TEOLOGIA EM FOCO

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

O TRIBUNAL DE CRISTO

O Tribunal de Cristo é o primeiro dos eventos das bodas do Cordeiro.

Pode parecer estranho que incluamos o Tribunal de Cristo nas bodas do Cordeiro, mas não devemos nos esquecer que, como salientamos acima, as bodas do Cordeiro são a celebração da vitória da Igreja e têm a duração de sete anos, como as bodas judaicas duravam sete dias. Deste modo, todo o período de sete anos deve ser considerado como o das bodas do Cordeiro.

Além do mais, o que, normalmente, é chamado de bodas do Cordeiro, as Escrituras denominam de ceia das bodas do Cordeiro (Ap 19.9), numa clara demonstração de que as bodas envolvem mais de um ato, entre os quais um deles é a ceia.

Reunida a Igreja, será iniciado o Tribunal de Cristo, pois todos os homens devem ser submetidos a julgamento, pois assim está ordenado (Hb 9.27)

I.   O SIGNIFICADO DO TERMO
O Tribunal de Cristo é a palavra grega “bema” que se refere a uma plataforma elevada de arbitragem e recompensa. É um local onde a vida e as obras do crente são examinadas. Quando os crentes estiverem diante do Tribunal de Cristo em Sua vinda, eles serão julgados de acordo com suas obras; de acordo com o seu caráter e a sua frutificação.O Tribunal de Cristo determina a recompensa ou a perda da mesma, e não a salvação, pois quem estiver diante do tribunal no mínimo receberá a salvação.

II.   QUANDO E ONDE SERÁ REALIZADO O TRIBUNAL DE CRISTO

O Tribunal de Cristo acontecerá depois do arrebatamento da Igreja. Será realizado nos céus. A Bíblia ensina que este julgamento será exclusivamente para os salvos arrebatados na vinda de Jesus. A questão da salvação já foi resolvida. Não será um julgamento para condenação ou salvação, será um julgamento para receber galardão conforme o que prometeu o Senhor Jesus: “E eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo para dar a cada um segundo a sua obra” (Ap 22.12).

O Tribunal de Cristo é o tempo em que a Igreja permanecerá no céu com o Cordeiro, para receber a recompensa pelo seu trabalho. Depois voltará com Ele a fim de inaugurar o Reino Milenar.

III.  ESTE TRIBUNAL É EXCLUSIVO DOS CRENTES

É comum ouvir, em nossas igrejas, que no fim do mundo haverá um julgamento conjunto dos justos e dos injustos, porém a Bíblia ensina de modo diferente.

Precisamos saber de antemão que o primeiro julgamento ocorreu no Calvário, já realizou-se. Neste julgamento Jesus foi julgado em nosso lugar, sofrendo o castigo do nosso pecado, a morte, para que pudéssemos ser salvos.

O segundo julgamento, deve ser realizado diariamente pelo próprio crente, olhando para sua própria vida, examinando seu viver. Neste juízo o juiz é o próprio crente. Por isso o cristão deve vigiar a si mesmo e iluminado pelo Espírito Santo deve examinar-se diariamente diante de Deus, quanto à sua submissão e lealdade ao Senhor.

Agora, no tribunal de Cristo, o crente será julgado como servo, isto é, quanto ao seu serviço prestado a Deus e o seu testemunho. Já foi dito que não se trata de julgamento dos pecados do crente. Não. Nossos pecados já foram julgados em Cristo, pela misericórdia e graça de Deus (2ª Co 5.21; Gl 3.13). Também não é um julgamento quanto ao nosso destino eterno. A nossa salvação não depende daquilo que fazemos para Deus, pois somos salvos pela graça e da obra redentora que Jesus consumou uma vez para sempre por nós (Hb 7.27).

IV.  A IGREJA PERANTE CRISTO

A Bíblia ensina que todos os crentes salvos terão um dia de prestar contas “Ante o Tribunal de Cristo”, de todos os seus atos praticados por meio do corpo, sejam bons ou maus.

“Porque todos devemos comparecer ante o Tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem ou mal” (2ª Co 5.10).


Bema; (no gr. agathon, “espiritual e moralmente bom ou útil aos olhos de Deus”) ou mal (gr. Phaulos, “sem valor, iníquo; inclusive egoísmo, inveja, e preguiça)”.

Segundo o trabalho que fizermos nesta vida, bem ou mal, receberemos ou não o galardão do Senhor. Agora trata-se da questão de recompensa, que será resolvida conforme a fidelidade ou infidelidade do crente, como mordomo da casa do Senhor. Todos os salvos estarão frente a frente com o Senhor Jesus Cristo, e de acordo com a Palavra de Deus que diz: “que não há encoberto que não seja revelado” (Hb 4.13; Mt 10.26).

