TEOLOGIA EM FOCO

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

TENTAÇÃO - A BATALHA POR NOSSAS ESCOLHAS E ATITUDES



TEXTO ÁUREO
“Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo.” (1ª Jo 2.16)

VERDADE PRÁTICA
A tentação no sentido religioso é a atração ou sedução para praticar o mal tendo por recompensa prazeres ou lucros ilícitos.

LEITURA BÍBLICA
Mateus 4.1-11 “Então, foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo. 2 E, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome; 3 E, chegando-se a ele o tentador, disse: Se tu és o Filho de Deus, manda que estas pedras se tornem em pães. 4 Ele, porém, respondendo, disse: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus. 5 Então o diabo o transportou à Cidade Santa, e colocou-o sobre o pináculo do templo, 6 e disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo; porque está escrito: Aos seus anjos dará ordens a teu respeito, e tomar-te-ão nas mãos, para que nunca tropeces em alguma pedra. 7 Disse-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o Senhor, teu Deus. 8 Novamente, o transportou o diabo a um monte muito alto; e mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles. 9 E disse-lhe: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares. 10 Então, disse-lhe Jesus: Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a ele servirás. 11 Então, o diabo o deixou; e, eis que chegaram os anjos e o serviram.”

INTRODUÇÃO. Há certo paralelismo entre os quarenta anos da peregrinação de Israel no deserto e os quarenta dias e as quarenta noites em que o Senhor Jesus jejuou no lugar ermo. A diferença é que Israel não passou no teste, e Jesus foi o vitorioso sobre Satanás. Esses dois cenários têm a ver com nossas escolhas e atitudes na jornada de nossa vida espiritual.

I. A TENTAÇÃO
Os termos “tentação” e “tentar” na Bíblia aplicam-se tanto no campo secular como no campo religioso. Vamos analisar o assunto partindo dos significados e sentidos dessas palavras, levando em consideração o contexto das várias passagens bíblicas.

1. A provocação de Refidim.
O substantivo “tentação” significa literalmente “teste, provação, instigação”. Na contenda paradigmática de Refidim, no deserto, temos o significado dessa palavra: “E chamou o nome daquele lugar Massá e Meribá, por causa da contenda dos filhos de Israel, e porque tentaram ao SENHOR, dizendo: Está o SENHOR no meio de nós, ou não?” (Êx 17.7). O vocábulo hebraico massá significa “tentação”, e meribá quer dizer “contenda”. Os israelitas estavam testando o próprio Deus. A Septuaginta traduz massá por peirasmós, "tentação", a mesma palavra usada no Novo Testamento grego. O enfoque do termo aqui é sobre a ideia de instigação ou sedução para o pecado (Mt 6.13; 26.41).

2. A experiência de Massá e Meribá.
Ninguém deve testar a Javé, o Deus de Israel, pois o nosso dever é obedecê-lo (Dt 6.16). O que aconteceu nessa contenda teve a reprovação divina, de modo que serviu como um paradigma daquilo que não se deve fazer (Sl 95.8,9). Testar Deus é questionar sua fidelidade no pacto e duvidar de sua autoridade (Sl 78.41,56). Entendemos que tentar o Criador reflete a nossa descrença nEle, e a Bíblia é contra essa prática (Is 7.12; At 15.10).

3. Como um teste.
Isso é muito comum no Antigo Testamento (1ª Rs 10.1). O exemplo clássico é a passagem do sacrifício de Isaque: E aconteceu, depois destas coisas, que tentou Deus a Abraão (Gn 22.1). A finalidade disso é revelar ou desenvolver o nosso caráter (Êx 20.20; Jo 6.6). O hebraico aqui para “tentou” é nissá, que tem o sentido de testar, experimentar, usado para pesquisas científicas hoje em Israel. A Septuaginta traduziu por peirazo, de onde vem o substantivo peirasmós, que aparece no Novo Testamento com a mesma ideia de teste: “e puseste à prova os que dizem ser apóstolos e o não são” (Ap 2.2). O Novo Testamento emprega o termo também com ideia de tentativa (At 16.7; 24.6).

SÍNTESE DO TÓPICO I
A provocação de Refidim e a experiência de Massá e Meribá, embora esta fosse uma ofensa a Deus, mostram que a tentação é um período de teste em nossa vida. Por esta razão precisamos demonstrar os frutos de “moderação”, “mansidão” e “domínio próprio”.

II. A TENTAÇÃO DE JESUS
Levado ao deserto pelo Espírito Santo, Jesus foi tentado pelo Diabo. A tentação de Jesus no deserto é o primeiro acontecimento registrado de sua história depois do batismo por João Batista no rio Jordão. Era de se esperar que aquele que veio “para desfazer as obras do diabo” (1ª Jo 3.8) enfrentasse a reação de Satanás. O Inimigo de nossa alma decide lutar por sua causa. É que a chegada do Salvador alvoroçou todo o reino das trevas.

1. Levado ao deserto (v.1).
O deserto é um lugar onde os seres humanos percebem a grandeza de Deus e a fragilidade humana; é um lugar de profundo silêncio para meditação e oração, onde há vastidão de espaço para ouvir a voz de Deus. Foi no deserto que grandes homens de Deus foram preparados para o serviço sagrado, como Moisés (At 7.30-33) e Elias (1º Rs 19.4-10). O termo “deserto” nessa passagem não é suficiente para determinar o lugar exato em que Jesus suportou os quarenta dias de jejum e tentações. Mas há concordância entre muitos estudiosos de que se trata de uma parte despovoada da Judeia, onde João Batista iniciou o seu ministério. A tradição posterior indica o monte da Quarentena a oeste de Jerico, onde foi construída na encosta da montanha uma igreja no século VI.

2. Sobre o jejum de Jesus (v. 1).
Segundo a narrativa de Mateus, Jesus jejuou “quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome”. Só mais dois personagens bíblicos praticaram um jejum tão prolongado de quarenta dias, Moisés e Elias, mas isso aconteceu em situações específicas (Êx 34.28; Dt 9.9,11; 1º Rs 19.8). Isso mostra que esse tipo de jejum (quarenta dias e quarenta noites) não é doutrina da Igreja. Lucas afirma que Jesus, “naqueles dias, não comeu coisa alguma, e, terminados eles, teve fome” (Lc 4.2). O verbo grego, nesteuou, “jejuar”, significa literalmente “abster-se de alimento”.

3. Como a tentação aconteceu (v.3a).
Está claro que Satanás se apresentou a Jesus de forma visível, mas os detalhes são desconhecidos. Essa tentação foi literal, e isso se evidencia pelos detalhes da própria narrativa. Rejeitamos, pois, a ideia de uma tentação subjetiva, simbólica ou visionária. Com certeza, Jesus mesmo contou essa experiência aos seus discípulos.

SUBSÍDIO DOUTRINÁRIO
É importante termos uma ideia bem clara acerca da depravação total, pois a doutrina nos ajuda a compreender a luta interna no processo da tentação. Por isso, leia o seguinte texto, objetivando ter tal consciência: “A atual condição espiritual da humanidade, considerada à parte da graça de Deus, é adequadamente descrita como tenebrosa e desanimadora. Com certeza, Wesley, em sua doutrina do pecado original, emprega o que só pode ser descrito como 'superlativos negativos' para demonstrar o total abismo moral e espiritual em que a humanidade decaiu. Ele comenta: '0 homem, por natureza, é repleto de todo tipo de maldade? É vazio de todo bem? É totalmente caído? Sua alma está totalmente corrompida? Ou, para fazer o teste ao contrário, 'toda imaginação dos pensamentos de seu coração [é] só má continuamente’? Admita isso, e até aqui você é um cristão. Negue isso, e você ainda é um pagão” (COLLIN5, Kenneth. Teologia de John Wesley: 0 Amor Santo e a Forma da Graça. Rio de Janeiro: CPAD, 2010, p.97).

