TEOLOGIA EM FOCO

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

A PESSOA DE JESUS CRISTO


Toda a Escritura aponta para a pessoa de Jesus Cristo, Ele é a semente da mulher do qual o Criador se referiu, logo após a queda do homem como já estudada, ou seja, essa será a provisão criada por Eloim para a salvação do homem.

1.      A semente da mulher.
“E porei inimizade entre ti e a mulher e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar” (Gn 3.15).

A declaração do Éden nos deixa uma certeza, o Criador disse que ele é a semente da mulher, mas o que seria a palavra semente aos olhos do Deus Vivo? Jesus mesmo responde, veja:

“Este é o sentido da parábola: A semente é a palavra de Deus” (Lc 8.11). Portanto quem é Jesus? Acho que ficou claro demais, JESUS é mais do que tudo que possamos falar dele, embora muitos digam, que Ele é o filho do carpinteiro, o profeta, ou o filho de Maria e José, nada disso descreve com exatidão a pessoa de Jesus, pois tudo isso seria apenas suas múltiplas características, suas facetas, pois na verdade Ele é o que João falou em sua epístola:

“O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da vida (pois a vida foi manifestada, e nós a temos visto, e dela testificamos, e vos anunciamos a vida eterna, que estava com o Pai, e a nós foi manifestada)” (1ª Jo 1.1-2).

O próprio mestre tentou nos dizer quem era, Jo 5.39, todavia, Ele no Velho Testamento se apresentou como apenas palavra (escrita), ou através de múltiplas sombras ou seja tipologias, Hb 1.1-3, mas Ele nasceu de mulher, Ele é a semente, e a semente é a palavra (escrita, vontade revelada) e foi essa semente que fecundou o óvulo de Maria, vejamos ainda outra narrativa.

2.      Jesus é a Palavra de Deus.
“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade” (Jo 1.1,2,14).

Podemos entender por esta passagem que Jesus é Deus, pois Jesus é a expressão do Pai, é a palavra que emana da boca do Pai. Podemos confirmar isto por textos no Velho Testamento, como em Gênesis, onde no ato da Criação toda palavra que Deus dizia era o próprio Jesus que é o Verbo, “Disse Deus” Gn 1.3,6,9,11,14,20,24,26,29, e isto é confirmado pelo apóstolo Paulo em Colossenses:

3.      Jesus é a imagem do Deus invisível.
“Este é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; pois nele foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele” (Cl 1.15-16).

É também a palavra que vinha aos profetas: “Veio a mim a palavra do Senhor”, esta palavra que vinha aos profetas era o próprio Jesus pré-encarnado, anunciado por ministério de anjos, Atos 7.53, antes de se fazer homem e habitar entre nós.

Por isso podemos afirmar que Deus na pessoa de Jesus se fez homem, para redimir o mundo de seus pecados. Jesus se tornou verdadeiro homem, para que pudesse ser substituto do homem diante de Deus e assim pudesse morrer tirando os pecados da humanidade. Em outras palavras, Ele fez tudo, nos demonstrou como devíamos andar (Ele a lei escrita, revelada), vendo que não conseguíamos cumprir sua justiça divina, se fez como um de nós (a graça a lei viva real) e cumpriu toda a sua própria exigência nos justificando e como ainda fosse muito pouco morreu pelos nossos pecados, pois eram os tais que nos separavam Dele mesmo, tremendo e espantoso.


Todos os profetas do Antigo Testamento profetizaram sobre a vinda do Messias (O enviado, salvador), dando alguns detalhes da sua vida e do seu ministério. Hb 1.1 7 Deus na pessoa de Jesus Cristo cumpriu as promessas feitas, inclusive a de Gn 3.15, aí estava a semente da mulher, o descendente de Abraão (Gl 3.15,16) e o herdeiro do trono de Davi como falamos anteriormente (Mt 1.1) Jesus Cristo nasceu numa cidade chamada Belém “E tu, Belém Efrata, posto que pequena entre milhares de Judá, de ti me sairá o que será Senhor em Israel, e cujas saídas são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade”(Mq 5.2) e foi concebido milagrosamente, pois sua mãe Maria, sem que antes tivesse coabitado achou-se grávida pelo Espírito Santo “Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que uma virgem conceberá, e dará à luz um filho, e será o seu nome EMANUEL”(Is 7.14); portanto Jesus nasceu sem herdar a natureza pecaminosa. Tudo isso para que se cumpri a Escritura que é Ele próprio. Isso tudo é a obra do Criador, 1º o plano escrito (legal) depois no 2º ato o plano executado (posicional). Começou o seu ministério com 30 anos, com o fim de novamente restabelecer a comunhão entre Deus e o homem que se perdeu no Éden. No começo do seu ministério escolheu para si doze discípulos que foram comissionados para iniciarem a pregação do evangelho, fato que ocorreu quando Jesus foi elevado ao céu, todavia a respeito dos doze apóstolos já se havia pré-anunciado através das sombras das doze tribos de Israel. Ele viveu uma vida pura e santa entre seu povo Israel. Mas esse seu povo o acusava e toda a hora o tentava matar “E os fariseus, tendo saído, formaram conselho contra ele, para o matarem” Mt 12.14, pois não concordavam com suas palavras, principalmente pelo fato d’Ele se dizer o filho de Deus. Jo 10.22-39 Esse povo o acusando falsamente, o entregou aos romanos, que dominavam o povo de Israel naquela época, e pediram sua morte na cruz. Só que mal sabiam eles que estavam fazendo a vontade do Criador, que sabia que a morte de seu filho naquela cruz e sua ressurreição representava a vitória sobre o pecado. Isaías 53 Por isso no próximo assunto estudaremos mais detalhadamente porque que Jesus teve que morrer na cruz e o que isto representa para nós hoje. PLANO CUMPRIDO NA CRUZ POR JESUS Como anteriormente foi dito, na cruz do Calvário se deu a grande vitória de Deus sobre o pecado e o diabo. Por isso que o apóstolo Paulo em sua epístola aos coríntios enfatiza a pregação com base na cruz de Cristo (1ª Co 1.18-25).

Pr. Elias Ribas