TEOLOGIA EM FOCO

terça-feira, 26 de maio de 2009

PEÇA O MELHOR PARA DEUS


“Duas coisas te peço, ó Senhor; não as negues a mim, antes que eu morra: afasta de mim a vaidade e a palavra mentirosa; não me dês nem a pobreza nem a riqueza, mas dá-me só o pão que é necessário, para que de farto eu não te negue, e diga: quem é o Senhor? Ou empobrecendo, não venha furtar, e profane o nome de Deus” (Pv. 30:8,9).

Estamos vivendo o tempo da “abundância de Deus”, alguém defende com ‘unhas e dentes’ na sua calorosa ‘pregação’, tudo depende da semente de fé. “Pegue o envelope, escreva seu pedido de oração, coloque uma boa semente – em dinheiro, é claro – e exorta (olhe o tamanho da semente que você vai semear)”... Um famoso evangelista recebe uma ‘tremenda revelação’ e lança um livro onde expõe a grande revelação de que Deus há de transferir riquezas e mais riquezas para a igreja neste tempo do fim – afirma: “o que os megaespertalhões ricos e bilionários tem acumulado será redistribuído por Deus para igreja”.

Na página onde consta os agradecimentos da obra lemos as impactantes palavras: “extraordinário livro [...] visão revolucionária e impactante [...] a leitura deste livro marcará sua vida e trará sobre você inúmeras bênçãos” (somente a leitura já será algo fora do natural. Imagine a prática!).Outro empolgado pregador diz que devemos determinar sobre nós, nossa família, amigos, e irmãos as bênçãos de Deus; um mais ousado diz: “libere sobre o teu irmão uma bênção... abençoe teu irmão... declare sobre a vida dele tempos de prosperidade, não te cales, creia, seja um profeta de Deus nesta hora” (hoje está tão fácil ser profeta – é só declarar, liberar uma palavra); mais outro, cheio de gáudio, anima uma platéia ávida por vitória: “peça o melhor para Deus... o melhor carro, a melhor casa... com garagem, uma, duas ou até mais. Deus te dará um, dois, ou mais carros... o melhor emprego, o melhor salário... o melhor desta terra é nosso... o tamanho da tua fé determina o tamanho da tua bênção”.

Bíblias São lançadas como verdadeiros manuais para enriquecer, objetivando dar-se bem na vida, ser bem sucedido. Assim, são inumeráveis os pedidos e determinações diante de Deus para que venha o melhor – desta terra – para nós. Li que bilhões de almas, implicam em assombrosas proporções financeiras, “custará bilhões de dólares alcançar bilhões de almas”. Impactante! Segundo o autor do livro, o trágico, é que há muitos chamados e poucos dólares para enviá-los. Impactante! Pelo que se vê, lamentavelmente, o Reino de Deus está sofrendo sérios prejuízos, e almas estão indo para eternidade sem Deus, unicamente por falta de dinheiro! Veja bem: não é por falta de pregação cristocêntrica, de oração intercessória, de consagração, de estar cheio do Espírito Santo, de culto onde o Espírito Santo esteja presente e fazendo o que Ele quiser, de unidade da Igreja, mas por falta de dinheiro! Porém, na história da Igreja desde o Novo Testamento não vemos isto.

O Evangelho foi propagado sem somas astronômicas de dinheiro; na maioria das vezes, literalmente, sem dinheiro. Uma leitura cuidadosa do Novo Testamento nos mostrará isso:

1. Paulo tinha o objetivo primordial de comunicar o Evangelho, e por vezes isso custou trabalhos sobre trabalhos (para auto-sustento), e com muita fadiga (física mesmo): “Certamente vos lembrais, irmãos, de nosso trabalho e fadiga; trabalhamos noite e dia para não sermos pesados a nenhum de vós, enquanto vos pregamos o Evangelho de Deus” (1ª Ts. 2:9);

2. Paulo tinha o mesmo ofício de Apolo, isto é, fabricantes de tendas (At. 18:3), se servia desse ofício para se sustentar;

3. Paulo, ao sair em propagação do Evangelho, foi suprido em suas necessidades por outros irmãos, diz ele: “Em tudo me guardarei de vos ser pesado, e ainda me guardarei” (2ª Co. 11:9; 12:16a).

