TEOLOGIA EM FOCO: Setembro 2012

sábado, 29 de setembro de 2012

O PERIGO DO FARISAÍSMO

Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios” (1ª Tm 4.1)

O termo apostatar-se do grego afisthmi aphistemi significa: fazer retroceder, remover, abandonar, desviar-se ou afastar-se da fé. Este sinal já está acontecendo nos dias de hoje. Muitas autoridades das igrejas têm distorcido o verdadeiro evangelho.

O apóstolo Paulo deixa um alerta a Timóteo contra os falsos mestres que estavam desviando a fé muitos crentes.

Ora, a primeira idéia que ocorre ao ler o texto é que as igrejas vão ficar vazias, ou seja, parece que todos vão desviar-se, afastar-se ou abandonar suas igrejas. Mas, observemos com mais atenção as palavras de Paulo, principalmente os versos 10 e 11 de 2ª Tessalonicenses 2: ele menciona sinais e prodígios de mentira sendo apresentados, assim como engano para os que perecem porque não receberam o amor da verdade.

Paulo estava preparando os novos crentes para não perderem-se num novo legalismo. Tanto os homens quanto as mulheres teriam que aprender a preocupar-se primariamente com o espírito da lei – a lei do amor a Deus e ao próximo. Ele empreendeu uma campanha tremenda contra o legalismo dos judaizantes e contra aqueles que pretendiam introduzir ou impor o ascetismo (a auto-negação) na nova fé cristã.

A igreja de Cristo não é uma igreja de proibições, mas sim atender às diretrizes de Deus: pureza (cobrir o corpo, especialmente as partes mais sensuais) e simplicidade (não atrair a atenção dos outros indevidamente).

A Bíblia instrui-nos claramente que questões sobre comidas e dias especiais, bem de outros usos e costumes não tratados especificamente na Bíblia, são de inteira responsabilidade, entendimento e crença pessoal de cada um. E, se, porém um lado não devemos julgar ou discutir com irmãos sobre estas questões, por outro, não devemos fazer nossos irmãos tropeçarem por causa de nossas crenças pessoais (Rm 14.1-23; 15.1-7; Cl 2.16-19; 1ª Co 8.1-13; 10.23-33). No entanto, precisamos ter cuidado para não comermos comidas, por exemplo, “sacrificadas aos ídolos”, ou então guardarmos dias dedicados aos “santos” e etc. (1ª Co 10.14, 22).

Se o pregador pensar que não pode trazer uma mensagem verdadeira pensando que vai escandalizar seu irmão, nunca irá pregar as verdades bíblicas por causa dos débeis na fé (Rm 14.1). A igreja está vivendo os últimos dias na face da terra e presto a sermos arrebatamento, mas muitos líderes espirituais não tiveram a coragem de falar as verdades bíblicas. Ficam enganando os outros com coisas fúteis. É irmãos, a nossa igreja é assim porque ela tem tradição!

 Satanás introduziu no meio cristão um tipo de evangelho corrupto, farisaico, gnósticos, ascético e mentiroso, enganando centenas de irmãos. Há uma grande necessidade dos obreiros de Deus ter a coragem de levantar-se como fez Martino Lutero conta às tradições da Igreja Católica e proclamar a verdade que Liberta. Se uma igreja alimentar-se a vida inteira de leite não irá crescer. Os ministros de Deus precisam tratar a igreja não só de leite, mas de alimento sólido, que contenha a Verdade.

Para muitos ser crente é não usar brinco, batom calça comprida, nem ir a praia. Para os tais serem crente é cuidar do figurino de acordo com as regras de usos e costumes ditadas pelo seu pastor. É exterioridade. Não importa se há pecados carnais ou não é o exterior e pronto. Precisamos saber diferenciar a aparência externa de um coração puro e submisso ao Senhor.

Nos assuntos não mencionados explicitamente na Bíblia, devemos nos valer dos ensinamentos gerais da mesma, dos princípios bíblicos que referem-se às situações genéricas. Pergunte-se antes de adotar, aceitar ou rejeitar qualquer coisa: Agrada a Deus? Jesus Cristo faria isto? Jesus combateu isto? Edifica, instrui ou consola minha vida ou de alguma outra pessoa? É digno de um cristão? Prejudica a pregação do Evangelho?

Naquilo em que a Bíblia fala, nós devemos nos calar e aceitar a sua autoridade. Naquilo que a Bíblia cala, nós somos livres para buscar a direção do Espírito Santo para nossas vidas individualmente.

Ao contar a parábola do Filho Pródigo, Jesus não receia afirmar que o pai ornou o seu filho com um anel. Embora aquele anel representasse uma forma de restituir a autoridade do filho, não se pode esquecer-se que o anel também era uma peça de ouro e de adorno: “O Pai, porém, disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa; vesti-o, ponde-lhe um anel no dedo e sandálias nos pés” (Lc 15.22).

 O grande desafio para os evangélicos é o de não condenar ou afastar-se da cultura por medo de ceder ao mundanismo. Agindo assim, rechaçamos e subestimamos a cultura passando a viver em guetos (viver isolado da sociedade ou com cultura própria).

Ser evangélico não significa pertencer a uma cultura própria, separada. Cristo nunca intencionou isto. Tanto que na oração sacerdotal de João 17, Ele pediu ao Pai que não retirasse as pessoas do mundo, mas as livrasse do mal. A intenção de Deus não é que formemos guetos culturais, mas que fôssemos sal e luz dentro de nossa realidade. A ética evangélica sobre a cultura deve discernir com precisão o que é produto do pecado e o que é fruto da graça de Deus.

Portanto, devemos ensinar o povo a aplicar os princípios básicos da Bíblia. Para que os valores eternos do Reino de Deus sejam implantados nos corações das pessoas. Não entendo que certos ministros sejam codificadores de trajes, ou que estejam capacitados por Deus a medir os centímetros das saias e bermudas dos irmãos e irmãs. Quando caem nessa armadilha, os ministros tornam-se alvos de chacotas e perdem o vigor de seu ministério.

Pr. Elias Ribas
Igreja Evangélica Assembléia de Deus
Blumenau - SC

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

COMO CONFRONTAR O FARISAÍSMO



A própria Palavra de Deus nos ensina a tomar uma posição, em vez de ficar em cima do muro. Como soldados de Cristo, temos de batalhar pela fé. Não podemos permitir de maneira nenhuma que apatia encontre guarida em nossos corações, como aconteceu aos crentes da igreja de Corinto. O apóstolo Paulo, em 1ª Co 5.1-5, apresenta a indiferença daqueles crentes diante da transgressão e, em seguida, toma posição para o bem da igreja. Da mesma maneira, o erro doutrinário é uma transgressão e, igualmente, devemos tomar posições firmes para proteger a sã doutrina de qualquer adulteração. Um cristão não pode e não deve viver indeciso, em cima do muro. Ele deve sim expor a Verdade do Evangelho corretamente, com firmeza e sem distorções.

No livro de Juízes capítulo seis e sete aprendemos uma lição fundamental para um verdadeiro ministro. Quando os midianitas uma tribo nômade aliado aos amalequitas vindo da região de Nequebe, ao sul da Palestina junto com alguns dos povos do oriente, tornaram-se inimigos e saqueadores do povo de Israel. Mas, dentro desta história encontramos um homem chamado Gideão. Um servo de coragem valente que estava malhando trigo no lagar, para expor a salvo dos midianitas. Mas, ali lhe apareceu o Anjo do Senhor e lhes disse: “O Senhor é contigo homem valente” (Jz 6.12).

O Anjo do Senhor é uma teofania, ou seja, é aparição de Jesus no Velho Testamento. A aparição do Senhor veio para animar a Gideão exortando a formar um exército para livrar o povo da escravidão dos midianitas. Quando Gideão preparou um exército de trinta e dois mil homens para a batalha Deus mandou que os tímidos e os covardes saíssem, ficando apenas dez mil homens. Mas, Deus ainda achou muito e ordenou a Gideão a descer as águas. “Então, o Senhor lhe disse: Todo aquele que lamber a água com a língua como faz o cão, esse porás a parte, como também a todo aquele que se abaixar de joelhos a beber. Foi o número dos que lamberam levando a mão à boca trezentos homens, e todo o restante do povo se abaixou de joelhos a beber a água. Então, disse o Senhor a Gideão: Com estes trezentos homens que lamberam a água com a mão eu vos livrarei, e entregarei os midianitas nas tuas mãos” (Jz 7.1-7). E este foi o exército que Gideão usou para derrotar os midianitas.


Neste texto bíblico aprendemos uma grande lição para nosso dia a dia. Aqueles que lamberam a água como cão (nove mil e setecentos homens), estavam desatentos e desapercebidos aos ataques do inimigo, enquanto que apenas trezentos homens que tomaram água de joelhos levando a mão na boca, representam os soldados vigiando e atentos aos ataques do inimigo

Nesta última hora Deus precisa de homens Gideões, valentes e corajosos para livrar o Seu povo das mãos e dos ataques midianitas que vêm para solapar a fé e escravizar o povo de Deus através das heresias.