III. A TRÍPLICE TENTAÇÃO
Mateus e Lucas registraram as três últimas investidas de Satanás contra Jesus, e elas foram o ápice dessas tentações. Na verdade, Jesus foi tentado em todos os quarenta dias: “quarenta dias foi tentado pelo diabo” (Lc 4.2). E continuou sendo tentado durante todo o tempo de seu ministério (Lc 22.28; Hb 4.15).

1. A primeira das três últimas tentações (v.3b).
O objetivo dessa investida diabólica era incitar Jesus a usar seus poderes em benefício próprio. A declaração pública do próprio Deus a respeito de Jesus, “Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo” (Mt 3.17), indica que isso era do conhecimento de Satanás. Mas, mesmo assim, ele desafiou Jesus quanto à sua identidade: “Se tu és o Filho de Deus, manda que estas pedras se tornem em pães”. À semelhança de Eva, esse pecado consistia em satisfazer o apetite físico com algo lhe fora proibido.

2. A segunda tentação (v.5).
Aqui, o objetivo de Satanás é induzir o Senhor Jesus a tentar o Pai e persuadi-lo a um ato de vaidade. A "Cidade Santa", para onde Jesus foi transportado, é Jerusalém (Ne 11.1; Is 52.1). Satanás incita Jesus a jogar-se do pináculo do templo abaixo usando o texto de Salmos 91.11,12. Essa passagem refere-se a alguém que confia em Deus e, por isso mesmo, ao próprio Senhor Jesus. Ter a proteção divina, conforme as promessas desse salmo, é muito diferente de tentar a Deus. A proposta de Satanás era para Jesus testar Deus, algo que as Escrituras proíbem (Êx 17.2-7).

3. A terceira tentação (v.8).
Esse último ataque consistia em induzir Jesus a se apoderar do domínio do mundo por meios ilícitos. Como disse um grande comentarista dos Evangelhos: "A concessão era pequena; a oferta, grande". Teria Satanás o controle do mundo a ponto de oferecê-lo a quem desejasse? Jesus não discutiu sobre essa reivindicação do Diabo. O Novo Testamento mostra que Satanás é “o deus deste século” (2ª Co 4.4); “o príncipe das potestades do ar” (Ef 2.2); “os príncipes das trevas deste século,... as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais” (Ef 6.12) e “todo o mundo está no Maligno” (1ª Jo 5.19). Mas Satanás não tem nada para ninguém; tudo não passa de mera aparência e engano.

4. Respostas de Jesus.
O ataque diabólico foi nas áreas mais sensíveis do ser humano: “a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida” (1ª Jo 2.16). Mesmo com toda a sua habilidade maligna, foi grande e devastadora a derrota de Satanás (v.11). Ele foi vencido pelo poder da Palavra de Deus: “está escrito, está escrito e está escrito”. Jesus citou três passagens do Pentateuco (Dt 6.13,16; 8.3). Assim, o grande conquistador, o Senhor Jesus Cristo, pode simpatizar com os que são tentados, pois Ele mesmo foi tentado de maneira real. Podemos nos consolar porque temos um Protetor no céu que é capaz de se compadecer de nossas fraquezas (Hb 4.15).

SÍNTESE DO TÓPICO III
Três tentações de Jesus: transformar pedras em pães; jogar-se do pináculo do templo e ser amparado por um anjo e dominar o mundo se adorasse o Diabo.

SUBSÍDIO VIDA CRISTÃ
[...] A presença de Cristo conosco não é apenas como a de um companheiro externo, mas é uma força real e divina, revolucionando nossa natureza e tornando-nos como Ele é. De fato, o propósito final e último de Cristo é que o crente seja reproduzido segundo a sua própria semelhança, por dentro e por fora.

Paulo expressa a mesma coisa no primeiro capítulo de Colossenses, quando diz: 'Para, perante ele, vos apresentar santos, e irrepreensíveis, e inculpáveis’ (Cl 1.22). Esta transformação deve ser uma transformação interior. É uma transformação de nossa vida, de nossa natureza segundo a natureza d’Ele, segundo a semelhança d’Ele.

Como é maravilhosa a paciência, como é maravilhoso o poder que toma posse da alma e realiza a vontade de Deus - uma transformação absoluta segundo a maravilhosa santidade do caráter de Jesus! Nosso coração fica desconcertado quando pensamos em tal natureza, quando contemplamos tal caráter. Este é o propósito de Deus para você e para mim” (LAKE, John G. Devocional. Série: Clássicos do Movimento Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2003, pp.31-32).

CONCLUSÃO. Diante dos fatos aqui expostos, aprendemos a não subestimar a força e os ardis de Satanás e seus demônios, pois ele ousou tentar o próprio Filho de Deus. Adão foi testado e não passou no teste (Gn 3.11,12). Da mesma forma, Israel foi reprovado logo no limiar de sua história como nação (Dt 9.12). Mas Jesus foi aprovado, glória a Deus! (At 2.22).

Lições Bíblicas. 1º Trimestre de 2019.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

TRABALHANDO EM BUSCA DE PERFEIÇÃO




TEXTO ÁUREO
“Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca” (Mc 14.38).

VERDADE PRÁTICA
Através da graça divina, podemos vencer as tentações e ter uma vida santa diante de Deus e dos homens.

LEITURA BÍBLICA
Tiago 1.12-18 “Bem-aventurado o varão que sofre a tentação; porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam. 13 - Ninguém, sendo tentado, diga: De Deus sou tentado; porque Deus não pode ser tentado pelo mal e a ninguém tenta. 14 - Mas cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência. 15 - Depois, havendo a concupiscência concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte. 16 - Não erreis, meus amados irmãos. 17 - Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança, nem sombra de variação. 18 - Segundo a sua vontade, ele nos gerou pela palavra da verdade, para que fôssemos como primícias das suas criaturas.”

INTRODUÇÃO. Que doença vem a ser a tentação que, desde os nossos primeiros genitores, vem comprometendo até mesmo os gigantes na piedade? Os escolhidos do Senhor também as enfrentam, mas, são fortalecidos pelo Espírito de Deus, que os capacita a vencê-las.

I. O QUE É A TENTAÇÃO
1. Definição. Oriunda do vocábulo latino tentatione, a palavra “tentação” significa: indução, seja externa, seja interna, que impulsiona o ser humano à prática de coisas condenáveis.

2. Definição teológica. Estímulo que leva à prática do pecado. Embora a tentação, em si, não constitua pecado, o atender às suas reivindicações caracteriza a transgressão das leis divinas. Eis porque, na Oração Dominical, ensina-nos o Senhor a clamar ao Pai: “E não nos induzas à tentação, mas livra-nos do mal; porque teu é o Reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém!” (Mt 6.13).

- Sem dúvida alguma a tentação é o estímulo externo ou interno, que impulsiona o ser humano à prática do pecado.

OBS: O teólogo inglês, Matthew Henry, mostra quão perigosa é a tentação na vida de um servo de Deus: “O melhor dos santos pode ser tentado pelo pior dos pecados”. Como não reconhecer essa realidade? Às vezes somos de tal forma tentados, que almejamos venha o Senhor, e leve-nos de imediato para os céus. Se Ele, porém, o fizer, como haverá de contar com as vozes santas e redimidas que protestem contra a iniquidade do presente século? Portanto, lembre-se: vencer a tentação faz parte das disciplinas da vida cristã.