Os testemunhos e biografias da história do cristianismo nos mostram a mesma coisa. É só dar uma voltinha por esse brasilzão.O versículo no início deste artigo mostra a sincera oração: primeiro um coração reto diante do Senhor: “afasta de mim a vaidade e a palavra mentirosa”, depois “dá-me só o pão que é necessário” – preste atenção às prioridades.

Hoje há uma inversão de prioridades, muitos querem ser abençoados, enriquecidos, livrados de vários problemas, porém não querem, de forma alguma, relacionamento com Aquele que é Poderoso para abençoar. Nos tempos de Jesus já havia isto (Jo 6:26,27; 51, 60). Quem nasce de novo, é nova criatura, tem uma perspectiva primeiramente espiritual, sumamente espiritual, suas prioridades são mudadas: das coisas da terra passa para as coisas do céu (Mt. 6:33; 6:19-21; Gl. 1:3; 4:1-6; Fp. 1:9-11; Cl. 1:9-10; 3:1-3; I Pe. 2:1-5; II Pe. 1:4-11). É preciso termos desejo de conhecermos, isto é, travarmos um relacionamento com o Deus, pois quando conhecermos com intimidade o Deus da bênção seremos gratos por qualquer situação, provação que Ele nos enviar, permitir; teremos certeza que Ele não deixa termos falta de coisa alguma (Mt. 6:25-34; Fp. 4:19). Estamos, muitas vezes, qual filho que sai de casa, mas não sente falta dos pais, sem, no entanto recusar as benesses financeiras recebidas todos os meses – os recursos são bem vindos, mas o relacionamento íntimo com os pais não faz falta.

Tenho presenciado, pensativo e muitas vezes sem entender, sobre a maioria das campanhas feitas nas igrejas: quase que na sua totalidade envolvem dinheiro ou benesses puramente pessoais, egocêntricas. Todo mundo precisa de dinheiro; todas as pessoas tem uma questão financeira a ser milagrosamente resolvida.

Ouvimos testemunhos de dinheiro aparecendo (milagrosamente) na conta bancária; coisas impossíveis de acontecer na área financeira ocorrem da noite para o dia; endividados se tornam livres e abastados num estalar de dedos; o carro que eu tanto sonhava, Deus (?) (milagrosamente) me deu; quando tomei a decisão e iniciei a novena (ou algo parecido – já que cada igreja determina a campanha pelo nome que quer), antes mesmo de terminar, Deus (?) me respondeu. Os casos são tantos. Os testemunhos os mais diversos. Acabei de ouvir um em que o ‘abençoado’ dizia: depois de vir para a igreja tal e fazer a campanha tal só viajo de avião, a minha empresa que estava falida, cresce assustadoramente, está de vento em popa, e conclui: Deus ‘tá rebentando’. Como dizia um diretor, chefe meu, tempo atrás: mas que tal! Eu não duvido que Deus tenha bênçãos de ordem material, financeira, econômica para dar aos seus filhos (I Cr. 4:10; Pv. 3:9-10; 10:22; II Co. 8:15; 9:8-10). Abraão foi um homem rico; Jó perdeu tudo e Deus lhe deu em dobro; José foi um homem bem sucedido no Egito, pois chegou a ser o segundo em poder no governo; Salomão foi rico e poderoso; conheço irmãos que Deus tem abençoado financeiramente e eles tem abençoado a igreja dessa forma também, além, é claro, dos frutos dignos de arrependimento (Mt. 3:8).

Mas uma boa olhada na Palavra de Deus nos mostrará que não foram (e não são) muitos os ricos, os milionários ou bilionários, nem os poderosos que Deus escolheu para a concretização da Sua obra, para o cumprimento do Seu eterno propósito (Dt. 7:7; I Co. 1:26-29; Mt. 4:18-22; Hb. 11: 1-40), certamente para que ninguém se gloriasse nas suas possibilidades. Conheço irmãos que foram verdadeiros desbravadores para anunciar o Evangelho e morreram financeiramente pobres, e muitos doentes.

