TEOLOGIA EM FOCO: Maio 2010

quinta-feira, 13 de maio de 2010

A GRAÇA DE DEUS SEGUNDO MARCOS - 5.25-34.

“Certa mulher enferma encontrou com Jesus e experimentou a graça de Deus. Não sabemos nada sobre essa mulher senão que há doze anos perdia sangue devido a uma hemorragia que nunca cessava. Gastara todos os seus recursos com a medicina e seu estado piorava cada vez mais. Porém, ouvindo ela sobre Jesus, creu em seu coração que, se tocasse nas vestes de Jesus, seria curada dessa enfermidade. No anonimato, forçou-se entre a multidão e estendendo a mão o tocou. Nesse instante, a virtude sanadora de Cristo alcançou-a e o seu mal foi imediatamente curado.

A mulher, no entanto, não ouviu nenhuma exigência, nenhuma repreensão de Jesus, mas apenas: “Filha, a tua fé te salvou; vai-te em paz e fica livre do teu mal”. Sua cura foi imerecida. Ela não fez nada para merecer cura. Não conquistou a cura por seu esforço ou por alguma virtude, apenas creu. Sua fé foi suficiente. Tornou-se um exemplo vivo da graça.

Graça é uma palavra de raiz latina – gratia, traduzida do grego charis, e que significa graciosidade, benevolência, favor ou bondade. Se reduzirmos o evangelho a uma frase apenas, diríamos: O evangelho é o anúncio da graça!

A religião quer associar a fé ao cumprimento de regras e leis. O contraponto da religião que exige esforço é a proclamação da graça. Abraão Almeida diferenciou dois tipos de religião:

1.Religião divina – é do “alto para baixo”, ou seja, nela Deus faz, oferece ao homem a graça salvadora, por reconhecer a incapacidade humana de produzir obras de justiça. É o plano de Deus para salvar o homem caído.

2. Religião humana – é de “baixo para cima”, ou seja, nela o homem faz, oferece a Deus o produto do seu esforço.

O psiquiatra cristão, Paul Tournier, disse: “Salvação não é uma idéia; é uma pessoa. É o próprio Jesus, o próprio Deus quem se dá”. Por isso ele resumiu o conceito da graça como “a disposição divina de abençoar os seus filhos sem que haja qualquer mérito por parte deles”.

A.W.Tozer assim definiu: “Graça é o bel-prazer de Deus que o inclina a outorgar benefícios sobre os que nada merecem. É um princípio auto-existente, inerente na natureza divina e parece-nos uma propensão auto-causada, no sentido de compadecer-se dos desgraçados, poupar os culpados, dar boas vindas ao réprobo, e favorecer os que antes estavam sob justa reprovação”.

A graça de Deus não exige, não cobra, mas capacita. Paulo nos afirma isso em sua carata aos Efésios: “Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo – pela graça sois salvos – e juntamente com ele nos ressuscitou e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus, para nos mostrar nos séculos vindouros a suprema riqueza da sua graça, em bondade para conosco, em Cristo Jesus. Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não de obras para que ninguém se glorie” (Ef 2.4-8).

Sempre que a graça de Deus não é reconhecida e nossa santidade é atribuída ao “nosso esforço humano”, origina-se a ostentação, inflação do eu, soberba que faz a pessoa se colocar sempre em primeiro lugar; surge o artificial, o teatral, o aparente, as máscaras, a complicação no trato e a preocupação neurótica pela própria imagem.

No Antigo Testamento, os povos cultuavam deuses exigentes. Sempre querendo ser agradados, algumas vezes se iravam e pediam sacrifícios. Deus diferenciava-se dos ídolos humanos porque não fazia exigência que não fosse possível de ser cumprida. E se houvesse necessidade de sacrifício, ele mesmo se sacrificaria por nós.

Assim, Deus promete manifestar sua graça livre e gratuitamente àqueles que preencherem algumas condições:

1) Aos que são humildes (Tg 4.6; 1ª Pe 5.5b).
2) Aos se achegam a Deus (2ª Cr 30.9).
3) Aos que pedem graça (Is 30.19b).
4) Aos que esperam no Senhor (Sl 33.18, 22).
5) Àqueles que se refugiam em Deus (Sl 57.1).

A graça de Deus é a única garantia de que somos aceitos em Deus. No cristianismo, o amor não é dado aos que já são dignos, ao contrário, ele quer bem ao que nada vale e lhe coloca valor. A graça habilita o amor de Deus de se expressar sem exigir absolutamente nada. “O homem amado por Deus não tem nenhum valor em si; o que lhe dá um valor é o fato de Deus amá-lo”.

Essa compreensão da graça de Deus é central nos evangelhos, por vários motivos, entre eles:
• Nos alivia de enormes tensões religiosas.
• A graça não permite que Deus seja uma ameaça.
• O emaranhado de leis e regulamentos muitas vezes dificulta o conhecimento de Deus.

Acaba escondendo-o! O número de pessoas afastadas da igreja, receosas de conhecerem a Deus e totalmente fragilizadas pela religiosidade humana demonstra que a graça não tem sido demonstrada como deveria, na proclamação do Evangelho.

A percepção da graça também dissolve a culpa. Abranda o sentimento de que estamos sempre em falta com Deus. Há dois tipos de culpa: a falsa e a verdadeira. A falsa é aquela que as pessoas assumem o papel de verdadeiros juízes no lugar de Deus, achando que ele também teria a mesma opinião delas.

A verdadeira é o julgamento divino. Deus prefere os pobres, os fracos, os desprezados. Somente a graça brinda quem é indigno. Um exemplo disso é a mulher adultera de Lucas 7.36-50, onde Jesus fala com severidade a Simão, mas a mulher pecadora ele diz: “Perdoados lhe são os muitos pecados”.

Como alguém pode amar a Deus se está sempre sentindo-se culpado, devedor? A graça nos garante que o desafio de ser humano é tão complexo, que Deus não perde tempo esperando de nós a perfeição...Quando tentamos ser bons e não conseguimos ser tão bons quanto desejávamos, não perdemos o amor de Deus.

Somos livres para amá-lo, certos de que somos aceitos por Deus. A graça que nos liberta para amar a Deus é a mesma que nos santifica e nos capacita a fazer sua vontade. A graça aguça nossa percepção dos princípios da lei moral de Deus, e não da letra... a letra mata, mas o espírito traz vida.

É a graça que nos coloca em um relacionamento de ternura com um Pai amoroso, que repete para nós o que disse a Jesus: “Tu és o meu filho amado, em quem me comprazo” (Mt 3.17).

Pr. Ronaldo Bezerra.