TEOLOGIA EM FOCO: Julho 2010

terça-feira, 27 de julho de 2010

DAVI UM HOMEM SEGUNDO O CORAÇÃO DE DEUS


I. DAVI UM JOVEM UNGIDO REI

Davi foi um exemplo no heroísmo e na confiança em Deus Jeová. E por isso Deus lhe deu grandes vitórias e um nome entre os heróis.

Davi foi pastor, músico, poeta, soldado, estadista, profeta e rei. Ele se destaca nas Escrituras com muita proeminência, pois trata-se de um lutador intrépido no campo de batalha (1º Sm 17.45).

1. Davi, o menor na casa de Jessé.
Davi era o caçula dentre oito irmãos (1º Sm 16.10). Ao escolher Davi, entre seus irmãos, vimos claramente que a visão de Deus é diferente da nossa. Ele não vê como o homem vê. Sem dúvida, o coração de Davi possuía características necessárias para ser um homem segundo Seu coração de Deus. Portanto, Deus usou a capacidade espiritual de Davi aperfeiçoando-o para que pudesse ocupar o trono de Israel. As muitas experiências vividas, deram a Davi a valentia necessária para tomar um poderoso rei, destruindo os inimigos do povo de Deus.

2. Davi um escolhido de Deus.
Samuel, o sacerdote, estava penalizado por Saul, pois sabia que Deus já não era mais com ele. E não tardou muito, Samuel fora enviado por Deus à casa de Jessé, a fim de ungir um dos seus filhos para ser o futuro rei de Israel (1º Sm 16.1). Ali Deus rejeitou os sete irmãos mais velhos de Davi (1º Sm 16.7). Por fim, foram buscar no campo, que ao chegar, Samuel ouviu Deus dizer: “Unge-o, porque foi escolhido para cumprir os propósitos divinos” (At 13.22).

A escolha de Davi coube ao Senhor, ninguém se lembrava dele, pois, estava no campo, era o mais novo, considerado o mais fraco, em fim, Jessé não imaginava tal coisa. Nem o próprio Davi imaginava tal coisa.

3. Davi um Jovem provado.
Davi foi provado, primeiro por Saul, que desanimou ao extremo (1º Sm 17.33). Segundo, pelo próprio Golias, de um modo terrível, para desanimar (1º Sm 17.42). Mas Davi combateu pela fé e venceu em nome do Senhor (1ª Co 9.36; 1º Sm 17.32). Davi sempre viu perto à ação do Senhor contra seus adversários (2º Sm 15.19).

4. Davi um ungido do Senhor.
Quando lemos o Salmo 89: “Achei Davi, meu servo; com o meu santo óleo o ungi”. Quem era Davi para conseguir tantas vitórias? Apenas um ungido do Senhor e sobre quem repousava o Espírito de Deus (1º Sm 16.13).

Deus ungiu Davi, isto é separou-o para um trabalho especial, dotou-o das qualidades necessárias e encheu-o do Espírito Santo e de poder para que ele tivesse condições de conquistar vitórias sem precedentes para o povo de Israel.

Davi tinha compromisso com o Senhor, assim como o Senhor tinha compromisso com ele, por isso a expressão: “...e o Senhor ajudava a Davi por onde que ia” (2º Sm 8.14). Davi confiava inteiramente no Senhor para lhe dar vitória (Sl 20.6), enquanto outros confiavam em carros e cavalos (Sl 20.7).

II. AS VIRTUDES DE DAVI

Mesmo antes de derrotar Golias, Davi era um jovem talentoso e temente a Deus (1º Sm 16.18), já era possuidor de virtudes, habilidades e qualidades que lhe permitiriam conduzir prudentemente na corte real. Quando os servos de Saul solicitaram um músico para tocar para o rei em suas crises espirituais, um deles demonstrou conhecer a pessoa ideal:

“Conheço um filho de Jessé, o belemita, que sabe tocar e é forte e valente, homem de guerra, sisudo em palavras e de boa aparência; e o SENHOR é com ele” (1º Sm 16.18).

1. Sabe tocar bem.
Saul estando atormentado pede aos seus servos que procure alguém que saiba tocar bem. Creio que Deus abriu os olhos espirituais daquele servo do rei, para que ele percebesse em Davi as muitas virtudes que possuía, e tomado de uma determinação convincente indicou o homem de Deus relatando ao rei todas as suas virtudes.

