TEOLOGIA EM FOCO

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

2ª TROMBETA - APOCALIPSE

“O segundo anjo tocou a trombeta, e uma como que grande montanha ardendo em chamas foi atirada ao mar, cuja terça parte se tornou em sangue, e morreu a terça parte da criação que tinha vida, existente no mar, e foi destruída a terça parte das embarcações” (Ap 8.8-9).

Isso pode ser um meteorito ardendo em fogo cai sobre o mar e mata a terça parte da vida marinha e destói muitas embarcações.
Quando cair:
A. A água do mar torna-se sangue.
B. Morrerá a terça parte dos peixes.
C. Haverá acidentes marítimos.
D. Isto agravará ainda mais a crise de fome (Ez 4.16-17).
E. Com o apodrecimento da água iniciará uma crise, e a água será vendida por alto preço (Is 19.5).
F. Os jovens desmaiarão de sede (Am 8.13).

Astrônomos europeus e norte-americanos detectaram no final do ano passado um meteoro gigante em rota de colisão com a terra. Sem dúvida, trata-se de uma notícia assustadora que deverá mobilizar, desde já, as atenções dos estudiosos. Um asteróide pode aproximar-se de maneira perigosa da Terra em 2036 e a Organização das Nações Unidas (ONU) deve assumir a responsabilidade por uma missão espacial para desviá-lo, disse um grupo de astronautas, cientistas e engenheiros. Astrônomos estão monitorando um asteróide chamado Apophis, que tem uma chance em 45 mil de atingir a Terra no dia 13 de abril de 2036. O único consolo – se isso pode ser considerado consolo – é que o choque contra a superfície da Terra está previsto para o ano de 2036. Acontece que, em termos astronômicos, esse tempo é curtíssimo. Cumpre aos cientistas e aos governos iniciar imediatamente o estudo do fenômeno, analisando todas as hipóteses. O Debate estará acompanhando o assunto, colocando à disposição dos seus leitores as últimas informações o que pode ser a maior catástrofe de todos os tempos na História da Humanidade.

Apophis (destruidor em grego) como foi batizado pelos cientistas, foi descoberto em 2004, e segundo informações em diversos jornais e sites de todo o mundo esta chamando a atenção de estudiosos de todo o mundo, pois segundo estudos caso ocorra um choque com o planeta Terra, a liberação de energia seria equivalente a 100.000 vezes a energia liberada pela bomba atômica de Hiroshima, o que seria um evento similar ao que acabou aniquilando os dinossauros, levantando uma grande nuvem de poeira que cobriria os céus por anos, impedindo assim a vida no planeta.

A Nasa estuda o envio de uma missão para colocar um radiotransmissor em um asteróide, com o objetivo de rastrear a órbita do corpo celeste, que tem remotas possibilidades de atingir a Terra em 2036. Os especialistas estimam que a probabilidade de um impacto do asteróide chamado Apophis, de 300 metros de diâmetro, é de apenas uma entre 5.500. Mas, caso ocorra, pode provocar uma catástrofe maior que o tsunami do sudeste asiático em dezembro de 2004.

No Jornal Zero Hora do Rio Grande do Sul de 18 de Julho de 2005, trouxe uma reportagem com relação à Astronomia com o título 2004 MN4.

Em 19 de junho de 2004, Observatório de Kitt Peak, no Arizona, os astrônomos Roy Tucker, David Tholen, e fabrício Bernardi, descobrem um asteróide com órbita rasante á Terra. O objeto recebe a designação 2004 Mn4.

Em 23 de Dezembro de 2004 o asteróide é visto em diferentes parte do mundo. Na véspera do Natal, laboratório de Propulsão a Jato, Passadena, Califórnia, divulgam que as chances de colisão com a Terra são bem mairores.

Em 28 de Dezembro, Space Watch Telescope, Kitt Peak, Arizona , anunciam a descoberta de cinco imagens do asteróide, com uma previsão do Asteróide passar bem próximo a terra no ano de 2029.

Em 4 de Fevereiro de 2005, Radiotelescópio de Arecibo, Porto Rico, Lance Benner, Jon Giorgini, Mike Nolari e Steve Ostro publicaram suas observações em ondas de rádio realizadas nos últimos dias de Janeiro, concluindo que a separação mínima entre a Terra e o asteróide em 2029 seria de apenas 30 mil quilômetros acima da superfície terrestre. Mesmo que a distância mínima de 30 mil quilômetros em 2009 seja, de fato, atingida, ainda há riscos de o asteróide ser perturbando por um efeito de ressonância gravitacional conhecido como “buraco de fechadura”, que poderia arremessa-lo direto para um choque com nosso planeta.

Se o asteróide colidisse com a terra poderia devastar uma região do tamanho do Estado norte americano do Texas, numa explosão equivalente a de 850 megatons de TNT, cerca de 15 vezes mais poderosa do que a maior bomba de hidrogênio já testada.

Os cientistas dizem que se este asteróide 2004 MN4, não colidir com a Terra terá outro o cometa Catalina, cujo núcleo mede um quilometro de diâmetro. Em 11 de junho 2085 ele terá a chance em 30 mil de colidir com a Terra. A possibilidade de um impacto catastrófico com a Terra no futuro é de 100%.

Os cientistas apenas confirmam o que a Bíblia diz no livro de Apocalipse: “O segundo anjo tocou a trombeta, e uma como que grande montanha ardendo em chamas foi atirada ao mar, cuja terça parte se tornou em sangue. E morreu a terça parte da criação que tinha vida, existente no mar, e foi destruída a terça parte das embarcações” (Ap 8.8-9).

Pr. Elias Ribas

E-mail: pr_eliasribas@yahoo.com.br

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

DAVI E SUA EQUIPE DE LIDERANÇA

Texto Áureo:º Sm. 22.2 – Leitura Bíblica em Classe: 1º Cr. 1.10-12,20,22,24,25.Objetivo: Mostrar que o trabalho em equipe é um princípio básico da liderança eficaz, inclusive na causa do Senhor.

INTRODUÇÃO

Em alguns contextos a liderança tem sido amplamente questionada. Na lição de hoje veremos que esse é um princípio bíblico. Tanto no Antigo quanto no Novo Testamento Deus levantou homens e mulheres para liderar e guiar Seu povo. Davi é um dos mais contundentes exemplos de liderança. Por esse motivo, analisaremos, na aula de hoje, aspectos da sua atuação perante a equipe de liderados. Ao final, atentaremos para alguns princípios gerais da liderança cristã.

1. O PRINCÍPIO BÍBLICO DA LIDERANÇA

A fim de cumprir seus propósitos Deus estabeleceu o princípio da liderança. Quando passeamos pelas páginas da Bíblia, constatamos essa veracidade. Em Gênesis, o primeiro livro da Bíblia, lemos a respeito de José, o homem que Deus escolheu como líder no Egito (Gn. 37-45). Durante o cativeiro egípcio, Deus separou Moisés para retirar o povo daquela condição e guia-los pelo deserto (Êx. 2-17). Para a consolidação da conquista da Terra Prometida, Josué desempenhou um papel fundamental (Js. 2-8). Durante o cativeiro babilônico, Ester, uma mulher de coragem, cumpriu os desígnios de Deus para a preservação do povo israelita (Et. 4). Após o cativeiro de Judá, Neemias, mais um líder guiado por Deus, cumpriu a missão de restaurar a cidade destruída (Nm. 1-6). No Novo Testamento, Paulo e Pedro foram colunas fundamentais na liderança da igreja primitiva, tanto na plantação quanto na consolidação de igrejas (At. 14-21; J. 21).

2. O ESTILO DE LIDERANÇA DE DAVI.

Davi é um exemplo bíblico de liderança competente. A competência de Davi estava respaldada na diligência de buscar fazer sempre a vontade de Deus, na sua lealdade tanto aos seus líderes quanto aos liderados e na disposição de atribuir toda glória a Deus. Quando decidiu construir um templo para o Senhor, Davi preparou o material que seria necessário (1º Cr. 22.14). Mas como não coube a ele essa construção, e sim ao seu filho Salomão, tratou de lhe dar as devidas instruções para que tudo fosse feito com prudência e entendimento e de forma organizada (1º Cr. 22.12-15). O estilo de liderança de Davi pautava-se no planejamento, no prognóstico do que deveria ser feito. Com Davi aprendemos a evitar as improvisações desnecessárias que possam comprometer o andamento do trabalho. O planejamento é um dos princípios basilares da condução das atividades, para tanto, faz-se necessário planejar a curto e longo prazo, sem deixar de confiar, primeiramente, no Senhor. Planejar somente não é suficiente, é preciso também coordenar a execução do projeto, identificar os objetivos, o tempo, o lugar, as pessoas envolvidas, os métodos a serem utilizados e o material disponível. Mesmo assim, é provável que existam obstáculos, e, quando eles vierem, como Davi, é recomendável que se confie na direção do Espírito Santo. Manter uma atitude de flexibilidade em relação ao planejado também evita os “engessamentos” que desgastam a liderança do projeto. Em linhas gerais, o estilo de liderança de Davi, bastante aplicável nos dias atuais, preza pela dependência em Deus, e principalmente, por atitudes de humildade, que não busca a glória própria, antes tributa todo louvor a Deus.

