TEOLOGIA EM FOCO

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

A HUMANIDADE DE CRISTO


OS IRMÃOS BIOLÓGICOS DE JESUS

“Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: estando Maria, sua mãe, desposada com José, sem que tivessem antes coabitado, achou-se grávida pelo Espírito Santo. Mas José, seu esposo, sendo justo e não a querendo infamar, resolveu deixá-la secretamente” (Mt 1.18-19).

Desposada do original grego mnesteuo que significa: Cortejar e pedi-la em casamento; ser prometida em casamento, estar noivo.

Estes versículos provam que José e Maria se conheciam, porém não tinham tido relações íntimas.
A Palavra de Deus declara que José e Maria não se envolveram fisicamente enquanto Jesus não nasceu. Veja o que diz a Escritura Sagrada:

“E José, despertando do sonho, fez o como o anjo do Senhor lhe ordenara, e recebeu a sua mulher, e não a conheceu até que deu à luz seu filho, o primogênito; e pôs-lhe o nome de Jesus” (Mt 1.24-25).

A expressão: “não a conheceu” no grego ginosko, significa: chegar a saber, vir a conhecer, obter conhecimento de, perceber, sentir; tornar-se conhecido; conhecer, entender, perceber, ter conhecimento de; expressão idiomática judaica para relação sexual entre homem e mulher; tornar-se conhecido de, conhecer. O texto prova que depois do parto e cumprindo a quarentena de Maria o o casal viveu normalmente como qualquer outro casal.

Um outro texto bíblico menciona os nomes dos irmãos de Jesus:

“Não é este o carpinteiro, filho de Maria e irmão de Tiago, e de José, e de Judas, e de Simão? E não estão aqui conosco suas irmãs? E escandalizavam-se nele” (Mc 6.3).

Irmão no original grego quer dizer: “adelphos”. Um irmão, quer nascido dos mesmos pais ou apenas do mesmo pai ou da mesma mãe.

A tradição católica afirma tratar-se de uma outra Maria, e que a palavra “irmão” neste texto não deveria ser entendida literalmente, mas o contexto do versículo é indiscutível: Jesus estava em Nazaré, sua cidade, no meio de conhecidos e familiares, portanto não há dúvida alguma de o reconheceram (com sua família) de fato.

Não temos os nomes de suas irmãs, mas quatro de seus irmãos são mencionados, o que nos faz saber que sua família era grande. E a Bíblia declara que seus irmãos não criam nele:

“Disseram-lhe, pois, seus irmãos: Sai daqui e vai para Judéia, para que também os seus discípulos vejam as obras que fazes. Porque não há ninguém que procure ser conhecido que faça coisa alguma em oculto. Se fazes essas coisas, manifesta-te ao mundo. Porque nem mesmo seus irmãos criam nele” (Jo 7.3-5).

Em outras palavras, poderíamos dizer que os irmãos de Jesus lhe diziam algo assim: - “Você não é o bom? Não quer aparecer? Então vá fazer seus sinais onde a multidão está reunida!” Posso deduzir que havia muito sarcasmo e cinismo por trás desta afirmação dos irmãos do Senhor.

Um outro texto bíblico nos revela que houve uma ocasião em que os irmãos de Cristo quiseram até mesmo prendê-lo por achar que ele estava louco:

“E foram para casa. E afluiu outra vez a multidão, de tal maneira que nem sequer podiam comer pão. E quando seus parentes ouviram isso, saíram para o prender, porque diziam: Está fora de si... Chegaram, então, seus irmãos e sua mãe; e, estando de fora, mandaram-no chamar” (Mc 3.20-21 e 31).

Imagino que se houve pessoas que puderam conhecer bem a Cristo (segundo a carne), foram justamente seus irmãos. Mas só o conhecimento natural não foi suficiente para transformá-los. Em Nazaré muitos também o conheceram sem provar transformação.

“Decorridos três anos, então, subi a Jerusalém para avistar-me com Cefas e permaneci com ele quinze dias; e não vi outro dos apóstolos, senão Tiago, o irmão do Senhor ( Gl 1.18.19).

Paulo afirma que foi a Jerusalém para ver a Pedro e não viu nenhum dos apóstolos, a não ser o apóstolo Tiago, irmão do Senhor, esse mesmo Tiago que antes da conversão não era seguidor de Jesus (Mt 13.55).

Escrevendo para a Igreja aos contos Paulo pergunta: “E também o de fazer-nos acompanhar de uma mulher irmã, como fazem os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas?” (1ª Co 9.5). Aqui fica claro que Paulo está falando de dois tipos de seguidores. Os discípulos (apóstolos), e os irmãos do Senhor Jesus.
Portanto podemos entender claramente que Jesus teve outros irmãos. Isso prova que Ele era cem por cento homem. No próximo estudos veremos a divindade de Jesus.

Pr. Elias Ribas
pr.eliasribas2013@gmail.com.br