e cólera, e ira, e gritaria, e blasfêmias, e bem assim toda malícia.”

X. Vivendo uma vida de amor com os outros
Ef 4.32 “Antes, sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus em Cristo, vos perdoou.”

XI. Imitando a Deus
Ef 5.1 “Sede, pois, imitadores de Deus como filhos amados.”

XII. Andar em amor
Ef 5.2 “Andai em amor, como Cristo nos amou e se entregou a si mesmo por nós, como oferta e sacrifício a Deus, em aroma suave".

XIII. Deixar a impureza
Ef 5.3 “Mas a impudicícia e toda sorte de impureza ou cobiça nem sequer se nomeiem entre vós, convém os santos.”

XIV. Praticar a justiça e a verdade
Ef 5.8 “Porque o fruto da luz consiste em toda bondade, e justiça, e verdade.”

XV. Andar prudentemente
Ef 5.15 “Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios a Deus, em aroma suave.”

XVI Andar cheio do Espírito
Ef 5.18-20 “E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito. 19 Falando entre vós com salmos, entoando e louvando de coração ao Senhor com hinos e cânticos espirituais. 20 Dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo.”

XVII. Deve pedir socorro na hora da tentação
Hb 2.18 “Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados.”
2ª Pe 2.9 “Assim, sabe o Senhor livrar da tentação os piedosos, e reservar os injustos para o dia do juízo, para serem castigados.”

XVIII. DeveMOS buscar poder
Sl 62.11 “Uma coisa disse Deus, duas vezes a ouvi: Que o poder pertence a Deus.”
Mt 28.18 Jesus diz: “É me dado todo poder no céu e na terra.”
O cristão só se reveste de poder quando vive na pratica da oração, jejum, santificação e leitura diária da santa Palavra de Deus.

XIX. Deve fazer uso do poder
Lc 9.1 “Tendo convocado os doze discípulos, Jesus deu-lhes poder e autoridade sobre todos os demônios, e para curarem enfermidades.”
Lc 10.19 Jesus diz: “Eis aí vos dei autoridade para pisardes serpentes e escorpiões e sobre todo o poder do inimigo, e nada, absolutamente, vos causará dano.”
Mc 16.17-18 Jesus diz: “E estes sinais hão de seguir os que crerem: Em meu nome expulsarão demônios; falarão novas línguas; 18 Pegarão em serpentes; e quando beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará mal algum; imporão as mãos sobre enfermos, e os curarão.”
Todo poder está nas mãos do Filho de Deus, que venceu todas coisas, por isso devemos fazer uso deste poder em Seu maravilhoso nome. 

SATANÁS JÁ FOI DERROTADO



Quando Cristo expirou na cruz, satanás pensou que havia vencido, mas ...

I. Cristo desceu ao inferno
Ef 4.9-10 “Ora, isto - Ele subiu - que é, senão que também antes desceu às partes mais baixas da terra? 10 Aquele que desceu é o mesmo que subiu acima de todos os céus, para cumprir todas as coisas.”
A ressurreição de Jesus mostra que todo o poder está nas Suas mãos, e não a razão porque temermos se Ele venceu, nós n’Ele somos mais que vencedores. Amem!

II. Cristo tirou as chaves do inferno e da morte e das mãos de Satanás
Ap 1.18 Jesus diz: “Eu sou o que vivo; fui morto, mas estou vivo para o todo sempre! E tenho as chaves da morte e do inferno.”
O Senhor Jesus ao morrer desceu as profundezas do inferno e declarou a vitória para a humanidade.
Chaves: refere-se ao controle e poder de tudo. Todas as coisas no universo estão sobre Seu poder, tudo o que acontece, é com Sua permissão.

III. Por sua morte aniquilou aquele que tinha o império da morte
Hb 2.14 “Portanto, visto que os filhos participam da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas, para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo.”
2ª Tm 1.10 Paulo diz: "E que agora se manifestou pelo aparecimento de nosso Senhor Salvador Jesus Cristo, o qual destruiu a morte, e trouxe à luz, a vida e a imortalidade pelo evangelho.”
O cristão em Jesus não morre, mas passa da morte para a vida, ou seja, ele sai dessa vida para uma vida eterna com Cristo.

IV. No arrebatamento Satanás estará esmagado sobre os nossos pÉs
Rm 16.20 “E o Deus da paz esmagará em breve a satanás debaixo de vossos pés.”

V. Cristo reinará no milênio e Satanás será amarrado por mil anos no poço do abismo
Ap 20.1-3 “Então vi descer do céu um anjo que tinha a chave do abismo e uma grande cadeia na mão. 2 Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o diabo e satanás, e amarrou por mil anos. 3 Lançou-o no abismo, e ali o encerrou, e selou sobre ele, para que não enganasse mais as nações, até que os mil anos, se completasse. Depois disto é necessário que seja solto, por um pouco de tempo.”