3. PRINCÍPIOS PARA A LIDERANÇA CRISTÃ.

A liderança, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, é exercitada a partir dos planos que Deus definiu. Por isso, para ser líder, é preciso confiar e depender de Deus e não nos méritos pessoais, ainda que esses não sejam descartados. Todos os líderes escolhidos por Deus estiverem no centro dos seus planos e apresentaram as seguintes características: 1) empatia – capacidade de ver as coisas do ponto de vista dos outros (Lc. 6.31; 1ª Pe. 3.8; Gl. 6.2); 2) alvos – estabelece metas e se esforça para alcançá-los (Fp. 3.14; Ef. 3.1) 3) competência – faz bem o seu trabalho (Pv. 12.27; 22.29); 4) atuação em equipe – senso de grupo, capacidade de trabalhar com as pessoas (1ª Co. 12; Ef. 4); 5) estabilidade emocional – confia em Deus em todas as circunstâncias e não se deixa abalar pelas adversidades (Ef. 4.31; II Tm. 4.5); 6) partilha a liderança – não é centralizador, divide as atribuições com outros (Ef. 5.21; Fp. 4.1-3); e 7) confiável – as pessoas podem depender dele (Lc. 9.62; 1ª Co. 15.58).

CONCLUSÃO. O exercício da liderança bíblica não é centralizado no homem, mas em Deus. Os que quiserem ser líderes segundo o coração de Deus precisam atentar para a Sua palavra. Para tanto, enquanto líderes, é preciso ter cuidado para não seguir o caminho de Saul: vaidade, inveja, perseguição, auto-glorificação, populismo, desobediência, espiritualidade aparente e ganância pelo poder. O estilo de liderança de Davi, deferentemente daquele, glorifica a Deus: obediência, temor a Deus, respeito, temor, fidelidade, espiritualidade, sinceridade e misericórdia. Davi é um bom exemplo de liderança, mas se quisermos um modelo perfeito, é só atentar para Jesus, pois nEle encontramos o fundamento maior da liderança cristã: O AMOR.

BIBLIOGRAFIABALDWIN, J. G. I e II Samuel: introdução e comentário. São Paulo: Vida Nova, 2008.SWINDOLL, C. R. Davi. São Paulo: Mundo Cristão, 2009.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

A IGREJA E O MODERNISMO

É de se observar uma incontrolável proliferação de religiões nos últimos dias da igreja do Senhor sobre a face da terra. Essas religiões tendem a gerar no homem moderno, necessidades espirituais confusas com relação ao tipo de divindade que cultua e a forma como deve cultuar. Vemos como o apóstolo Paulo esboça a simplicidade da cruz de tal maneira que constrange os sábios e inteligentes (I Coríntios 1.18,19). Para o apóstolo, que não se desviava nem para a direita e nem para a esquerda, o evangelho não é uma questão de inteligência ou ignorância, mas de sabedoria provinda de Deus (I Coríntios 1.23; 2.4).

No evangelho moderno, o homem deixa a sabedoria divina e busca na sua própria sabedoria, a resposta à sua necessidade de Deus (1ª Co 1.6,7,14,15). Em resumo, a religiosidade do homem moderno não é outra coisa senão a divinização do homem e a humanização de Deus (Rm 1.21,23,25).

Li, recentemente, que o homem em razão do modernismo, mesmo que seja um estudioso da Palavra, apoia-se em quatro fundamentos: "fé na razão, fé no desenvolvimento tecnológico, fé na ciência como substituta da religião e fé na auto-suficiência humana". O homem moderno pode ser enquadrado no Salmo 53.1-6.

Rubens Muzio, em sua obra O DNA da Liderança Cristã (Ed. Mundo Cristão), afirma que "Os evangélicos brasileiros como esponjas secas, apropriaram-se de mecanismos científicos, realistas, empíricos e lógicos da modernidade e da pós-modernidade para conquistar credibilidade diante da cultura moderna. As lideranças estão de olho nos resultados. Os cultos tornaram-se 'shows' e copiam-se modelos importados de outros países. Nesse contexto, a igreja brasileira carece de identidade e de firmeza nas Escrituras Sagradas. Vê-se um Cristianismo sem compromisso".

É lamentável afirmar que o crescimento das igrejas, muitas vezes resulta de situações subumanas em que a opção pela fé não passa de um mecanismo de fuga, e não de um autêntico chamado para participar do Evangelho de Cristo. O crescimento da igreja deve se apoiar em três características pronunciadas pelo líder Josué, quando repetiu o concerto para o povo: "temor, sinceridade e verdade" (Josué 24.14).

Muitas igrejas estão buscando novos meios de ministração para se fazerem atraentes. Algumas transformaram-se em autêntico lugar de entretenimento. Não é possível atribuir-se crescimento espiritual autêntico e nem identidade de povo de Deus. É um verdadeiro movimento jovem para agradar a jovem, ficando os anciãos, homens de fé e de oração, esquecidos e menosprezados, servindo apenas para porteiros ou recepcionistas, ou guardadores de automóveis no pátio da igreja. Não se vê qualquer semelhança com aquele evangelho pregado por Filipe em Samaria, com poder nas palavras, provas e sinais (Atos 8.5-8). E quando umas poucas igrejas assim procedem, são acusadas de praticarem charlatanice. Estamos do lado do farisaísmo e não nos damos em conta.

O cristianismo deve apresentar Deus como a Verdade Absoluta (2ª Co 13.8). Assuntos divinos passam a ser analisados com subjetividade e sem uma norma bíblica (Gl 1.8; 2ª Pe 1.20,21). A fé de alguns cristãos tornou-se "fé na fé" e não fé em Deus (Mt 7.7; 2ª Ts 1.11). O imediatismo exige de Deus resposta à uma fé pedinte. As orações tornam-se instrumento de realização da pura satisfação humana (Lc 22.42; Tg 4.3,4,7-10). Vê-se a oração como uma "magia" para alcançar bênçãos e deixou de ser um elemento essencial para comunhão e rendição à vontade de Deus (Mt 6.5,8). As pregações tornam-se puras propostas de "barganhas" com Deus (Sl 50.8-14,23); 2ª Co 2.17). O templo perde o referencial de lugar de comunhão com os santos e adoração coletiva e é visto apenas como apontador de números de membresia. Chamam de crescimento ao que se pode denominar de "inchaço". O crescimento de uma igreja pode ser visto como o resultado de uma movimentação comum entre crentes insatisfeitos em outras igrejas ou denominações.

Tem predominado um verdadeiro pragmatismo, uma prática que entende que, se está gerando resultados satisfatórios e imediatos, pode ser considerada como certa e digna de crédito. Biblicamente falando, nem tudo o que dá resultado é certo. A preocupação com os resultados não pode ser medida pela ação do homem, pois quem dá o crescimento de Sua obra é Deus (At 2.47; 1ª Co 3.6,7). Muitas igrejas estão aderindo a certos métodos de crescimento sem nem sequer passá-los pelo crivo da revelação bíblica. Julgam que, se o que estão fazendo está dando certo, certamente Deus está aprovando.

Modernamente, viver o Evangelho de Cristo diante das exigências da religião, é um desafio para os bons cristãos. Diante deste desafio, o verdadeiro cristão para permanecer na fé, tem que ter visão, discernimento bíblico e espiritual e aprofundar-se no cristianismo que busca pelo equilíbrio.

Eliezer de Andrade

 

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

CARTA À IGREJA DE LAODICÉIA

 “Ao anjo da Igreja em Laodicéia escreve: Estas coisas, o princípio da criação de Deus. Conheço as tuas obras , que nem és frio nem quente. Quem dera fosses frio ou quente. Assim, porque és morno e nem és quente nem frio, estou a ponto de vomitar-te da minha boca. Pois dizes: Estou rico e abastardo e não preciso de coisa alguma, nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu. Aconselho-te que de mim compres ouro refinado pelo fogo para te enriqueceres, vestiduras brancas para te vestires, a fim de que não seja manifestada a vergonha da tua nudez, e colírio para ungires os olhos, a fim de que vejas. Eu repreendo e disciplino a quantos amo. Sê, pois, zeloso e arrepende-te. Eis que estou à porta e bato (falo); se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo. Ao vencedor, dar-lhe-ei sentar-se comigo no meu trono, assim como também eu venci e me sentei com meu Pai no seu trono. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz ás igrejas” (Ap 3.14-21).

Nome de uma cidade que antes se chamava Dióspolis, cidade de Zeus, melhorada e ampliada por Antíoco II, que lhe pôs o nome em honra de sua mulher Laodice. Era cidade principal da Frígida Pacatiana da Ásia Menor, e estava situada um pouco ao sul de colossos. Estava a 160 Km de Éfeso, e 80 Km de Filadélfia.

Uma das cidades mais ricas da Ásia; Possuía fábrica de panos e de vestuários de lã escura, produto de ovelhas criadas nas suas vizinhanças.

Tinha uma escola de medicina onde se produzia um ungüento que cura os problemas dos olhos.
Pelo ano 65 da era cristã, Laodicéia foi destruída por um terremoto. Os habitantes de Laodicéia reconstruíram a cidade á sua custa, sem auxílio do governo romano.

I. O princípio da criação (v. 14): Refere-se a Jesus: “No princípio era o verbo, e o verbo estava com Deus, e o verbo era Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e sem ele, nada do que foi feito se fez” (Jo 1.1-2).

II. Conheço as tuas obras (v. 15): O homem jamais consegue esconder-se do olhar de Deus. Diz o Salmo 139.7-8 “Para onde me ausentarei do teu Espírito? Para onde fugirei da tua face? Se subo aos céus, lá estás; se faço a mina cama no mais profundo abismo, lá estás também”.

Deus vê todas as coisas e sabe todas as coisas que praticamos. Não temos como esconder.

III. Nem és frio, nem quente (v. 15): Refere-se aquelas pessoas que vem a igreja, mas não querem compromisso e nem responsabilidade com o Reino de Deus. Eles acham que estar dentro de uma igreja é o suficiente, ou seja, eles acham que a igreja lhe garante a salvação.

