TEOLOGIA EM FOCO

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

JOÃO BATISTA ERA O PROFETA ELIAS REENCARNADO?


 “Eis que eu vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o grande e terrível Dia do SENHOR” (Ml 4.5) Aqui Deus afirma que enviará o profeta Elias a Israel antes que chegue o “grande e terrível” dia do Senhor.

“E, se o quereis reconhecer, ele mesmo é Elias, que estava para vir” (Mt 11.14) Aqui Deus afirma a respeito de João Batista “este é o Elias havia de vir...”.

Se analisarmos estes textos segundo a crença espírita, João Batista era Elias. Porém um dos princípios da hermenêutica mais conhecidos é aquele que diz que a Bíblia interpreta a si mesma. A Bíblia é um livro divino, e por isso não temos o direito de interpretar como bem queremos, mas de acordos com as interpretações da própria Bíblia. Portanto, somos impedidos de lançar mão de recursos alheios ao espírito bíblico para interpretar mesmo que seja o mais simples dos ensinos dela. A Bíblia mesma dá resposta as suas indagações.

Sobre João Batista o doutor Lucas diz: “Disse-lhe, porém, o anjo: Zacarias, não temas, porque a tua oração foi ouvida; e Isabel, tua mulher, te dará à luz um filho, a quem darás o nome de João. E irá adiante do Senhor no espírito e poder de Elias, para converter o coração dos pais aos filhos, converter os desobedientes à prudência dos justos e habilitar para o Senhor um povo preparado” (Lc 1.13, 17). Aqui um anjo diz a respeito de João.

Isto não quer dizer, em absoluto que João fosse Elias, mas que no seu ministério profético haveria peculiaridade do ministério de Elias. De fato, a Bíblia não trata de nenhum outro caso de dois homens tão parecidos como João Batista e Elias.

Analise do Texto:
1) João no espírito e virtude de Elias (Lc 1.17). Isto que dizer tão somente que João tinha um caráter como o de Elias: enérgico, positivo, zeloso e impetuoso...

2) João Batista era Elias ou não? O próprio João Batista responde, dizendo: “Não sou” (Jo 1.21).

3) Elias para reencarnar em João precisava ter morrido, pois sem morte não há reencarnação. No entanto Elias não morreu, mas foi arrebatado aos céus para não ver a morte: “Indo eles andando e falando, eis que um carro de fogo, com cavalos de fogo, os separou um do outro; e Elias subiu ao céu num redemoinho” (2ª Rs 2.11).









4) Se Elias estivesse reencarnado em João, era este que deveria ter aparecido no monte da transfiguração e não Elias (Mt 17.3-4).


5) Segundo o espiritismo a reencarnação promove o aperfeiçoamento da pessoa, João não foi melhor que Elias foi arrebatado e João preso e morto decapitado.

6) Se houvesse reencarnação, o mundo teria sempre o mesmo número de habitantes desde sua criação, visto que na “reencarnação” não há multiplicação e sim apenas continuação da vida. Os espíritas se defendem e dizem haver habitantes em outros planetas. A ciência não comprova nada e se assim fosse seria de constituição diferente da nossa. E também não seria caso de reencarnação, mas de transfiguração.

Fica claro que a Bíblia não apóia a absurda teoria espírita da reencarnação.

Os traços de identificação de ministérios:


O aparecimento de Elias, em 1º Reis 17.1, assemelha-se ao de João Batista, como descrito em Mateus 3.1.

Elias repreende o rei Acabe rei de Israel, casando com Jezabel, mulher dos sidônios, uma mulher idólatra e ímpia (1º Rs 18.17,18). João Batista repreendeu o rei Herodes, por viver com a mulher de seu irmão (Mt 14.3-4).

Elias foi perseguido por Jezabel (1º Rs 19.2-3) e João Batista foi perseguido por Herodias, mulher de Herodes (Mt 14.6-8).

Pr. Elias Ribas

pr.eliasribas2013@gmail.com