I.       LEGALISMO

 “Legalismo: preocupação em receber uma recompensa da parte de Deus, em troca de certas observâncias” Willian E. Hordern, Teologia Contemporânea.

O legalismo ensina que o homem tem que obedecer a certas observâncias e regulamentações para que possa alcançar o favor divino.

A palavra “legalismo” não é encontrada na Bíblia; esta palavra é um sinônimo de legalidade ou observância da Lei.

O legalismo tem causado muitos transtornos aos cristãos, principalmente nas doutrinas da Bíblia, exemplo: (Soteriologia).

O legalismo distorce os alicerces da doutrina da salvação: Paulo nos informa que “...pela graça sois salvo, por meio da fé, e isso não vem de vocês, é dom de Deus” (Ef. 2.8). Quando dizemos que determinado individuo, precisa observar regras e normas para ser salvo estamos anulando o sacrifício de Cristo na Cruz do Calvário que é o único meio do pecador arrependido alcançar a salvação. È somente em Cristo que temos a redenção, a saber, o perdão dos pecados” (Cl 1.14).

Jesus ao confrontar-se com os lideres religiosos de Israel, usou as palavras de (Isaias 29.13), e assim definiu o legalismo religioso. Ele Disse: “seus ensinamentos não passam de regras ensinadas por homens” (Mt 15.9). O legalismo confunde doutrinas Bíblicas com Usos e costumes. Paulo nos informa no livro de Romanos 10.3 que: procurando estabelecer a sua própria justiça, não se sujeitaram à justiça de Deus” [Pereira. Legalismo. http://www.advilasolange.com.br/Legalismo.html - acesso dia 15/09/2009].

O legalismo é uma forma de escravidão. A Bíblia diz em Gálatas 4.8-9 “Outrora, quando não conhecíeis a Deus, servíeis aos que por natureza não são deuses; agora, porém, que já conheceis a Deus, ou, melhor, sendo conhecidos por Deus, como tornais outra vez a esses rudimentos fracos e pobres, aos quais de novo quereis servir?”

O legalismo é atrativo mas destrutivo. A Bíblia diz em Colossenses 2.23 “As quais têm, na verdade, alguma aparência de sabedoria em culto voluntário, humildade fingida, e severidade para com o corpo, mas não têm valor algum no combate contra a satisfação da carne”.

II. A BASE DO LEGALISTA É O ORGULHO

O legalismo é uma atitude, uma mentalidade baseada no orgulho. É uma conformidade obsessiva a um padrão artificial com o propósito de exaltar a si mesmo. O legalista assume o lugar de autoridade e o leva a extremos injustificados. Daniel Taylor afirma muito bem que ele termina em controle ilegítimo, exigindo unanimidade e não unidade.

A grande arma do autoritarismo, secular ou religioso, é o legalismo: a fabricação e manipulação de regras com o propósito de obter controle ilegítimo. Talvez a mais prejudicial de todas as perversões da vontade de Deus e da obra de Cristo, o legalismo se agarra à lei as expensas da graça, a letra em lugar do Espírito.

O legalismo prima pelos preceitos da Velha Aliança. Pelas regras criadas pelo homem através das tradições herdadas pelos pais. Como já disse, se pudermos reforçar vigorosamente as regras criadas pelos homens como meio de santidade e salvação, perderíamos o rumo para o céu.

O autoritarismo farisaico se manifesta na confusão do princípio cristão com insistência em comportamento humano invés de fé e graça. Colocam-se como super espirituais e usam suas experiências e regras similares, e citam frases isoladas para descreverem essas experiências.

O legalista diz na verdade: As coisas que pratico faço para ganhar o favor de Deus. Esquecendo do significado da graça divina “Favor imerecido”.

Devemos compreender que estas coisas não estão expressas nas Escrituras. Elas foram transmitidas ou ditas ao legalista e se tornaram uma obsessão para ele ou ela. Torna-se um cristão papagaio, só diz o que os outros já disseram. O legalismo é austero, exigente e semelhante às leis por natureza. O orgulho que está no âmago do legalismo opera em sintonia com outros elementos motivadores. Como a culpa, medo, vergonha. Ele leva a uma ênfase sobre o que não deve ser, e o que não deve fazer.

Tenho certeza que todos concordam que vale a pena lutar pela liberdade. Essa é, sem dúvidas, a principal razão pela qual os soldados dão a suas vidas pela pátria. Porém há algo que é contraproducente: os cristãos nem sempre estão disposto a lutar! Somo capazes de lutar contra qualquer inimigo que ameace, não somente nossa família, mas também nossa soberania nacional; contudo, como crentes que vivemos debaixo da graça, não nos mostramos tão dispostos e apaixonados a defender nosso direito de ser livres “com a liberdade com que Cristo nos libertou”. Basta que um legalista se uma a nosso grupo, e de imediato lhe entregamos a direção. Temos medo!

Os matadores de cristãos não podem ser apenas indulgentemente ignorados ou bondosamente tolerados. Você não pode permitir que o legalismo continue, da mesma forma que não permitirá que uma cascavel entre sorrateiramente em sua casa. A igreja é a casa de Seu pai, por isso vamos combater o legalismo para que Deus volte a operar maravilhas como foi na igreja primitiva. Você deve saber que a Bíblia é nossa única regra de fé e, se usarmos corretamente, não iremos ferir ninguém a não ser aqueles que não aceitam que ela é a inspiração divina, ou que ela não é completa.

III. A VERDADE É QUE LIBERTA

O termo “cristão” significa conceitos diferentes para pessoas diferentes. Para uns representa estilo de vida rígido, nervoso, inflexível, áspero, descolorido e irredutível. Para outros, significa uma aventura arriscada, cheia de surpresas, vivida na ponta dos pés em expectativa ansiosa. Para outros, representa liberdade para viver em Cristo Jesus. Alegria, prazer, felicidade, amor fraterno, plenitude, lutas e vitórias e benção espiritual.

Um povo que tem no centro da sua experiência a libertação da culpa do pecado e entrada na liberdade do Espírito, um povo que não vive mais sob a tirania das emoções ou opiniões humanas ou de memórias desagradáveis, mas é livre em esperança, fé e amor – deve ficar criticamente atento a qualquer individuo ou qualquer coisa que suprimisse sua recém adquirida liberdade.

Mas, infelizmente, a comunidade de fé, é exatamente o lugar onde deveríamos experimentar a vida de liberdade, é também o lugar onde corremos mais risco de perdê-la. Por quê? Porque cada um ensina ao seu bel prazer, sem a menos conhecer as regras hermenêuticas.

São poucos os cristãos têm uma vida cheia de alegria, de gozo e de paz. Foram libertos, mas não querem sair do cativeiro das tradições e experimentar uma vida em liberdade em Cristo Jesus.

Você já viu alguém ficar anos preso e, receber o alvará de soltura, mas rejeitar a liberdade? Na citação de Peterson ele diz: “O único lugar da terra onde mais esperamos ser libertados é, de fato, justamente o lugar onde seremos mais provavelmente colocados sob jugo: a igreja. Isto deve certamente entristecer o nosso Deus”.

O que aconteceu no primeiro século pode ter certeza que ainda está acontecendo no século XXI. Paulo escreve aos gálatas sobre a sua surpresa: “Corríeis bem; quem vos impediu para que não obedeça a verdade?” (Gl 5.7).

Quero ampliar o seu pensamento – “Quando eu estava com vocês, alguns estavam na faixa dos 100 metros rasos, outros faziam os 440 metros com facilidade. Outros ainda corriam distância bem mais longas... vocês eram maratonistas. A verdade os libertou, e me lembro distintamente quão bem corriam e como pareciam alegres. Quem interferiu nos seus passos? Quem tirou seus sapatos de corridas? Alguns de vós deixaram de correr” (Paráfrase do autor). A verdade é algo imutável e refere-se as doutrinas bíblicas ensinadas por Deus e não pelos homens.

No capitulo 3.1 de Gálatas Paulo diz: “Quando eu estava aí, ensinando a vocês a verdade, apresentei um salvador que todo o castigo pelos seus pecados. A sua morte e, subseqüente, ressurreição já foi o pagamento final de Deus pelos nossos pecados. Pagamento total! Tudo o que tem a fazer é crer que ele morreu e ressuscitou dos mortos por você. Ele foi publicamente exibido para que todos vissem, e agora a verdade pode ser declarada para que todos creiam. Vocês creram nisso certa vez e foram gloriosamente libertados. Mas, não agora. Quem levou a mudar da lealdade à glória de Deus para as opiniões humanas, da obra do Espírito para os efeitos da carne?”.

A Bíblia Viva contém a seguinte leitura deste versículo: “Gálatas insensatos! Quem foi o feiticeiro que os sugestionou e pôs em vocês esse encantamento ruinoso? Em outras palavras: “Vocês enlouqueceram? Quem roubou a sua mente?”. Paulo estava fora de si. Quem havia hipnotizado os gálatas antes completamente despertos?

