TEOLOGIA EM FOCO

sexta-feira, 6 de junho de 2014

A ASCENSÃO DE CRISTO



 Usamos o termo “ascensão” como referencia àquele evento da vida de Jesus Cristo já ressurreto, em que Ele foi visto visivelmente transladado para o céu na presença dos Seus discípulos.

I. A ASCENSÃO NAS PROFECIAS

A ascensão de Cristo vaticinada no Sl 110.1 “Subiste às alturas, levaste cativo o cativeiro, recebeste homens por dádivas...”. Cristo várias vezes vaticinou Sua ascensão. Em Jo 6.62 Jesus diz: “Que serás, pois, se virdes o filho do homem subir para o lugar onde primeiro estava?”.

II. O REGISTRO BÍBLICO DA ASCENÇÃO DE JESUSregistro da ascensão de Jesus

Em At 1.9-11, lemos: “Ditas estas palavras, foi Jesus elevado às alturas, à vista deles, e uma nuvem O encobriu dos seus olhos. E, estando eles com os olhos fitos no céu, enquanto Jesus subia, eis que dois varões vestidos de branco se puseram ao lado deles, e lhes perguntaram: Varões galileus, porque estais olhando para as alturas? Esse Jesus que dentre vós foi assunto ao céu, assim virá do modo como o vistes subir”.

“Então, os levou para Betânia e, erguendo as mãos, os abençoou. Aconteceu que, enquanto os abençoava, ia-se retirando deles, sendo elevado para o céu” (Lc 24.50-51).

É interessante notar que, em contraste com o frequente e repentino aparecimento do Senhor Jesus no intervalo de quarenta dias após Sua ressurreição, a Sua ascensão deu-se lentamente. Este evento ficou permanentemente gravado na mente dos discípulos que o contemplaram quando subia para o céu, onde iria ficar até a Sua segunda vinda. Ascensão constitui marco divisório na vinda de Cristo. O período do seu ministério terreno se estende do seu nascimento até sua ascensão. Após a ascensão, Ele entra na segunda etapa do Seu ministério, intercedendo por nós no céu e mostrando-se o Cristo da experiência espiritual através da operação do Espírito Santo na vida dos crentes aqui na terra.

III. A NATUREZA DO CORPO RESSURRETO DE CRISTO

Jesus ressurreto: “E, retirando-se elas apressadamente do sepulcro, tomadas de medo e grande alegria, correram a anunciá-lo aos discípulos. E eis que Jesus veio ao encontro delas e disse: Salve! E elas, aproximando-se, abraçaram-lhe os pés e o adoraram. Então, Jesus lhes disse: Não temais! Ide avisar a meus irmãos que se dirijam à Galiléia e lá me verão” (Mt 28.8-10).

“Ao cair da tarde daquele dia, o primeiro da semana, trancadas as portas da casa onde estavam os discípulos com medo dos judeus, veio Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco! E, dizendo isto, lhes mostrou as mãos e o lado. Alegraram-se, portanto, os discípulos ao verem o Senhor” (Jo 20.19-20).

“Falavam ainda estas coisas quando Jesus apareceu no meio deles e lhes disse: Paz seja convosco! Eles, porém, surpresos e atemorizados, acreditavam estarem vendo um espírito. Mas ele lhes disse: Por que estais perturbados? E por que sobem dúvidas ao vosso coração? Vede as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e verificai, porque um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que eu tenho. Dizendo isto, mostrou-lhes as mãos e os pés” (Lc 24.36-40).

Em primeiro lugar a natureza do corpo ressurreto de Cristo exigia Sua ascensão ao céu. O Seu corpo glorificado já não estava sujeito às leis e limitações terrenas, sendo já vivificado pelo Espírito Santo e pronto para Sua reentrada no céu.

IV. A PERSONALIDADE DE CRISTO

A personalidade de Cristo também exigia Sua ascensão. Como foi de ordem sobrenatural. Sua entrada neste mundo, mediante a encarnação no ventre de Maria, assim também devia ser de ordem sobrenatural Sua partida da terra para o céu.

V. A COROAÇÃO DA OBRA DA COROAÇÃO

A ascensão coroa a obra da redenção no céu. O plano de redenção foi posto em marcha quando Cristo deixou Seu lar celestial, habitando em excelsa glória com o Pai, para assumir forma humana mediante a encarnação. A obra de redenção efetuada por Jesus através da Sua morte e ressurreição é declarada completa ao voltar Ele ao Seio do Pai, evidenciando a plena realização do Seu ministério na terra. À destra do Pai, Jesus reassumiu sua posição de autoridade, para em seguida enviar sobre a Igreja o consolador prometido: o Espírito Santo (Jo 16.7), o que ocorreu no dia do Pentecostes (At 2.4).

Pr. Elias Ribas

pr.eliasribas2013@gmail.com.br