IV. Vomitar-te (v. 16): Perto de Laodicéia havias fontes de água mineral morna e emétrica, que o viajante sedento rejeitaria com nojo (ânsia de vomito). Este é o desgosto que Cristo sente para com uma igreja espiritual morna. Qualquer outra condição espiritual seria mais promissora.

V. Estou rico (v. 17): Esta igreja era cristã, mas havia se corrompido através das riquezas.
A igreja local da cidade era rica, acomodada e prevalecente da soberba e das riquezas.

A cidade era próspera o povo era rico materialmente, não tinha falta de nada. Havia industria, e um centro bancário, mas Jesus diz: “Não sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu”.

O orgulho de Laodicéia através de suas riquezas (seu centro bancário, seus oftalmologistas,  seus colírios, suas fabricas de tecidos) serviram para dar visão e decadência espiritual. Jesus não está condenando as riquezas, mas o orgulho e o amor pelas riquezas materiais.

A igreja de Laodicéia precisava desesperadamente da graça que regenera, das vestes da justiça de Cristo e de olhos do coração iluminados pelo Espírito Santo.

VI. Ouro refinado pelo fogo (v. 18): Simboliza a verdadeira riqueza celestial, sem mácula (pecado); representa a verdadeira santidade (a separação do mal).
Simboliza a nossa vida limpa pelo fogo da Palavra de Deus.

VII. Colírio para ungires os olhos (v. 18): A cidade tinha os melhores oftalmologistas do mundo, os melhores colírios, mas Jesus aconselha que compres colírio para ungires os olhos. Tinham o colírio material, mas não tinha unção do Espírito Santo. Sem está unção o cristão não vê espiritualmente se não só materialmente.

Jesus refere-se ao colírio espiritual para que o homem veja a verdade. Jo 8.32, 36 “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. 36 Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres”. Quando o povo não conhece a verdade está cego, nu e desgraçado. Anda em caminhos errantes.

Tinham um centro bancário, mas Jesus chama de pobres.
Tinham as melhores roupas, mas Jesus chama de nu.
Tinham os melhores colírios, mas Jesus chama de cegos.
Tinham tudo, mas Jesus chama de infeliz e miseráveis.

VIII. Eu repreendo e disciplino a quantos amo. Sê, pois, zeloso e arrepende-te (v. 19).
Cristo chama atenção desta igreja ao arrependimento. E para que isto aconteça, Ele disciplina, ensina, aconselha, fala, para que todos venham ao arrependimento.

IX. Eis que estou a porta e Falo (v. 20).
A Palavra “fala” no gr. é Lego – Eu digo, eu falo. Aqui Jesus demonstra o profundo amor que Ele tem pelos Seus filhos. Ele está em nossos corações todos os dias a falar. Ele fala de muitas maneiras conosco; através de Sua Palavra, através de sonhos e revelações; e muitas vezes Ele usa alguém para falar conosco.

Na igreja de Laodicéia Cristo estava para o lado de fora. Por causa do orgulho o Senhor se retirou. Ele habita na humildade, por que Ele é humilde.

Aqueles que estão com a porta fechada podem abrir e desfrutar de uma íntima compaixão com o Senhor. O fato de Ele esperar pela abertura da porta mostra o paradoxo da graça e responsabilidade pessoal.

Aquele que ouvir a voz do mestre e abrir o seu coração, então Ele entra para cear e para morar. O nosso corpo é o templo do Espírito Santo, e quando abrimos o nosso coração, Ele habita em nós (faz morada) e somos ricamente abençoados por Ele, nesta vida e na vida eterna.

X. Vencedores (v. 21).
São aqueles que ouviram sua voz e abriram seus corações, ou seja, obedeceram Sua Palavra e cumpriram Seus ensinamentos. Para esses Ele diz: “... dar-lhe-ei sentar-se comigo no meu trono, assim como também eu venci e me sentei com meu Pai no seu trono”.

XI. Ouça o que o Espírito diz ás igrejas (22).
Ouça e não te faças de surdo, escute a voz terna de Jesus e abra o seu coração para que Ele faça morada. Escute ouça o que o “Espírito diz as igrejas”.

Pr. Elias Ribas
Igreja Evangeléica Assembléia de Deus

sábado, 15 de agosto de 2009

O MORDOMO INFIEL


“Disse Jesus também aos discípulos: Havia um homem rico que tinha um administrador; e este lhe foi denunciado como quem estava a defraudar os seus bens. Então, mandando-o chamar, lhe disse: Que é isto que ouço a teu respeito? Presta contas da tua administração, porque já não podes mais continuar nela. Disse o administrador consigo mesmo: Que farei, pois o meu senhor me tira a administração? Trabalhar na terra não posso; também de mendigar tenho vergonha. Eu sei o que farei, para que, quando for demitido da administração, me recebam em suas casas. Tendo chamado cada um dos devedores do seu senhor, disse ao primeiro: Quanto deves ao meu patrão? Respondeu ele: Cem cados de azeite. Então, disse: Toma a tua conta, assenta-te depressa e escreve cinqüenta. Depois, perguntou a outro: Tu, quanto deves? Respondeu ele: Cem coros de trigo. Disse-lhe: Toma a tua conta e escreve oitenta. E elogiou o senhor o administrador infiel porque se houvera atiladamente, porque os filhos do mundo são mais hábeis na sua própria geração do que os filhos da luz. E eu vos recomendo: das riquezas de origem iníqua fazei amigos; para que, quando aquelas vos faltarem, esses amigos vos recebam nos tabernáculos eternos. Quem é fiel no pouco também é fiel no muito; e quem é injusto no pouco também é injusto no muito. Se, pois, não vos tornastes fiéis na aplicação das riquezas de origem injusta, quem vos confiará a verdadeira riqueza? Se não vos tornastes fiéis na aplicação do alheio, quem vos dará o que é vosso? Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas” (Lc 16.1-13).

O mordomo infiel tem sido a mais discutido de todas as personagens das parábolas. Para orientar a nossa interpretação, devemos notar o seguinte:

Administrador. (do gr. oikonomos), um administrador, gerente, superintendente; para quem o chefe da casa ou proprietário tinha confiado a administração dos seus afazeres; o superintendente das finanças. Aqui representado pelo pecador.

Defraudou. No gr. é traduzido como dissipou os bens do seu senhor.

Bens: (gr. grhuparchonta), possessões, mercadoria, bens, propriedade.

O patrão do administrador ao saber da sua desonestidade, o chama para que preste conta da sua administração, e, para que possa despedi-lo por ter agido com infidelidade no serviço.

O administrador infiel ao saber que seria despedido age com sutileza e astúcia: “Trabalhar na terra não posso; também de mendigar tenho vergonha. Eu sei o que farei, para que, quando for demitido da administração, me recebam em suas casas”.

“Tendo chamado cada um dos devedores do seu senhor, disse ao primeiro: Quanto deves ao meu patrão? Respondeu ele: Cem cados de azeite. Então, disse: Toma a tua conta, assenta-te depressa e escreve cinqüenta. Depois, perguntou a outro: Tu, quanto deves? Respondeu ele: Cem coros de trigo. Disse-lhe: Toma a tua conta e escreve oitenta”  (vv.5-7).

Cados e coros O cado media 40 litros e coros media 525 litros.

"E elogiou o senhor o administrador infiel porque se houvera atiladamente, porque os filhos do mundo são mais hábeis na sua própria geração do que os filhos da luz".

Ele não foi louvado por Deus, mas pelo Seu patrão. Jamais Deus iria elogia um pecador infiel e astuto. Note-se que o administrador mostrou-se prudente e prevenido com respeito ao seu futuro financeiro, pois trabalhar não podia e mendigar tinha vergonha.  O que ei de fazer? "Eu sei o que farei, para que, quando for demitido da administração, me recebam em suas casas".

O mordomo infiel chamou os devedores e diminui as dívidas que  tinham com o seu patrão, com isso ele ficou com créditos em seu favor.

Porém o crente deve tomar esse exemplo no sentido espiritual, ou seja, o futuro espiritual. Por isso Jesus diz: “Buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas” (Mt 6.33).

O Dr. Bullinger oferece-nos a seguinte tradução concernente ao verso 9: “E eu, porventura, digo-vos Fazei amigos pelas riquezas da injustiça, para que quando necessitardes (ou quando elas acabarem) vos recebam nos tabernáculo eternos?”

O Dr. Screggie diz: “Muito podemos aprender com os homens deste mundo. As realidades do pecador são bem positivas: cama, alimento, dinheiro; crendo em tais coisas, ele vive para elas. Será que o crente no eterno como o descrente crê nas coisas presentes? Este mordomo cuidou do seu futuro material. Tinha sido infiel, e preparou-se para o que ia acontecer no porvir. E a nós têm sido confiadas maiores riquezas por um maior Senhor. Não terreno de dar contas? Bênção futura pode resultar do bom emprego das oportunidades atuais (v. 9). Há pequenas provas de grandes princípios (v.10-12). Nossa fidelidade em coisas pequenas revela nosso caráter, e a fidelidade é filha da lealdade (v. 13)”.

O Dr. Goodman escreve: “Nosso Senhor condena o mordomo como injusto (v.8), mas note-se este ensino: se um homem injusto emprega dinheiro para providenciar o futuro, muito mais devem os filhos a luz ser igual prevenidos para o futuro celestial. Porventura os maus devem ser mais prudentes do que os bons?”

Nesse princípio o Senhor apresenta quatro lições:

1) Fazer amigos por meio das riquezas iníqua. Esta palavra no grego "Adikia" não indica a falta de ética individual, mas refere-se ao dinheiro perecível deste mundo. Fazer o bem, investir no reino de Deus e ganhar com elas gratidão e amor. Algum dia, na vossa necessidade, aqueles que assim foram servidos vos receberão em “tabernáculos eternos”, isto é, no seu permanente amor e gratidão.