II. O AGENTE DA TENTAÇÃO
- Sentindo-se premido pelas dificuldades espirituais que, constantemente, entristecem os seguidores do Nazareno, Thomas De Witt Talmage endereça-lhe esta oração: “Ó Senhor, ajuda-nos a ouvir o guizo da serpente antes de sentir suas presas”. Que Satanás é o agente da tentação, não há o que se discutir; a própria Bíblia assim no-lo aponta: “Quem comete o pecado é do diabo, porque o diabo peca desde o princípio. Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo” (1ª Jo 3.8).

1. O tentador. Nas Sagradas Escrituras, Satanás é o tentador por natureza (Mt 4.3; 1ª Ts 3.5). É o grande opositor de Deus e o arquinimigo do ser humano.

2. Os nomes do tentador. Além de tentador, recebe o agente da tentação as seguintes alcunhas nas Sagradas Escrituras: Satanás que, em hebraico, significa adversário (1ª Cr 21.1; 2ª Co 2.10,11); Diabo que, em grego, quer dizer: caluniador (Mt 4.1; At 13.10); Homicida e pai da mentira (Jo 8.44); Acusador (Ap 12.10). Ele é conhecido também como o dragão e a antiga serpente (Ap 12.9).

3. O principal trabalho do tentador. O trabalho que mais agrada ao maligno é desviar-nos da disciplina da vida cristã. Ele sabe que temos “uma carreira para correr”; por isto, busca, de todas as formas, colocar obstáculos em nosso caminho (Gl 5.7). Não foi o que ocorreu com os irmãos da Galácia? Embora progredissem eles na carreira cristã, caíram no fascínio do adversário e, neste fascínio, acabaram por cair da graça (Gl 3.1; 5.4).

OBS: Satanás é o agente da tentação. O trabalho que mais o agrada é desviar o crente das disciplinas da vida cristã.

III. POR QUE O SER HUMANO É TENTADO

- Em nossa jornada espiritual, vemo-nos constrangidos a inquirir de nós mesmos: “Se eu aceitei a Cristo, como o meu Salvador, por que sou, ainda, tentado?” Martinho Lutero parece ter encontrado a resposta: “Minhas tentações têm sido minhas mestras de teologia”. Não vêm elas, porém, atrapalhar-me nas disciplinas espirituais? Sem as tentações, convenhamos, não existiriam as disciplinas. Por isso, esforça-se o adversário, a fim de nos desviar delas; somente assim, haverá de seduzir-nos com as suas tentações.

1. O ser humano é tentado por causa da transgressão de nossos primeiros pais. Se você ler reflexivamente o capítulo três de Gênesis, entenderá a teologia do pecado original. À semelhança de Adão, todos pecamos (Sl 51.5); veio, entretanto, o Senhor Jesus, como o segundo Adão, redimir-nos da morte espiritual, proporcionando-nos um novo nascimento (Jo 3.8). Estando nós, agora, em Cristo, tudo se nos fez novo (2ª Co 5.17). Apesar das tentações, o Espírito fortalece-nos para que sigamos, rigorosamente, as disciplinas de uma autêntica vida cristã.

2. O ser humano é tentado por suas próprias concupiscências. Tiago 1.14. Eis porque devemos vencer cada uma de nossas concupiscências; estas não provém do Pai; do mundo procedem e para o mundo convergem, causando a destruição dos filhos de Deus (1ª Jo 2.16). O consolo é que podemos vencer cada uma de nossas concupiscências (Gl 5.16).

3. Positivamente considerada, a tentação pode (e deve) impulsionar o santo a ser ainda mais santo. Afirmou mui oportunamente Frederick P. Wood: 'Tentação não é pecado; é o chamado para a batalha". O Senhor Jesus, embora Deus, foi tentado, como homem, dando-nos um exemplo de que é possível vencer a tentação (Mt 4.1; Hb 2.18). Por conseguinte, não deve a tentação ser considerada pelo crente, como se fora uma oportunidade para pecar; é uma oportunidade para que nos tornemos ainda mais santos (Ap 22.11).

OBS: As razões pelas quais o cristão é tentado são: transgressão de Adão, concupiscências pessoais, e impulsionar o crente a ser mais santo.

IV. COMO VENCER A TENTAÇÃO

- Ponderou alguém, certa feita: “São necessárias duas pessoas para fazer da tentação um sucesso; você é uma delas”. A outra, como todos o sabemos, é o adversário de nossas almas. De nada adianta, porém, opor-lhe-á culpa por nossas transgressões; por estas, apenas nós seremos responsabilizados (2ª Co 5.10). Todavia, é possível vencer as tentações; os exemplos bíblicos não são poucos.

1. Orando e vigiando. A advertência é do próprio Cristo: “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca” (Mt 26.41). O piedoso F. B. Meyer é enfático: “Cristo não irá guardar-nos se nos colocarmos descuidada e temerariamente no caminho da tentação”. Tem você vigiado? Tem orado constantemente? Lembre-se: Não se pode brincar com o pecado; ele não é um brinquedo: é uma serpente prestes a dar o bote contra os incautos (Gn 4.1).

2. Não dando lugar ao Diabo. Em sua epístola aos efésios, admoesta o apóstolo: “Não deis lugar ao diabo” (Ef 4.27). O que vem a significar esta admoestação? Willard Taylor, do Comentário Bíblico Beacon, é conclusivo: dar lugar ao Diabo é permitir que ele tenha liberdade para "semear atitudes erradas em nosso espírito”.

3. Andando em Espírito e não cumprindo as concupiscências da carne. Aos irmãos da Galácia, escreveu Paulo: “Digo, porém: Andai em Espírito e não cumprireis a concupiscência da carne” (Gl 5.16). Quem anda no Espírito Santo, não cumpre as concupiscências da carne; e não as cumprindo, como haverá de ceder às tentações?

4. Guardando a Palavra de Deus no coração. O salmista, demonstrando quão temente era ao Senhor, confessou-lhe: “Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti” (Sl 119.11 - ARA). Em seu comentário do saltério hebraico, Charles Spurgeon assim interpreta este versículo: “A Palavra de Deus deve ser compreendida e retida no coração; ela tem de ocupar nossas afeições e entendimento. Nossa mente demanda ser impregnada pela Palavra de Deus. Somente assim não haveremos de pecar contra Ele”.

OBS: O crente pode vencer a tentação se: orar e vigiar, não dar lugar ao Diabo, andar em Espírito e guardar a Palavra de Deus no coração.

CONCLUSÃO. Se as tentações são fortes, temos abundantes promessas divinas que nos asseguram: podemos resisti-las com a Palavra de Deus. Veja quão consoladoras são as palavras do autor da Epístola aos hebreus: “Porque, naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados” (Hb 2.18). E estas de Pedro: “Assim, sabe o Senhor livrar da tentação os piedosos” (2ª Pe 2.9). Por conseguinte, mantenhamos sempre a disciplina da vida cristã, evitando o pecado que tão de perto nos rodeia. Deus está sempre à disposição quando somos tentados. Ele não olha passivamente, mas intervém ativamente. O Todo-Poderoso não somente limita a força da tentação como também mostra o caminho do escape. O Pai celestial não deseja que pequemos, por isso, Ele próprio faz tudo o que for necessário, em qualquer tentação, para nos dar um meio de saída: “Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis; antes, com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar” (1ª Co 10.13).