Anunciavam o Evangelho a cavalo, outros andavam quilômetros muitas vezes a pé, no entanto nunca vi eles pregarem sobre riquezas e mais riquezas. Não teria Deus o melhor cavalo para lhes dar? Dessa forma não iriam a pé.Não sou contra ser abençoado, ou falar sobre riquezas e abundâncias e mesmo tê-las, o que não consigo entender e aceitar como normal e justo, é que na maior parte, a igreja está girando em torno das coisas daqui, como dizem, “o melhor desta terra é nosso”, então, peça o melhor para Deus – pouco se ouve testemunhos de conversões, batismo com Espírito Santo, uma mensagem que tocou profundamente e fez voltar-se mais sincero para Deus, desejoso de um relacionamento íntimo com Deus. Rotineiramente, os maiores cultos são intitulados da vitória, da restituição, da benção, das colheitas, da multiplicação. Dias destes escutava um programa evangélico e uma vinheta anunciava o grande culto intitulado ‘explosão de milagres’. Dificilmente num culto destes há uma exposição séria, senão profunda, da Palavra. Por quê? Não há tempo para isso. Porém a Palavra diz que os milagres confirmam a Palavra (Mc. 16:20), e não que milagres confirmam outros milagres, ou que os milagres confirmam o ministério de quem quer que seja.“Os apóstolos não agendavam os milagres. Não marcavam cultos de libertação e cura. Não havia previsibilidade antecipada. Não agiam como secretários do Espírito Santo, tentando controlar e manipular a sua agenda. Eles não faziam propaganda dos sinais. Não colocavam faixas anunciando a presença de homens poderosos. Não faziam exposição de seus dotes espirituais. As coisas aconteciam dentro da liberdade e da soberania do Espírito. Eles não desviavam os olhos do povo para a igreja, não trombeteavam suas próprias virtudes. Enfeixavam todos os holofotes sobre Jesus”[1].

Faz tempo que ouço mensagens e apelos triunfalistas, pregações de auto-ajuda, e fico pensando sobre o que realmente é o melhor de Deus para nós, ou o que Deus tem de melhor para nós.

1. Asafe: o melhor de Deus para ele era totalmente oposto a sua visão. Enquanto ele via e deseja a prosperidade do ímpio – e questionava com Deus, tanto na vida quanto na hora da morte, falava da tranquilidade do ímpio, o melhor de Deus para Asafe era que ele estive na dependência divina (Sl. 73:23), fosse guiado pelo conselho do Senhor (Sl. 73:24); desejasse Deus acima de tudo – Deus fosse para ele o mais desejado, o mais excelente (Sl. 73:25); que Deus fosse a sua fortaleza, seu refúgio e que se aproximasse mais desejo (com inteireza de coração) diante de Deus (Sl. 73:26,28);

2. Profeta Amós: o melhor de Deus estava em que ele falasse a Palavra do Senhor, conquanto sua condição fosse de pobreza material (Am. 7:14,15);3. Estevão, o diácono: o melhor de Deus consistia e não livrar-lhe do martírio, mas que ele suportasse as aflições e mesmo assim pregasse uma profunda e bibliocêntrica mensagem e deixasse um testemunho que impactou seus algozes (At; 7). Parece que nesse início Deus perdeu a oportunidade de provar ao mundo que a Igreja veio para conquistar os melhores espaços desta terra!

4. Apóstolo Paulo: a vontade do Senhor estava em ele padecer pelo nome de Cristo, como também consistia em que ele fosse revestido da maravilhosa graça, mas jamais que lhe fosse arrancado o espinho na carne (At. 9:16; II Co. 12:8-9). E isto lhe dava prazer (II Co. 12:10);

Leio sobre a história de Israel; a história do cristianismo desde o Novo testamento, e me pergunto: por que será que Deus deixou homens e mulheres de fé no Velho Testamento, e apóstolos e crentes do passado enfrentarem necessidades? Por que o Evangelho teve que ser propagado em meio a dificuldades extremas, onde até fome passaram os obreiros e crentes de então? Por que Paulo, o grande ícone do cristianismo, se privou de regalias, e até trabalhava com as próprias mãos para não ser pesado às igrejas? Por que o próprio Jesus, os Apóstolos e Paulo (que foi arrebatado ao terceiro céu), não tiveram a ‘grande revelação’ dos dias de hoje: Deus tem riquezas para você – determine, declare, profetize?