Davi sabia tocar magistralmente. Era exímio músico e poeta, e isto muito contribuía para ele ser um homem espiritual, metódico, organizado e sensível às questões divinas. É altamente importante para a Igreja de Deus e para vida cristã de cada um a verdadeira música evangélica, a “música de Deus” (1º Cr 16.41-42); música inspirada pelo Senhor e bem executada (Sl 33.3); música espiritual que edifica a igreja (Cl 3.16).

Podemos deduzir que Davi era um homem profundamente dedicado à música, se destacando como um exímio tocador de harpa, e que nesta primeira virtude de Davi, observamos três características fundamentais no seu ministério do louvor.

a) Conhecimento.
b) Organização.
c) Dedicação. Isto era transparente aos olhos daqueles que o conheciam, como foi o caso do servo do rei Saul ao iniciar descrevendo as virtudes de Davi “sabe tocar bem” (1º Sm. 16.17).

2. Forte.
Os livros de 1 e 2 Samuel 1 Crônicas e Salmos, registram os feitos corajosos, resolutos, decisivos e vitoriosos de Davi. Neles vemos um homem de fé, oração, justo, temente a Deus e perseverante, como no caso registrado em 1º Crônicas 14.8-17.

Davi não tinha uma estatura elevada e certamente não chamava a atenção pela sua altura, mas era um jovem detentor de uma força física muito grande, ao ponto de ter lutado com um leão e um urso, tomando da boca das feras um cordeiro de seu rebanho, e quando as feras se voltaram contra Davi, ele as feriu e matou, tanto o leão como o urso (1º Sm. 17.34, 36). Isto nos prova que quando Deus está conosco, podemos todas as coisas, pois é Ele que nos fortalece, (Fl. 4.13).

3. Homem de Guerra.
Davi, por confiar inteiramente no Senhor, era um homem destemido em seu desempenhou como rei de Israel. Ele demonstrou coragem, habilidade e eficiência antes de ocupar o trono e depois, quando assentou-se.

Após vencer um leão e um urso, Davi estava preparado para guerrear contra o gigante Golias contrariando a declaração de Saul em 1ª Sm 17.33, pois o rei imaginava que Davi sendo só um jovem, não estava em igualdade de condições com Golias. Mas quando o servo do rei o recomendou afirmando que Davi era um homem de guerra, certamente o rei achou um exagero; Saul estava comparando Davi com Golias e relutava em tomar o risco de mandar Davi contra o gigante. Davi não confiava em seu próprio nome, mas do Deus de Israel que estava sendo afrontado (1º Sm 17.45).

“Os maiores problemas, as circunstâncias que se agigantam diante do homem de Deus, se tornam pequenas para o Deus que servimos, e Davi era um guerreiro escolhido por Deus”.

A Bíblia declara que “as armas da nossa milícia não são carnais, mas, sim, poderosa em Deus, para destruição das fortalezas” (2ª Co 10.4). Tal como Davi, o crente é um soldado cristão e jamais deve esquecer que não está lutando contra o sangue e a carne, mas contra os principados e potestades (Ef 6.12), e que, por isso, deve estar sempre revestido de toda a armadura de Deus (Ef 6.11).

4. Valente
A valentia de Davi não se percebia por impulsos naturais, afrontando este ou aquele a fim de mostrar o quanto era forte, mas sim, quando por uma justa causa.

Ao tomar conhecimento do que acontecia com o povo de Israel, e das atitudes medrosas que os guerreiros do rei Saul tomavam fugindo das afrontas do gigante Golias, de imediato se colocou a disposição do rei a fim de enfrentar o gigante, (1º Sm 17.32). Nesta conversa entre o rei Saul e Davi, ilustra claramente a diferença radical entre suas perspectivas. O rei continua pensando naquilo que é humanamente possível e diz a Davi “...não poderás”, (1º Sm 17.33), ao passo que Davi tomado de sua divinal virtude de valentia, responde ao rei “...o Senhor me livrará” (1º Sm 17.37).

Davi, por confiar inteiramente no Senhor, era um homem destemido em seu desempenho. Tudo nos confirma que o crente que confia em Deus é um valente, e pode cantar com muito entusiasmo o hino de nº 225 de nossa harpa cristã, “SE VALENTE...”.