Neste julgamento o Senhor avaliará o serviço de cada cristão. Não será tanto a quantidade, mas sim, a qualidade dessa obra.

Todos os participantes do arrebatamento terão suas vidas reveladas perante todo o céu, ou seja, pecados não confessados, erros não admitidos, pensamentos levianos, mau uso da liberdade cristã, falta de amor, etc.

O Juiz será o próprio Senhor Jesus, aquele cujo aspecto é descrito em Ap 1.13-17, o “Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus” (Jo 5.22). No evangelho segundo João Jesus diz: “E também o Pai a ninguém julga, mas deu ao Filho ‘todo o juízo” (2ª Tm 4.8) “justo juiz”.

Diante de Seu olhar coisa nenhuma será oculta. Bom será então que a pessoa hoje muito utilize o seu privilégio de auto-juízo! Amém!

V.   A BASE DO JULGAMENTO NO TRIBUNAL DE CRISTO


Neste julgamento todos os cristãos serão julgados, não haverá exceção. “Pois todos havemos de comparecer ante o Tribunal de Cristo. De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus” (Rm 14.10, 12).

Neste julgamento, o crente terá que prestar contas da sua fidelidade ou infidelidade a Deus.
“Além disso, requer-se dos despenseiros que cada um se ache fiel. Todavia, a mim mui pouco se me dá de ser julgado por vós, ou por algum juízo humano; nem eu tampouco a mim mesmo me julgo. Porque em nada me sinto culpado; mas nem por isso me considero justificado; pois quem me julga é o Senhor. Portanto, nada julgueis antes do tempo, até que o Senhor venha, o qual também trará à luz as coisas ocultas das trevas e manifestará os desígnios dos corações; e, então, cada um receberá de Deus o louvor” (1ª Co 4.2-6).

O cristão será julgado pela sua conduta.
“Se nós nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados” (1ª Co 11.31).

Será julgado pelo tratamento com o próximo.
“Mas tu, por que julgas o teu irmão? Ou tu, também, porque desprezas o teu irmão? Pois todos havemos de comparecer ante o Tribunal de Cristo” (Rm 14.10).

O cristão terá que prestar conta das suas práticas e ações, a oportunidade e o conhecimento que recebeu, os dons, talentos, enfim tudo o que de Deus recebeu.

As más ações do cristão, quando ele arrepende-se, são perdoadas no que diz respeito ao castigo eterno (Rm 8.1), mas são levados em conta quanto a sua recompensa (2ª Co 5.10).

As boas ações e o amor do cristão são lembrados por Deus e por Ele recompensados.
“Porque Deus não é injusto para se esquecer da vossa obra e do trabalho da caridade que, para com o seu nome, mostrastes, enquanto servistes aos santos e ainda servis” (Hb 6.10).

Cada um receberá do Senhor todo o bem que fizer.
“Servindo de boa vontade como ao Senhor e não como aos homens. Sabendo que cada um receberá do Senhor todo o bem que fizer, seja servo, seja livre” (Ef 6.7-8).

Na descrição de Paulo aos Coríntios ele compara as obras dos crentes feitas por motivos indignos comparando-se ao feno, palha e madeira, substância de fácil combustão, enquanto as obras realizadas no amor de Deus e pelo amor às almas são comparadas ao ouro, prata e pedras preciosas que resistem à prova de fogo (1ª Co 3.10-15).

Sofrerá a perda ou ganhará o galardão.
“Segundo a graça de Deus que me foi dada, pus eu, como sábio arquiteto, o fundamento, e outro edifica sobre ele; mas veja cada um como edifica sobre ele. Porque ninguém pode pôr outro fundamento, além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo. E, se alguém sobre este fundamento formar um edifício de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha, a obra de cada um se manifestará; na verdade, o Dia a declarará, porque pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um. Se a obra que alguém edificou nessa parte permanecer, esse receberá galardão. Se a obra de alguém se queimar, sofrerá detrimento; mas o tal será salvo, todavia pelo fogo” (1ª Co 3.10-15).

No Tribunal de Cristo toda obra será declarada um dia.
Nada ficará em oculto. Quando o cristão realiza um trabalho para honra e glória do Senhor Jesus, que é o fundamento de toda a nossa obra, ele assim está construindo um edifício de ouro, prata, pedras preciosas; mas quando o trabalho na obra é edificado sobre o seu nome e tudo circula em torno de si (Eu) e não para o Senhor Jesus, ele está construindo um edifício de madeira, feno e de palha, onde um dia o fogo queimará.