2) A fidelidade no mínimo resultaria na fidelidade em tudo.

3) No caso de não sermos fiéis no uso de nosso dinheiro que chamamos nosso, como poderemos esperar que Deus nos dê as riquezas verdadeiras? (v.11). O dinheiro é o nível mais baixo da riqueza; o mais elevado é o caráter: ser encarregado do evangelho; ser designado despenseiro da multiforme graça de Deus (1ª Co 4.1; 1ª Pe 4.10). Deus escolhe seus despenseiros da maior riqueza de entre aqueles que servem fielmente.

4) Não podemos servir a dois senhores”. O infiel emprega o seu dinheiro naquilo que é mau, mas o justo aplica o seu dinheiro naquilo que bom e no reino de Deus!

A palavra grega “mammonas” Traduzida Mamom (v.13), é o nome de uma divindade siríaca, deus das riquezas.

O mordomo chama os devedores do seu senhor para verificar a situação de cada um e cancela uma parte da dívida de cada um, embora o tenha feito por um motivo injusto também fê-lo no próprio interesse.

Entendemos que a diferença cancelada fosse um acréscimo que o próprio mordomo havia exigido, e que, com o cancelamento, ele acertou as respectivas contas entre os devedores e o dono, ganhando ainda gratidão daqueles.

Conclui que era o excesso que exigira, que dispensou, e assim ele ajustou as contas com o patrão, ao mesmo tempo que ganhou crédito com os devedores. Mas isto introduz muito que é suposição; e não parece que ele esperava endireitar a conta. A sabedoria com que ele tirou partido daquilo que tinha nas mãos, é evidente.

É triste ler que os fariseus avarentos zombaram deste ensino precioso, em vez de o praticarem (vv. 14-18). E hoje muitos que não são fariseus ocupam-se com curiosas especulações referentes ao mordomo infiel, em vez de obedecerem aos quatros ensinos (apontados pelo Dr Goodman) que os mais simples podem entender.

Pr. Elias Ribas

segunda-feira, 13 de julho de 2009

A ORAÇÃO DE JABEZ


“Foi Jabez mais ilustre do que seus irmãos; sua mãe chamou-lhe Jabez, dizendo: Porque com dores o dei à luz. Jabez invocou o Deus de Israel, dizendo: Oh! Tomara que me abençoes e me alargues as fronteiras, que seja comigo a tua mão e me preserves do mal, de modo que não me sobrevenha aflição! E Deus lhe concedeu o que lhe tinha pedido” (1ª Cr 4.9-10).


Quase ninguém gosta de ler o livro de Crônicas. É um livro onde conta as genealogias e descendência do povo de Deus. Mas dentro desta genealogia Deus deixou registrado e incrusta esta pérola na Bíblia que é a oração de Jabez., que na minha concepção é a mais bela oração. Uma oração que serve para todos nós fazer.

A Bíblia não fala mais sobre a vida de Jabez apenas estes dois versículos. Existe outro nome, mas é de uma cidade em Judá aparentemente próxima a Belém. Jabez Gileade.
A Bíblia só fala da vida de Jabez somente nestes versículos.

I. O SIGNIFICADO DO NOME
Jabes no hebraico Ya‘bets procedente de uma raiz não utilizada e significando “afligir”, “pesar”, “com dores dei a luz”; “aquele que causa dor”.

II. POR QUE ESTE NOME
A Bíblia diz que a mãe sofreu muito para dar a luz a este menino. Talvez nasceu contrária a natureza física e por isso ela deu este nome.

III. JABEZ UM NOME NEGATIVO
1. Jabes tinha um nome carregado de negativismo e pessimismo.
2. Um menino que nasceu sobre o estigma da dor do sofrimento.
3. Um menino que nasceu fadado ao fracasso, destinado ao insucesso.
4. Jabez era um jovem que não tinha esperança, um jovem discriminado, um jovem que não tinha mais saída e perspectiva de vida.
6. Jabes poderia se conformar com todos os tipos de sofrimentos.
7. Jabes poderia dizer: Eu não vou ser ninguém na tribo de Judá.
* Hoje existem muitas pessoas que estão como Jabes; fracassados, derrotados, tristes e amaldiçoados.
8. Jabez tinha outros irmãos. A Bíblia diz que ele era o mais ilustre do que todos os seus irmãos (v. 4).

IV. QUAL A ATITUDE QUE JABEZ TOMOU
Jabez tinha tudo para ser um fracassado um derrotado, a própria mãe colocou um nome negativo “com dores dei a luz”.

Mas um dia aquele menino cresceu e já era jovem. Mas ele não se conformou com aquela situação de dor pelo nome que carregava.
Para Jabez não tinha mais saída. Mas o que fez Jabez:

1. Invocou o Deus de Israel.
Invocar no hb. ‘qara’, que significa: [chamar, clamar, recitar, ler, gritar, proclamar].
Quando o homem se volta para Deus e invoca [chama] pelo Seu nome, situações turbulentas da nossa vida começa a mudar.

V. A ORAÇÃO DE JABEZ CONTÉM QUATRO PEDIDOS
1. Peço que me abençoe. Abençoar no hb. [barak].
Talvez o diabo já tenha te dito: “Acabou tudo para você”.
Eu quero te dizer que ele é o pai da mentira. Jesus diz: que o ladrão vem senão para roubar matar e destruir, mas eu vim para que tenham vida e vida com abundância (Jo 10.10).
A tua benção Jesus já conquistou lá na Cruz do Calvário.
Com a morte de Jesus, Ele nos deu: salvação, perdão, cura física, emocional, benção na família, no cônjuge, e vida eterna.

No evangelho de Jesus segundo João diz: “Quem crê em minha ainda que estejas morto viverá”.

A Bíblia relata mais de oito mil benção para Seu povo.
A benção esta na mão de Deus e Ele não muda. Ele é o mesmo ontem, hoje e eternamente!
Hoje existem muitas pessoas correndo atrás das bênçãos, mas a Bíblia diz as do Senhor nos seguiram. Basta sermos fiel e cumprir a Sua Palavra.
Precisamos estar na presenaça de Deus e somente a Ele:
“Que o Senhor me abençoe”.

Eu sei de igrejas que fazem como Balaão, estão vendendo benção. Fizeram Deus de um comerciante. Toma lá da cá. Tudo gira em torno do dinheiro. Como se Deus fosse um negociante.
Tem movimento vendendo óleo de Israel, terra de Jerusalém, água do Jordão, etc.
Jabez não negociou com Deus, apenas chegou diante de Deus e pediu: Eu quero que o Senhor me abençoe.

2. Que alargues as minhas fronteiras.
No hb. [rabah]. (Piel) alargar, aumentar, tornar-se muitos - (referindo-se a pessoas, animais, objetos).
Amplie minhas fronteiras.
Precisamos crescer em tudo:
Na igreja, no ministério, na família, na sociedade.
Jabez era um homem de visão. Amplie meus territórios Senhor.
Procure crescer, não se acomode.
Só quem cresce que trabalha:

Isaías 54.2 diz: “Alarga o espaço da tua tenda; estenda-se o toldo da tua habitação, e não o impeças; alonga as tuas cordas e firma bem as tuas estacas”.

1. Amplia, estenda, alargues e firma bem as tuas estacas.
Existem muitos ventos contrários que muitas vezes batem em nossa tenda, mas se não firmarmos bem as estacas da nossa tenda ela vai cair.

Onde eu posso firmar minhas estacas:
Na oração, na Palavra e no principal fundamento que é Cristo.

2. Que tua mão seja comigo.
A mão Deus é nossa proteção.

“O que habita no esconderijo do Altíssimo e descansa à sombra do Onipotente” (Sl 91.1).

Debaixo da mão de Deus é estar na dependência de Deus, na provisão de Deus, na benção de Deus. É estar guardado pelo todo poderoso.

Quando estamos debaixo da mão de Deus temos visão, projeto, sabedoria, graça.
O segredo do crescimento é estar debaixo da mão do El-Schadai.
Veja o pedido ousado de Moisés para o Senhor Deus: “A minha presença irá contigo, e eu te darei descanso. Então, lhe disse Moisés: Se a tua presença não vai comigo, não nos faças subir deste lugar” (Êxodo 33.14-15).

Jamais chegaremos lugar algum sem a presença de Deus. No deserto a nuvem era a presença de Deus durante o dia e a noite como fogo.
Hoje o Espírito Santo é a presença real de Deus na vida do crente.

3. E me preserves do mal.
Quando Jabez viu Deus lhe abençoando, as suas fronteiras estavam aumentando e mão de Deus estava sobre ele, então Jabez compreendeu que o inimigo iria começar atacar. Por isso ele fez este último pedido dizendo: “e me preserves do mal”.

Quando Deus começa a te abençoar e alargar as tuas fronteiraras, o diabo fica feroz porque ele não gosta de perder terreno. Por isso ele envia os vendavais para derrubar a tua tenda.
Por isso Jesus na oração do Pai nosso Jesus diz: Me guarde do mal, ou seja, me preserve do mal; livra me da tentação, do mal, do pecado.

Jamais iremos receber as as bençãso do Senhor Deus num estilo ou a conjuctura religiosa, mas o caminho para recebermos as bençãos do Pai celeste depende de inteiramente de nossa intimidade através da santificação, fidelidade, oração persistente e como estamos louvando e adorando Seu nome. Através da oração temos livre acesso ao Pai. Por isso o verdo 10 diz: “E Deus lhe concedeu o que tinha pedido” (v. 10) e ele se tronou “…o mais ilustre do que todos os seus irmãos” (v. 4).