FONTE DE PESQUISA

1. ANDRADE Claudionor. 2º Trimestre de 2008. As Disciplinas da Vida Cristã - Trabalhando em busca da perfeição, CPAD.
2. Bíblia de Estudo Planitude (ARC).
3. A Bíblia de Estudos das profecias. E.R.A.
4. Dicionário Oline.

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

VIVENDO COM A MENTE DE CRISTO



1ª Coríntios 2.16 “Porque quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo”.

VERDADE PRÁTICA
Diante de um mundo marcado pelos dias maus, não podemos viver sem ter a mente de Cristo.

LEITURA BÍBLICA
1ª Coríntios 2.12-16 “Mas nós não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito que provém de Deus, para que pudéssemos conhecer o que nos é dado gratuitamente por Deus. 13 As quais também falamos, não com palavras de sabedoria humana, mas com as que o Espírito Santo ensina, comparando as coisas espirituais com as espirituais. 14 Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entende-las, porque elas se discernem espiritualmente. 15 Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido. 16 Porque quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo.”

INTRODUÇÃO. A doutrina da glorificação dos salvos, traz esperança à nossa vida. Ela nos lembra que somos peregrinos e forasteiros neste mundo e, por isso, devemos sempre ter a consciência da fugacidade da vida. A melhor maneira de viver com essa consciência é ter a mente de Cristo.

I. PEREGRINOS NESTA TERRA

1. Peregrinos na terra.
O peregrino está de passagem por uma terra que não lhe pertence, ele caminha em direção a um país cujo coração almeja. Para isso, o peregrino se torna nômade, não se apega ao local de estadia porque sabe que ele é provisório. Por onde caminha não experimenta conforto, pois carrega o mínimo de bagagem possível a fim de tornar o trajeto mais leve.

O patriarca Abraão é o modelo bíblico dessa imagem peregrina. O nosso pai da fé saiu da sua terra, deixou sua parentela, foi ao encontro da Terra Prometida e fez da peregrinação um estilo de vida (Hb 11.9). Da mesma forma, nós os cristãos somos peregrinos neste mundo. Por isso, não podemos nos embaraçar com as coisas desta vida nem permitir que ocupem o lugar que pertence ao Senhor em nosso coração (1ª Tm 2.4). Isso não significa irresponsabilidades com o trabalho, os estudos e a família, mas uma motivação correta do coração para priorizar “as coisas que são de cima” (Cl 3.1).

2. Cidadãos celestiais.
A Bíblia se refere ao fato de que os crentes não são deste mundo (Jo 17.16) e anseiam por sua pátria celestial (Fp 3.20). Dessa forma, não podemos nos conformar com este mundo, pois o nosso estilo de vida deve refletir o exemplo de Jesus revelado nos Evangelhos: uma vida marcada pela prática da justiça, do acolhimento aos sofredores, da libertação dos oprimidos pelo Diabo e, especialmente, da prática de amar o próximo, uma virtude eterna (1ª Co 13.13). Nesse sentido, podemos viver um pouco do Reino de Deus nesta Terra (Mt 6.33), embora haja uma tensão entre o tempo presente e a esperança da glória futura a ser manifestada brevemente (Rm 8.18,19,25).

II. VIVENDO EM ESPERANÇA COM A MENTE DE CRISTO

1. Passando pelas provações com a mente de Cristo.
Enquanto vivermos neste mundo, seremos afetados pelas fraquezas e circunstâncias difíceis. Por isso devemos aprender a viver com a sabedoria do alto (Tg 3.17; Fp 4.8). Nesse aspecto, o apóstolo Paulo exorta a igreja de Filipos a ter o mesmo sentimento de humildade de Cristo, esvaziando-se da prepotência, do orgulho, do apego aos títulos e posições, para cumprir o celestial propósito de servir (Fp 2.5-8). Ora, se temos a mente de Cristo, como ensina o apóstolo dos gentios, logo, sabemos discernir bem as coisas espirituais das materiais; por isso, escolhemos priorizar o Reino de Deus e a sua justiça na esperança de que Deus cuidará de nossas vidas (Mt 6.33).

2. Um olhar para além das circunstâncias.
Neste tempo presente, com os olhos focados em Cristo, podemos viver em esperança (Hb 11.1). Quando o nosso pensamento está de acordo com os ensinos do nosso mestre, podemos voltar os nossos olhos para além das circunstâncias difíceis. Isso não significa escapismo ou fantasia, mas uma alegre motivação e encorajamento para enfrentarmos as batalhas com a convicção de que Deus nos fortalecerá. Quando temos esperança em Cristo, e por intermédio d’Ele aprendemos a viver melhor, buscamos uma vida mais simples parecida com Jesus (Mt 6.19-21) e nos lançamos aos seus pés na certeza de que Ele tem cuidado de nós (1ª Pe 5.7). Assim, a vida fica mais leve (Mt 11.28-30).

CONCLUSÃO. Somos peregrinos em terra estranha. Sentimos saudades de uma terra que ainda não conhecemos, como canta o poeta: “Oh! que saudosa lembrança / tenho de ti, ó Sião” (Harpa Cristã, nº 2). Portanto, vivamos sabiamente com a mente de Cristo até o nosso Salvador voltar para nos buscar. Maranata!

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

QUEM DOMINA A SUA MENTE





TEXTO ÁUREO
Filipenses 2.5 “De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus”

VERDADE PRÁTICA
Os substantivos “mente”, “sentimento” e “entendimento” pertencem à esfera do intelecto, que permite à pessoa aprender, desejar, pensar e agir.

LEITURA BÍBLICA
Filipenses 4.4-9. “Regozijai-vos, sempre, no Senhor; outra vez digo: regozijai-vos. 5 Seja a vossa equidade (atitude) notória a todos os homens. Perto está o Senhor. 6 Não estejais inquietos por coisa alguma; antes, as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus, pela oração e súplicas, com ação de graças. 7 E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus. 8 Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai. 9 O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso fazei; e o Deus de paz será convosco.”

INTRODUÇÃO. Na sequência do estudo sobre batalha espiritual, analisaremos a mente e que papel desempenha na luta contra as hostes espirituais da maldade.
- A mente humana é o campo da batalha espiritual.

- Quem nasceu de novo é nova criatura, e assim a vida cristã é norteada pelo Espírito Santo. Isso significa que nós, como cristãos, não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito. A presente lição é uma reflexão introspectiva sobre a nossa maneira de viver, as nossas atitudes e as nossas decisões, e se realmente Jesus é o Senhor de nosso pensamento.

I. SOBRE A EPÍSTOLA AOS FILIPENSES
1. A importância da união (1.27 – 2.4). Filipos era uma colônia do Império romano e uma das principais cidades da Macedônia.

- Paulo esteve na cidade por ocasião de sua segunda viagem missionária e ali fundou a primeira igreja europeia. Isso aconteceu na casa de uma empresária chamada Lídia, vendedora de púrpura. O apóstolo deixou a cidade por causa das pressões locais, mas o relacionamento entre ele e os filipenses continuou. Cerca de dez anos depois, Paulo escreveu de Roma a esses irmãos, por volta do ano 62 ou 63 d.C.

- Paulo foi preso em Roma (At 28.30), onde anunciava o Evangelho mediante as cadeias (1.13). Nesse contexto, a igreja de Filipos enviou uma oferta por intermédio de Epafrotito (4.18). Então Paulo escreve esta epístola aos filipenses, para lhes agradecer a oferta enviada.