1. Embora salvo poderá ter uma grande perda:
  1. Sentimento de vergonha na vinda de Cristo (2ª Tm 2.15).
  2. Perda do trabalho que fez para Deus na sua vida.
  3. Perda da Glória e da honra diante de Deus (Rm 2.7).
  4. Perda de oportunidade de servir e autoridade nos céus (Ap 3.21).
  5. Posição inferior no céu (Mt 5.19).

VI.   QUAIS OS GALARDÕES QUE O SENHOR DARÁ AOS SALVOS?


1.      O próprio Jesus distribuirá os galardões.
Jesus tem um galardão ou recompensa para entregar aos fiéis. Ele não mandará um representante seu fazer isso, pois Ele mesmo disse: “E eis que venho sem demora, e comigo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras” (Ap 22.12).

2.      Tipos de Galardões.
Haverá diferentes tipos de galardões simbolizados por coroas, porque no mundo bíblico no Novo Testamento os galardões que os vencedores recebiam nas olimpíadas gregas (o termo vem de olimpo, o monte sagrado dos deuses). Uma coroa de ouro era conferida aos vencedores. Paulo faz menção disso em 1ª Co 9.24-25.

A. A coroa da vida. “Bem-aventurado o varão que sofre a tentação; porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam. “Nada temas das coisas que hás de padecer. Eis que o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais tentados; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até a morte, e dar-te-ei a coroa da vida” (Ap 2.10).

B. A coroa de Glória. Esta é para os ganhadores de almas. “Apascentai o rebanho de Deus que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho. E, quando aparecer o sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa de glória” (1ª Pe 5.2-4- outras referências Fl 4.1; Dn 12.3;1ª Ts 2.19; Pv 11.30).

C. A coroa da justiça. “Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia: e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda” (2ª Tm 4.8).

D. A coroa incorruptível. “E todo aquele que luta de tudo se abstém; eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, uma incorruptível” (1ª Co 9.25).

O crente nesta vida precisa batalhar pela fé e trabalhar sem cessar pela causa do Mestre, porque a nossa recompensa não será nesta terra, mas no céus. “Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus” (Mt 5.12) “Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa” (Ap 3.11).

VII.  CONSIDERAÇÕES FINAIS NO CÉU

1.      Seremos vestidos de vestes brancas Ap 3.5.
Isso ocorrerá logo após o arrebatamento, essa será a roupa que usaremos no céu com Jesus. O branco representa as justiça e a santidade dos salvos.

2.      Ao que vencer, eu o farei coluna Ap 3.12.
Isso prova-nos que nunca sairemos do céu para habitar outra vez na terra no meio de sofrimento e dor. Essa promessa só irá cumprir-se definitivamente depois do arrebatamento, quando todos os que vencerem estiverem juntos para sempre.

3.      Ao que vencer se assentará com Jesus em seu trono Ap 3.21.
Quando todos os salvos estiverem juntos no céu, então, iremos assentar-nos com Jesus no seu trono de Glória.

4.      Iremos comer da árvore da vida, que está no meio do paraíso de Deus: Ap 2.7.
Depois de tudo consumado por Deus em seu plano de salvação e o número dos salvos completarem-se, então o Senhor levará a todos a comer da árvore da vida, para que vivamos para sempre, pois a partir deste momento morte para os salvos não existirá.

5.      Não recebermos o dano da 2ª morte: Ap 2.11.
A segunda morte está relacionada à condenação eterna, para nós não existirá a segunda morte, pois estaremos com o Senhor para sempre. Quem subiu no arrebatamento escapou da segunda morte.

6.      Iremos comer do maná escondido e receber um novo nome escrito em uma pedra branca: Ap 2.17.
Isto ocorrerá logo após a entrega dos galardões. O galardão que o Senhor dará como recompensa pelo trabalho a Deus será utilizado no reinado de Cristo aqui na terra, pois quem precisa de coroa a não ser para participar de um reinado, e isto fica bem claro se compararmos as promessas de Cristo como recompensa conforme abaixo:

A. Reinarão com Ele mil anos (Ap 20.6).
B. E dar-lhe-ei poder sobre as nações (Ap 2.26-28).
C. E concederei que se assente comigo no meu trono (Ap 3.21).
D. E dar-te-ei a coroa da vida (Ap 2.10).

Isso ocorrerá quando o Senhor implantar o Milênio sobre a terra e reger as nações com varas de ferro, nós estaremos também exercendo poder sobre as nações concedidas pelo Senhor.

Pr. Elias Ribas