Pr. Elias Ribas
Igreja Ev. Assembléia de Deus
Blumenau - SC

terça-feira, 23 de junho de 2009

ANDAR COM JESUS


At 4.13 “Ao verem a intrepidez de Pedro e João sabendo que eram homens iletrados e incultos, admirarem-se; e reconheceram que haviam eles estado com Jesus”.

Introdução: Pedro e João, eram dois pescador que Jesus escolheu para Seus discípulos. Eram homens iletrados leigos, em comparação aos doutores da Lei da época. O homem pode ser iletrado, mas quando ele tem um encontro com o Senhor Jesus e anda com Ele acontecem coisas tremendas na sua vida.

Com quem tu andas: Há um provérbio popular que diz: “Me diz com quem tu andas e te direi quem és”. Uma companhia pode ser boa, como também pode ser má. O cristão deve saber escolher seus amigos e companheiros para ter uma vida salutar. Mas a melhor companhia nesta vida é andar com Jesus. Mas quais as características de um homem poder andar com Jesus?

I. APRENDEMOS A HUMILDADE Mt 11.28 Jesus diz: “Tomai sobre vós o meu jogo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma”. 1ª Pe 5.5b “Porque Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes”.

A humildade deve estar dentro do coração e deve ser uma caracteristicas de um verdadeiro cristão. Vejamos o que aocntece ocom aqueles que possuem este atributo:

A. São olhadas por Deus: Sl 138.6 “Ainda que o Senhor é excelso, atenta para a humildade; mas ao soberbo conhece-o de longe”. Is 66.2 diz o Senhor: “É para este que olharei: para o humilde e contrito de espírito, o que trema da minha palavra”.

B. São ouvidas por Deus: Sl 9.12 diz o salmista Davi “...e lembra-se dele, não se esquece do clamor dos aflitos”.

C. Estão na presença de Deus: Is 61.1 “O Espírito do Senhor Jeová está sobre mim, porque o Senhor me ungiu, para pregar boas novas aos mansos: enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar a liberdade aos cativos e abertura da prisão aos presos”.

D. São bem-aventurados: Mt 5.3 “Bem-aventurados os pobres de Espírito, porque deles é o reino dos céus”. Pv 16.19 “Melhor é ser humilde de espírito com os mansos, do que repartir o desposo com os soberbos”.

E. São exaltados por Deus: Mt 18.4 “Portanto, aquele que se tornar humilde como esta criança, esse é o maior no reino de Deus. Porque Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes”. Tg 4.6 “Deus resiste aos soberbos...”

F. São grandes no Reino de Deus: Mt 18.4 “Portanto, aquele que se tornar humilde como este menino, este é o maior no reino de Deus”.

G. São honrados: Pv 29.23 “A soberba do homem o abaterá, mas o humilde de espírito obterá honra”.
H. São sábios: Pv 11.2 “Vindo à soberba, virá também afronta; mas com os humildes está a sabedoria”.I. Fazem parte do povo de Deus: Sf 3.12 “Mas deixarei no meio de ti um povo humilde e pobre, e eles confiarão no nome do Senhor”.

II. ELE TRANFORMA SUA VIDA.
Pedro era bravo, cortou a orelha do filho do sacerdote; Negou Jesus por três vezes, mas no dia do pentecostes em At 2, diz que todos foram cheio do Espírito Santo e como um vento veemente impetuoso e como línguas repartidas de fogo desceram sobre cada um deles. A vida deles foram transformadas e todos falavam novas línguas. Na primeira pregação de Pedro se converteram quase três mil almas ao Senhor. Isto é andar com Jesus.

III. RECEBE PODER
At 1.8 “Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra”.

IV. TEM QUE NEGAR A SI MESMO
Mt 16.24 “Então, disse a seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, negue, tome a sua cruz e siga-me”. Lc 9.23 “Dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome sua cruz e siga-me”.

V. SOMOS ILUMINADOS POR JESUS
Jo 8.12 Jesus diz: “Eu sou a luz do mundo quem me segue não andaras em trevas, pelo contrário, terás a luz da vida”.Jesus é a luz a força, e quem estiver com está ligado nele e tem a iluminação Dele. Em Mt 5.14 Jesus diz: “Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte”. Fl 2.15 Paulo diz: “Para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração pervertida e corrupta, na qual resplandeceis como luzeiros no mundo”.

VI. ELE NOS CAPACITA
Mt 11.29 Jesus diz: “Tomai sobre vós o meu jogo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma”. 1ª Pe 3.18 “Antes crescei na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. A Ele seja a glória, tanto agora como no dia eterno”.

VII. SOMOS IMORTALIZADOS
Teu nome está escrito no livro da vida. Jo 6.47, 54 “Em verdade, em verdade vos digo: quem crê em mim tem a vida eterna”. 54 “Quem comer a minha carne e beber o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia”. Jo 8.51 “Em verdade em verdade vos digo: Se alguém guardar a minha palavra, não verá a morte, eternamente” Jo 11.25, 26 Disse lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida,. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá. E tudo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente. Crês tu isto?

Conclusão: É glorioso e muito maravilhoso andar com Cristo, pois nEle apreendemos a humildade, somos iluminados, recebemos capacitação, recebemos poder e somos imortalizados, ou seja, vamos receber a vida eterna. Ele transforma nossa vida numa nova criatura.

Pr. Elias Ribas

sexta-feira, 12 de junho de 2009

JESUS CRISTO É A PEDRA PRINCIPAL


Mt 16.18-19 Jesus diz: Também Eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Dar-te-ei as chaves do reino dos céus: o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.

Introdução: “Sobre esta pedra edificarei a minha igreja”. Jesus refere-se a Si como Pedra Principal, e não a Pedro.

Pedro no grego é um substantivo masculino, “Petros”, que significa pedra pequena e móvel, ou fragmento de rocha. Pedra no grego é um substantivo feminino, “Petra” que é Rocha Grande e Firme.

I. Jesus é a PEDRA Principal
At 4.11 O apóstolo Pedro diz: Este Jesus é a Pedra rejeitada por vós, os construtores, a qual se tornou pedra angular. Ef 2.20 Paulo diz: Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo Ele mesmo, Cristo Jesus, a Pedra Angular. 1ª Co 10.4 E beberam todos da Pedra espiritual que os seguia e a Pedra era Cristo. 1ª Pe 2.4 diz: E chegando-vos para Ele pedra Viva, reprovada na Verdade pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa. 6 Pois na Escritura se diz: Vede, ponho em Sião uma Pedra Angular, eleita e preciosa; e quem nela crer não será confundido. Mt 21.42 Jesus diz: Nunca leste nas Escrituras; A pedra que os edificadores rejeitaram, essa se tornou a Pedra Angular; o Senhor fez isto, e é maravilhoso aos nossos olhos.

II. Jesus é o Fundamento Espiritual
Is 28.16 Portanto assim diz o Senhor Deus: Vede, assentai em Sião uma pedra, uma já provada, pedra preciosa de esquina, que está bem firme e fundada; aquele que crer não será confundido.1ª Co 3.11 Paulo diz: Pois ninguém pode por outro fundamento, além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo.

III. A chave do Reino ESTA COM CRISTO
Mt 16.19 Jesus diz: E Eu te darei as chaves do Reino dos céus. Neste versículo Jesus não está dando a Pedro a chave da igreja ou do reino dos céus, e sim, Jesus está lhe dando poder em Seu nome. Chave é sinal de autoridade. Mt 28.18 Jesus diz: É me dado todo o poder nos céus e na terra. Todo o poder está nas mãos daquele que venceu o império da morte e dos infernos, e este poder Ele dá a qualquer um que com fé deseja usar o seu nome. Em Mc 16.17 Jesus diz: E estes sinais seguirão aos que crerem: E em meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas. 18 Pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e porão aos mãos sobre os enfermos, e os curarão. Lc 24.49 Jesus diz: E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder. Jo 20.31 diz: E estes, porém foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais, vida em seu nome.

At 3.6 diz o apóstolo Pedro: Não tenho prata nem ouro, mas o que tenho te dou. Em nome de Jesus Cristo, o nazareno, levanta-te e anda. Jo 14.12-13 Jesus diz: Na verdade vos digo que aquele que crê em Mim também fará as obras que Eu faço, e as farás maiores do que estas, porque, Eu vou para meu Pai. 13 E tudo quanto pedires em meu nome Eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho.

Conclusão: Eu creio você leitor tenha entendi que a pedra principal é Jesus e não a Pedro. Jesus é o fundamento da nossa vida, Ele é Deus e também Criador. Porém, Pedro como criatura creu e usou com autoridade o nome de Jesus.

O nome do senhor Jesus é a chave poderosa que abre portas onde homem não pode abrir. Em Seu nome podemos abrir as correntes e romper as cadeias que o diabo coloca sobre as pessoas; Ele concede uma procuração para eu e você para que possamos usar esse precioso Nome. Jesus! Amém.

Portanto devemos usar com fé e mediante sua palavra.

Você como filho de Deus também pode usar está chave. Precisa apenas receber e crer neste maravilhoso nome. Ele concede uma procuração para eu e você, usar esse precioso nome. Jesus! Amém.


Pr. Elias Ribas

A VERDADEIRA PAZ

Is 9.6 “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz”.

INTRODUÇÃO: O mundo atual caminha em busca de paz; muitos procuram a paz no budismo, espiritismo, na Ioga, na idolatria, na cartomante, na magia nos obuses etc. Mas não encontram. Agora eu lhes faço uma pergunta: ONDE ENCONTRAR A PAZ?

I. O QUE É PAZ
{No Hb. Shalon} que significa: harmonia, plenitude, firmeza, bem estar, êxito em todas as áreas. No dicionário Aurélio significa: Tranqüilidade, sossego, descanso da lama.