VI. Após mil anos Satanás será solto
Por um pouco de tempo, satanás será solto e enganará as nações para lutarem contra Cristo: Em Ap 20.7 diz: “Quando se completarem os mil anos, Satanás será solto da prisão. 8 E sairá a enganar as nações que estão nos quatro cantos da terra, Gogue e Magogue, cujo número é como areia do mar, a fim de ajuntá-las para a batalha. 9 Subiram sobre a largura da terra, e cercaram o arraial dos Santos e a cidade querida. Mas desceu fogo do céu, e os consumiu.”

VII. Satanás será lançado no lago de fogo
Ap 20.10 “E o diabo, que os enganava foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde estão a besta e o falso profeta. De dia e de noite serão atormentados para todo sempre.”
Mt 25.41 “Então dirá também aos que estiverem a sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos.”
Este será o terrível fim daquele que tantos males causou a humanidade desde que o homem foi criado. Satanás será castigado eternamente no lago de fogo.
É importante sabermos que Satanás está presto a ser lançado ao inferno, é por isso que ele tem engana a humanidade para levar junto com ele para o abismo. Mas o cristão deve ficar firme nas promessas do Senhor, e aguardar a Sua volta. Somente Cristo pode dar o descanso para as nossas almas. É por isso que Jesus diz em Jo 10.10 "O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir: Eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundancia".
  

SETE MANEIRAS QUE SATANÁS ATUA

 I. Pelas drogas, sexo e imoralidade
Rm 1.26-29 Paulo diz: “Pelo que Deus os abandonou às paixões infames. Até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. 27 Semelhante, também os homens, deixaram o uso natural da mulher, inflamaram-se em sua sensualidade uns para com os outros, homem com homem, cometendo torpeza, e recebendo em si mesmos a penalidade devida ao seu erro. 28 E como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, Ele os entregou a um sentimento pervertido, para fazerem coisas inconvenientes. 29 Estão cheios de toda iniqüidade, prostituição, malícia, avareza, maldade, inveja, homicídio, contenda, engano e malignidade.”

II. Pela mentira e enganos
Jo 8.44 Jesus diz: “vós pertenceis ao vosso pai, o diabo, e quereis executar o desejo dele. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, pois não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, pois é mentiroso e pai da mentira.”

II. Incita os homens a servi-lo e não a Deus
Jr 1.16 O Senhor Deus diz: “Pronunciarei contra o meu povo os meus juízos, por causa de toda malícia; pois me deixaram, e queimaram incenso a deuses estranhos, e se encurvaram diante das obras das suas mãos.”
Is 45.20 diz o Senhor Deus: “Congregai-vos, e vinde, chegai-vos juntos, os que escapastes das nações. Nada sabem os que conduzem em procissão as suas imagens de escultura, feita de madeira, e rogam a um deus que não pode falar.”
Rm 1.23-25 Paulo diz: E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, bem como de aves, quadrúpedes e répteis. 25 Mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram a criatura em lugar do Criador, que é bendito eternamente. Amém.”
A "mentira" aqui, é a mensagem de satanás, o pai da mentira. Crer na mentira é rejeitar "a Verdade de Deus" e tomar parte na idolatria. A Bíblia adverte constantemente contra o orgulho devido à tendência do ser humano de crer na mentira e adorar a si mesmo.

III. Pelo misticismo
Rs 21.6 “Fez passar o seu próprio filho pelo fogo, praticou encantamentos e adivinhação e tratou com médiuns e feiticeiros. Prosseguiu o que era mau aos olhos do Senhor, provocando-o à ira.”
No livro de Dt 18.10-14 está escrito: “Não haja no teu meio quem faça passar pelo fogo o filho ou sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro. 11 Nem encantador, nem necromante, nem mágico, nem quem consulte os mortos. 12 O senhor abomina (detesta) todo aquele que faz essas coisas. É por causa dessas abominações que o Senhor teu Deus expulsa essas nações de diante de ti. 13 Serás perfeito diante do Senhor teu Deus. 14 As nações, que as de possuir, dão ouvidos a agoureiros e a adivinhos. Mas a ti o Senhor teu Deus não permite tal prática.”
Is 8.19-20 “Quando vos disserem; consultai os que têm espíritos familiares e os adivinhos, que chilreiam e murmuram entre os dentes; Não recorrerá um povo a seu Deus? A favor dos vivos interrogar-se-ão os mortos? 20 A lei e o testemunho! Se eles não falarem segundo esta palavra, nunca verão a alva.”
Satanás tem levado milhares e milhares de pessoas a seguirem a feitiçaria misticismo, cartomante, médiuns, agoureiros, abominação que o Senhor tem condenado.
O Senhor Deus tem ensinado o Seu povo através da Sua Palavra, a não consultar os místicos, pois devemos consultar o Deus Criador e não os meios que Satanás usa para enganar o homem (Dt 18.9-14). Quando o homem segue o caminho que satanás induz, ele deixa de receber as bênçãos nesta vida e também no porvir.