- Os cidadãos viviam como romanos, respeitando as leis de Roma e pagando impostos a César. Eles gozavam da segurança e dos benefícios de serem cidadãos romanos, ainda que vivessem a uma grande distância de Roma. Semelhantemente, os cristãos filipenses eram uma “colônia” do céu. Quando Paulo escreveu “vivei de um modo digno” (v. 27), ele estava lhes dizendo para “viverem como cidadãos” de sua cidade capital: o céu:
“Mas a nossa cidade está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo.” (Fl 3.20).

2. Um cidadão tem que manter um certo perfil. Como o resto do mundo saberia que os filipenses eram romanos? Eles viviam como romanos. Como o mundo saberia que eles eram cidadãos do céu? Eles teriam que viver como santos: em união, amor e serviço. O Império Romano era forte, mas no fim caiu. A unidade da cidadania cristã é parte de “um reino inabalável” (Hebreus 12.28).

3. A doutrina. O objetivo da carta não era solucionar problemas doutrinários nem de relacionamentos entre os filipenses, pois eles haviam amadurecido rapidamente.

- Acontece que, naquela ocasião, Epafrodito relatou a Paulo algumas coisas que estavam acontecendo na igreja de Filipos, dentre as quais, as rixas e discórdias existentes naquela comunidade (2.3-4), sobretudo entre duas mulheres: Evódia e Síntique (4.2).

- Enquanto Paulo estava preso por amor ao Evangelho, alguns crentes de Filipos se devoravam com discussões tolas, e faziam a obra do Senhor por vanglória ou partidarismo. Isso ainda acontece hoje. Há tanto o que ser feito. Há tantas pessoas para serem evangelizadas. Ainda que muitos se entreguem completamente ao Evangelho, como Paulo, há outros que estão sempre causando intrigas e se preocupando com mesquinharias.

- Um dos propósitos estava vinculado à amizade e ao amor recíproco do apóstolo (Fp 1.7-9; 4.1). Os problemas referentes às heresias eram periféricos. O apóstolo trata desse assunto mais como precaução. Paulo menciona os legalistas no capítulo 3, mas não era algo agudo na Igreja, visto que em Filipos nem sequer havia sinagoga (At 16.13). Isso mostra que a população judaica não era significativa na cidade. Note que seus habitantes consideravam-se romanos (At 16.21). Não havia nada de muito grave na igreja que o apóstolo precisasse corrigir.

4. O relacionamento. Havia entre os filipenses alguns problemas que são próprios da natureza humana e comuns nas igrejas ainda hoje (Fp 1.27; 2.3,14). É possível que o pedido do apóstolo para ajudar as irmãs Evódia e Síntique indique algum problema de desentendimento entre elas (Fp 4.2). O apóstolo pede que haja unidade e harmonia entre os crentes, tendo por base a humildade e o exemplo de Cristo. O apelo paulino é para que haja entre os filipenses “o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus” (Fp 2.5).

5. O ensino. Filipenses é uma epístola prática, e os pensamentos teológicos aparecem casualmente, como no parágrafo teológico por excelência, no capítulo 2.5-11, e no lar celestial prometido aos cristãos, no final do capítulo 3. O sentimento de gozo e regozijo dominava os crentes de Filipos, e este é um dos temas da carta: a alegria. A Igreja de Filipos é um exemplo a ser seguido por todos; isso porque havia nela o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus.

II. SOBRE A MENTE NO CONTEXTO BÍBLICO

1. O que é a mente. Mente” é a palavra grega “nous” (νους), é um substantivo que significa a mente, intelecto, mente entendimento (divina ou humana, em pensamento, sentimento ou vontade).

2. A mente como faculdade psicológica. A mente é a sede das emoções e sentimentos, do modo de pensar e sentir, disposição, inclinação moral, equivalente ao coração (Rm 1.28; 12.2; 1ª Co 1.10; Ef 4.17,23; Cl 2.18; 1ª Tm 6.5; 2ª Tm 3.8; Tt 3.5); firmeza ou presença de espírito (2ª Ts 2.2); indicando coração, razão, consciência, em oposição aos apetites carnais (Rm 7.23,25).

3. A mente como forma de pensar. A mente aparece também no Novo Testamento como uma maneira ou forma especial de pensar. A ideia nesse caso é de disposição e de atitude, tanto no sentido negativo: “estando cheio de orgulho, sem motivo algum, na sua mente carnal” (Cl 2.18 — Nova Almeida Atualizada); como positivo; “armai-vos também vós com este pensamento” (1ª Pe 4.1). Assim, ter “a mente de Cristo” (1ª Co 2.16) significa pensar como Ele.

- Pelo que se verifica, portanto, do significado das palavras nas línguas originais das Escrituras, temos que a mente é a própria individualidade do ser humano, a sua alma, pois é a alma que tem como faculdades o intelecto ou entendimento, os sentimentos e emoções como também a vontade, o “eu” interior.

- Deus criou o homem como um ser racional, dotado de intelecto, tendo, inclusive, mandado que desse nome aos animais (Gn 2.19,20), como que fazendo o ser humano descobrir que ele era dotado de inteligência e que poderia criar palavras e, com seu intelecto, dominar os demais seres terrenos.

- Deus deu ao homem, também, a capacidade de sentir, ter emoções. Tratava-se de um ser sensível, pois fora feito à imagem e semelhança de Deus, Deus que é, também, um ser sensível, um ser dotado de sentimentos.

- Por fim, Deus deu ao homem a vontade, pois foi feito um ser moral, que tem, portanto, a capacidade de escolher entre o bem e o mal, de fazer escolhas.

4. Espírito. O substantivo grego pneuma, traduzido geralmente por “espírito”, é usado ainda de forma metafórica como modo de ser, atitude, forma de pensar: “se algum homem chegar a ser surpreendido nalguma ofensa, vós, que sois espirituais, encaminhai o tal com espírito de mansidão” (Gl 6.1). É uma atitude ou modo de ser que reflete a forma como uma pessoa encara ou pensa sobre um assunto. Essa expressão é usada em contraste entre o divino e o meramente humano (Mc 2.8; At 17.16; 1ª Co 2.11; 5.5; Cl 2.5).

5. Coração. O coração aparece em toda a Bíblia como o centro da vida física, espiritual e mental; emotiva e volitiva. É a fonte de vários sentimentos e afeições, como alegria e tristeza (Pv 25.20; Is 65.14). O coração é a sede do pensamento e da compreensão (Dt 29.4; Pv 14.10). Seu uso metafórico aparece como a fonte causativa da vida psicológica de uma pessoa em seus vários aspectos, mas a ênfase especial nos pensamentos significa o “homem interior” (Mt 22.37; 2ª Co 9.7; Rm 2.5). Esse sentido aparece também no Antigo Testamento: “guarda o teu coração, porque dele procedem as saídas da vida” (Pv 4.23).

- A outra palavra traduzida por “mente” é “kilyah” “כליה...”, (um rim (como um órgão essencial); (figurado) a mente (como o “eu” interior): - rins, coração” É a palavra encontrada nos salmos.
Sl 7.9 “Tenha já fim a malícia dos ímpios; mas estabeleça-se o justo; pois tu, ó justo Deus, provas os corações e os rins.”
Sl 26.2 “Examina-me, SENHOR, e prova-me; esquadrinha os meus rins e o meu coração.”

III. AS CARACTERÍSTICAS DO HOMEM QUE TEM A MENTE DE CRISTO

1ª Coríntios 2.16 “Pois quem conheceu a mente do Senhor; para que o possa instruir? Nós, porém, temos a mente de Cristo”.

- Esse versículo faz parte de um texto em que o apóstolo dos gentios fala aos crentes de Corinto que a mensagem do Evangelho não repousa na sabedoria humana. Porque?