II. DE ONDE VEM A PAZ
Quando o homem pecou no jardim do Éden desobedecendo a Deus, ele perdeu a paz de espírito. Mas Deus pelo Seu infinito amor providenciou um meio para trazer a paz aos homens.

Em Lc 2.11-14 Os anjos disseram aos pastores: “Glória Deus nas alturas e paz na terra entre os homens a quem ele quer bem”.

A pessoa e a obra redentora de Cristo neste mundo significa uma maior glorificação nos céus, e paz divina para os habitantes da terra.

III. ONDE ENCONTAR A PAZ

1. Em Jesus: Jo 16.33 Jesus diz: “Estas coisas vos escrevo dito para que tenhais paz em mim. No mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo; eu venci o mundo”. Jo 14.27 Jesus diz: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o á dá o mundo. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize”.

A verdadeira paz, só encontramos em Jesus. A partida de Jesus para o Pai não marca a derrota, mas a vitória. O Espírito Santo continuará comunicando a paz e a segurança de Cristo em nossas vidas, pois Ele é a terceira pessoas da trindade, é o pacificador e o Consolador de Pai para as nossas vidas.

Jamais iremos encontrar paz se não entregarmos a nossa vida a Jesus Cristo. Sem Jesus não existe paz. Paulo aos Rm 5.1 diz: “Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo”.

2. No evangelho de Jesus: At 10.36 “Esta é a palavra que Deus enviou aos filhos de Israel, anunciando-lhes o evangelho da paz, pr meio de Jesus Cristo. Este é o Senhor de todos”.

Evangelho quer dizer: “Boas Novas de Salvação”.

Sem o conhecimento deste evangelho não encontraremos a paz de Cristo.

3. Pelo Sangue de Jesus Cristo: Cl 1.20 Paulo diz: “E havendo feito a Paz pelo seu sangue da cruz, por meio dele, reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, quer sobre a terra, quer nos céus”.

Através do sangue de Cristo derramado na cruz do Calvário, somos redimidos de todas as nossas transgressões e culpas. Somente quando aceitamos o sacrifício de Jesus na cruz do Calvário, encontraremos o perdão de Deus e através do perdão receberemos a paz.

O homem só estará livre da culpa e condenação e encontrará perdão e paz no seu interior, quando aceitar e crer no sacrifício de Jesus na cruz para remissão dos pecados.

Ef 2.13-15 Paulo diz: “Mas, agora, em Cristo Jesus, vós que antes estáveis longes, foste aproximado pelo sangue de Cristo. Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos fez um; e, tendo na sua carne, a lei dos mandamentos na forma de ordenanças, para que dos dois criasse, em si um novo homem, fazendo a paz”.

IV. O QUE FAZ PAZ

1. Excede todo o entendimento: Fl 4.6-7 Paulo diz: “Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém sejam conhecidas, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças. E a paz de Deus, que excede todo entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus”.

Neste ponto Paulo era um verdadeiro exemplo. Mesmo enfrentado a morte de um mártir(Fl 1.20), ele não estava preocupado.

A paz divina no coração implica:
Desaparecimento de ansiedade, v.6.
Florescineto de ações de graça, v.7.
Santificação do pensamento, v.8.
Contentamento real em todas as circunstâncias, v.11-12.
Plena confiança no poder de Deus, v.13.

V. PAZ DEVE SER BUSCADA

Rm 8.6 “Porque o pendor da carne dá para a morte, mas o do Espírito, para a vida e paz”.

Depois da morte e ressurreição de Cristo só existem duas esferas: a “carne” e o “Espírito”. A carne não se refere á substância física, mas a “aquilo a que estamos sujeitos” (7.6).

É a esfera onde o poder do pecado e do diabo controlam, onde as obras da carne são praticadas. É impossível o homem morar nos dois lugares ao mesmo tempo. E ele tem o livre arbítrio para escolher o caminho.

Um caminho de morte e um caminho de paz. 1ª Pe 3.11 diz: “Aparte-se do mal, pratique o que é bom, busque a paz e empenhe-se por alcança-la”.

Existem três tipos de paz: Paz de Deus com o homem; paz do homem com Deus; e Paz entre os homens.

VI. A PAZ DEVE FAZER PARTE DA VIDA DO CRISTÃO

Mc 9.50 “Bom é o sal, mas se o sal vier a tornar-se insípido, como lhe restaurar o sabor? Tende sal em vós mesmo e a paz uns com os outros”.

O sal é essencial á vida nesses tempos, sendo o único meio de preservar os alimentos, tais como a carne, peixe etc. Jesus compara um cristão sem sal a um alimento, que não tem sabor.

VII. A PAZ É UM FRUTO DO ESPÍRITO. Gl 5.22.

VIII. SEM ESSA PAZ JAMAIS O HOMEM VERÁ A DEUS

Hb 12.14 “Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor”.
É um imperativo de Deus a vida cristã.

Sempre viver em paz com o próximo (Mt 5.8, 24).

CONCLUSÃO: O homem que ainda não encontrou Jesus, não entregou sua vida a Ele ainda não conhece essa paz verdadeira. Sem o homem sente um vazio dentro dele, angustia tristeza, amargura, ilusões; esses são os reflexos negativos de uma vida sem Deus. Mas Jesus faz um convite a aceitar essa paz. Em Mt 11.28 Ele diz: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobre carregados, (oprimidos) e eu vos aliviarei”.

O convite é para todos sem distinção. É para os cansados os doentes os aflitos os tribulados os que ainda não encontraram a paz e nunca sentiram essa paz verdadeira de Jesus.

Pr. Elias Ribas

O HOMEM MARAVILHOSO ESTÁ AQUI

Jz 13.18 “Respondeu-lhe o anjo do Senhor e lhe disse: porque perguntas pelo meu nome, que é maravilhoso?”.

Introdução: Após Israel ter entrado na terra prometida Deus instituiu um governo Teocrático. Mas o Senhor constituiu juízes que tinham a missão de julgar de:

1. Julgar a nação – Encargos sociais.
2. E defender a nação dos inimigos.

Neste capítulo vv. 1 A Bíblia diz que fazia 40 anos que Israel estava nas mãos dos inimigos. Israel estava falido, preso saqueado e era escravo dos Filisteus. Aparentemente era impossível Israel se libertar, mas de repente Deus intercede e vem para libertar o Seu povo.

I. QUEM ERA MANOÁ
Um homem da cidade de Zorá, cerca de 22 km ao oeste de Jerusalém (fronteira de Dão e Judá). Manoá era da tribo de Dã.

II. A MULHER DE MANOÁ ERA ESTÉRIL v. 3: Neste tempo uma mulher estéril era desprezada. Esterilidade era o maior desprezo para uma mulher.

III. O ANJO DO SENHOR APARECEU PARA A MULHER DE MANOÁ E DISSE
V. 3 “Apareceu o Anjo do Senhor a esta mulher e lhe disse: Eis que é estéril e nunca tivesse filho; porém conceberás e darás à luz um filho. 4- Agora, pois, guarda-te, não bebas vinho ou bebida forte, nem comas coisa imunda. 5 Porque eis que tu conceberás e darás à luz um filho sobre cuja cabeça não passará navalha; porquanto o menino será nazireu consagrado a Deus desde o ventre de sua mãe...”.

IV. UM HOMEM DE DEUS VEIO A MIM E SUA APARÊNCIA ERA DE UM ANJO DE DEUS:

V. 6 “Então, a mulher foi a seu marido e lhe disse: Um homem de Deus veio a mim; sua aparência era semelhante à de um anjo de Deus, tremenda; não lhe perguntei donde era, nem ele me disse o seu nome”.
A mulher não quis saber nem Seu nome ela ficou maravilhada com a benção.

V. O ANJO DE DEUS É O PRÓPRIO JESUS
É uma teofania, ou seja, a maneira que Jesus se apresenta no Velho Testamento como o anjo de Deus.

- Como é o teu nome v. 17-18: porque perguntas pelo meu nome, que é maravilhoso?”.

Is 9.6 diz: “... e o seu nome será: maravilhoso, Conselheiro, Deus forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz”.

alp pele’ significa: maravilha, prodígio extraordinário, coisa difícil de se compreender(referindo-se aos atos divinos de juízo e de redenção)

“Inefável separado”

VI. O ANJO DO SENHOR ESTÁ AQUI PARA

1. Para abençoar o seu povo: Israel era escravo dos filisteus e o Anjo veio para trazer novidade.

2. Para libertar: v. 4 – Jo 8.32 e 36 Jesus diz: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”. V. 36 – “Se o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres”.

A. Da droga, da bebida, do cigarro, da prostituição, da feitiçaria da idolatria.

B. Das tradições e dos dogmas: É eu sou desta igreja porque meu pai era e eu sigo a religião de meu pai.

Nós éramos escravos do pecado e o Anjo do Senhor (Jesus) nos trouxe a liberdade, ou seja, nos libertou do pecado e dos laços do inimigo.

3. Para curar: Is 53.5 “Mas ele foi transpassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos trás a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados”. Mt 8.17 diz: “Para que se cumprisse o que fora dito por intermédio do profeta Isaías; Ele tomou as nossas enfermidades e carregou com nossas doenças”.

Jesus quando estava neste mundo fez muitas curas:
  • Jesus curou a sogra de Pedro.
  • O paralítico em Carfarnaum.
  • A cura de dois cegos.
  • A cura da mulher que sofria há 12 anos com fluxo de sangue.
  •  A cura da filha de Jairo.
  • Jesus ressuscitou Lazaro.
  • Ressuscitou o único filho de uma viúva.
  • Jesus é o mesmo ontem, hoje e eternamente.

