TEOLOGIA EM FOCO

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

OS FALSOS MINISTROS FALSIFICAM A PALAVRA DE DEUS



“Pelo que, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, não desfalecemos; pelo contrário, rejeitamos as coisas que, por vergonhosas, se ocultam, não andando com astúcia, nem adulterando a palavra de Deus; antes, nos recomendamos à consciência de todo homem, na presença de Deus, pela manifestação da verdade. Mas, se o nosso evangelho ainda está encoberto, é para os que se perdem que está encoberto, nos quais o deus deste século cegou o entendimento dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus. Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus como Senhor e a nós mesmos como vossos servos, por amor de Jesus” (2ª Co 4.1-5).

A palavra adulterar no gr. dolow doloo, significa: apanhar numa armadilha; corromper, adulterar.

A Bíblia é a verdade (Jo 17.17), a Palavra do Eterno Criador e a nossa única regra de fé, portanto ela não deve ser interpretada ao nosso bel prazer. Quando ensinamos com aberrações e enganos, estamos adulterando, corrompendo e falsificando o genuíno Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo.

A primeira vestimenta de um ministro de Deus é estar cingido da verdade. E a segunda é couraça da justiça.

“Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade e vestindo-vos da couraça da justiça” (Ef 6.14).

A palavra verdade no gr. aletheia, significa a verdade em qualquer assunto em consideração; que é verdade em coisas relativas a Deus e aos deveres do ser humano, verdade moral e religiosa; em verdade, de acordo com a verdade; a verdade tal como ensinada na religião cristã, com respeito a Deus e a execução de seus propósitos através de Cristo, e com respeito aos deveres do homem, opondo-se igualmente as superstições dos gentios e as invenções dos judeus, e as opiniões e preceitos de falsos mestres até mesmo entre cristãos; verdade como excelência pessoal; sinceridade de mente, livre de paixão, pretensão, simulação, falsidade, engano, sofisma.

Cegar no gr. tuphloo, que significa obscurecer a mente; embotar o discernimento mental. Como alguém que coloca uma venda nos olhos para não poder ver.

O deus deste século (Satanás) vedou, cegou, obscureceu o entendimento (a mente) dos seus ministros para que lhes não resplandeça a luz do evangelho. Por está razão o diabo usa seus ministros para enganar e corromper o Evangelho de Jesus para que não resplandeça a luz da Verdade.

Quando um ministro adultera o sentido da Palavra ele está deixando de ser verdadeiro, ou seja, ele não ensina a verdade segundo a Bíblia. Se ele prega seus sermões alterando, sem o verdadeiro sentido da Palavra; ele passa ser um mentiroso. E para estes a Bíblia é clara ao dizer que serão lançados no lago de fogo (Ap 21.8).

Uma das armas que o diabo usa através dos falsos ministros é a proibição do estudo sistemático da Bíblia. Qualquer pregador que despreza a hermenêutica bíblica é presa fácil para Satanás. Um pregador qualificado é difícil de se enganar. Mas o desqualificado está sem conhecimento e preparo. E sem o bom conhecimento o pregador pode mudar o verdadeiro sentido da Palavra de Deus e assim tornar um adúltero no sentido bíblico.


“Mas os que vivem de acordo com a verdade procuram a luz, a fim de que possa ser visto claramente que as suas ações são feitas de acordo com a vontade de Deus” (João 3.21).

“Se alguém fala, fale de acordo com os oráculos de Deus; se alguém serve, faça-o na força que Deus supre, para que, em todas as coisas, seja Deus glorificado, por meio de Jesus Cristo, a quem pertence à glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amém!” (1ª Pe 4.11).

Os dons são concedidos por Deus, não para vantagem pessoal, mas para cumprir Sua vontade no benefício de todos. Os oráculos de Deus (Rm 3.2; At 7.38) referem-se às Escrituras. No sentido aqui seria: “Fale como se as palavras fossem de Deus”, e seja Deus glorificado e não o homem.

“Porque nós não estamos, como tantos outros, mercadejando a palavra de Deus; antes, em Cristo é que falamos na presença de Deus, com sinceridade e da parte do próprio Deus” (2ª Co 2.17).

“Pelo contrário, rejeitamos as coisas que, por vergonhosas, se ocultam, não andando com astúcia, nem adulterando a palavra de Deus; antes, nos recomendamos à consciência de todo homem, na presença de Deus, pela manifestação da verdade” (2ª Co 4.2).

Sempre que o homem começa a escutar a si mesmo e deixa de escutar a Deus, sua versão da mensagem cristã ficará distorcida e inadequada. Sempre que se esquece de testar suas idéias e seus conceitos pela Palavra e pelo Espírito de Deus, produzirá uma versão da mensagem cristã que é sua e não de Deus. Se continuar fazendo assim, é bem possível que acabará amando mais seu próprio sistema do que a verdade de Deus.


Embora não cabe a nós separar o joio do trigo, mas cuidar do rebanho de Cristo contra os falsificadores da Palavra de Deus, é missão de um verdadeiro líder.

Dessa forma, o nosso compromisso com a verdade absoluta que é, e está na Palavra de Deus, não pode ser deixado de lado.

Se complementando entre si, a graça e o conhecimento formam bons soldados na fé, mas quando separados pelo manto da ignorância, o conhecimento pode passar a ser alimento de lobos, e a graça torna-se anêmica.

O falso líder tende a isolar as ovelhas de Cristo do alimento sólido que é a Palavra do Criador, ao mesmo tempo suprem o ego de seus seguidores com soberba e hipocrisia.


Pr. Elias Ribas
Igreja Evangélica Assembléia de Deus
Blumenau - SC