TEOLOGIA EM FOCO

sábado, 28 de dezembro de 2013

A PREEXISTÊNCIA DE CRISTO


A Bíblia nos ensina que Cristo homem nasceu em Belém da Judéia há quase dois mil anos. Ensina também que Cristo já existia ETERNAMENTE, antes do seu nascimento físico.


I. ANTES DA CRIAÇÃO DO MUNDO

Jo 17.5 Jesus diz: E agora, glorificam-me, ó Pai, contigo mesmo, com a glória que Eu tive junto de Ti, antes que houvesse mundo. v. 24b ... porque me amaste antes da função do mundo.

II. ANTES DE ABRAÃO
Jo 8.58 Jesus diz: Em verdade em verdade Eu vos digo: Antes que Abraão existisse, Eu Sou.


III. É O ALFA E O OMEGA

Ap 1.8 “Eu sou o Alfa e o Omega... o Princípio e o fim”. Alfa e Omega correspondem às letras A e Z do alfabeto grego. Cristo é a razão de ser do início de todas as coisas (sendo Ele mesmo o Criador). Referimo-nos ao fato de que Jesus não teve início, nem terá fim. Não precisamos preocupar-nos com perguntas inúteis como: Quando Cristo começou a existir? Aceitamos sem reservas a explicação dada na Bíblia, porque é a palavra de Deus.

IV. CRISTO O VERBO ETERNO DE DEUS
Jo 1.1 No princípio era o Verbo, e o verbo esta com Deus, e o verbo era Deus. 2 Ele estava no Princípio com Deus.

O Verbo que estava com Deus, João está falando de Jesus como Deus e criador que no princípio estava com Deus. Jesus é o Verbo conforme Ap 19.13 “Está vestido com um manto tinto de sangue, e o seu nome se chama o Verbo de Deus”.

Verbo no Grego quer dizer logos. Logos para João é uma pessoa, que comunica a realidade de Deus aos homens pela sua encarnação. Logos é um verbo de ligação.

Em Jo 1.18 Diz: Ninguém jamais viu a Deus; o Deus Unigênito, que está no seio do Pai, é quem o revelou. Esta é uma declaração clara da deidade de Jesus Cristo.

Jo 1.1 No princípio era o Verbo, e o verbo esta com Deus, e o verbo era Deus. 2 Ele estava no Princípio com Deus.


V. CRISTO É IGUAL AO PAI

Jo 10.30 Jesus diz: Eu e o Pai somos um. Jo 14.9 Jesus diz: ... quem vê a Mim vê o Pai. Jo 8.19 Disseram-lhes, pois onde está o Teu Pai? Jesus respondeu: Não me conheceis a Mim, nem a Meu Pai: se vós me conhecêsseis a Mim, também conhecereis a Meu Pai. Fl 2.6 “Ele, subsistindo em forma de Deus não julgou como usurpação ser o ser igual a Deus. Evidentemente, se Cristo é igual a Deus, compartilhou igualmente da eterna existência de Deus”.


VI. CRISTO É ETERNO DE DEUS


Jesus afirmou que era Deus “eu e o pai somos um”. Novamente os judeus pegaram as pedras para lhe atirar. Disse-lhes Jesus: Tenho vos mostrado muitas obras boas da parte do pai; por qual delas me apedrejais? Responderam-lhe os judeus: “Não é por boa obra que te apedrejamos, e sim, por causa da blasfêmia, pois sendo tu homem, te fazes deus a ti mesmo”. fica, portanto, bem claro que, na mente daqueles que ouviram tal afirmação, não havia qualquer dúvida de que Jesus tivesse dito perante eles que ele era deus. “Mas ele lhes disse: meu pai trabalha até agora, e eu trabalho também”. Por isso, pois, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque não somente violava o sábado, mas também dizia que deus era seu próprio pai, fazendo-se igual a deus. (João 5.17-18).

Jesus foi categórico quando disse: “Meu Pai”, e não nosso Pai, fazendo assim uma afirmação de sua relação especial com o Pai.

“Trabalha até agora”, Jesus se coloca em pé de igualdade com as atividades de Deus, e assim justifica o fato de curar no sábado.

– “Eu sou”.
“Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade eu vos digo: antes que Abraão existisse, eu sou”. (João 8.58).

Os judeus reconheceram o que Jesus quis dizer e, horrorizados, buscaram apedrejá-lo.