4. Ele está aqui para te dar a Paz: Jo 16.33a Jesus diz: “Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo tereis aflições, mas tende bom animo; eu venci o mundo”. Cl 1.20 “E havendo feito a paz pelo sangue na cruz, por meio dele, reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, quer sobre a terra, que nos céus”.

5. Para orientar:
Na Birmânia existia uma tribo que haviam conhecido a Deus, mas que ao passar o tempo seus descendentes foram esquecendo dos princípios e caíram no pecado. Mas um dia o cacique da tribo teve um sonho. Chegou um homem e lhes disse: Equipem um cavalo e soltem, mas vão atrás por que ele vai vos levar a um homem branco que tem um livro de Deus. E assim os fizeram conforme o sonho. O cavalão andou muito a uma outra cidade e ali entrou e foi até um terreno baldio e ali parou. Os que estavam junto disseram; Mas aqui não tem nada. Mas logo escutara um barulho, e foram investigar encontraram um homem branco cavando um posso. E então lhe perguntaram: É o Senhor que tem um livro de Deus? E ele respondeu que sim eu tenho. Então sai daí que precisamos falar com o senhor.
· Deus orientou Pedro, para falar com Cornélio.

· Ananias para falar com Paulo.

· Deus orientou Felipe para pregar para o Etíope o eunuco no deserto.

VII. A ÚNICA ORIENTAÇÃO É JESUS
Muitos procuram a solução de seus problemas no horóscopo, cartomante, bruxas, feiticeiros, casa espíritas na idolatria, no budismo em filosofias etc.

A única orientação é Jesus; Ele é Deus e criador de todas as coisas. Ele é onipotente, Onipresente e Onisciente. Só Ele sabe das tuas dificuldades, problemas e vendavais que tu passa.

Procure Ele é Homem maravilhoso.

VII. ELE ESTÁ AQUI PARA RECEBER A NOSSA ADORAÇÃO
Adorar é o ato de reverenciar, de cultuar de louvar.
Existem cinco níveis de adoração:

1. Público: É o ato de adorar na igreja.

2. Espontâneo: Não vou pensar o que vão dizer de mim eu quero é Deus.

3. Tradicional: Aqueles que louvam a Deus sem muito gesto e sem muita ação (Formalismo).

4. Farisaico: Faz tudo para chamar atenção: Os fariseus colocavam sininhos nas mangas dos vestidos para fazer barulho e chamar a tenção. Nas praças levantavam as mãos para o alto e gritavam: Oh! Senhor Jeová.

5. Em verdade e Espírito: São aqueles que ao saírem de suas casas já dizem: Senhor, irei a Tua casa para tributar louvor e gratidão. Vou render graça e bendizer o Teu santo nome, pois só Tu mereces a honra e a glória.

Conclusão: O Homem que me apareceu outro dia está aqui para receber a tua adoração. Ele está aqui para te libertar, te curar, e te abençoar. Glorifique seu nome e tribute louvor a Ele nesta hora.

Pr. Elias Ribas

COMO SER IMITADORE DE DEUS - CRISTO NOSSSO MODELO

 “Sede, pois imitadores de Deus, como filhos amados” (Ef 5.1).

INTRODUÇÃO: Imitador quer dizer parecidos ou semelhantes com alguém. E nós como cristão e filhos amados de Deus Pai devemos ser seus imitadores, ou seja, semelhante a Ele. Semelhantes no serviço (na Sua obra), na paciência, na humildade, na perfeição e no amor.

I. CRISTO É O NOSSO MODELO E EXEMPLO

Um dos propósitos da encarnação foi o de que Cristo nos desse o exemplo:
Mt 11.29 “Tomai, sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim que sou manso e humilde de coração”. 1ª Pe 2.21 “Porquanto para isto mesmo que foste chamado, pois também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo para seguirdes os seus passos”.
Torna-se importantíssimo o estudo do Seu caráter, a fim de conhecermos o padrão, o ideal da jornada do cristão.

II. CRISTO FOI ABSOLUTAMENTE SANTO

Ele foi aquele "ente santo que de ti há de nascer" (Lc 1.35), o "Santo de Deus" (At 2.27); “o Santo e o Justo” (At 3.14), o “santo Servo Jesus” (At 4.27-ARA).
O Senhor Jesus era Santo por natureza; pois o príncipe deste mundo nada tinha nele (Jo 14.30).
Ele era sem pecado (Hb 4.5).
Era também Santo em Sua conduta; pois estava separado dos pecadores (Hb 7.26).
Sempre fazia o que agradava Seu pai (Jo 8.29).
E devemos ser santos porque Ele é Santo (1ª Pe 1.15-16).
Não temos desculpas para escolhermos um ideal mais baixo do que aquele que a Bíblia Sagrada nos aponta.


III. CRISTO VIVEU UMA VIDA DE ORAÇÃO

Jesus orava incessantemente. Lucas menciona várias ocasiões em que Ele orou. Passava longas horas em oração. Às vezes, passava a noite toda em oração (Lc 6.12). Em outras ocasiões, Ele levantava bem cedo e buscava um lugar solitário para orar (Mc 1.35).
Orava antes de se entregar às grandes tarefas, como por exemplo: antes de escolher os doze apóstolos (Lc 6.12-13).

Antes de começar a viagem missionária pela Galiléia: (Mc 1.35-38).
Antes de ir para o calvário: (Mt 26.36-46).
Orava pelos outros: Embora orasse por Si mesmo, nunca se esquecia de orar pelos seus (Lc 22.32; Jo 17).
Orava Intensamente, isto é, orava energicamente (Lc 22.44; Hb 5.7).
Orava perseverantemente (Mt 26.44).
Orava fervorosamente (Jo 11.41-42) e com submissão (Mt 26.39).
Se o Filho de Deus precisava orar, quanto mais nós precisamos buscar a Deus.

IV. NO SERVIÇO (Trabalhador).

Cristo foi um trabalhador incessante.
Is 53.3 está escrito: “Era desprezado, e o mais indigno entre os homens; homem de dores, experimentado nos trabalhos”.

“Jesus lhes disse: Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também” (Jo 5.17). “É necessário que façamos as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar” (10 9.4). Começando de manhã bem cedinho (Jo 8.2; Mc 1.35). Ele continuava até tarde da noite (Jo 3.2; Lc 6.12; Mt 8.16).

O Senhor Jesus às vezes não tinha tempo de se alimentar (Mc 3.20-21; Jo 4.31-34), e de descansar (Mc 6.31-34).

Seu trabalho consistia em ensinar (Mt 5.7); pregar (Mc 1.38,39); expulsar demônios(Mt 4.23-24; Mc 5.12,13); curar os enfermos (Mt 8.9); salvar os perdidos (Lc 7.48; 19.9); ressuscitar os mortos (Mt 9.23-26; Lc 7.14,15; Jo 11.43-44); chamar e treinar Seus discípulos (Mt 10; Lc 10).

V. NA OBEDIÊNCIA (Submissão).

Mt 12.50 Jesus diz: “Todo aquele que fizer a vontade de meu Pai que está no céu, esse é meu irmão e mãe”. Sl 40.8 “Deleito-me em fazer a tua vontade, ó Deus meu; a lei está dentro do meu coração”.

VI. NA PACIÊNCIA

1ª Ts 1.4 Paulo diz: De maneira que nós mesmo nos gloriamos de vós nas igrejas de Deus por causa da vossa paciência e fé, em todas as vossas perseguições e aflições que suportais”. Rm 12.12 “Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverais na oração”. Tg 5.7 “Sede, pois irmãos, pacientes até a vinda do Senhor: Vede que o lavrador espera o precioso fruto da terra, aguardando-o com paciência, até receber as primeiras ultimas chuvas”.

VII. NA HUMILDADE

È uma pessoa modesta, simples, despretensiosa (Ausente de orgulho).
Is 53.7 diz: “Ele foi oprimido e humilhado, mas não abriu a sua boca; como cordeiro foi levado ao matadouro, e como ovelha muda não abriu a sua boca”.

Mt 11.29 Jesus diz: “Tomai, sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim que sou manso e humilde de coração”.

A humildade de Cristo se vê principalmente em Sua humilhação. O Senhor Jesus “Não teve por usurpação ser igual a Deus, mas a si mesmo se esvaziou, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens. E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz” (Fp 2.5-8).

Jesus se ocupou dos serviços mais humildes. "Não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos" (Mt 20.28). O Senhor Jesus nos provou a sua humildade, ele lavou os pés aos discípulos (Jo 13.14).

Fl 2.3 Paulo diz: “Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo”.

VIII. CRISTO FOI VERDADEIRAMENTE MANSO

Ele próprio diz: "Sou manso e humilde de coração" (Mt 11.29).
Exemplos de Sua mansidão podem ser vistos na forma como tratou uma pecadora arrependida (Lc 7.37-50).

No modo como Ele atendeu ao duvidoso Tomé (Jo 20.29).

E em Sua ternura para com Pedro após este tê-lo negado por três vezes (Lc 22.61;Jo 21.15-23).

A mansidão de Cristo é claramente mais vista no modo termo como tratou o traidor Judas(Mt 26.47-50; Lc 22.47-48).

E aqueles que o crucificaram (Lc 23.34).

O apóstolo Paulo ensina que o servo do Senhor não deve contender, e, sim ser termo para com todos, paciente, instruindo em mansidão os que se opõem (2ª Tm 2.24-25).

IX. COMO SERVO

Jo 13.5 “Depois colou água numa bacia e começou a lavar os pés dos discípulos e a enxuga-los com a toalha com que estava cingido”

X. SUBMISSO

Fl 2.8 “E achando na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até a morte, e morte de cruz”.