Jesus, após a Sua ressurreição, foi revestido de Todo Poder (isso fala de que para Ele não há limites), no entanto não O vemos falando aos Discípulos que Eles seriam prósperos materialmente, que não teriam doenças e que seriam tão influentes em sua mensagem que seriam cabeça e jamais cauda (Mt. 10:19; Lc. 12:11-12; At. 4:1-3, 13).Às vezes procuro imaginar um culto na Igreja em Jerusalém, ou em qualquer outro lugar nos tempos da Igreja primitiva e do primeiro século; ou ainda na China comunista de nossos dias; no Haiti; no Vietnã, nos lugares paupérrimos da África e em tantos outros no nosso Brasil; onde o pregador empolgado, começasse a dizer para que o povo declarasse, determinasse, profetizasse bênçãos e riquezas sobre a vida de quem quer que fosse – será que o povo entenderia alguma coisa? Eis a indagação: será que Deus não tem as mesmas riquezas para estes filhos, ou eles tinham ou tem, como popularmente se diz, muito ‘pecado para pagar’? Imagino o Apóstolo Paulo dizendo aos irmãos para lançarem uma grande semente (em dinheiro) para terem uma grande colheita. Não dê a menor moeda, dê a maior, que a tua bênção será maior. Porém quando abro a Bíblia, leio Paulo, que diz: “No primeiro dia da semana cada um de vós ponha de parte o que puder ajuntar, conforme a sua prosperidade [...]” (1ª Co. 16:2 – grifo meu).

Os cristãos davam não porque eram constrangidos por uma promessa mirabolante, porque eram ‘impulsionados’ a acreditarem que teriam muito mais do que estavam dando, isto é, pensando nos benefícios, mas sim, davam porque isso partia do coração, eram intimamente tocados pelo Espírito Santo, então davam, e davam com alegria (2ª Co. 8:3,5,10,12; 9:6,7).

“Os Apóstolos [...] não faziam promessas ao povo de benesses terrenas e temporais, com vistas a atrair multidões. Eles não pregavam um evangelho fácil” [2]. Conforme 2ª Coríntios capítulos 8 e 9, os cristãos davam porque eles tinham gozo, eram ricos em generosidade (dar sem intenção de receber de volta), desejavam servir dessa forma; antes de abundar financeiramente, eles já tinham abundados em fé, ciência, zelo, amor e graça; davam espelhando-se em Cristo, Ele era o exemplo perfeito, queriam imitar o Mestre, queriam dar; tinham prontidão em dar, eram voluntários. Davam porque todo serviço, toda a ação de dar, redundava em glórias a Deus (2ª Co. 9:12-15).

Ao combater os avarentos, Paulo fala sobre a proporção de semear pouco e muito. Muitas vezes ouvimos pregadores dizerem: dê que o Senhor te dará cem vezes mais – e enfatiza: ‘tá’ na Bíblia! Acredito que se baseiam no texto em que Pedro certa vez argumentou com Jesus: “[...] nós tudo deixamos e te seguimos. Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que ninguém há, que tenha deixado casa, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou mulher, ou filho, ou campos, por amor de mim e do evangelho, que não receba cem vezes tanto, já no presente, em casas, irmãos, mães, filhos e campos, com perseguições, e no mundo por vir a vida eterna” (Mc. 10:28-30).

Esse texto, de maneira alguma corrobora a máxima, em voga nos dias de hoje, de que dando certa quantia em dinheiro, o Senhor nos dará cem vezes mais da quantia ofertada. Se for, o que aconteceu com os discípulos que foram martirizados e todos morreram, literalmente, pobres?

Paulo, mesmo sendo cidadão romano não tinha mansão em Roma – alugou uma casa. Tomamos cuidado! A oferta não anula a soberania de Deus. Acredito e busco o melhor de Deus, porém vejo o melhor de Deus:

- Na Salvação que de graça foi oferecida (Jo. 3:16; Ef. 2:8,9);- Na vida de renúncia para ser submisso a Deus (Mt. 16:24; Tg. 4:10; 1ª Pe. 5:6);

- Na abundante vida proporcionada pelo Espírito Santo (Jo. 7:38,39; Ef. 5:18);- Na vitória diária sobre o pecado (Rm. 8:5-14; Gl. 5:16,24,25; Cl. 3:5-10);- No poder da Palavra em me tornar sábio (119:98-100);

- No poder de Deus em cumprir Seu propósito (Sl. 138:7,8);

- No poder das provações para me tornar maduro e completo (Tg. 1:2-4; Rm. 5:1-5; Fp. 4:10-13; 2ª Pe. 1:1-11);

- Na graça proporcionada para perder tudo, menos Cristo (Fp. 3:8,9,13,14);- Na busca constante pelas coisas lá de cima (Cl. 3:1-3; Fp. 3:20; 1ª Pe. 2:1-5);- Na prática de orações e súplicas (Ef. 6:18; 1ª Ts. 4:17).Acredito que Deus tem bênçãos imensuráveis para alcançar aos que o amam e o buscam, mas há prioridades inegociáveis na palavra de Deus (Mt. 6:33).