5. Sisudo em palavras.
Davi tinha convicção daquilo que fazia. Ao ver o gigante Golias com suas armaduras de guerra diante de seus olhos e observando a sua estatura, pois o gigante Golias tinha seis côvados e um palmo de altura, (quase três metros). Sem temer ao gigante, de imediato lhe disse com toda a autoridade de um homem de Deus, “Tu vens a mim com espada e com lança, com escudo, eu porém vou a ti em nome do Senhor dos Exércitos, o Deus de Israel...”, (1º Sm 17.45).

Ao ser abençoado pelo rei Saul quando este invocava sobre Davi a benção, mostra-se a distinção mais clara entre o rei Saul e Davi e que explicava o porquê Davi teve sucesso em sua vida; disse o rei Saul “O Senhor seja contigo...”.

Quando servimos ao Senhor, Ele é conosco e nos dá autoridade para determinarmos nossa vitória. “O Senhor salva, não com espada, nem com lança; porque do Senhor é a guerra”, (1º Sm. 17.47).
O renomado comentarista bíblico John Gill declarou que Davi era um homem “prudente em seus assuntos; nas suas falas e conversas; na conduta e comportamento; e que sabia se conduzir, até mesmo na corte real”.

6. Boa aparência.
A aparência é algo tão marcante que se, não fosse Deus, o profeta Samuel ungiria a pessoa errada (1º Sm 16.6-7). Convém dizer o que agradou ao Senhor ao escolher Davi foi o seu interior (1º Sm 16.7), e não sua imagem externa. Vemos aqui um princípio a que a igreja deve estar atenta ao avaliar alguém como homem de Deus, ou não, somente pelo que vê ou ouve.

Quando o gigante Golias viu Davi se aproximando para enfrentá-lo, nos relata a Bíblia que o gigante desprezou a Davi, pois via um moço de uma boa aparência e que certamente imaginou que Davi fosse um filho mimado, um rapaz comum, sem qualidades, sem virtudes para o enfrentar. Mas Golias via a Davi como vê o homem, apenas a aparência e não conseguiu ver que Davi possuía virtudes suficiente para mostrar-lhe que a beleza que conta para Deus é a que vem de dentro da alma, e essa beleza só Deus pode dar para o homem. Aleluias!

Davi na sua humildade e convicto de sua vitória, disse a Golias, “Hoje mesmo, o Senhor te entregará nas minhas mãos...”, (1º Sm 17.46 a). Esta é a certeza que temos em nosso Deus, que a vitória é nossa em nome de Jesus.

7. O Senhor andava com ele.
Ao tomar a decisão de enfrentar o gigante Golias desprovido das armaduras de Saul, armado apenas de sua funda e de cinco pedras, Davi tinha a certeza de que seu Deus era maior do que qualquer problema, qualquer gigante que o afrontasse, e na convicção de fé e de homem de Deus, Davi deve ter pensado nas palavras que escreveu no Salmo 118.6: “O Senhor está comigo, não temerei o que possa me fazer o homem”.

Davi foi vitorioso. Davi sobrepujou as ameaças do gigante Golias, pois a sua contra-ameaça abrangia todo o exército felisteu. No auge da luta entre Golias , que tinha todas as vantagens do ponto de vista físico; e Davi, que tinha Deus ao seu lado; este conseguiu triunfar mesmo sem ter uma espada, pois Davi tinha Deus ao seu lado, o Deus de Israel, o nosso Deus. Louvado seja o Senhor dos exércitos para todo o sempre.

III. O TALENTO DE DAVI NA CORTE

Antes de chegar a se escudeiro do rei Saul, o jovem Davi era um simples camponês, trabalhando como pastor das ovelhas de seu pai (1º Sm 17.15), e tinha habilidade de tocar instrumentos de cordas (1º Sm 16.18). Na corte, Davi era praticamente um desconhecido (1º Sm 17.55-56).

Até o seu desafio a Golias, Davi era um aprendiz na casa real (1º Sm 16.21). Todavia, essa situação mudou drasticamente graça à sua estupenda vitória sobre o Golias, o filisteu de Gate. De um simples músico e escudeiro-aprendiz, Davi foi promovido a comandante de tropas (1º Sm 18.5).