Em Gálatas 1.6, num trecho anterior, ele admite o seu espanto: “Maravilho-me de que tão depressa passeis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho”.

Isso poderia comparar-se à idéia de você criar seus filhos num ambiente sadio. Eles cresceram na sua casa e, por ser um bom lar, desenvolveu segurança e estabilidade à medida que imitam a sua autenticidade e estilo de vida espontâneo. Eles se comunicam abertamente e livremente. Aprendem como confrontar e tratar os problemas. Em resumo, eles aprendem as coisas básicas da vida como deve ser vivida... o que inclui conhecer a Cristo, amar a Deus e andar como ele, relacionado-se bem com as outras pessoas – todas as coisas que representam integridade, vulnerabilidade e autenticidade.

Uma vez crescidos, eles vão para longe. O tempo passa e você começa a sentir falta deles, indo visitá-los depois de três ou quatro anos. Fica chocado! Descobre que suas vidas são rígidas, fechadas, sujas e emocionalmente mutiladas. Surpreende-se ao vê-los lutando com problemas, evidenciando atitudes negativas; a ponto do suicídio. Naturalmente surge a pergunta: “Quem os prendeu? Quem distorceu a sua mente? O que aconteceu nesses últimos anos?” É com esse mesmo tipo de zelo que Paulo escreve aos seus amigos gálatas sobre as suas preocupações.

Pense um pouco, pelo que ele está lutando? Liberdade! “Vocês eram livres. Mas agora, amigos gálatas, não passam de escravos. Quero saber o que aconteceu de errado”. A resposta não é complicada; os assassinos da graça haviam invadido e vencido.

Tanto nos tempos de Paulo e como agora, um dos problemas mais sérios que afeta a igreja é o legalismo, que arrebata o gozo do Senhor da vida do crente e com o gozo se vai o verdadeiro poder para adorar a Deus “em espírito e em verdade”.

O legalismo é uma atitude carnal que se conforma a um código, com o propósito de exaltar a pessoa. O Código é qualquer modelo objetivo aplicável ao tempo; o motivo é exaltar-se a si mesmo e ganhar méritos, ao invés de glorificar a Deus pelo que Ele tem feito; e o poder é a carne, não o espírito, que produz resultados externos somente similares à verdadeira santidade. Os resultados são, na melhor da hipóteses, falsificações e não podem jamais aproximar a santificação genuína, por motivo da atitude carnal e legalista.

II. AUSÊNCIA DA GRAÇA

Somos salvos pela fé não pelas obras. A Bíblia diz em Efésios 2:8-10 “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus”

Considero o legalismo, ser o maior e o mais grave dos problemas da religiosidade, onde ela bate de frente com o Cristianismo. Em momento algum os praticantes da religiosidade concebem a atuação divina pela categoria da Graça, como doação e auto-doação divina. Para eles só a graça não basta, tudo tem que ser barganhado e negociado.

Esta concepção legalista anula a Graça, anula o sacrifício de Cristo, anula a redenção proporcionada pela morte de Jesus na cruz. Neste ponto poderíamos traçar um paralelo (ainda que bastante impreciso) com a ação dos judaizantes na Igreja Primitiva, combatida enfaticamente pelo Apóstolo Paulo, na epístola aos Gálatas:

“Sabendo, contudo, que o homem não é justificado por obras da lei, e sim mediante a fé em Cristo Jesus, também temos crido em Cristo Jesus, para que fôssemos justificados pela fé em Cristo e não por obras da lei, pois, por obras da lei, ninguém será justificado. Mas se, procurando ser justificados em Cristo, fomos nós mesmos também achados pecadores, dar-se-á o caso de ser Cristo ministro do pecado? Certo que não. Porque, se torno a edificar aquilo que destruí, a mim mesmo me constituo transgressor. Porque eu, mediante a própria lei, morri para a lei, a fim de viver para Deus. Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que agora tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim. Não anulo a graça de Deus; pois, se a justiça é mediante a lei, segue-se que morreu Cristo em vão”. (Gl 2.16-21).

Dessa forma, anula-se a fé cristã. Este é o argumento que invalida as considerações de quem avalia a religiosidade como um caminho válido para Deus, legítimo e até melhor do que a fé cristã.

O legalismo, como disse, é o maior e o mais grave dos problemas deparados pelo apóstolo Paulo na igreja primitiva e que igreja cristã ortodoxa ainda enfrenta.

“Um dos problemas mais sérios enfrentados hoje pela igreja cristã ortodoxa é o legalismo. Um dos mais sérios problemas deparados pela igreja nos dias de Paulo foi o do legalismo. Isso acontece todos os dias. O legalismo tira do coração do crente a alegria do Senhor e com essa ausência vai-se também o seu poder para um culto de adoração vital e serviço vibrante. Nada resta senão uma confissão rígida, sombria, tediosa e indiferente. A verdade é traída e o nome glorioso do Senhor torna-se sinônimo de “desmancha prazeres”. Os cristãos sob a lei não passam de uma triste paródia da realidade”.

Embora já estamos no século XXI, encontramos grupos de indivíduos “rígidos, sombrios, tediosos e indiferentes, basta visitar algumas das igrejas evangélicas de hoje. É com grande dor no coração e grande desapontamento dizer que as igrejas morrem quando o pastor é legalista, pois são assassinos de almas. Os legalistas, com sua lista inflexível de “faça” e “não faça”, matam o espírito de alegria e espontaneidade daqueles que desejam gozar a sua liberdade em Cristo Jesus. As pessoas estritamente legalistas na liderança tiram toda a vida da igreja, embora afirmem estar prestando um serviço a Deus.

Se você jamais esteve sob o peso do legalismo, é uma pessoa abençoada. Se já foi escravo e libertou-se (como aconteceu comigo), sabe melhor do que ninguém que tesouro privilegiado a liberdade realmente é. Vale a pena lutar por ela!

Na carta Magna da liberdade cristã, Gálatas 5.1, contém um único mandamento que, se crido e obedecido, faria muito para pôr um ponto final no legalismo.

“Estais, pois, firme na liberdade com que cristo nos libertou e não torneis a meter-vos debaixo do jugo da servidão”.

Nada perturba mais os fariseus radicais do que a verdade libertadora da graça. Paulo, em data remota no passado, está escrevendo a cristão que sabiam o aconteceria, mas se deixasse cair sob a magia paralisante dos assassinos da graça. J. B. Phillips, numa para frase de Gálatas 5.1, interpreta:

“Não desistam e percam a sua liberdade... Plantem então com firmeza os pés na liberdade que Cristo conquistou para nós e não deixem prender novamente nos grilhões da escravidão”.
Precisamos ter coragem e dizer: “Dêem-me a liberdade por causa de Cristo”. Escravidão é sempre escravidão, quer seja política ou espiritual. Dêem-me a liberdade que ele conquistou no Calvário, caso contrário, continuo escravo. A morte é preferível ao cativeiro... concedam-me então a liberdade obtida por Ele ou morrerei! Viver na escravidão é anular a graça de Deus.

Quando a graça de Cristo estiver plenamente desperta na sua vida, você descobrirá que não está fazendo algo devido ao medo ou à vergonha por causa da culpa, mas age por causa do amor. A terrível tirania do desempenho forçado, a fim de agradar alguém, já passou... para sempre.

III. A GRAÇA TRAZ LIBERDADE

Liberdade para gozar os direitos e privilégios por ter saído da escravidão e permitir a outros tal liberdade.

É liberdade para experimentar e gozar um novo tipo de poder que só Cristo pode dar. É liberdade para tornar-me tudo o que ele quer que eu seja, sem levar em conta como ele orienta a outros. Eu posso ser eu, plenamente livre. É liberdade para conhecê-lo de maneira independente e pessoal. E essa liberdade é então libertadora para outros, a fim de que eles possam ser o que devem ser, de um modo diferente do meu!

Vejam bem, Deus não está fabricando pequenos cristãos com um cortador de biscoito em todo mundo, de modo que todos pensemos do mesmo modo, sejamos parecidos uns com os outros, falemos do mesmo jeito e nossos atos sejam iguais. O corpo é variado. Não fomos criados com o mesmo temperamento, nem usamos o mesmo vocabulário, ou o mesmo sorriso, nem nos vestimos do mesmo modo, ou temos o mesmo ministério. Eu repito: Deus gosta da variedade. Na vida de Jesus Ele curou um cego apenas dizendo: Veja. Outro cuspiu na terra e fez um lodo e passou nos seus olhos e após mandou lavar-se no tanque de Siloé. Jesus quer nos mostrar que nem tudo deve ser da maneira que queremos que seja. A liberdade para sermos o que somos é praticamente magnífica. É liberdade para fazer escolha, para conhecer sua vontade, liberdade para andar nela, liberdade para obedecer à Sua orientação para a minha vida e a sua. Uma vez que você tenha experimentado essa liberdade, de nada mais satisfaz.