Vejamos esta oração de Paulo, pelos crentes de Éfeso (Ef. 3:14-20):

Primeiramente ele faz referência ao Filho e ao Pai:
1. Jesus Cristo é o Senhor (veja Rm. 10:9);
2. O Nome de Deus é poderoso; Agora ele ora por bênçãos espirituais:
3. Para que sejam “fortalecidos com poder pelo Seu Espírito no homem interior” (veja II Co. 4:16);
4. Para que cristo habite pela fé; esteja constantemente presente nos corações (fé tem o sentido de renúncia, de coragem em servir a Jesus, de entrega total);
5. Para que estejais arraigados, fundados em amor (amor de Cristo);
6. Para que com perfeição conheçam a largura, comprimento, altura e profundidade e conheçam o amor de Cristo;
7. Que sejam cheios da plenitude de Deus. Isso é um longo processo dEle em nós (Cl. 1:6);
8. E encerra dizendo que Ele é poderoso para fazer muito além da nossa limitada capacidade, isto é, Ele é poderoso para nos levar a plenitude de Cristo (Rm. 15:29; Cl. 2:10; cf. Gl. 4:12-16).

Nada substituí o que é espiritual – a prioridade, para o cristão, é o que é do céu (Lc. 12:31). A minha preocupação é com a indelével evidência que se tem dado às coisas da terra: o melhor desta terra é nosso; você tem que pedir o melhor desta terra; o crente não adoece; você não nasceu para sofrer; um Deus rico – dono do mundo – não tem filhos pobres. Enquanto a ênfase está nas coisas da terra, a pregação se dirige à mente, aí sutilmente entra o positivismo, a determinação, o engravidar, o sonho com a visão do que eu quero, e outras coisas do tipo. Dessa forma o alvo, que é o coração não sente nada, não é atingido. O propósito do Senhor sempre foi atingir o coração do homem, as atitudes e frutos estão no coração: “Ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração [...]” (At. 2:37; Dt. 6:5 Cf. Mt. 22:37-40; I Sm. 16:7; Sl. 7:9; 19:8; 57:7; 69:32; 139:23; Pv. 4:23; 20:9; Is. 35:4; Jr. 11:20; 24:7; Ml. 4:6; Mc. 7:21 Cf. At. 5:3; Hb. 3:8; 4:7, 12; 8:10; 10:16; Lc. 24:32).

Muitas vezes, pelo que ouço, parece que a nossa pátria é por aqui mesmo, o céu é uma miragem, uma figura de linguagem, uma utopia, pois pouco se tem falado e pregado sobre o céu. Pouco se tem dito sobre as delícias do céu, sobre as coisas do céu. Em razão disso o que é certo tem sido substituído, sem qualquer análise bíblica, pelo que dá certo. Estamos vendo uma irrefreável busca pelos mais variados meios para alcançar objetivos (ditos) espirituais, conquanto não nos preocupamos com estes meios, pois temos dado ênfase aos fins alcançados ou desejados.Que a oração de Paulo seja respondida, por Deus, sobre nós:

“Por causa disso me ponho de joelhos perante o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, do qual toda a família nos céus e na terra toma o nome. Oro para que, segundo as riquezas da glória, vos conceda que sejais fortalecidos com poder pelo Seu Espírito no homem interior, para que Cristo habite pela fé nos vossos corações. E oro para que, estando arraigados e fundados em amor, possais perfeitamente compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade, e conhecer o amor de Cristo, que excede todo entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus” (Ef. 14-19).
Em Cristo.
Adriano Wink Fernandes
-----------------------------
[1] Pentencoste, o fogo que não se apaga. Hernandes Dias Lopes. Candeia
[2] Ibdem

Um comentário:

  1. Oh irmão graças a Deus por sua compreensão das coisas sagradas, fico feliz por existir remanescentes com a mente de Cristo, também fico preocupado com tudo o que está acontecendo com a igreja - Jairo Soares, Erechim/RS

    ResponderExcluir