1. Ele entende as coisas do Espírito de Deus - 1ª Co 2.14 “Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente”.

- O homem natural não tem a mente de Cristo. O homem natural não é capaz de compreender a verdade do Evangelho.

2. Ele tem discernimento espiritual - 1ª Co 2.15 “Porém o homem espiritual julga todas as coisas, mas ele mesmo não é julgado por ninguém”.

- Ele é espiritual não porque possui algo de especial em si mesmo, mas porque recebeu o Espírito Santo.

- O apóstolo Paulo chama os salvos de “homens espirituais” e afirma que tais pessoas tudo discernem espiritualmente e de ninguém é discernido (1ª Co 3.15) e a característica destas pessoas é que elas possuem a mente de Cristo (1ª Co 3.16).

3. Alimenta-se do alimento sólido - 1ª Co 3.1-2 “Eu, porém, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, e sim como a carnais, como a crianças em Cristo. 2 Leite vos dei a beber, não vos dei alimento sólido; porque ainda não podíeis suportá-lo. Nem ainda agora podeis, porque ainda sois carnais”.
Hb 5.11-14 “Do qual muito temos que dizer, de difícil interpretação; porquanto vos fizestes negligentes para ouvir. 12 Porque, devendo já ser mestres pelo tempo, ainda necessitais de que se vos torne a ensinar quais sejam os primeiros rudimentos das palavras de Deus; e vos haveis feito tais que necessitais de leite, e não de sólido mantimento. 13 Porque qualquer que ainda se alimenta de leite não está experimentado na palavra da justiça, porque é menino. 14 Mas o mantimento sólido é para os perfeitos, os quais, em razão do costume, têm os sentidos exercitados para discernir tanto o bem como o mal.”

4. Ele conhece as Escrituras - Mt 22.29 “Respondeu-lhes Jesus: Errais, não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus”.
2ª Tm 2.15 “Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade.”
Jo 5.39 “Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam.”
Mt 28.19-20 “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; 20 Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.”
Os 4.6 “O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento; porque tu rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não sejas sacerdote diante de mim; e, visto que te esqueceste da lei do teu Deus, também eu me esquecerei de teus filhos.”
2ª Pe 3.18 “Antes crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo. A ele seja dada a glória, assim agora, como no dia da eternidade.”

5. Está num processo contínuo de crescimento na graça e conhecimento - Lc 2.40 “Crescia o menino e se fortalecia, enchendo-se de sabedoria; e a graça de Deus estava sobre ele”.

6. Ele tem a mente renovada pela Palavra de Deus - Rm 12.2 “E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”.
1ª Co 2.16 “Pois quem conheceu a mente do Senhor, que o possa instruir? Nós, porém, temos a mente de Cristo”.

- A mensagem do Evangelho é a mensagem do arrependimento e arrependimento é “mudança de mente”, “mudança de modo de viver”, “mudança de mentalidade”, “mudança de atitudes”. O Evangelho é um convite para deixarmos a “mente cega” para termos a “mente iluminada”.

7. Ele nasceu de novo - Jo 3.3-6 “Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. 4 Disse-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer? 5 Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. 6 O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito.”

- O ensino de Jesus a Nicodemos, onde é dito que para ver e entrar no reino de Deus é necessário antes “nascer de novo” e “nascer da água e do Espírito”, como também que há uma diferença entre os que são “nascidos da carne” e os “nascidos do Espírito” (Jo 3.3,5,6), nascidos estes que são como o vento, que assopra onde quer e ouvimos a sua voz, não sabendo donde vem nem para onde vai (Jo 3.8).

- Assim sendo, logo verificamos que, para ter a “mente de Cristo”, faz-se necessário nascer de novo, nascer do Espírito. A salvação em Jesus Cristo não é um mero assentimento intelectual e, sim, um renascimento espiritual (1ª Pe 1.21) que se dá na vida do pecador arrependido.
1ª Pe 1.3 “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos,
Ef 2.5-6 “Estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos), 6 E nos ressuscitou juntamente com ele e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus.”

8. Renunciar ao domínio da velha natureza - 2ª Co 5.17 “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.”

9. Manifesta os frutos do Espírito - Gl 5.22-23 “Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, 23 mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei”.

10. Ele é maduro, perfeito, adulto - 1ª Co 13.11b. “Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, pensava como menino...”.
1ª Co 2.15 “Porém o homem espiritual julga todas as coisas, mas ele mesmo não é julgado por ninguém”.

11. Ele já crucificou a carne com sua paixão e concupiscência - Gl 5.24 “E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e concupiscências”.

12. Ele é homem cheio do Espírito - 1ª Co 14.18 “Dou graças a Deus, porque falo em outras línguas mais do que todos vós”.

13. Prega a palavra de Deus não com sabedoria humana - 1ª Co 2.13 “Disto também falamos, não em palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas ensinadas pelo Espírito, conferindo coisas espirituais com espirituais”.
1ª Co 3.19 “Porque a sabedoria deste mundo é loucura diante de Deus; porquanto está escrito: Ele apanha os sábios na própria astúcia deles”.

14. Ele é um ungido de Deus - 2ª Co 1.21 “Mas aquele que nos confirma convosco em Cristo e nos ungiu é Deus”.

15. Ele anda no Espírito, anda na sua vontade - Gl 5.16, 25 “Digo, porém: andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne. 25 Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito”.

16. Anda pela fé no nome de Jesus Cristo - 2ª Co 4.18 “Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas”.

17. Ama a Deus sobre todas as coisas e ao seu próximo como ele mesmo - 1ª Co 13.4-7 “O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. 5 Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; 6 Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; 7 Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

18. Gozar de plena comunhão com Ele - Rm 8.16O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus.”

19. Prega no poder o Espírito Santo - 1ª Ts 1.5 “Porque o nosso evangelho não chegou até vós tão-somente em palavra, mas, sobretudo, em poder, no Espírito Santo e em plena convicção, assim como sabeis ter sido o nosso procedimento entre vós e por amor de vós”

20. O homem espiritual é um cidadão do céu - Fl 3.20 “Mas a nossa cidade está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo.”
- Ele é peregrino neste mundo - João 17.16 Não são do mundo, como eu do mundo não sou.”

21. Abandonar a forma leviana de pensar, própria do mundo (Fp 4.8). “Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.”

22. Viver em humildade - Mt 11.29. “Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas.”

23. Ser iluminado - Ef 5.14 “Por isso diz: Desperta, tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos, e Cristo te esclarecerá.

24. Ser a luz do mundo Mt 5.14,16 “Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte; 15 Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa. 16 Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.”

25. O homem espiritual, portanto, é aquele que ama a Deus e amar a Deus nada mais é que guardar a Palavra do Senhor, fazer o que Ele manda.
Jo 14.23,24 “Jesus respondeu, e disse-lhe: Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele, e faremos nele morada. 24 Quem não me ama não guarda as minhas palavras; ora, a palavra que ouvistes não é minha, mas do Pai que me enviou.”
15.12-14 “O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei. 13 Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos. 14 Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando.”

IV. SENTIMENTO DE CRISTO
Fl 2.5 “De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus.”
- O sentimento que norteava a vida dos irmãos filipenses era de alegria e de comunhão. É isso que deve prevalecer na vida cristã em todos os lugares e em todas as épocas.

- A palavra sentimento no grego é φρονεῖτε φρονέω que significa: ter o entendimento, sentir, pensar, ter uma opinião própria, pensar por si mesmo), um sentimento que surgiu voluntaria e livremente em Cristo.