Eu, talvez, deva reafirmar que se trata de uma liberdade pela qual você terá de lutar. Por quê? Porque as fileiras do cristianismo estão cheias daqueles que fazem comparações e gostariam de controlar e manipular você de modo que venha a tornar-se tão miserável quanto eles. Afinal de contas, se estão decididos a ser “rígidos, sombrios, tediosos e indiferentes”, esperam então que você também seja assim. “A miséria gosta de companhia”, é lema legalista não mencionado, embora não admitam isso.

IV. AUSÊNCIA DA GRAÇA

Finalmente, apontamos aquele que consideramos ser o maior e o mais grave dos problemas da religiosidade popular, onde ela bate de frente com o Cristianismo: a ausência da Graça. Em momento algum os praticantes da religiosidade popular concebem a atuação divina pela categoria da Graça, como doação e auto-doação divina. Tudo tem que ser barganhado e negociado - em caso de se alcançar o que se pede, o preço combinado tem que ser rigorosamente pago, caso contrário o negócio corre sério risco de ser desfeito ou de, em caso de nova necessidade, não se ser mais atendido. A palavra "graça" tem conotação de "pedido atendido" (podendo ser qualquer coisa: um par de sapatos, a "aquisição" de um marido, a geração de um filho, a cura de uma doença, a "sorte grande" no jogo do bicho). A percepção disto foi muito bem explorada pelo dramaturgo Dias Gomes em sua famosa peça "O Pagador de Promessas". O pagamento de promessas, em função das "graças" recebidas, ocupa assim um lugar central nas práticas e concepções da religiosidade popular, sendo um dos fulcros do relacionamento com o divino. As promessas são, via de regra, feitas sempre aos intermediários - santos, orixás, nossas senhoras, espíritos desencarnados e que tais - para que estes, em sua função de despachantes junto à Deus, agilizem e priorizem a tramitação do "processo" do pedinte. Para cada petição, uma promessa. De modo que ninguém fique devendo nada a ninguém e todos fiquem quites entre si.

V. QUATRO ESTRATÉGIAS PARA VENCER OS LEGALISTAS

Primeiro, mantenha-se firme em sua liberdade. Lembremos do que Paulo escreveu em: “Estais, pois, firme na liberdade com que cristo nos libertou e não torneis a meter-vos debaixo do jugo da servidão” (Gl 5.1). Não perca terreno. Peça ao Senhor para dar-lhe coragem e use a Palavra.

A liberdade tem sua motivação primordial no amor incondicional de Deus, que nos elimina com a graça salvadora de Cristo, que nos faze agir por amor e não por temor. Você precisa saber que liberdade é libertar-se da escravidão, entre outras coisas, nada mais é que independência para fazer algo. É livrar-se do poder do pecado e da morte. Cristo nos trouxe uma poderosa liberdade da maldição da lei, o que se traduz em liberdade do temor de ser castigado por Deus e de uma consciência acusadora. È estar livre frente às exigências dos demais.

Segundo deixe de buscar o favor de todos. Este hábito pode ser o mais difícil de quebrar, mas vale a pena o esforço que você fizer. Não procure agradar quem é fariseu, santarrão. Não permaneça em situações que sua consciência lhe diz serem erradas. Isso nada mais é do que servir a homens, e não a Deus. Não importa quão espirituais as coisas pareçam ser, pare de ficar querendo agradar a todos.

Os falsos ministros sempre irão usar versículos como: “Melhor obedecer do que sacrificar”. Mas, isto deve ser aplicado para eles, porque o versículo refere-se a obedecer a Palavra de Deus e não as doutrinas de homens. Ou “obedecei vossos guias que zelam pelas vossas almas” Aqui é uma preocupação dos apóstolos quanto ao ensino herético. Refere-se aos ensinos dos apóstolos que haviam aprendido com o Senhor Jesus. Usar estes versículos isolados para disseminar heresias é acrescentar ou adulterar as Escrituras.

Terceiro, comece a recusar-se a ser escravo. Escravidão é estar sob jugo de alguma coisa. Procure ser servo de Cristo e não do legalismo humano. Procure ser um cristão autêntico e não viva de máscara. Cresça na graça e no conhecimento e não se submeta a escravidão, seja um cristão livre.

Quarto continue sendo sincero quanto à verdade Seja honestamente contigo mesmo e também para com os outros. Seja franco e humilde. Se não concordar com alguém diga isso com bondade e firmeza. Se não souber algo, admita a verdade. Não faz mal se não souber. Não seja hipócrita, mas verdadeiro. Um dos maiores erros por parte das lideranças hoje é não reconhecer o seu erro diante do povo. Há isso, é humilhação. (é o pecado de Saul: Vamos junto Samuel para o povo ver que está tudo bem entre eu e você). Isto é hipocrisia, medo de perder a liderança. Sabe que está errado, mas continua errado. Todavia, os que confessam seus pecados alcançarão misericórdia.

Caso o conceito de lutar pela liberdade pareça demasiado agressivo para você, talvez egoísta demais, pense então nele como lutar a fim de que outros possam ser libertados – a fim de que outros possam ser despertados para as alegrias e os privilégios da liberdade pessoal. Os que fazem isso em campos de batalhas reais são chamados de patriotas ou heróis. De todo o coração, eu creio que aqueles que lutam conta o legalismo também deveriam ser assim considerados.


  
Pr. Elias Ribas

Igreja Ev. Assembléia de Deus
Blumenau - SC

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

A LETRA MATA MAS O ESPÍRITO VIVIFICA


“O qual nos habilitou para sermos ministros de uma nova aliança, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata, mas o espírito vivifica. E, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, se revestiu de glória, a ponto de os filhos de Israel não poderem fitar a face de Moisés, por causa da glória do seu rosto, ainda que desvanecente, como não será de maior glória o ministério do Espírito! Porque, se o ministério da condenação foi glória, em muito maior proporção será glorioso o ministério da justiça. Porquanto, na verdade, o que, outrora, foi glorificado, neste respeito, já não resplandece, diante da atual sobreexcelente glória. Porque, se o que se desvanecia teve sua glória, muito mais glória tem o que é permanente. Tendo, pois, tal esperança, servimo-nos de muita ousadia no falar” (2ª Co 3.6-12).



Letra do grego "gramma" significa;
1) carta;
2) qualquer escrito; documento ou registro; 
2a) nota promissória, conta, carta de fiança, cálculo, declaração escrita de um débito; 
2b) carta, epístola; 
2c) escrituras sagradas (do AT); 
3) letras, i.e. aprendizagem; 
3a) de aprendizagem sagrada;

O apóstolo Paulo ensinando a igreja de Corintos, expressa um contraste importante entre a impropriedade do sistema do Velho Testamento e a suficiência de Cristo para nos salvar do pecado.



A “letra” representa o “ministério da morte, gravado com letras em pedras” que foi dado aos israelitas através de Moisés (2º Co 3.7, 3), que leva a morte (Rm 7.5; Gl 3.21). A Lei, com o seu ministério de condenação, se contrapõe à mensagem do ministério de justiça (Rm 1.17; 3.21-22).


“Mas os sentidos deles se embotaram. Pois até ao dia de hoje, quando fazem a leitura da antiga aliança, o mesmo véu permanece, não lhes sendo revelado que, em Cristo, é removido” (2º Co 3.14).

O “Espírito” representa a Nova Aliança de Cristo, revelada através do Espírito Santo e escrita em nossos corações.

“Estando já manifestos como carta de Cristo, produzida pelo nosso ministério, escrita não com tinta, mas pelo Espírito do Deus vivente, não em tábuas de pedra, mas em tábuas de carne, isto é, nos corações” (2º Co 3.14).




“Porém judeu é aquele que o é interiormente, e circuncisão, a que é do coração, no espírito, não segundo a letra, e cujo louvor não procede dos homens, mas de Deus” (Rm 2.29).


Qualquer rito, sinal ou obra que fizemos, se não for resultado da operação da graça de Deus em nossa vida, não tem nenhuma validade.

Algumas pessoas, quando confrontadas com o fato que suas doutrinas e práticas humanas não são aprovadas no Novo Testamento, são tão orgulhosas ou tão cegas, que não admitem seu erro. Em vez disso, elas usam este versículo na face daquele que está salientando a importância de obedecer Cristo e sugerem que o estudo cuidadoso da Bíblia é inútil e até perigoso, “porque a letra mata, mas o Espírito vivifica”. Que blasfêmia contra a Palavra de Deus.

Há ainda mais uma triste ironia com este argumento, que não deveríamos estudar a Bíblia cuidadosamente porque “a letra mata”.

As pessoas que usam 2 Coríntios 3.6 para fugir de suas responsabilidades de obedecer alguma instrução de Cristo são as mesmas que apelam para o Velho Testa-mento, para defender suas “doutrinas” não autorizadas pelo Novo Testamento, como revelado pelo Espírito. Não temos nenhum direito para retornar à “letra” escrita em tábuas de pedra para fugir do ensinamento da Nova Aliança.