XI. NA PERFEIÇÃO. (corretos, irrepreensíveis e leais).

1. Deus é perfeito: Mt 5.48 Jesus diz: “Sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai que está nos céus”.
2. È uma ordem de Deus para sermos perfeitos: Gn 17.1 diz: “Quando Abraão tinha noventa e nove anos de idade, apareceu-lhe o Senhor e disse-lhe: Eu sou o Deus todo poderoso; anda na minha presença e sê perfeito”.
3. Corpo, alma e espírito: 1ª Ts 5.23 Paulo diz: “E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, alma, e corpo, sejam plenamente considerados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo”.

XII. NO AMOR

A Bíblia diz que “o amor de Cristo excede todo entendimento” (Ef 3.19). “O amor de Cristo por nós se toma claro por ser descrito como aquele que excede o entendimento, o que não pode ser dito a respeito de nosso amor por Ele” (Salmond). O amor de Cristo é entendido como o seu desejo e disposição na promoção do bem-estar dos objetos de sua afeição pessoal, e de sua devoção particular. O amor de Cristo se dirige:

A) Em Primeiro Lugar, a Deus Pai. "Para que o mundo saiba que eu amo o Pai, e que faço como o Pai me mandou" (Jo 14.31-ARC).

B) Em Segundo Lugar, Às Escrituras. Ele tinha as Escrituras Sagradas como o registro fiel dos acontecimentos e doutrinas, que Ele veio cumprir (Mt 5.17-18); Ele usou as Sagradas Escrituras na tentação (Mt 4.4-10); esclareceu certas profecias referentes a Ele (Lc 4.14-21; 24.44-49); e declarou que as Escrituras não podem falhar (Jo 10.35).

C) O Amor De Cristo também é dirigido aos homens em geral. O Senhor Jesus foi acusado de ser "amigo de publicanos e pecadores" (Mt 11.19). O Senhor Jesus Cristo amou de tal maneira os perdidos, que deu a Sua vida por eles (Jo 10.11; 15.13; Rm 5.8).

Mais particularmente, Ele ama os seus discípulos. Jesus os ama tanto quanto o Pai O ama(Jo 15.9); os ama tanto que ninguém pode separá-los do Seu amor (Rm 8.37-39).

D) Cristo amou até Seus inimigos. Ele orou por aqueles que o crucificaram (Lc 23.34); e nos exorta a que amemos aos nossos inimigos (Mt 5.43-48).

E) Devemos amar como Ele nos amou: Jo 15.12 Jesus diz: O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como Eu vos ameis”. Jo13.34-35 Jesus diz: “Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros como eu vos amei a vós, assim também deveis amar uns aos outros”.

CONCLUSÃO: O Senhor Jesus quando esteve neste mundo, deixou o Seu exemplo para ser seguido. Como filhos de Deus, devemos seguir os exemplos que Jesus nos deixou.

Precisamos ser seu imitador, ou parecido com Ele; Assim como Ele é perfeito devemos ser perfeitos também.

Pr. Elias Ribas

SETE RAZÕES PORQUE CREIO EM JESUS

INTRODUÇÃO: Desejo mostrar ao leitores as sete grandes razões porque creio em Jesus como Messias e Salvador.

I. PORQUE JESUS É DEUS

Jo 1.1-3, 10, 14 diz: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por meio dEle, e sem Ele nada do que foi feito se fez. Estava no mundo, o mundo foi feito por meio dEle, mas o mundo não o conheceu. O verbo se fez carne, e habitou entre nós. Vimos a glória, a glória como do Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade”.
Ap 19.13 “Estava vestido com um manto salpicado de sangue, e o nome pelo qual se chama é o verbo de Deus”.

O apóstolo João começa seu Evangelho denominando Jesus Cristo de “O Verbo”. As escrituras declaram que Jesus Cristo é a perfeita revelação da natureza e da pessoa de Deus. Assim como as palavras de um homem revelam seu coração e mente, assim também Cristo, como o “O Verbo”, revela o coração e a mente de Deus.

João nos apresenta três características principais de Jesus Cristo como o Verbo.

1. O relacionamento entre o Verbo e o Pai: Cristo preexistia “com Deus” antes da criação do mundo. Ele era uma pessoa existente desde a eternidade, distinto de Deus Pai, mas em eterna comunhão com Ele. Cristo era divino (o verbo de Deus), e tinha a mesma natureza do Pai.

2. Relacionamento entre o Verbo (Cristo) e o mundo: Foi por intermédio de Cristo que Deus Pai criou o mundo e o sustenta. Hb 1.2 diz: A quem constituiu herdeiro de tudo, por quem fez também o mundo. Cl 1.16-17 “Pois nEle foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por Ele e para Ele. E Ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por Ele”.

3. O relacionamento entre o Verbo e a Humanidade: “E o Verbo se fez carne” (v. 14). Em Jesus, Deus tornou-se um ser humano com a mesma natureza do homem, mas sem pecado. Cristo deixou o céu e experimentou a condição da vida e do ambiente humano ao entrar no mundo pela porta do nascimento humano. Vejamos que Cristo não foi criado; Ele é eterno, e sempre esteve em comunhão amorosa com o Pai e com o Espírito Santo. Jesus veio ao mundo com a missão de resgatar e restaurar o homem que estava desligado do Pai, e salvar, isto é, livrar de uma condenação eterna.

II. PORUQE SÓ ELE PODE PERDOAR PECADOS

Ef 4.32 Antes sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo. 1ª Jo 1.9 Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda injustiça.

III. SÓ JESUS TEM A PALAVRA DA VIDA ETERNA

Jo 6.67-68 Então perguntou Jesus aos doze: Não quereis vós também retirar-vos? Respondeu-lhe Simão Pedro: Senhor para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna. Jo 8.51 Jesus diz: Em verdade, em verdade vos digo que se alguém guardar a minha palavra, jamais verá a morte.

IV. JESUS É A ÚNICA PORTA DE SALVAÇÃO

Jo 10.7, 9 Portanto, tornou Jesus a dizer: Em verdade vos digo que Eu sou a porta das ovelhas. 9 Eu sou a Porta. Todo aquele que entrar por Mim, salvar-se-á. Rm 5.2 Mediante quem obtivermos entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes, e nos gloriamos na esperança da glória de Deus.

V. SÓ JESUS TEM A SALVAÇÃO PARA AS NOSSAS VIDAS

Is 59.16 diz: “Ele viu que não havia ninguém, e maravilhou-se de que não houvesse intercessor, pelo que o seu próprio braço lhe trouxe a salvação, e a sua própria justiça o susteve. Lc 19.10 Jesus diz: Pois o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido. Jo 3.16 Jesus diz: Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por Ele. Hb 7.25 Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por Ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles.

VI. SÓ JESUS TEM PODER PARA TRASFORMAR O PECADOR

2ª Co 3.18 Paulo diz: Mas todos nós, com o rosto descoberto, refletindo a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor. 2ª Co 5.17 Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram, eis que tudo se fez novo. Cl 3.10 E vos vestistes do novo, que se renova para o conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou.

O homem que aceita Cristo no seu coração, passa a ser uma nova criatura, isto é, uma transformação de vida; e só em Jesus encontramos esse poder de transformar o homem numa nova criatura.

VII. POQUE JESUS MORREU NUMA CRUZ PARA AQUISIÇÃO DA NOSSA SALVAÇÃO E RESSUSCITOU AO TERCEIRRO DIA

Jo 10.11 Jesus diz: Eu sou o bom Pastor: O bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas. Jo 19.17-18 Então os soldados tomaram a Jesus. Ele próprio, levado a cruz, saiu para o lugar chamado Caveira, que em hebraico se chama Gólgota. Onde o crucificaram, e com ele outros dois, um de cada lado, e Jesus no meio.

Em Mt 17.22-23 Ora, achando-se eles na Galiléia, disse-lhes Jesus: O Filho do Homem será entregue nas mãos dos homens. 23 E matá-lo-ão, e ao terceiro dia ressuscitará. E eles se entristeceram muito. Mt 16.21 Desde então começou Jesus a mostrar aos seus discípulos que convinha ir a Jerusalém, e padecer muito dos anciões, e dos principais dos sacerdotes, e dos escribas, e ser morto e ressuscitar ao terceiro dia.

Hb 12.2 Olhando firmemente para Jesus, autor e consumador da nossa fé, o qual pelo gozo que lhe estava proposto suportou a cruz, desprezando a ignomínia (desprezo), e está assentado à destra do trono de Deus. 1ª Co 15.3 Pois primeiramente vos entreguei o que também recebi: Que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras. Jo 15.13 Jesus diz: Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a própria vida pelos seus amigos.

CONCLUSÃO: Eu creio em Jesus como Messias e Salvador, porque nEle se cumpriram todas as profecias preditas pelos profetas, e a grande razão de crermos nEle é porque Ele morreu e ressuscitou ao terceiro dia; foi visto pelas mulheres, Maria sua mãe a Maria Madalena, pelos dois discípulos no caminho de Emaús, e muitas vezes pelos seus discípulos quando estavam reunidos e pelo apóstolo Paulo no caminho de Damasco. Na carta aos Corinrtos (1ª 15.6) Paulo diz que Jesus foi visto por mais de quinhentos irmãos; e no livro de At 1.10-11 diz que seus discípulos e muitos irmãos que ali estavam viram Jesus subir ao céu, e hoje Ele está à direita de Deus Pai a interceder por nós conforme Hb 1.3; 8:1; 12.2. Portanto, chegamo-nos a Ele com fé e esperança de um dia viver com Ele na eternidade, isto é, na vida após a morte, pois só através de Jesus podemos chegar ao Pai.

Pr. Elias Ribas