TEOLOGIA EM FOCO

sexta-feira, 12 de junho de 2009

EM QUE JESUS EU CREIO


“Indo Jesus para os lados de Cesaréia de Filipe, perguntou a seus discípulos: Quem diz o povo ser o Filho do Homem? E eles responderam: Uns dizem: João Batista; outros: Elias; e outros: Jeremias ou algum dos profetas. Mas vós, continuou ele, quem dizeis que eu sou? Respondendo Simão Pedro, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. Então, Jesus lhe afirmou: Bem-aventurado és, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue que to revelaram, mas meu Pai, que está nos céus. Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Dar-te-ei as chaves do reino dos céus; o que ligares na terra terá sido ligado nos céus; e o que desligares na terra terá sido desligado nos céus” (Mt 16.13-19).

Ao lermos o episódio descrito no texto, sobrevém uma questão perturbadora: será que cremos no Jesus correto? Mas como, se há só um Jesus verdadeiro? De fato, há quase dois mil anos, o homem que andava pelas regiões da Judéia e Galiléia, sempre acompanhado por doze discípulos, Homem Hábil nas escrituras, reto e íntegro, era chamado pelo nome de Jesus.

Pois quando esse Jesus perguntou aos seus discípulos pela visão que a opinião pública tinha dEle, ouve a resposta: Uns dizem: João Batista; outros: Jeremias, ou algum dos profetas. Se esta era a visão que a opinião pública tinha dEle, e se os discípulos reconheceram que Jesus realmente era o Cristo, o Filho do Deus vivo, convém cada um perguntar-se.

Em que Jesus eu creio?

Num Jesus João Batista? Num Jesus Elias? Ou em um Jesus algum dos profetas? Ou no Jesus, o Cristo, o Filho do Deus vivo?

I. Num Jesus João Batista?

João Batista ensinava com vigor sobre a necessidade de arrependimento e preparação para a vinda do Reino de Deus. Oferecia o batismo aos que estavam arrependidos. Pregou a lei ao rei Herodes, devido ao seu pecado, especialmente o pecado de adultério e acabou tendo a sua cabeça cortada.

Para muita gente Jesus é visto como alguém que prega a lei em toda a sua dureza, chamando de “raça de víboras” e, como João oferece o batismo. Recebe-se o batismo e, falando figuradamente, logo lhe é cortada a cabeça. Assim eles têm um Jesus “sem cabeça”, isto é, que já não exerce a influência em sua vida e em suas decisões. Aqueles que desprezam a Palavra de Deus, não se entregam a uma vida de oração e à prática da fé, é como se estivessem decepando a “cabeça” de suas vidas, Jesus Cristo.

É importante perguntar-se: Creio eu num cristo desses, num Jesus João Batista, de cabeça cortada, que não exerce influência em minha vida e em minhas decisões?

II. Num Jesus Elias?
Elias foi um dos sensacionais profetas de Deus no Antigo Testamento. Grandes realizações o acompanharam. Predisse seca e, após três anos e meio previu que voltaria a chover. Multiplicou farinha e azeite na casa da viúva de Sarepta, além de realizar outros milagres. Subiu ao céu num carro de fogo, conduzido por cavalos de fogo, sem Ter de experimentar a morte.

É muito elevado o número de pessoas e religiões adeptas do “Jesus Elias”. Ele é o Senhor da prosperidade. O seu slogan poderia ser: “Aceite a Jesus Elias como Senhor sobre sua vida e tudo irá mudar: saúde, relacionamentos, negócios, dinheiro, reputação”. A prosperidade e as vantagens não poderiam tardar aos adeptos desse Jesus Elias. Afinal, experimentar a glória já é um grande negócio. É unir o útil ao agradável.
Não quer dizer que cristãos não devam procurar progredir na vida. O problema é se eles procuram um Jesus do qual apenas precisam para resolver os seus problemas e prosperar na vida, esquecendo-se sempre mais daquilo que Jesus diz:

“Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me. Porquanto, quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a sua vida por minha causa, achá-la-á. Pois que aproveitará o homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?” (Mt 11.27).

III. Um dos profetas
Os discípulos ainda falaram a Jesus que o povo dizia que ele era um dos profetas que ressuscitou. Qualquer um deles. Os profetas eram sujeitos admirados enquanto estavam longe. Mas quando se aproximavam com mensagens, especialmente de condenação à práticas pecaminosas, passavam a ser odiados, perseguidos e muitos deles foram mortos. Os profetas do Antigo Testamento eram extremamente desagradáveis aos que pretendiam viver independentes de Deus. Diria-se hoje que eles violavam o “sagrado direito” de cada um fazer o que bem entende. Também seriam detestados hoje, não é verdade?