A partir das referências como Êx 3.14, Dt 32.29, Is 43.10, fica claro que essa não é alguma ideia nova que Jesus esteja apresentando. Os judeus estavam bem familiarizados com a ideia de que o Jeová do Antigo Testamento é aquele que é eternamente existente. O que há de novo para os judeus é a identificação dessa expressão com a pessoa de Jesus. A.G. Campbell.

– Jesus tem direito à mesma honra que é prestada a Deus.
“... a fim de que todos honrem o Filho do modo porque honram o Pai. Quem não honra o Filho não honra o Pai que o enviou". (João 23.24).

– “Conhecer a mim”.
Então eles lhe perguntaram: Onde está teu Pai? Respondeu Jesus: Não me conheceis a mim nem a meu Pai; se conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai". (João 8.19).

– “Crer em mim”.
“Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim”. (João 14.1).
“Ele estava destinado à morte, a morte que alcança todos os homens. No entanto, Ele teve a audácia de exigir que fizessem dele um objeto de fé. Ele se fez a chave para a questão do destino e claramente afirmou que o futuro deles dependia da obra dele. Ele prometeu preparar um lugar para eles e retornar para buscá-los”.

– “Quem me vê”.
“Disse-lhe Jesus: Filipe, a tanto tempo estou convosco, e não me tens conhecido Quem me vê a mim, vê o Pai; como dizes tu: Mostra-nos o Pai?”. (João 14.9).

– “Eu vos digo”.
“Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder em muito a dos escribas e fariseus, jamais entrareis no reino dos céus”. (Mt 5.20-22).
Em vez de repetir a expressão usada pelos profetas, "assim diz o Senhor", Jesus repetia "em verdade, em verdade, eu vos digo".


VII. CRISTO, O CRIADOR

Jo 1.3 Todas as coisas foram feitas por intermédio d’Ele, e sem Ele nada do que foi feito se fez. Fica estabelecido que Cristo é Deus, pois Ele é o poderoso Verbo de Deus. Tal fato não contradiz com a declaração de Gn 1.1 “No princípio criou Deus o céu e a terra”. Jesus como Deus eterno estava na criação de Deus.

Podemos ler em Gn 1.26 diz: Também façamos o homem a nossa imagem, e conforme a nossa semelhança... Façamos a nossa... o sujeito é subtendido, e há mais de uma pessoa; Nós façamos, está o Deus Pai, Deus Filho, e o Deus Espírito Santo. Podemos ver mais uma vez a eterna existência de Jesus. Cl 1.16 Paulo diz: “Nele foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio d’Ele e para Ele”.

Hb 1.1,2 diz: “Deus... nestes últimos dias nos falou pelo Filho a quem constitui herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo”.

VIII. CRISTO É DEUS
Jo 8.5 Jesus diz: “Antes que Abraão existisse, Eu sou”. Quando Jesus viveu na terra, sempre esteve consciente que era Deus. O livro de Êxodos nos diz que o nome de Deus é Eu Sou. Como já vimos Jesus e o Pai são um.
Também sabemos que o Filho de Deus é vindo e nos tem dado entendimento para reconhecermos o verdadeiro; e estamos no verdadeiro, em seu Filho, Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna. (1ª João 5.20 RA).

Jesus afirmou que era Deus.

- “Eu e o Pai somos um”. Novamente os judeus pegaram as pedras para lhe atirar.
Disse-lhes Jesus: Tenho vos mostrado muitas obras boas da parte do Pai; por qual delas me apedrejais?

Responderam-lhe os judeus: “Não é por boa obra que te apedrejamos, e sim, por causa da blasfêmia, pois sendo tu homem, te fazes Deus a ti mesmo”.

Fica, portanto, bem claro que, na mente daqueles que ouviram tal afirmação, não havia qualquer dúvida de que Jesus tivesse dito perante eles que ele era Deus.

- “Mas Ele lhes disse: Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também”.

Por isso, pois, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque não somente violava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus” (João 5.17-18).

Jesus foi categórico quando disse: “Meu Pai”, e não nosso Pai, fazendo assim uma afirmação de sua relação especial com o Pai.

“Trabalha até agora”, Jesus se coloca em pé de igualdade com as atividades de Deus, e assim justifica o fato de curar no sábado.

- “Eu sou”.

“Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade eu vos digo: antes que Abraão existisse, eu sou”. (João 8.58).

Os judeus reconheceram o que Jesus quis dizer e, horrorizados, buscaram apedrejá-lo.

A partir das referências como Êx 3.14, Dt 32.29, Is 43.10, fica claro que essa não é alguma ideia nova que Jesus esteja apresentando. Os judeus estavam bem familiarizados com a ideia de que o Jeová do Antigo Testamento é aquele que é eternamente existente. O que há de novo para os judeus é a identificação dessa expressão com a pessoa de Jesus". A.G. Campbell.

- Jesus tem direito à mesma honra que é prestada a Deus.

- “...a fim de que todos honrem o Filho do modo porque honram o Pai. Quem não honra o Filho não honra o Pai que o enviou”. (João 23.24).

- “Conhecer a mim”.

Então eles lhe perguntaram: Onde está teu Pai? Respondeu Jesus: Não me conheceis a mim nem a meu Pai; se conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai". (João 8.19).

- “Crer em mim”.

“Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim”. (João 14.1).

“Ele estava destinado à morte, a morte que alcança todos os homens. No entanto, Ele teve a audácia de exigir que fizessem dele um objeto de fé. Ele se fez a chave para a questão do destino e claramente afirmou que o futuro deles dependia da obra dele. Ele prometeu preparar um lugar para eles e retornar para buscá-los”.

- “Quem me vê”.

“Disse-lhe Jesus: Filipe, a tanto tempo estou convosco, e não me tens conhecido Quem me vê a mim, vê o Pai; como dizes tu: Mostra-nos o Pai?”. (João 14.9).

- “Eu vos digo”.

“Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder em muito a dos escribas e fariseus, jamais entrareis no reino dos céus". (Mt 5.20-22).

Em vez de repetir a expressão usada pelos profetas, “assim diz o Senhor”, Jesus repetia “em verdade, em verdade, eu vos digo”.

- Tomé:
“Respondeu-lhe Tomé: Senhor meu e Deus meu!” (Jo 20:28).

- Estevão:
“E apedrejavam a Estevão, que invocava e dizia: Senhor Jesus recebe o meu espírito”. (At 7.59).
Aqui Estevão pede de Jesus exatamente o que Jesus havia pedido a Deus enquanto estava na cruz.

IX. É SENHOR
Alguém que possa ler o Novo Testamento, mas seja incapaz de perceber que Cristo reivindica ser mais do que um homem poderá contemplar o céu ao meio-dia, num dia sem nuvens e não enxergar o sol [Willian Biederwolf]

- Paulo: “Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, e na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai” (Fp 2.9-11).

“Aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus”. (Tt 2.13).


X. CRISTO É O FILHO DE DEUS

Jo 17.1 Jesus diz: “Pai, é chegada a hora: glorifica o Teu Filho, para que também o Teu Filho Te glorifique a Ti”. Jo 3.16 Jesus diz: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna”.

- Pedro: “Mas vós continuou ele, quem dizeis que eu sou?

Respondendo Simão Pedro, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.

Então Jesus lhe afirmou: Bem-aventurado és tu Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue quem to revelou, mas meu Pai que está nos céus" (Mt 16.15-17).

A importância desta palavra é para que você conheça o poder que existe na pessoa de nosso Senhor Jesus Cristo. Talvez você não tivesse o conhecimento da preexistência de Cristo, nem da Sua suprema importância. Esta é a razão porque devemos dar só a Ele toda honra, todo o louvor e toda glória.

O mundo hoje vive num caos porque está pedindo de forma errada, fora da palavra de Deus. No livro do profeta Isaías 59.1-2 diz: “Eis que a mão do Senhor não está encolhida, para que não possa salvar, nem surdo o Seu ouvido, para não poder ouvir. Mas as vossas iniquidades fazem separação entre vós e vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós para que não ouça”. O homem fora da palavra de Deus logicamente se encontra em pecado, e em pecado está separado do Senhor. Mas aqueles que estão olhando para Jesus e cumprindo sua palavra tem uma vida totalmente diferente, uma vida de paz, tranquila, serena; porque elas têm depositado toda a confiança somente em Jesus que é ETERNO e CRIADOR.

A Bíblia nos ensina a pedir em nome de Jesus.

Pr. Elias Ribas

pr.eliasribas2013@gmail.com.br