TEOLOGIA EM FOCO

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

O PERIGO DA EVOCAÇÃO DOS MORTOS


O próprio codificador do espiritismo admite que há perigos na evocação. Mas ao mesmo tempo se manifesta dizendo não haver tantos perigos, e aconselha os praticantes a não se deixarem levar pelo medo.

Opiniões de alguns médicos que apontam o espiritismo como uma causa da loucura.

O Dr. Xavier de Oliveira, em sua obra Espiritismo e loucura, p. 221, fala o seguinte sobre O livro dos médiuns: “É a cocaína dos debilitados nervosos que se dão à prática do espiritismo. E com um agravante e mais: é barato, está ao alcance de todos, e, por isso mesmo, leva mais gente, muito mais, aos hospícios, do que a ‘poeira do diabo’, a ‘coca maravilhosa’. É o tóxico com que se envenenam, todos os dias, os débeis mentais, futuros hóspedes dos asilos de insanos”.

O Dr. João Teixeira Alves dirigiu a diversos médicos de grandes nomes uma carta com a seguinte pergunta: “Baseado nas suas observações, que ideia faz V. As. Do espiritismo com fator de loucura e outras perturbações nervosas?”

O Dr. Juliano Moreira, diretor do Hospício de Alienados do Rio de Janeiro, respondeu: “Tenho visto muitos casos de perturbações nervosas e mentais evidentemente despertadas por sessões espíritas”.

Kardec tenta explicar que não existe somente espíritos do mal, mas Deus permite que os bons espíritos venham nos dar bons conselhos.


Se Deus condena e proíbe a prática da mediunidade na Bíblia conforme o capítulo 18 Deuteronômio, como Ele poderá ir contra Sua própria Palavra? Em relação a este assunto, espíritos bons e maus, será que Kardec tem razão do que diz? Claro que não. Todos os espíritos que se manifestam nas sessões espíritas são espíritos enganadores.

Pr. Elias Ribas
pr_eliasribas@yahoo.com.br