TEOLOGIA EM FOCO

quinta-feira, 17 de julho de 2014

SINAIS DA VOLTA DE JESUS - NA ÁREA MORAL

1. Drogas. A Organização Mundial da Saúde declarou que o mundo está sob os efeitos de uma epidemia de tabagismo, drogas e alcoolismo. No Brasil, o número de fumantes está aumentando 9% ao ano. O alcoolismo com seu efeito destruidor têm ceifado centenas de vidas; a droga então nem se fala, hoje você encontra até nos bares. O que será deste mundo?
Os governos no mundo inteiro não conseguem controlar o consumo de droga que cada dia vai aumentando assustadoramente. As drogas estão ceifando vidas jovens, alcançam adolescentes e penetram nas escolas: em 45% das escolas públicas do Brasil há tráfico de drogas. Pesquisa realizada pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas do Rio (Nepad) concluiu que 27 mil estudantes de escolas públicas do Rio usam drogas com frequência. “Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem impuros... nem bêbados herdarão o reino de Deus” (1ª Co 6.9-10).

2. O amor livre. Nunca o homem esteve tão perto de uma peste social como vemos hoje em nossos dias. Esta peste corrompe a moral e a disciplina, atributos colocados por Deus em nossas vidas. Com a imoralidade posta em nossas ruas, a pouca vergonha tem aumentado assustadoramente.
Em nossos dias, a promiscuidade sexual e a maldade dos homens alcançaram níveis insuportáveis. O sistema mundial está falido, e não podia ser de outra maneira porque “o mundo jaz no maligno” (1ª Jo 5.19). Satanás é o deus deste mundo, e na sua ação devastadora ele deseja “matar, roubar e destruir”. Satanás é o maior inimigo do homem porque o homem é a obra-prima de Deus. Quando os homens se rebelam contra Deus, ficam automaticamente sob o domínio do maligno e, nesta condição, os desejos carnais predominam: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, iras, pelejas, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias (Gl 5.19-21).

A Palavra de Deus relata a decadência moral em nossos dias. O apóstolo Paulo em sua carta aos Romanos escreve dizendo: “Pelo que Deus os abandonou às paixões infames. Porque até suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. E semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram com os outros, homens com homens, cometendo torpeza (procedimento indigno), e recebendo em si mesmo a recompensa que convinha ao seu erro. E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, Ele os entregou a um sentimento pervertido, para fazerem coisas inconvenientes. Estão cheios de toda iniquidade, prostituição, malícia, avareza, maldade, engano e malignidade” (Rm 1.26-29).
Evidentemente que o desvio do homem mundano começa com sua rejeição ao Criador e consequentemente a troca na adoração. O Deus que merece a total reverência do homem, é substituído pelas coisas criadas. Daí, este ser humano, incapaz de reconhecer os reais valores em sua busca de Deus, desce a um nível animalesco, com práticas devassas, espúrias, que nem mesmo entre os animais são encontradas.

Nestes últimos dias a humanidade tem abandonado Deus e se entregado a imoralidade. É por isso que Deus as entregou as paixões infames. A terrível verdade que os homens continuam a rejeitar a Deus, e Ele as abandona devido a ações cada vez mais imorais e autodestruidoras, e as recompensas destrutivas resultantes da promiscuidade, sejam físicas, emocionais e espirituais.

Quanto à imoralidade, parece não ter importância nenhuma, parece que a população já se acostumou a conviver com isto sem perceber o prejuízo que vem causando á humanidade.

Isto se chama incontinência. Esta é a doença que faz com que as pessoas não tenham domínio de si mesmas, isto é, não conseguem refrear seus impulsos naturais dominados pelo pecado. A Bíblia adverte enfaticamente acerca desta condição pecaminosa. A Palavra de Deus nos adverte a fazermos tudo em moderação (Gl 5.22; 2ª Tm 1.7). Porém, muitas vezes a incontinência leva as pessoas a rejeitarem a Deus, entregando-se à libertinagem, à prostituição e aos vícios infames.

O homossexualismo tem crescido assustadoramente em todo o mundo, superando mesmo as cidades de Sodoma e Gomorra. Os meios de comunicações, em grande número, estão sendo usados para cultuar a pornografia, a prostituição, o sexo livre e todo o tipo de imoralidades. As entidades educadoras não estão dando mais ênfase ao ensino religioso, mas ensinam os jovens de hoje a usar a camisinha. Infelizmente nossos governantes criam e aprovam leis que enfatizam a toda sorte de imoralidade.  Cremos que os dias que estamos vivendo são piores que os dias de Noé e de Ló.
E hoje já não há preconceitos na sociedade, tudo pode, ou seja, os homens já se acostumaram com o pecado. O homem justo já sente vergonha de si mesmo.

Uma jornalista americana, recentemente, descreveu o estado decadente do mundo com as seguintes palavras: “Uma geração que se afundou na pornografia, violência, profanação, abuso de sexo e drogas. Há uma tragédia que envolve milhares de adolescentes grávidas, pois as clínicas de aborto estão proliferando assustadoramente”.

Recentemente, devido a um escândalo ocorrido, a mídia publicou matérias referentes a uma seita que através de fotos de revistas pornográficas mostradas pelos líderes e dirigentes, incitando os devotos, na maioria menores de idade, a praticarem sexo explícito, com pretexto de ser relações com divindades. É necessário dizer que todos os que cometem torpeza ficarão fora do reino de Deus (1ª Co 6.9-10 Gl 5.19-21; Ap 21.8; Ap 22.15).