O motivo de sua nova vida frutificada não vem das demandas da lei, mas do desejo de corresponder ao amor de Deus (v. 4). O Espírito Santo dá o poder de viver uma nova vida com Cristo (v. 6).

“A seguir, tomou um cálice e, tendo dado graças, o deu aos discípulos, dizendo: Bebei dele todos; porque isto é o meu sangue, o sangue da nova aliança, derramado em favor de muitos, para remissão de pecados” (Mt 26.27-28).

O pacto Mosaico foi inaugurado com um sacrifício (conforme Êxodo 24.28). A antítese entre o Espírito e a letra (lei), aponta para o novo advento, aquele em que a Nova Aliança profetizado por Jeremias (Jr 31.31-34).

A letra significa a concepção de guardar a lei exteriormente com toda a força moral que o homem pode levantar. “Espírito” fala das novas relações e forças produzidas em Cristo Jesus pelo Espírito Santo. Paulo procura mostrar para os cumpridores da lei que ela mata o homem por ser difícil de cumprir. “A letra mata e o Espírito vivifica” (2ª Co 3.6).

“Porque, quando vivíamos segundo a carne, as paixões pecaminosas postas em realce pela lei operavam em nossos membros, a fim de frutificarem para a morte. Agora, porém, libertados da lei, estamos mortos para aquilo a que estávamos sujeitos, de modo que servimos em novidade de espírito e não na caducidade da letra” (Rm 7.5-6).


Caduquice da letra do grego"palaiotes"; 1) antigüidade: o estado antigo da vida controlado pela ‘letra’.

Lucas 16.16 A Lei e os Profetas vigoraram até João; desde esse tempo, vem sendo anunciado o evangelho do reino de Deus, e todo homem se esforça por entrar nele.

A lei trouxe o conhecimento do pecado (Rm 7.7); sem a lei estava morto o pecado (Rm 7.8). A percepção do pecado através da instrumentalidade da lei torna as pessoas conscientes de sua morte espiritual. “Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte” (Tg 1.15).

“Outrora, sem lei, eu vivia; mas, sobrevindo o preceito, reviveu o pecado, e eu morri. E o mandamento que me fora para vida, verifiquei que este mesmo mandamento me matou. Porque o pecado, prevalecendo-se do mandamento, pelo mesmo mandamento, me enganou e me matou” (Rm 7.9-11).

É notório que o farisaísmo estimula ao pecado. Quanto mais regras forem colocadas na igreja a proporção de pecar é maior. O principal fruto que as igrejas farisaicas têm consigo é magoar as ovelhas e fazer crescer ainda mais o número de desviados. O irmão caído dificilmente é procurado para uma ajuda, um conselho. É bem mais fácil derrubá-lo de que juntá-lo. Essas atitudes são tomadas pelos santarrões fariseus e puritanos, que reservam em segredo seus pecados ocultos. Atitudes essas que jogam centenas de almas no mundo diariamente. O Povo de Deus parece ser o único exército que mata os feridos. Salomão o grande sábio diz em seus Provérbios: “O que ganha almas sábio é” (Pv 11.30).


Gloriam-se na religião.

“Se, porém, tu, que tens por sobrenome judeu, e repousas na lei, e te glorias em Deus; que conheces a sua vontade e aprovas as coisas excelentes, sendo instruído na lei; que estás persuadido de que és guia dos cegos, luz dos que se encontram em trevas, instrutor de ignorantes, mestre de crianças, tendo na lei a forma da sabedoria e da verdade; tu, pois, que ensinas a outrem, não te ensinas a ti mesmo? Tu, que pregas que não se deve furtar, furtas?” (Rm 2.17-21).

Justamente quando os líderes pensavam que ganhariam elogios, foram denotados. Paulo disparou: “Vocês, judeus, confiam na lei, em vez de confiar no Legislador, e ufanam-se de ter o monopólio de Deus. Vocês estão convencidos de que são uma parte dos eleitos privilegiados que “sabem” (sem sombra de dúvidas) o que Deus quer que se faça. E se isso não fosse ruim bastante, vocês “pensam” que são uma dádiva de Deus para os loucos e confusos. De fato, vocês “pensam” que sabem tudo, no entanto não sabem nada.

“Vem-me a mente a história do lenhador. Por alguma razão, o menino convenceu que havia fantasma na floresta. Isso preocupou seu pai que, havendo feito das árvores um meio de vida, esperava que o filho fizesse o mesmo. A fim de encorajar o filho, o pai deu-lhe seu lenço dizendo-lhe:

– Os fantasmas têm medo de mim, meu filho. Use este lenço, e eles terão medo de você. O lenço fará de você um lenhador.

E assim o rapaz fez. Usou o lenço orgulhosamente, dizendo a todos que era um lenhador. Todavia, nunca entrou na floresta, e nunca cortou uma árvore, mas desde que ganhara o lenço do pai, considerava-se a si mesmo um lenhador.

O pai teria sido sábio se houvesse ensinado ao filho que não havia fantasma, em vez de ensiná-lo a confiar num lenço.

Os judeus confiavam nos lenços de seus pais. Dependiam da Aba de sua herança. Não importa que fossem ladrões, adúlteros e escroques (Rm 2.22-23); ainda consideravam a si mesmo como os eleitos de Deus. Por quê? Porque tinham o lenço.

Talvez lhe tenham dado um lenço e se glorie nele. Mas o que representa o lenço?

O lenço representa as tradições religiosas que você recebeu de seus pais, os quais ainda hoje, muitos confiando nele. Mas, é melhor confiar na verdade que confiar em um lenço.

Assim como os rituais da lei não trazem bônus, as tradições deixadas pelos ancestrais, não trazem salvação.

Pr. Elias Ribas
Igreja Ev. Assembléia de Deus
Blumenau - SC

FONTE DE PESQUISA


1.       JUAN CARLOS ORTIZ, o discípulo, 6ª edição, 1980, Editora Betânia. Venda Nova MG.
2. Dennis Allan. A Letra Mata, mas o Espírito Vivifica. http://gospelbrasil.topicboard.net/t2319-a-letra-mata-mas-o-espirito-vivifica - acesso dia 20/09/2012.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

OS TRÊS TIPOS DE DOUTRINAS



 É de grande relevância destacar os três tipos de doutrinas que a Bíblia relata. A partir deste conhecimento, estaremos aptos para discernir entre a verdadeira doutrina e a falsa doutrina.

I.        DEFINIÇÃO DO TERMO

A palavra doutrina vem do latim doctrina, que significa “ensino”. Pode ser qualquer tipo de ensino ou doutrina especifico. Segundo o dicionário Aurélio, “doutrina é o conjunto de princípios que servem de base a um sistema religioso”. No Antigo Testamento, a palavra doutrina ocorre como tradução do hebraico Ieqah, que significa “o que é recebido” (Dt 32.2; Jo 11.4; Pv 4.2; e Is 29.24). No Novo Testamento temos dois termos da língua grega representam a palavra doutrina. Um termo é Didaskalia e o outro, didachê. Ambos os termos refere-se ao ensino como instrução dada àqueles que recebiam de bom grado a mensagem do cristianismo (Mt 7.28; Jo 7.16-17).

Doutrina é um ensino da Bíblia normativo, terminante, final, derivado totalmente e exclusivamente das Sagradas Escrituras, como regra de fé em Deus e de prática de vida cristã e de ministério para a Igreja de Deus.

No Novo Testamento, alguém que ensina a respeito das coisas de Deus, e dos deveres do homem; como os mestres da religião judaica, que pelo seu imenso poder como mestres atraem multidões, como João Batista (1ª Tm 4.6; 1ª Tm 4.16; 1ª Tm 6.1; Tt 2.1; Tt 2.10).

Jesus, pela sua autoridade, refere-se a si mesmo como aquele que mostrou aos homens o caminho da salvação e como os apóstolos e Paulo, que, nas assembléias religiosas dos cristãos, encarregavam-se de ensinar, assistidos pelo Santo Espírito contra os falsos mestres entre os cristãos.

O sentido teológico. A palavra teologia deriva-se dois substantivos:
Teo = Deus e logia
Logia” = estudo ou tratado – significa estudo de Deus.

Embora não estudamos Deus por ser Ele o autor das Santas Escrituras, porém aprendemos através Dele as Escrituras Sagradas.

O sentido teológico é a mesma palavra usada pelos apóstolos em Atos 2.42, que parece ser uma indicação das crenças dos apóstolos. A segunda tem o mesmo sentido e aparece em Mateus 15.9 e Marcos 7.7. É, portanto, nas epístolas pastorais que elas aparecem com o sentido mais rígido de crença ou corpo doutrinal da igreja – a Teologia propriamente dita.

II.    DOUTRINA BÍBLICA

A doutrina bíblica são ensinamentos de Deus, portanto elas não mudam, mas permanecem para sempre, ou seja, elas são imutáveis.