- A palavra sentimento vem do Latim SENTIMENTUM, é o ato ou efeito de sentir.
Ter capacidade para sentir e amar.
- Sensação psíquica, tal como as paixões, o pesar, à mágoa, o desgosto ser comovido, sensação; sensibilidade.
Faculdade de compreender; intuição; percepção. Pesar; paixão; desgosto.

1. Ter a mente de Cristo é ter os sentimentos de Cristo. O apóstolo Paulo afirma que devemos ter o mesmo sentimento de Cristo Jesus e que sentimento era este?

1.1. O sentimento de humildade, que fez com que Jesus Cristo Se humilhasse, deixando a Sua glória para Se fazer homem e, como homem, fazer-Se servo e ser obediente até a morte e morte de cruz (Fp 2 6-8).

- No contexto em que descreveu o “esvaziamento” de Cristo. Paulo está a incitar os crentes de Filipos a nada fazer por contenda ou por vanglória, mas por humildade, considerando os outros superiores a si mesmo e não atentando cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros (Fp 2.3,4).

- Humildade é despojar-se de si mesmo, das virtudes que você acha que têm ou realmente têm, dos direitos, das glórias e honrarias.

1.2. Sentimento de obediência. Ter a mente de Cristo é viver para os outros, é considerar os outros, entregar-se aos outros em obediência a Deus, a ponto, inclusive, de morrer pelos outros, de se fazer maldito para o bem dos outros, que foi o que Cristo fez por nós, sem o que não nos teria salvado.

- Ora, tendo sido criado à imagem e semelhança de Deus e feito para viver em comunhão com o seu Criador, o homem deveria sempre formar uma unidade com o seu Senhor, agindo de acordo com Ele, a fim de que tivesse os pensamentos de Deus, os sentimentos de Deus e fizesse a vontade de Deus.

1.3. Sentimento de amor.
Jo 13.34-35 “Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis. 35 Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros.”
Jo 15.12-14 “O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei. 13 Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos. 14 Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando.”

1.4. Sentimento de compaixão.
- O Evangelho registra que Jesus, em suas andanças “por todas as cidades e povoados”, ao ver as multidões, tinha compaixão delas “porque estavam aflitas e desamparadas, como ovelhas sem pastor” (Mt 9.35-38). Pouco adiante, Mateus volta a registrar: “Quando Jesus saiu do barco e viu tão grande multidão, teve compaixão deles e curou os seus doentes” (Mt 14.14). Jesus mesmo expressa verbalmente esse sentimento por ocasião da segunda multiplicação de pães e peixes: “Tenho compaixão desta multidão” (Mt 15.32).

- Porque Jesus não só enxergava, mas também se compadecia do sofrimento alheio, muitos clamavam e gritavam diante dele: “Filho de Davi, tem misericórdia de nós”. É o caso dos dois cegos (Mt 9.27), da mulher cananéia cuja filha estava endemoninhada e sofrendo muito (Mt 15.22), do homem cujo filho também estava endemoninhado e era jogado ora no fogo ora na água para ser morto (Mc 9.22), do cego Bartimeu, que pedia esmola numa rua de Jericó (Mc 10.47).
- A compaixão de Jesus pelo sofrimento alheio ia muito além do mero sentimento. Ele se entregava ao ministério de aliviar os outros de suas dores. O povo lhe trazia “todos os que estavam padecendo vários males e tormentos: endemoninhados, epiléticos e paralíticos” e ele os curava (Mt 4.23-25).
  
1.5. O sentimento de alegria.
- “Regozijai-vos” é uma saudação grega, mas aqui Paulo exorta os filipenses e todos os cristãos à alegria. O apóstolo acrescenta: “sempre, no Senhor”. O Senhor Jesus é a fonte inesgotável de gozo e alegria, e isso dá à saudação um sentido complemente novo. Como resultado desse estado de graça está o bom relacionamento do cristão com as demais pessoas. O termo “equidade” (v.5) é a tradução do adjetivo grego epieikés, “compreensivo, bondoso, benigno”. A Almeida Revista e Atualizada traduz por “moderação”. Essa deve ser a atitude de quem tem a mente de Cristo em relação às pessoas que nos rodeiam. É o que Deus espera de todos nós. A expressão “perto está o Senhor” (v.5) diz respeito à vinda de Jesus que se aproxima (Ap 1.3; 22.10) e nos inspira a essa moderação.

1.6. Nossa gratidão a Deus.
- Os filipenses viviam num clima de perseguição religiosa. Paulo estava na prisão. Mas nada disso era problema suficiente para roubar a alegria dos crentes: “a alegria do SENHOR é a vossa força” (Ne 8.10). Mesmo nas dificuldades, quem tem uma mente guiada por Cristo não se desespera; antes, as suas petições são levadas à presença de Deus “pela oração e súplicas, com ação de graças” (v.6).

1.7. A paz de Deus.
- O termo noema, “pensamento, mente”, diz respeito à faculdade geral de julgamento para tomar decisões, no sentido de bem ou mal, certo ou errado. A ideia dessa palavra é de entendimento da vontade divina concernente à salvação (2ª Co 10.5).

- Esse noema pode se corromper (2ª Co 11.3) e se tornar endurecido (2ª Co 3.14), a ponto de impedir a iluminação do evangelho de Cristo (2ª Co 4.4). Mas a paz de Deus na vida cristã está acima de todos os bens que uma pessoa pode adquirir e sobrepuja a todo entendimento, pois vai além da razão humana. Ela excede “os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus” (v.7).

CONCLUSÃO. O nosso comportamento na vida diária, no lar, na Igreja, no trabalho e na sociedade reflete o que há em nosso coração, e isso mostra por si só quem domina a nossa mente. Há pontos na fé cristã que são inegociáveis, e quem é dominado pelo Espírito não abre mão de sua fé nem cede um milímetro sequer de sua fidelidade a Deus. É esse espírito que domina a mente dos crentes fiéis em Cristo Jesus.

O PERFIL DE UMA IGREJA QUE TEM A MENTE DE CRISTO

Atos 2.42-47 “E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações. 43 E em toda a alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos. 44 E todos os que criam estavam juntos, e tinham tudo em comum. 45 E vendiam suas propriedades e bens, e repartiam com todos, segundo cada um havia de mister. 46 E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração, 47 Louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar.

I. PERSEVERAVAM NA DOUTRINA

- Perseveravam é continuar; ficar permanecer.
- Doutrina no grego didache que significa: ensino, aquilo que é ensinado, ensino a respeito de algo, o ato de ensinar, instrução, fazer uso do discurso como meio de ensinar.

II. PERSEVERAVAM NA COMUNHÃO

A palavra “comunhão” vem do grego “koinonia”; do latim comunicare, comunicar.

- Segundo o dicionário estrongs comunhão é: fraternidade, associação, comunidade, comunhão, participação conjunta, relação, intimidade; oferta dada por todos, coleta, contribuição, que demonstra compromisso e prova de comunhão.

- Comunhão é orar, servir e ajudar em união. E também significa crescer, morrer e ir para o céu em união. É tudo o que fazemos juntos como família de Deus.

- Comunhão com Deus e comunhão uns com os outros são coisas que caminham unidas. É um intimo relacionamento entre duas pessoas.

- Comunhão com Deus.
Relacionamento que o crente passa a manter com Deus mediante o sacrifício de Jesus Cristo no Calvário.

- Comunhão entre os santos. [Do latim comunio sanctorum]. É o vínculo espiritual e social estabelecido pelo Espírito Santo entre os que recebem a Cristo como seu Único e Suficiente Salvador. Tendo como base o amor, esse vínculo faz com que os crentes sintam-se ligados num só corpo, do qual Cristo é a cabeça (Ef 4.1-16).