O homem segundo o coração de Deus obteve êxito desde o princípio e em todo o lugar, porque foi alguém que sempre cultivou em seu espírito a humildade de aprender e de começar por baixo. Alem de sua humildade, Davi era um homem pronto a aprender, e também escutava seus críticos e seus inimigos; e, antes de tudo, seguia os profetas de Deus. Esta humildade e esse espírito pronto a aprender são as características que fizeram com que Deus o classificasse como o melhor líder de Israel.

Davi, por ser fiel e amar ao Senhor e à sua Palavra, soube se conduzir como iniciante e também portar-se numa posição elevada e de autoridade. Em ambos os casos, Davi estava instruído a como se conduzir: quando era dirigido como subordinado e quando dirigia como chefe. Não é fácil executar tarefas mais difíceis, extensas e complexas quando se aprende bem a fazer as mais simples, buscando ao Senhor, o divino Mestre, que tudo conhece.

Pr. Elias Ribas

pr_eliasribas@yahoo.com.br

ACHEI DAVI

“...Achei a Davi, filho de Jessé, homem segundo o meu coração, que fará toda a minha vontade” (Atos 13.22).

Já aprendemos que Deus está a procura de verdadeiros adoradores, aqueles que o adorem em espírito e em verdade (Jo 4.23-24). A palavra empregada aqui é Aletheia e é o oposto de fictício, fingido ou falso. Denota veracidade, realidade, sinceridade, exatidão, integridade, confiança e propriedade.

Uma coisa é buscar a Deus, outra coisa é ser buscado por Ele. Deus está a procura de verdadeiros adoradores!

1. ...Homem”.
Deus está procurando homens de verdade (Êx 18.21). “Homem” aqui, não se refere a sexo, mas no sentido de maturidade, seriedade, compromisso, responsabilidade, fidelidade, disposição para aprender, alguém de palavra. Para maior eficiência e resultados na obra do Senhor continua válido ainda hoje.

Davi era um homem de responsabilidade (1º Sm 16.11). Todos os irmãos de Davi já estavam em casa e Davi estava ainda cumprindo seu trabalho o responsável trata tudo com seriedade e dedicação não tem brincadeira, desempenha bem sua função Deus só chama responsáveis, pessoas querem ser segundo coração de Deus mas não tem responsabilidade com nada.

Deus não procura “crianças” (imaturidade)! Mas pessoas moldadas pela Sua Palavra, que temem a Deus, instruídas na verdade e totalmente dedicadas à Sua causa. Deus está buscando uma Igreja comprometida, madura, santa e irrepreensível, sem mácula, sem mancha e sem ruga (Ef 5.27).

Quando falamos de adoração, logo lembramos de Davi, e este tinha uma característica - estava cuidando das ovelhas de seu pai (1º Sm 16.11). Aqui, podemos aprender uma lição prática: Nós músicos, precisamos aprender andar com pessoas, cuidar delas, conhecer as necessidades da nossa igreja e dos nossos pastores, em vez de sermos egoístas pensando apenas em nós e no “nosso ministério”!

Mais adiante, Davi comentou com Saul que havia matado um leão e um urso em defesa das ovelhas de seu pai (1º Sm 17.34-35). Seu pai nunca pediu que colocasse em risco sua própria vida em defesa das ovelhas e nem acharia ruim se ele não fizesse isto, mas Davi teve esta atitude porque era uma pessoa responsável. Deus procura pessoas assim, que não desistem dos desafios na primeira dificuldade que surge! Existem pessoas que enxergam problema e dificuldade em tudo! O que lhe é pedido nunca pode ser feito porque sempre encontra algum empecilho, “não posso carregar a caixa de som...”, “não posso isso...”, “não posso aquilo...”, etc; sempre há uma desculpa, mas quem tem “desculpas” não têm frutos!

O homem quando é servo de Deus, gosta de responsabilidade e parte para os desafios para vencer! Existem pessoas que desistem fácil dos desafios, normalmente são aquelas que nunca terminam aquilo que começaram a fazer.

Davi ao visitar o exército israelita, que estava acampado de fronte dos filisteus, ouviu as ameaças blasfêmias de Golias. Davi creu que Deus lhe daria capacidade para matar. O gigante Golias enfrentava Israel dizendo: “Daí-me um homem...” (1º Sm 17.10); em outras palavras, “Tem homem aí...?”. Existem muitos músicos que fogem dos desafios, mas Davi se colocou à disposição e matou o gigante Golias (1º Sm 17.23-52).