Quantas pessoas têm em Jesus nada mais que um dos profetas, que é visto como aquele que, quando vem, é para fazer represálias, tem mil e uma exigências e não passa de um desmancha-prazeres. Enquanto está longe é um bom camarada, mas quando se aproxima passa a ser inconveniente.

Quando a Palavra de Deus parece simpática a alguém, mas não passa disso e, na verdade, há receio de se aproximar de Jesus e da sua Igreja, e há indiferença ou negligencia em praticar a fé e o verdadeiro amor, Jesus é, nada mais nada menos, do que um dos profetas.

A pergunta feita inicialmente se reveste de grande importância para nossa reflexão: “Em que Jesus eu creio?”.

IV. Cristo, o Filho do Deus vivo
Os discípulos, tendo como porta-voz seu companheiro Pedro, reconheceram e confessaram que Jesus é o Cristo, o Filho do Deus vivo. Este é o Jesus verdadeiro. Este é o Salvador do mundo. Felizmente muitos crêem neste Jesus. Aquele que deve ocupar o 1º lugar no coração dos verdadeiros cristãos, pois não aceita uma posição secundária. Um Jesus que não deu fortuna a nenhum dos seus 12 discípulos e que carregou e sofreu sua cruz. Um Jesus, que, antes de fazer exigências aos homens, satisfez, Ele mesmo, as exigências de Deus, cumprindo todos os seus mandamentos.

Este é o verdadeiro Jesus que Deus Pai nos enviou. O verdadeiro Jesus Cristo que a Bíblia nos mostra e nos ensina. É o único que nos concede vitória sobre o pecado, a morte e o diabo. Aquele que pagou nossa grande dívida e que nos anuncia a absolvição de toda a culpa. O que esse Jesus, o verdadeiro Jesus, fez por nós nenhum outro poderia fazer. Isto é maravilhoso! Pena que os impenitentes, isto é, aqueles que não reconhecem e não se arrependem dos seus pecados, os fascinados pelas coisas do mundo, os que não pensam em ser servidos, não consigam perceber ao receber o grande presente que Ele nos oferece.

Mas, por outro lado, os tristes de coração, arrependidos dos pecados, que reconhecem sua fraqueza diante de Deus, percebem a doçura do perdão dos pecados, a maravilha da reconciliação com Deus, a satisfação do convívio com Deus, sua Palavra, sua Igreja. Reconhecendo o grande amor de Cristo, a graça do perdão e a certeza de que Ele os receberá junto de si nas mansões eternas, estes querem segui-lo com fidelidade e servi-lo com alegria, não importando o preço que será pago para tal – espontaneamente o desejarão fazer.
Este é o incentivo de Jesus: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me. Naturalmente isso não é fácil. Mas aquele que assim incentiva, também dará condições e forças para se poder cumprir a sua vontade.

O verdadeiro Jesus nós encontramos na Bíblia Sagrada. Daí a importância de lermos regularmente a Escritura, de ouvirmos sua mensagem e nela meditar. Fora da Palavra apenas se encontram “falsos jesuses”.
Se muitos ainda hoje crêem num Jesus João Batista, num Jesus Elias, num Jesus algum dos profetas, reconheçamos e creiamos no Jesus verdadeiro. Sigamo-lo com fidelidade, não importando as adversidades que possam surgir e sejamos suas testemunhas.

Certamente vai ser fantástico quando formos recebidos no céu e podermos dar um grande abraço e um grande beijo no rosto de Jesus e então viver com ele e com os seus anjos e todos os salvos para todo o sempre.

Não tem razão o apóstolo Paulo quando expressa o seu anseio: tenho o desejo de partir e estar com Cristo, o que é incomparavelmente melhor?

Para que isso suceda, o que sem dúvida será fantástico e maravilhoso, creiamos no Jesus verdadeiro e sigamo-lo com fidelidade até o fim para ouvirmos seu glorioso convite: Vinde, benditos de meu Pai entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo. Então podemos dar um grande abraço e um grande beijo em Jesus, estar e viver na sua companhia para todo o sempre. Amém.

Pr. Elias Ribas
Igreja Ev. Assembléia de Deus

Nenhum comentário:

Postar um comentário