TEOLOGIA EM FOCO

sábado, 15 de agosto de 2009

O MORDOMO INFIEL


“Disse Jesus também aos discípulos: Havia um homem rico que tinha um administrador; e este lhe foi denunciado como quem estava a defraudar os seus bens. Então, mandando-o chamar, lhe disse: Que é isto que ouço a teu respeito? Presta contas da tua administração, porque já não podes mais continuar nela. Disse o administrador consigo mesmo: Que farei, pois o meu senhor me tira a administração? Trabalhar na terra não posso; também de mendigar tenho vergonha. Eu sei o que farei, para que, quando for demitido da administração, me recebam em suas casas. Tendo chamado cada um dos devedores do seu senhor, disse ao primeiro: Quanto deves ao meu patrão? Respondeu ele: Cem cados de azeite. Então, disse: Toma a tua conta, assenta-te depressa e escreve cinqüenta. Depois, perguntou a outro: Tu, quanto deves? Respondeu ele: Cem coros de trigo. Disse-lhe: Toma a tua conta e escreve oitenta. E elogiou o senhor o administrador infiel porque se houvera atiladamente, porque os filhos do mundo são mais hábeis na sua própria geração do que os filhos da luz. E eu vos recomendo: das riquezas de origem iníqua fazei amigos; para que, quando aquelas vos faltarem, esses amigos vos recebam nos tabernáculos eternos. Quem é fiel no pouco também é fiel no muito; e quem é injusto no pouco também é injusto no muito. Se, pois, não vos tornastes fiéis na aplicação das riquezas de origem injusta, quem vos confiará a verdadeira riqueza? Se não vos tornastes fiéis na aplicação do alheio, quem vos dará o que é vosso? Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas” (Lc 16.1-13).

O mordomo infiel tem sido a mais discutido de todas as personagens das parábolas. Para orientar a nossa interpretação, devemos notar o seguinte:

Administrador. (do gr. oikonomos), um administrador, gerente, superintendente; para quem o chefe da casa ou proprietário tinha confiado a administração dos seus afazeres; o superintendente das finanças. Aqui representado pelo pecador.

Defraudou. No gr. é traduzido como dissipou os bens do seu senhor.

Bens: (gr. grhuparchonta), possessões, mercadoria, bens, propriedade.

O patrão do administrador ao saber da sua desonestidade, o chama para que preste conta da sua administração, e, para que possa despedi-lo por ter agido com infidelidade no serviço.

O administrador infiel ao saber que seria despedido age com sutileza e astúcia: “Trabalhar na terra não posso; também de mendigar tenho vergonha. Eu sei o que farei, para que, quando for demitido da administração, me recebam em suas casas”.

“Tendo chamado cada um dos devedores do seu senhor, disse ao primeiro: Quanto deves ao meu patrão? Respondeu ele: Cem cados de azeite. Então, disse: Toma a tua conta, assenta-te depressa e escreve cinqüenta. Depois, perguntou a outro: Tu, quanto deves? Respondeu ele: Cem coros de trigo. Disse-lhe: Toma a tua conta e escreve oitenta”  (vv.5-7).

Cados e coros O cado media 40 litros e coros media 525 litros.

"E elogiou o senhor o administrador infiel porque se houvera atiladamente, porque os filhos do mundo são mais hábeis na sua própria geração do que os filhos da luz".

Ele não foi louvado por Deus, mas pelo Seu patrão. Jamais Deus iria elogia um pecador infiel e astuto. Note-se que o administrador mostrou-se prudente e prevenido com respeito ao seu futuro financeiro, pois trabalhar não podia e mendigar tinha vergonha.  O que ei de fazer? "Eu sei o que farei, para que, quando for demitido da administração, me recebam em suas casas".

O mordomo infiel chamou os devedores e diminui as dívidas que  tinham com o seu patrão, com isso ele ficou com créditos em seu favor.

Porém o crente deve tomar esse exemplo no sentido espiritual, ou seja, o futuro espiritual. Por isso Jesus diz: “Buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas” (Mt 6.33).

O Dr. Bullinger oferece-nos a seguinte tradução concernente ao verso 9: “E eu, porventura, digo-vos Fazei amigos pelas riquezas da injustiça, para que quando necessitardes (ou quando elas acabarem) vos recebam nos tabernáculo eternos?”