- Comunhão é: 1. Uma só alma. 2. um só amor. 3. As magoas são perdoadas. 4. Os muros de separação são derrubados.

Não haverá comunhão se não tivermos prazer gosto pelas verdades da Palavra de Deus.

III. PERSEVERAVAM NO PARTIR DO PÃO
- Certamente trata-se da ceia do Senhor. Ao participarem do pão e do cálice, lembravam-se de Cristo crucificado e da Sua vinda como Rei.

IV. PERSEVERAVAM NA ORAÇÃO
- A oração é um diálogo (do gr. Di-logo), conversa entre duas pessoas.
- A oração traz intimidade com Deus.
- A Igreja primitiva deixou-nos o exemplo da oração.
- A oração é o incenso que oferecemos ao Senhor (Lc 1.9; Ap 5.8).
- Muitos hoje estão vivendo uma vida de sequidão porque não oram mais. Não há milagres, mudanças, porque há falta de oração. (2ª Cr 7.14).

1. A oração traz.
- Cura - Tiago 5.14-15 “Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e estes façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo, em nome do Senhor. E a oração da fé salvará o enfermo, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados”.

- Santificação - 1 Timóteo 4.5 “Porque, pela palavra de Deus e pela oração, é santificado”.
- É uma ordenança - Colossenses 4.2 “Perseverai na oração, vigiando com ações de graças”.

- Devemos orar sem cessar - Efésios 6.18 “Com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos”.

Ef 6.18 - “Com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos”.

V. EM CADA ALMA HAVIA TEMOR

1. Temor é o princípio da sabedoria.
1.1. Respeito, por Deus e pelos outros. É honrar a Deus como criador.
1.2. É responsabilidade com a obra de Deus.
1.3. Temor é sentir nojo pelo pecado.
1.4. Há exemplos de pessoas que perderam o temor e brincaram com Deus.
1.5. Sansão brincou com Deus e perdeu a plenitude do Espírito.
1.6. Saul desobedeceu a Deus o Espírito se retirou dele.
1.7. E ainda hoje há muitos que estão brincado com Deus. Tomando a ceia em pecado.
Sl 128.1 - “Bem-aventurado aquele que teme ao SENHOR e anda nos seus caminhos”!

VI. UNIDADE NO CORPO
“Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum” (v. 44).
- Não existe unidade sem comunhão ou vice versa.
- Unidade [do gr. henotes] - unanimidade, consentimento mútuo.
- Um só corpo (a Igreja); Uma só cabeça (Cristo).
- Apesar de a igreja primitiva ser formada de judeus, gregos e bárbaros e de suas diferença culturais e étnicas tinham unidade.

- Cada membro, neste corpo, tem uma função específica, (Ef 4.11), mas trabalham pelo bem comum.
Ef 4.11-16: “E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, 12 com vistas (propósito) ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo, 13 Até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo, 14 para que não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para outro e levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro. 15 Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, 16 de quem todo o corpo, bem ajustado e consolidado pelo auxílio de toda junta, segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio aumento para a edificação de si mesmo em amor”.

Sl 133.1 - “Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos!”.

VII. A IGREJA PRIMITIVA PRATICAVA A OBRA SOCIAL
“Vendiam as suas propriedades e bens, distribuindo o produto entre todos, á medida que alguém tinha necessidade” (v. 45).

1. No N.T. não encontramos nem uma ordenança que nos manda jejuar, mas a prática da assistência social é uma teologia do Velho e do Novo Testamente. Muitos crentes jejuam para receberem benção, mas quando alcançam esquecem dos necessitados.

2. A obra social é maior que o jejum.

3. O profeta Isaías escreve sobre o verdadeiro jejum bíblico (Is 58.1-10).

4. A verdadeira religião é - Tiago 1.27: “A religião pura e sem mácula, para com o nosso Deus e Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e a si mesmo guardar-se incontaminado do mundo”.

- Visitar no grego episkeptomai – significa: 1. Cuidar ou preocupar-se, inspecionar, examinar com os olhos.
1a) a fim de ver como ele está, i.e. visitar, ir ver alguém.
1a1) o pobre e aflito, o doente.
1b) tomar em consideração a fim de ajudar ou beneficiar.
1b1) ser responsável por, ter cuidado de, prover para: de Deus.
1c) procurar por (olhar em torno), selecionar (alguém para escolher, empregar, etc.).

VIII. AMOR A CASA DE DEUS
V. 46. “Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam o pão de casa em casa....”.

1. Unânimes: [do grego homothumadon] que significa: com uma mente, de comum acordo, com uma paixão.

1.1. A palavra unânimes é usada 10 de suas 12 ocorrências no livro de Atos. Ajuda-nos a entender a singularidade da comunidade cristã.

1.2. Homothumadon é um composto de duas palavras que significam “impedir” e “em uníssono”. A imagem é quase musical; um conjunto de notas é tocado e, mesmo que diferentes, as notas harmonizam em grau e tom. Como os instrumentos de uma grande orquestra sob a direção de um maestro, assim o Santo Espírito harmoniza as vidas dos membros da igreja de Cristo.

2. Davi tinha prazer de na casa de Deus. Sl 122.1: “Me alegrei quando me disseram vamos à casa do Senhor”.

- Davi tinha prazer, a igreja primitiva tinha prazer e sabiam que na casa do Senhor eram abençoados e Deus lhes respondia.

- Quando o crente perde o prazer de vir à casa de Deus tem algo errado.

2.3. Na casa de Deus Ana orou e Deus lhe abençoou.

2.4. Josafá buscou socorro e Deus lhe socorreu.

2.5. Tem compromisso com Deus e Sua obra.

2.6. Não existe comunhão se deixarmos a casa do Senhor por qualquer coisa.

IX. ADORAÇÃO - TINHAM O VERDADEIRO LOUVOR
V. 47. “Louvando a Deus e contando com simpatia de todo o povo...”

1. Louvor [do grego aineo], significa: elogiar, honrar, engrandecer.

- Louvar é expressar o amor de Deus em nossas vidas. É agradecer e engrandecer aquele que merece toda honra e louvor. Não estamos aqui para agradar uns aos outros, mas para adorar ao Senhor Criador do universo na beleza da Sua santidade.

- O louvor nos aproxima de Deus, nos enche da plenitude do Espírito e um crente cheio da plenitude os demônios se sujeitam.

- Louvar com instrumentos, com cânticos, com salmos, com palmas com coreografia etc.

- Quando Saul se encontrava perturbado pediu a seus servos que:
Sm 16.17: “Disse Saul aos seus servos: Buscai-me, pois, um homem que saiba tocar bem e trazei-me”.

X. UMA IGREJA SIMPLES
“...e contando com simpatia de todo o povo...”

A palavra simpatia no grego aphelotes, significa simplicidade, singeleza.

Simples como uma pomba.

Conclusão. Ter a mente de Cristo é pensar como Jesus pensava, Jesus pensava só na Palavra, Ele vivia, pensava e agia de acordo com a Palavra de Deus. Portanto nós Cristãos podemos e temos que ter a mente de Cristo, pois esta é a vontade de Deus para todos os filhos Dele.

- Ter a mente de Cristo não exige sacrifício nosso, pelo contrário é um prazer para nós, pois isto se adquire tendo intimidade com o Senhor, e esta intimidade vem através da nossa entrega total as coisas de Deus.

- Podemos verificar na Palavra de Deus que Jesus possuía características que vinham da Palavra, pois Ele próprio é a Palavra de Deus, é o verbo (Palavra) que se fez carne.


Pr. Elias Ribas