Queremos identificar ao leitor da Bíblia as diferenças, que uma vez que muitos cristãos (inclusive líderes) confundem doutrina da Bíblia com doutrina dos homens.

Há pelo menos três formas de doutrinas. Uma é sublime e santa. Duas perniciosas e deletérias.

1. Doutrina de Deus (Pv 4.2; Mt 7.28; Lc 4.32; Jo 7.16; At 2.41-42; At 13.12; 1.42; Tt 2.1, 10).







2. Doutrina de homens (Jr 23.16; Mt 15.9, 16; 16.12; Cl 2.22; Tt 1.4).











3. Doutrina de demônios (1ª Co 12.13; 1ª Tm 4.1).









A primeira é boa, as duas últimas danosas. É preciso distinguir a primeira das duas últimas. Caso contrário, os prejuízos podem ser fatais. O contraste entre a verdade e a mentira é mais nítido do que o contraste entre a verdade e a falsidade.

Há, pois, demônios cuja atividade não é espalhar violência e outros males ostensivos, mas ocupar-se com o ensino maléfico, falso, errôneo e enganoso.

Religiões e seitas pagãs podem ser analisas facilmente. Contudo, uma religião ou uma seita que se apresenta como cristã, mas têm doutrinas contrárias às Escrituras, merecem toda a nossa atenção. Por isso devemos conhecer os meios adequados da adição subtração, divisão e multiplicação para se identificar uma seita e um falso ensinador.

A dificuldade para entender o que é doutrina é proveniente da imaturidade espiritual do cristão e de sua vivencia espiritual superficial. A muitos líderes que confundem doutrina bíblica com praticas, tradições e usos e costumes humanos.

Muitos líderes não conseguem se aprofundar no estudo e compreensão das doutrinas do Santo Livro de Deus porque o estudam sem organização, método, ordem, seqüência, propósito, interesse, ou muita atenção. A admoestação bíblica em 2ª Timóteo 2.15 é “que maneja bem a palavra da verdade”.

III.  A CLASSIFICAÇÃO DAS DOUTRINAS DA BÍBLIA

Há pelo menos três diferenças básicas entre doutrina bíblica e costume puramente humano. Há costumes bons e maus. A doutrina bíblica conduz a bons costumes.

à Quanto à origem.
·        A doutrina é divina
·        O costume é humano.

à Quanto ao alcance.
·         A doutrina é geral
·         O costume é local

à Quanto ao tempo.
·        A doutrina é imutável.
·        O costume é temporário.

“Por isso, pondo de parte os princípios elementares da doutrina de Cristo, deixemo-nos levar para o que é perfeito, não lançando, de novo, a base do arrependimento de obras mortas e da fé em Deus, o ensino de batismos e da imposição de mãos, da ressurreição dos mortos e do juízo eterno” (Hb 6.1-2).

Para fins de estudo, todas as doutrinas da Bíblia podem situar-se em três grandes grupos ou classes de assuntos doutrinários, a saber:

à Doutrinas da Salvação: A doutrina da graça de Deus, expiação pelo sangue, a propiciação pelo sangue, a justificação, pela fé e a regeneração pelo Espírito Santo; da justificação, da regeneração, do arrependimento e da confissão de pecados, do batismo em águas, santificação, da eleição e predestinação dos salvos, doutrina do evangelismo, missões e discipulado cristão.

à Doutrinas da fé cristã: Doutrina trindade; Pai, Filho e Espírito Santo; da fé, da criação de todas as coisas, dos anjos, bons e maus, do homem, doutrina da família, da consciência como faculdade humana, da lei e da graça, da igreja, oração e do jejum, do louvor e da adoração, dos ministérios dos dons espirituais, do fruto do Espírito, do perdão, da santa ceia do Senhor, do testemunho do crente (o cristão falando de cristo de sua vida); da contribuição financeira, das duas naturezas do cristão, do sofrimento do cristão nesta vida, do cristão como cidadão do céu, da ação social da igreja, da divindade de Cristo, etc...

à Doutrina do Porvir: Doutrina do estado intermediário dos mortos, da ressurreição dos justos e dos injustos, dos juízos (julgamento), da grande tribulação que há de vir sobre o mundo, do anticristo, da vida de cristo, do reino milenar de cristo neste mundo, do céu para os salvos e do inferno para os perdidos, do conhecimento dos salvos na outra vida, do perfeito estado eterno (eternidade), da dispensações e alianças da Bíblia.

IV. A VERDADEIRA IGREJA É AQUELA QUE PRIMA PELA ORTODOXIA DOUTRINÁRIA

1. A doutrina bíblica pode ser Ortodoxa ou Liberal.

A. Ortodoxa. Ortodoxia deriva do vocábulo “ortodoxo”, palavra grega que significa “opinião correta” ou “doutrina correta”, é a doutrina conservadora. É a qualidade de uma declaração doutrinária que se acha de acordo com a Palavra de Deus e com os cânones e concílios estabelecidos pela Igreja Apostólica. No nosso contexto ela diz respeito aos cristãos conservadores. Fugir à ortodoxia pode significar aberração doutrinária ou até mesmo heresias.

O Ensino das Escrituras deve ser antes de mais nada, ortodoxo. Todo ensino bíblico-doutrinário deve ser estritamente de acordo com a mensagem divina revelada na Sua Palavra. Tal ortodoxia cristã tem nas Escrituras a única fonte do verdadeiro conhecimento de Deus, de suas doutrinas e da maravilhosa salvação em Cristo Jesus.

Tendo a Bíblia como a sua única regra de fé e prática. Acha-se comprometida com a evangelização do mundo, conformando-se plenamente com as reivindicações da Grande Comissão.

B. Liberal. A ênfase do erudito liberal se focaliza na descoberta que o homem faz de Deus. Seu ponto de vista é razão humanista, isto é, centrado no homem.

O liberal se acha o representante legal de Deus aqui na terra. Usa de autoridade como se fosse delegada por Deus.

Aqueles que ensinam sem dogmatismo muitas vezes são taxados de liberais e mundanos. Porém pelas lentes da Palavra, podemos considerar liberais aqueles que estão fora da Palavra e servindo uma tradição arcaica e anti-bíblica.

Antes de conhecer a Cristo éramos escravo do mundo e de Satanás, agora libertos em Cristo somos livres; o servo de Cristo experimenta a liberdade real do Espírito nos propósitos de Deus. “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará. Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” (Jo 8.32, 36). Com base no ensino de Jesus eu posso afirmar que somos livres para servir o Senhor Deus, mas não ao pecado. Porém, não temos o direito de propagar idéias tradicionalistas, dizendo que é doutrina de Deus e usarmos como meio de salvação, pois seremos taxados de fariseus.

Não confundamos liberal com libertinagem, pois libertinagem é uma pessoa que se encontra na liberdade do mundo e do pecado, ou seja, nas concupiscências da carne, dos olhos e na soberba da vida conforme 1ª Jo 2.16.. É por isso que Paulo diz aos Gálatas “... não useis da liberdade para dar ocasião à carne” (Gl 5.13). Todavia somos agora livres para servir ao nosso bendito Criador sem esquisitices.

As idéias, deduções e princípios teológicos liberais, humanistas e corrompidos, tiveram seu início na primeira parte do século XIX. Possuíam como objetivo a racionalização da fé sob influência do movimento filosófico e igualmente humanista denominado iluminismo. Foi uma tentativa de adaptar a fé cristã às corrente do pensamento moderno sobre Deus.

Mas a verdadeira teologia bíblica proveniente da doutrina do Senhor não perdeu o espaço. Ao contrário, ela continua firme e crescente através do empenho de homens comprometidos com Deus e com a defesa da fé mediante a exposição correta e ungida das Escrituras. Ainda há em nossos dias cristãos que, graças a Deus, procedem como mãe e avó de Timóteo, ensinando os mais jovens os verdadeiros fundamentos da fé cristã.

“Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste e de que foste inteirado, sabendo de quem o aprendeste, e que, desde a infância, sabes as sagradas letras, que podem tornar-te sábio para a salvação pela fé em Cristo Jesus” (2ª Tm 3.14-15; outra ref. 2ª Tm 1.3-5). [GEREMIAS DO COUTO. Lições Bíblicas 4ª Trimestre de 2005. Editora CPAD, Rio de Janeiro RJ].