O Dr. Screggie diz: “Muito podemos aprender com os homens deste mundo. As realidades do pecador são bem positivas: cama, alimento, dinheiro; crendo em tais coisas, ele vive para elas. Será que o crente no eterno como o descrente crê nas coisas presentes? Este mordomo cuidou do seu futuro material. Tinha sido infiel, e preparou-se para o que ia acontecer no porvir. E a nós têm sido confiadas maiores riquezas por um maior Senhor. Não terreno de dar contas? Bênção futura pode resultar do bom emprego das oportunidades atuais (v. 9). Há pequenas provas de grandes princípios (v.10-12). Nossa fidelidade em coisas pequenas revela nosso caráter, e a fidelidade é filha da lealdade (v. 13)”.

O Dr. Goodman escreve: “Nosso Senhor condena o mordomo como injusto (v.8), mas note-se este ensino: se um homem injusto emprega dinheiro para providenciar o futuro, muito mais devem os filhos a luz ser igual prevenidos para o futuro celestial. Porventura os maus devem ser mais prudentes do que os bons?”

Nesse princípio o Senhor apresenta quatro lições:

1) Fazer amigos por meio das riquezas iníqua. Esta palavra no grego "Adikia" não indica a falta de ética individual, mas refere-se ao dinheiro perecível deste mundo. Fazer o bem, investir no reino de Deus e ganhar com elas gratidão e amor. Algum dia, na vossa necessidade, aqueles que assim foram servidos vos receberão em “tabernáculos eternos”, isto é, no seu permanente amor e gratidão.

2) A fidelidade no mínimo resultaria na fidelidade em tudo.

3) No caso de não sermos fiéis no uso de nosso dinheiro que chamamos nosso, como poderemos esperar que Deus nos dê as riquezas verdadeiras? (v.11). O dinheiro é o nível mais baixo da riqueza; o mais elevado é o caráter: ser encarregado do evangelho; ser designado despenseiro da multiforme graça de Deus (1ª Co 4.1; 1ª Pe 4.10). Deus escolhe seus despenseiros da maior riqueza de entre aqueles que servem fielmente.

4) Não podemos servir a dois senhores”. O infiel emprega o seu dinheiro naquilo que é mau, mas o justo aplica o seu dinheiro naquilo que bom e no reino de Deus!

A palavra grega “mammonas” Traduzida Mamom (v.13), é o nome de uma divindade siríaca, deus das riquezas.

O mordomo chama os devedores do seu senhor para verificar a situação de cada um e cancela uma parte da dívida de cada um, embora o tenha feito por um motivo injusto também fê-lo no próprio interesse.

Entendemos que a diferença cancelada fosse um acréscimo que o próprio mordomo havia exigido, e que, com o cancelamento, ele acertou as respectivas contas entre os devedores e o dono, ganhando ainda gratidão daqueles.

Conclui que era o excesso que exigira, que dispensou, e assim ele ajustou as contas com o patrão, ao mesmo tempo que ganhou crédito com os devedores. Mas isto introduz muito que é suposição; e não parece que ele esperava endireitar a conta. A sabedoria com que ele tirou partido daquilo que tinha nas mãos, é evidente.

É triste ler que os fariseus avarentos zombaram deste ensino precioso, em vez de o praticarem (vv. 14-18). E hoje muitos que não são fariseus ocupam-se com curiosas especulações referentes ao mordomo infiel, em vez de obedecerem aos quatros ensinos (apontados pelo Dr Goodman) que os mais simples podem entender.

Pr. Elias Ribas

Um comentário:

  1. bom dia! tem tanto tempo q isto foi escrito q nem sei se o sr. verá a minha contribuição.
    Penso que o ponto central desta parábola seja o fato do mordomo deixar o lucro imediato para poder ter onde "morar", este mordomo toma a decisão oposta à de Esaú que preferiu o prazer imediato (prato de lentilha) ao gozo eterno (primogenitura). No momento que soube da fatalidade ele decidiu acertar as suas contas, arrumar a casa... Que sempre estejamos a diariamente arrumar a nossa casa....
    Mateus

    ResponderExcluir