IV. Envolvendo o homem em trevas
Sl 10.10 diz: “Alguns se assentaram nas trevas e nas sombras da morte, presos de aflição e em ferro. 11 Por se haverem rebelado contra a palavra de Deus, e desprezando o conselho do Altíssimo.”
Ef 5.8: “Pois outrora eram trevas, mas agora sois luz no Senhor. Andai como filhos da luz.”
Cl 1.12-13: “Dando graças ao Pai que nos fez idôneos para participar da herança dos santos na luz. 13 E que nos tirou do poder das trevas, e nos transportou para o reino do filho do seu amor.”
O homem sem Jesus no seu coração se encontra em trevas, ou seja, no domínio de Satanás; ao se converter ele é liberto do poder das trevas e passa a viver na luz de Cristo.

V. Cegando as pessoas para não crer na Verdade
2ª Co 4.3-4: “Mas, se o nosso evangelho ainda está encoberto, para os que se perdem estás encoberto. 4 Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que não lhes resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus.”

VI. Coloca dúvida no homem
Rm 14.23 “Mas aquele que tem dúvida se come está condenado, porque não come por fé; e tudo o que não provém da fé é pecado.”

Conclusão: Satanás, só age pelo consentimento divino e sob o governo de Deus. Quando Deus lhe permite executar os seus desígnios perversos e somente como instrumento para realizar os planos divinos. No caso de Jó os vãos esforços de Satanás para induzir o patriarca a pecar, deram em resultado a formação do caráter e o aperfeiçoamento da fé em Deus.
O Novo Testamento nos ensina que Satanás tem acesso aos corações dos homens, para enganá-los e reduzir a servidão. Ele é o príncipe dos demônios, exercendo poder sobre os principados e potestades do mundo espiritual da maldade. Foi ele quem seduziu a Adão e Eva ao pecado de desobediência. O espírito maligno, agindo por meio da serpente, induziu o casal ao pecado para destruir a obra do Criador. Satanás o nosso adversário, promove toda a espécie de impiedade, opondo-se a Deus e aos homens. Ele induz o homem a pecar, a separar-se de Deus, e a rejeitar o plano de salvação por meio de seu Filho Jesus Cristo.
De Satanás, procedem em muitos casos às doenças, a perda dos bens temporais. É ele que induz o ser humano para a destruição, através da droga, tabagismo, alcoolismo, ao sexo, imoralidade, orgias, impureza, lascívia, pederastia, idolatria, feitiçaria, espiritismo, inimizades, contendas, facções, invejas, ciúmes, dissensões, guerras, pelejas, etc..
A Bíblia diz em 1ª Co 5.5 que aqueles que são excluídos da igreja, ficam entregues a Satanás para ser esbofeteado, a fim de produzir a reforma de sua vida, e não para sua destruição.
Existem centenas de pessoas que estão sofrendo nesta vida porque tem rejeitado a Palavra de Deus para seguirem o caminho que Satanás induz.
Existem profundidades em Satanás que os cristãos inexperientes não podem sondar. Em Ap 2.24 Jesus diz: “Digo-vos, porém, a vós, os demais que estão em Tiatira, a todos quantos não tem esta doutrina, e não conheceram, como dizem as profundezas de satanás...”.
Satanás é tão astuto de modo a transformar-se em anjo de luz, e em muitos casos ele engana até os próprios escolhidos.
Os pecadores habituais, os injustos, mentirosos, assassinos, imorais, adúlteros, idólatras, feiticeiros, corruptos, no sentido figurado são chamados filhos do diabo conforme o que Jesus diz em Jo 8.44 “Vós pertenceis ao vosso pai, o diabo, e quereis executar o desejo dele. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, pois não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, pois é mentiroso e pai da mentira.”
O homem só pode conhecer a verdade lendo a Bíblia, pois Jesus diz em Jo 8.32 “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” O que é a verdade. Jesus responde em Jo 17.17 Jesus diz: “... a Tua Palavra é a verdade.”
A Bíblia apresenta três verdades que são: A própria Bíblia (Jo 17.17); Jesus (Jo 14.6); e o Espírito da verdade (Jo 14.16-17). O homem só pode ser liberto das prisões de Satanás através da verdade, ou seja, quando aceitamos a Jesus como a verdade que liberta e salva o homem da condenação eterna e cremos que a Bíblia é a Verdade de Deus.

Pr. Elias Ribas
Bacharel em Teologia pelo Seminário Teológico AMID – Cascavel - PR.
Mestrando em Divindade pelo Seminário Teológico AMID – Cascavel - PR.
Especialização em Apologética – ICP - São Paulo.
Grego e Hebraico - Faculdade Batista Pioneira – Ijuí RS.
Exegese do Novo Testamento - Faculdade Batista Pioneira – Ijuí RS.