[...] Alguns líderes estão se equivocando e transformando certos costumes em doutrinas, como se a sã doutrina da Bíblia não fosse suficiente para um viver cristão digno. É claro que os bons costumes são necessários como: agradecer um favor, cumprimentar as pessoas, ter asseio pessoal etc. Essas ações e atitudes são os frutos produzidos pelos cristãos e devem ser incentivados  Mas aqui o caso é outro . Estão colocando paridade entre certos costumes e a doutrina bíblica. Será que existe alguma diferença do legalismo do passado para o de hoje? O espírito do farisaísmo é o mesmo. O que muda é o que se dita para ser seguido. [Disponbivel: http://www.conectadacomjesus.com.br/2010_04_25_archive.html acesso dia 23/12/2011]

IV.  A FINALIDADE DO ENSINO ORTODOXO É MANTER A PUREZA DO EVANGELHO

[...] A doutrina é de especial importância, porque a proclamação certa do Evangelho da salvação depende do entendimento exato do que é o Evangelho, do que é a salvação, e de como se recebe a salvação (Gl 1.6-9). O nosso futuro eterno depende da pregação ortodoxa do evangelho. A Igreja inteira deve ter o cuidado de proclamar fielmente o verdadeiro Evangelho, e todos os cristãos devem saber a verdade do evangelho e interessar--se pelo assunto [SOARES. P.23].

Aos discípulos, Jesus declarou que edificaria Sua igreja (Mt 16.18). O fundamento e as colunas (pilares) desse edifício são as doutrinas bíblicas fundamentais, as quais dão sustentação a esse edifício espiritual (1ª Co 3.9, 10, 16). A igreja é edificada sobre “o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus é a principal pedra de esquina” (Ef 2.20). A ordem da frase “apóstolos e profetas” deixam claro que a “doutrina dos apóstolos”, citada em Atos 2.42, refere-se ao ensino que receberam de Jesus e que foram comissionados a ensinar. Não se tratava de uma doutrina particular dos apóstolos Pedro, João, Tiago ou Paulo, mas a mesma ensinada por Jesus. A referência aos profetas trata-se dos profetas da igreja primitiva que confirmavam, pelo Espírito Santo, as doutrinas ensinadas. A ordem da frase apóstolos e profetas indicam tratar-se do dom profético naqueles dias outorgado pelo Espírito Santo (Ef 4.11).

Paulo declara em 1ª Co 3.10-11, que ninguém pode colocar outro fundamento além do que já está posto. No texto de Efésio 4.11, vemos os edificadores que Deus tem dado à igreja. “Apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres”. Eles usam os materiais da doutrina cristã para construir este edifício espiritual.

A Igreja de Cristo é vista numa linguagem figurada como “casa” e “família” (1ª Tm 1.2, 18; 2.13-15). A Bíblia, em 1ª Timóteo 3.15, usa a expressão “coluna e firmeza” que fala de suporte, apoio, sustentáculo de uma construção. A lição que aqui podemos aprender é que devemos fielmente preservar aquilo que temos recebido da parte do Senhor. A verdadeira igreja é aquela que se mantém em tudo fiel à sã doutrina bíblica. 

“Todo aquele que ultrapassa a doutrina de Cristo e nela não permanece não tem Deus; o que permanece na doutrina, esse tem tanto o Pai como o Filho” (2ª João 1.9).

[...] Como ocorreu no passado, nos dias atuais o espírito maligno do engano continua agindo através dos que se auto-intitulam concessionários de novas verdades doutrinárias, como que o homem necessita para obter a sua salvação e viver uma vida plena em Cristo Jesus (Rm 5.20). Nestes últimos dias na terra, a igreja deve estar atenta a esta investida satânica de falsas doutrinas (1ª Tm 4.1-2; 2ª Co 11.13-15; 2ª Tm 3.1-5). Ela deve andar embasada somente na verdade que é a Palavra de Deus – as Sagradas Escrituras [ELIEZER DE LIRA E SILVA. Lições bíblicas - 3º trimestre 2009, p.8].

“Apegado à palavra fiel, que é segundo a doutrina, de modo que tenha poder tanto para exortar pelo reto ensino como para convencer os que o contradizem. Porque existem muitos insubordinados, palradores frívolos e enganadores, especialmente os da circuncisão. É preciso fazê-los calar, porque andam pervertendo casas inteiras, ensinando o que não devem, por torpe ganância” (Tt 1.9-11).

Este texto bíblico evidencia a preocupação do apóstolo Paulo, não com as perseguições das pessoas de fora, mas com determinados ensinos que poderiam ser facilmente aceitos no meio dos cristãos.
Por toda a Bíblia vemos que existe uma preocupação com deturpação dos ensinos verdadeiros, que formam heresias ou partidos com a capacidade de minar a força da Igreja e seu progresso.

“Mantém o padrão das sãs palavras que de mim ouviste com fé e com o amor que está em Cristo Jesus” (2ª Tm 1.13).

Que padrão é este que Paulo fala a Timóteo? É o padrão do evangelho segundo a graça que o apóstolo recebeu de nosso Senhor Jesus Cristo: “Faço -vos, porém, saber, irmãos, que o evangelho por mim anunciado não é segundo o homem, porque eu não o recebi, nem o aprendi de homem algum, mas mediante revelação de Jesus Cristo” (Gl 1.11-12).

Ninguém pregou o evangelho para Paulo, mas foi o próprio Jesus que apareceu a ele no caminho de Damasco, seguida de muitas outras revelações como vemos aqui na carta aos Gálatas. Por isto, Paulo ensinou a Timóteo uma doutrina sadia pura segundo a verdade do evangelho da graça.

O papel da Igreja é sustentar, manter e defender a verdade contra todo o erro e oposição intelectual, religiosa e filosófica dos falsos mestres. A igreja tem a missão de viver e repreender essa verdade, mas também de mantê-la de toda oposição que lhe ataca. A primeira coisa que cuidaram na igreja primitiva foi à doutrina, que é essencial à fé cristão.

Em nossos dias, épocas em que as culturas e até religiões têm a tendência de homogeneizar-se, precisamos ainda de obreiros polemistas, homens que discutam o conteúdo de ensino supostamente bíblico.
Entendo que o dogmatismo, que consiste em ensinos que nem sempre são adquiridos por exegese bíblica, mas sim por tradições. Muitas vezes experiências espirituais são confundidas e homogeneizadas com doutrina bíblica.

Paulo recomendou muito cuidado com a doutrina de Deus, para não aceitarmos o ensino diabólico ou dos homens. O apóstolo acentua a importância da doutrina de Deus:

“Quando eu estava de viagem, rumo da Macedônia, te roguei permanecesses ainda em Éfeso para admoestares a certas pessoas, a fim de que não ensinem outra doutrina” (1ª Tm 1.3).

Paulo, instrui o jovem Timóteo, a permanecer em Éfeso, fortalecendo os cristãos perseverarem na fé e combatendo As falsas doutrinas. E não se dêem a fábulas, “que mais produzem questões do que edificação em Deus” (1ª Tm 1.4). Por ignorarem tal exortação muitos se entregam a “vãs contendas, querendo ser doutores da lei e não entendendo nem o que dizem nem o que afirmam” (1ª Tm 1.6-7).

Note que os falsos mestres em que Paulo menciona eram os fariseus de sua época; porque enfatizavam lendas e genealogia judaicas em seus ensinamentos. Eles acreditavam que a salvação dependia da guardas da lei e de suas tradições ao invés da fé em Jesus Cristo.

Paulo recomenda a Timóteo dizendo: “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina. Continua nestes deveres: porque, fazendo assim, salvarás tanto a ti mesmo como aos teus ouvintes” (1ª Tm 4.16).

Doutrina responde às perguntas sobre Deus, a Trindade (Pai, Filho e Espírito Santo), a natureza humana, a vontade de Deus e o nosso destino. Conhecendo estas coisas, o cristão sabe o que Evangelho e como recebê-lo, e isto é de fundamental importância para a unidade da igreja.

“Todo aquele que ultrapassa a doutrina de Cristo e nela não permanece não tem Deus; o que permanece na doutrina, esse tem tanto o Pai como o Filho. Se alguém vem ter convosco e não traz esta doutrina, não o recebais em casa, nem lhe deis as boas-vindas. Porquanto aquele que lhe dá boas-vindas faz-se cúmplice das suas obras más” (2ª Jo 19-11).

O verdadeiro cristão deve conservar as doutrinas do cristianismo e não ultrapassar os fundamentos da verdade e do ensino de Jesus e Seus apóstolos. João adverte contra o perigo de apoiar os falsos mestres bem como a seus erros. Não se trata aqui de simples indivíduos, mas de líderes espirituais com aparente autoridade.

“...não o recebais em casa...” (v.10), pode referir-se à igreja, uma vez que as igrejas se reuniam nas casas.

“Tu, porém tem seguido, de perto, o meu ensino, procedimento, propósito, fé, longanimidade, amor, perseverança” (2ª Tm 3.10).

A sã doutrina trás edificação e firmeza espiritual. A sã doutrina é verdadeira, pura, sincera, é imutável e produz uma fé sadia e garante a salvação pela graça de Cristo.

Paulo enfatiza a Timóteo a cuidar de si, a vivência no amor na fé na longanimidade e na perseverança da verdadeira doutrina. Devemos tomar cuidado com os falsos mestres que estão surgindo em nossos dias. Atentemo-nos para a advertência do apostolo Paulo: “Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos” (2ª Tm 4.3).