2. “...segundo o meu coração...”
Davi é esse homem. Davi era um homem segundo o coração de Deus (1º Sm 13.14), pelas seguintes razões:

a) Cria em Deus desde a sua juventude.
b) Buscava diligentemente e continuamente a face de Deus e os seu conselho, dependendo inteiramente Dele (1º Sm 23.-4; 30.8; 2º Sm 2.1; 5.19, 23).
c) Adorava a Deus com a totalidade se seu coração e instruía a nação inteira de Israel a fazer o mesmo (1º Cr 15.16).
d) Reconhecia humildemente que Deus era o verdadeiro Rei de Israel e que ele mesmo não passava de um representante Dele (2º Sm 5.12).
e) E na sua conduta pública obedecia ao Senhor e cumpria a sua vontade de modo geral (At 13.22).

Já em tenra idade, Davi cultivava um coração voltado para Deus como seu pastor espiritual (Sl 23). O fiel coração de Davi diante de Deus (1º Sm 16.7), foi a razão da sua escolha, por Deus, para o rei de Israel.

“...segundo o meu coração...” significa ter a forma do coração de Deus, que saiu do coração, formato do coração de Deus e parecido com Deus. Ter o formato do coração de Deus é agir como Ele age, sentir como Ele sente e pensar como Ele pensa! Para termos o formato do coração de Deus precisamos conhecê-lo, tendo intimidade e relacionamento com Ele (Sl 25.14). Precisamos aprender a conhecer Sua voz!

Em Romanos 12.2, diz: “E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”. Não vos conformeis, significa, não devemos tomar a forma de. Estamos neste mundo, mas não pertencemos a este mundo! Pertencemos ao Reino de Deus!

Essa é uma experiência diária, por meio da qual, podemos perceber que a vontade de Deus, a qual o próprio Jesus se referiu, na oração modelo (Mt 6.10; Lc 11.2), não é para o mal, mas para o bem daqueles que se comprazem em viver em conformidade com Sua vontade. É uma pena que muitos cristãos, em sua vida carnal, vejam a vontade de Deus como um fardo, quando o Senhor disse que o seu jugo é suave e leve (Mt. 11.28). O desejo de Deus, como o foi para o antigo Israel, e também para as nossas vidas, não são para a morte, mas para que vivamos em paz e em comunhão com Ele que nos chamou (Dt 30.16,19). A menos que entendamos isto, viveremos como o filho da parábola que ficou em casa, mas não desfrutava de suas riquezas (Lc 15.30).

Davi era um homem segundo o coração de Deus (1º Sm 13.14), porque tinha um coração quebrantado (Sl 51.17) e sempre estava disposto a aprender. Uma das características de uma pessoa quebrantada é que ela deseja andar no Temor do Senhor, que significa levar Deus a sério!

Davi pecou contra Deus: adulterou com Bete-Seba, mesmo sabendo de quem era esposa (2º Sm 11.3), Davi procura oportunidade para ficar com a mulher de Urias (2º Sm 11.3), e providenciou para que ela fosse trazida ao seu palácio. Após ter cometido adultério e informado da sua gravidez mandou chamar Urias para que ele passasse a noite com sua esposa (2º Sm 11.8-9). Posteriormente, Davi descobriu que Bate-Seba estava grávida, esperando um filho dele. As tentativas de Davi para levar Urias à sua casa falharam. Agora ele apela para o extremo, que é matá-lo. Em desespero, Davi o envia de volta às tropas, com instruções ao comandante Joabe de por em frente da batalha onde ele foi morto (2º Sm 11.15-17). Urias morreu em batalha, todavia, Deus estava atento e expôs todo este caso diante de Davi, através do profeta Natã (2º Sm 12.1-7).

Davi, adulterou, matou, mentiu, traiu sua nação, cometeu vários erros em julgamento, era um mau administrador e, por fim, era incapaz de cuidar de sua casa. Então como dizer que Davi era um homem segundo o coração de Deus? A resposta está no fato de que, a cada erro, Davi se arrependia; e de modo igualmente importante, ele aprendia com seus erros. Deus observou o arrependimento de Davi (Sl 51.4). Pela boca do profeta Natã, Deus puniu o pecado de Davi (2º Sm 12.1). E Davi não escondeu seu pecado, mas confessou diante de Deus (Sl 32.5).

É assim que acontece com qualquer um de nós. Pecamos, nos arrependemos - verdadeiramente - e Deus nos perdoa. Quando Ele perdoa, esquece (Is 38.17 e Jr 31.34b). E não somente esquece, mas aponta-nos como referencial de testemunho e conduta.

É possível ser perfeito? Se você acha que ser perfeito significa nunca cometer um erro, não, claro que não é possível. Mas graças a Deus que o conceito bíblico de perfeição é completamente diferente. Para Deus, ser perfeito é “andar com Ele”, como andou Enoque, Noé, Abraão, como andou Davi.

Para os seres humanos, uma pessoa é perfeita, santa, justa, íntegra, quando nunca comete nenhum erro, quando faz tudo certinho, quando cumpre todas as normas, leis e regulamentos.

Quando Deus olha para nossas vidas o que Ele procura, não é a perfeição, ser Cristão não significa ser perfeito. A Bíblia diz que não existem homens perfeitos, nem um só homem (Rm 3.10), todos nós pecamos, todos nós desobedecemos a Deus, e é essa obediência que nos separa de Deus. O único homem que andou na terra que é perfeito, é Jesus Cristo. Ele cumpriu exatamente a vontade do Pai (Mt 3.17), Jesus não conheceu o pecado.

Para Deus, uma pessoa é perfeita quando se dispõe a andar com Ele, quando faz de Cristo o mais importante da vida. Quando compreende tudo o que Cristo fez na cruz por ele e clama por um novo coração capaz de amar, quando sente dor por todo o sofrimento que causou a Cristo com seus erros passados. Para Deus uma pessoa é perfeita quando olha para a cruz e se apaixona por Cristo.

No entanto, ao longo de sua vida, Davi procurou ser um homem reto, e o desejo de seu coração era fazer a vontade de Deus. Esse é o tipo de pessoa que Deus procura (cf. Jr 5.1-9). De acordo com o que podemos ver com relação a Davi, Deus não espera perfeição. Apesar de tudo o que Davi fez de errado na vida, Deus examinou-lhe o coração e disse que ele era um homem segundo o seu coração, alguém que sempre buscou fazer a vontade divina.

Como já vimos, Davi não foi um homem perfeito, mesmo assim, não podemos deixar de atentar para sua espiritualidade exemplar que nos serve de modelo ainda hoje.

A nossa adoração não deve parar por causa de lutas e dores. Nossa adoração a Deus de fato trará libertação da luta e da dor. A adoração liberta o coração do poço mais profundo e da feiúra do pecado.
Deus descobriu em Davi um exemplo de adorador em virtude como lidou com seus fracassos e não com seus sucessos.

Deus descobriu o que Ele estava procurando em Davi. Ele o chamou de “um homem segundo o Seu coração” (1ª Sm 13.14). Hoje Deus está procurando o mesmo de nós.

Eu creio que o que chamou a atenção de Deus não foram somente os seus atributos mas o seu coração de adorador, que nos seria revelado de forma íntima transparente e intensa por meios dos “Salmos de Davi”.
O que havia no coração de Davi que fê-lo ocupar um lugar tão especial no coração de Deus? Davi compreendeu que a adoração não se restringia simplesmente a adorar a Deus quando tudo estava bem. Em meio a grande tribulação, Davi era capaz de reconhecer a grandeza de Deus (Sl 10). Até mesmo em seu pior pecado, ele conseguiu ir ao Senhor, arrepender-se e ser purificado para que pudesse adorá-Lo novamente (Sl 51).

Quando o adorador entra na presença de Deus, ele é recebido com uma das virtudes mais gloriosa de Deus – sua misericórdia!

Podemos ver a misericórdia de Deus em ação na vida de Davi. Ele era um rei ordenado por Deus para governar uma nação, um grande herói e um grande modelo para nós. Mesmo assim, Davi teve de confessar seu pecado e pedir perdão por ele, e isso fez dele um adorador de Deus.

Deus somente recebe nossa adoração quando confessamos os nossos pecados. É isto que Deus exige como arrependimento.