Eu acredito que já estamos vivendo a este tempo. Pouco se ouve ensinos sobre doutrinas bíblicas. Os púlpitos se tornaram palcos de propagar mentiras e ilusões. As pregações estão voltadas para as tradições, regras, arrecadações, e até pregações místicas (adivinhações). Podemos ver que pouco se prega doutrina bíblica, mas as regras sempre estão em destaque. É por isso que o apóstolo São Judas nos admoesta a batalhar diligentemente, isto é, lutar intensamente pela fé:

“Amados, quando empregava toda a diligência em escrever-vos acerca da nossa comum salvação, foi que me senti obrigado a corresponder-me convosco, exortando-vos a batalhardes, diligentemente, pela fé que uma vez foi entregue aos santos. Porque se introduziram alguns homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de Deus e negam a Deus, único Dominador e Senhor Nosso, Jesus Cristo” (Jd 3, 4).

 O apostolo são Judas, através do Espírito Santo, recebeu o mandamento quanto a preservação da fé e lutar por ela (v.3). A fé “entregue aos santos” é a soma da doutrina cristã contida na Palavra de Deus. Consistia dos ensinos dos apóstolos e o conteúdo dos quatro Evangelhos.

Para Judas a importância máxima da sã doutrina não era algo superficial e infantil. Tratava-se de assuntos vitais em jogo, tendo o caminho falso de um lado, e do outro o caminho da verdade. O escritor nos mostra que assim como a verdadeira sabedoria e a viva esperança caminham inseparavelmente, do mesmo modo estão a falsa doutrina e a destruição final. A igreja morrerá espiritualmente se as heresias prevalecerem em seu meio.

O Espírito Santo, ante tantas controvérsias, está procurando homens que, por amor do Evangelho, assumam a responsabilidade de lutarem em defesa da “nossa fé”. A Bíblia nos ensina a crer nas doutrinas: “Arrependei-vos e crede no evangelho” (Mc 1.15), mas os homens aumentam o evangelho com suas tradições.

Judas sabe que, conquanto a fé tenha sido uma vez por toda entregue aos santos é preciso lutar, batalhar e vigiar para que ela não seja solapada na sua base.

O inimigo, na pessoa de falsos pregadores, está atacando a fé, as verdades centrais que são a âncora da salvação, as quais não devem sofrer alterações. Judas adverte os cristãos contra os falsos ensinos, que estavam levando os cristãos para um evangelho com dissolução, com imoralidade e engano. Os tais que mudam as Verdades de Cristo em mentiras são impostores na igreja, que perverteram o Evangelho segundo o Novo Testamento; repudiando ou rejeitando algumas das suas verdades fundamentais; acrescentando-lhe regras, leis e idéias de homens. O falso evangelho leva o homem à pobreza e miséria, embora fale no nome de Cristo.

É assim que o maior perigo que enfrenta a igreja vem da infiltração dos “agentes secretos”, ou seja, quando na comunidade do povo de Deus penetram, se infiltraram certas pessoas cuja mente está inteiramente distorcida de qualquer profundo compromisso com Cristo. E pior, muitas vezes tais pessoas assumem posição de influência, tornam-se arcanjos da comunidade, vestem-se de ministros da verdade, falam como teólogos, ensinam como mestres insinuam-se profetas. Esses são os dissimuladores.

Judas não era periférico e tampouco diplomático no que estava tentando dizer. Ele realmente parte para identificar as teologias que estão sendo desenvolvidas pelos dissimuladores, infiltradores nas entranhas da igreja. Estas teologias são a graça barata e o senhorio oco.

A graça de Deus sempre foi o tema teológico mais atacado pelo diabo. No caso em questão estavam tentando “transformar em libertinagem a graça de nosso Deus” (Jd v.4). Dessa forma o pecado passava a ser um aliado da graça de Deus, na medida em que quanto mais se peca mais Deus tem ocasião de mostrar-se gracioso. Esse pretexto do liberalismo comportamental. Além disso, essa perspectiva de baratemanto da graça de Deus passa também pela idéia de que Deus é gracioso e sublime demais para ocupar-se com os banais deslizes humanos. Ou seja, usa-se a graça de Deus contra o próprio Deus. E mais, faz-se com que Deus seja escravo de sua graça e fique inflexível contido por ela. Desse modo, mais uma vez a graça de nosso Deus é “transformada em libertinagem”, na medida em que é usada pelos interesses morais dos seres humanos. É a graça conveniente, evocada para justificar o pecado, não o pecador.

Outro caminho para se “transformar a graça do nosso Deus em libertinagem” é a via indireta do legalismo. O fim do legalismo é a sensualidade, a neurose ou a psicose. Isso porque o legalismo concebe a vida santa como dependendo do homem e de seus recursos de auto-santificação.

O legalismo começa independente da graça e termina em desgraça. O triste é que tudo isso é feito em nome da graça do nosso Deus. É por isso que o legalismo também “transforma em libertinagem a graça de nosso Deus”. O legalismo já é pecado desde o princípio, pela sua presunção arrogante, quando a conceber-se capaz de auto-financiar o sucesso moral.

A Igreja somente poderá lograr êxito em qualidade se mantivermos nos padrões da sã doutrina e revestido do poder do alto. Poder de baixo, humano, terreno, não temos falta; mas necessitamos sempre do poder do alto, que põe a igreja em marcha (Lc 24.49). Que o Senhor nos ajude a sermos sadios na fé, maduros no entendimento e zelosos na manutenção da chamada do autêntico avivamento espiritual.

É interessante observar que toda nova doutrina se desenvolve em um ambiente de pessoas que são supostamente iluminadas e com novas revelações, desfazendo completamente a base bíblica doutrinária existente. Esta é praticante a característica de todas as seitas que no decorrer dos anos vão se avolumando e se organizando. No comando das seitas está o espírito do erro e do engano. Por isso as Escrituras nos alertam, dizendo: “Todo aquele que prevarica, e não persevera na doutrina de Cristo, não tem a Deus...” (2ª Jo 9).

[...] Escreveu Russel Champlin: “Por certo que o pior vício dos sintomas religiosos é que transformam os preceitos humanos em leis divinas, e não reconhecem a diferença. Então passam a forçar sobre os outros os absurdos por eles mesmos inventados. Parece mais fácil e atraente, para alguns, observarem regras do que permanecer sob o controle de Cristo. Iludindo-se a si mesmo, simulam maturidade, medindo o grau de conhecimento, não pela força da vida que Jesus coloca em nosso interior, mas pela aparência que ostentam diante dos homens. Confundem “fermento” com desenvolvimento (1ª Co 5.6-8). O externalismo a ninguém faz crescer. Estes “procurando estabelecer a sua própria justiça” (Rm 10.3), dogmatizam esfarrapados jugos. O resultado é uma espiritualidade desfigurada” [JERRY BRIDGES. Exercita-te na Piedade – Ed Vida, p. 16].

Portanto, estejamos, atentos para o conteúdo de nossos cultos, de nosso aprendizado e de nossa fé, alicerçados na Palavra do Senhor, cientes de nossas responsabilidades como servos de Deus e fiéis a sã doutrina.

Muitos pregadores têm suas doutrinas identificadas com as doutrinas dos fariseus, e não com a doutrina de Cristo, sendo, portanto, uma mensagem anátema. O Apostolo Paulo é muito claro e direto ao demonstrar esta verdade, a sua ação é decisiva na promoção de informações que desmascaram esta classe de falsificadores da mensagem santa, deixando claro que são desrespeitadores da Palavra de Deus e do evangelho eterno. Na sua epístola aos romanos, Paulo assim se reportou: “E rogo-vos irmãos, que noteis os que promovem e escândalos dissensões contra a doutrina que aprendeste; desviai-vos deles. Por que os tais não servem a nosso Senhor Jesus Cristo. Mas ao seu próprio ventre; e com suaves palavras e lisonjas enganam os corações dos simples” (Rm 16.17-18) Esse texto é mais uma preciosidade do apóstolo Paulo a serviço da sã doutrina.

FONTE DE PESQUISA

1.        ANTÔNIO GILBERTO, Dificuldade e doutrina bíblica Mensageiro da Paz Janeiro, ano 73, nº 1.424, Janeiro de 2004, Ed. CPAD, Rio de Janeiro, RJ.
2.       CLAUDIONOR CORRÊADE ANDRA, Dicionário Teológico, Ed. CPAD, Rio de Janeiro, RJ.
3.        JERRY BRIDGES. Exercita-te na Piedade – Editora Vida.
4.       GEREMIAS DO COUTO. Lições Bíblicas 4ª Trimestre de 2005. Editora CPAD, Rio de Janeiro RJ.
6.       EZEQUIAS SOARES, Mensageiro da Paz. Ano 77 Nº 1460. Janeiro de 2007. Editora - CPAD, Janeiro, RJ.
7.       ELIEZER DE LIRA E SILVA. Lições bíblicas - 3º trimestre 2009, editora: CPAD, Rio de Janeiro – RJ.