“Com que me apresentarei ao SENHOR e me inclinarei ante o Deus excelso? Virei perante ele com holocaustos, com bezerros de um ano? Agradar-se-á o SENHOR de milhares de carneiros, de dez mil ribeiros de azeite? Darei o meu primogênito pela minha transgressão, o fruto do meu corpo, pelo pecado da minha alma? Ele te declarou, ó homem, o que é bom e que é o que o SENHOR pede de ti: que pratiques a justiça, e ames a misericórdia, e andes humildemente com o teu Deus” (Mq 6.6-8).

O que Deus exige de nós na adoração? Tem sido dada muito mais ênfase aos métodos de adoração do que ao coração do adorador. Deus não exige que sempre que eu entre na Sua presença dobre os joelhos ou levante as mãos. Estes atos físicos de rendição são agradáveis a Ele, mas Ele se preocupa primeiro com o meu coração.

O que o Senhor busca em você e o que está procurando em seu coração? Deus deseja que:
a. Você pratique a justiça (Viva a Palavra de Deus).
b. Ame a misericórdia (pois lhe tem sido revelada misericórdia).
c. Caminhe humildemente diante dele (Mt 11.29).
Deus quer que vivamos uma vida de adoração e não apenas tenhamos momento de adoração.

3. “...que fará TODA a minha vontade”.
Davi foi um homem segundo o coração de Deus, o que nos faz entender que Davi não fazia a sua própria vontade, mas a do Senhor. Devemos ser obedientes a voz do Senhor! Se não formos obedientes a Sua voz seremos rebeldes, e a Bíblia diz que “a rebelião é como o pecado de feitiçaria” (1º Sm 15.23).

Você percebe que a questão não é simplesmente andar com Deus como já vimos. O importante é andar “humildemente” com Ele. É Ele que dirige. É Ele que mostra o caminho. É Ele que diz como as coisas serão melhores para ambos. Eu O amo e aceito Seu conselho porque Ele sabe o que é bom para mim. Não sou eu que dirijo a caminhada, não sou eu que devo levar Deus por onde acho que devo ir. Apenas seguro a Sua mão e vou. Ele é meu Pai, meu Amigo, meu Irmão, Ele é meu princípio, meu fim, Ele é tudo. Eu apenas me abandono em Seus braços de amor e vou por onde Ele quer e faço o que Ele disser. Afinal de contas, Ele conhece o caminho e o que mais quer é que eu seja feliz.

A palavra toda aqui significa fazer TODA a vontade de Deus. Existem duas vontades no universo, a de Deus e a do diabo. Por isso Jesus disse: “Quem não é por mim é contra mim; e quem comigo não ajunta espalha” (Mt 12.30). Não podemos servir a dois senhores (Mt 6.24), portanto, ou estamos servindo e obedecendo a Deus, ou ao diabo; ou estamos fazendo a vontade de Deus ou a do diabo! Não existe meio termo. Será que estamos no centro da vontade de Deus? Para sermos obreiros aprovados (2ª Tm 2.15) precisamos estar no centro da vontade de Deus! Não basta sermos usados por Deus, pois Ele usa quem quiser e a hora que quiser, precisamos ser aprovados por Ele. Tem muita gente que está sendo usada, mas não está sendo aprovada por Deus, pois não estão no centro da Sua Vontade! E a vontade de Deus é boa, perfeita e agradável (Rm 12.2) sob o prisma d’Ele, mas para nós muitas vezes não é fácil e nem agradável!
Aplicando esta realidade no ministério da música, podemos perceber que existe tanto a parte “boa” como a “amarga” com relação a nossa participação no ministério. Tem gente que só se interessa pela parte “boa”! Precisamos aprender a comer o “cordeiro todo”, como foi a orientação de Deus à Moisés para o povo de Israel no Egito (Êx 12.1-14), e isso implica partes boas e partes duras, ruins e amargas. Estamos dispostos seguir a orientação de Deus? Vão existir momentos em que teremos que realizar coisas que não queremos, mas faremos porque é a vontade de Deus para a nossa vida, e o que mais importa é obedecer-lho e realizar a Sua Vontade! Deus continua procurando verdadeiros adoradores! [Turbay].

Pr. RONALDO BEZERRA