Na revista Isto É, de 16 de Novembro/2005 Nº 1883, traz uma reportagem dizendo que cerca de 1.700 padres e até bispos da igreja Católica estão envolvidos em crimes sexuais.

Segundo o Padre Alberto ele moveu uma ação contra o Bispo Antônio Sarto denunciando ao Vaticano que no dia em que o Bispo Antônio Sardo ordenou Alberto Mendes Pereira, a Padre, na mesma noite o levou ao seu quarto, trancou a porta e tentou agarrá-lo a força. E todos estes abusos são conhecidos do Vaticano, porém este clero ministerial é flexível a este tipo de imoralidade (Revista Isto É de 16 de Novembro /2005 Nº 1883).

A revista Isto é, publicou uma noticia dizendo que: “um homem (nome não revelado) morreu nos EUA num sítio frequentado exclusivamente por zoófilos (pessoas que fazem sexo com animais). Ele fez-se sodomizar por um cavalo! Diz a revista que o homem teve o cólon e alguns órgãos dilacerados e morreu de hemorragia interna. “Do médico legista aos investigadores, ninguém jamais viu algo semelhante”, disse o chefe de policia Erik Sortland. Além de cavalos, o sítio do zoófilos possui cabras, ovelhas e cães. Este sítio situa-se no Estados de Washington, onde a zoofilia não é proibida pelo Código Penal” [Revista Isto é, - 27/07/2005, Nº 1867].

Este tipo de procedimento ilícito depravado e promíscuo Deus proibiu para os que estavam caminhando em direção a terra prometida (Êx 22.19; Êx 18.23). Hoje não caminhamos para chegar a lugar terrestre, mas caminhamos para chegar a uma pátria celestial. Portanto, para chegarmos lá precisamos estar com nossas vidas puras e limpas diante do Criador.

A crise moral é a luta sem sucesso para manter o pudor. A sociedade sofre de imoralidade crônica. Uma gravidez fora do casamento, que era raro acontecer, hoje é comum e parece não ter importância nenhuma; crianças de doze e treze vendendo seu corpo e mais, muitas delas engravidam com esta idade.

A estatística hoje diz, que em cada família existe: um drogado ou um homossexual, ou um aidético. São as consequências do pecado imoral da humanidade, que cada vez distancie de Deus.

Nos ensinos de Paulo ele adverte-nos dizendo: “Fujam da imoralidade sexual! Qualquer outro pecado que alguém comete não afeta o corpo, mas a pessoa que comete imoralidade sexual peca contra o seu próprio corpo” (1ª Coríntios 6.18).

3. A perda do amor fraternal.

 “E, por se multiplicar a iniquidade, o amor se esfriará de quase todos” (Mt 24.12).
Os dias que antecederão a segunda vinda de Jesus serão marcados por sensível aumento da iniquidade sobre o mundo. As pessoas estarão, nesse tempo, mais propensas a certas enfermidades do espírito tais como egoísmo, perversão e crueldade.

Como grande parte do povo brasileiro acompanhou o caso da menina Isabela de 5 anos, que no dia 29 de Março 2008 foi brutalmente maltratada, espancada, sufocada por 3 minutos e por fim jogada no chão do sexto andar de um edifício no estado de São Paulo. Acreditamos que se tivéssemos um animalzinho de estimação e caso tivesse morrido em nossa casa ou apartamento, não faríamos o que fizeram com a menina Isabela. Isto é um crime bárbaro, maldoso, bestial que não se faz nem com um animalzinho irracional quanto mais com uma criança indefesa.
A iniquidade tem se multiplicado no mundo e a sociedade moderna já está conformando com este fato. Escândalos de toda a natureza têm aumentado. Ouvimos muito sobre corrupção e escândalos no âmbito político. A crise política é aquela que vemos os governantes num emaranhado sem saída, contrariando e contraindo mais dividas, gerando mais impostos, desemprego, miséria, fome e até em muitos lugares culminando em guerra civil.
Um aumento incrível da imoralidade, desrespeito e rebeldia contra Deus e abandono dos princípios morais caracterizará os últimos dias. A perversão sexual, a fornicação, o adultério, a pornografia, as drogas, músicas imorais, e as diversões sexuais e a imaginação através do pensamento do coração humano será má continuamente. Podemos ver que o homem se acostumou com a iniquidade.
Para perverter o sexo, assim como foi nos dias de Ló, quando o homossexualismo e todos os tipos de perversão sexual saturaram a sociedade. O Senhor Jesus nos diz em Sua Palavra que toda essa depravação fará minguar o verdadeiro AMOR.

4.  A maldade e imoralidade crescente.
Nos ensinos de Jesus, Ele mostra-nos que na Sua segunda vinda a este mundo estaríamos vivendo como os dias de Ló e de Noé:
“Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca,  e não o perceberam, senão quando veio o dilúvio e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do Homem” (Mt 24.38-39).
Os primeiros versos de Gênesis 6 descrevem a corrupção dos homens nos dias antediluvianos, dias quando os seus pensamentos eram maus continuamente. Vendo Deus que “a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente”, e que “a terra estava cheia de violência”, imoralidade e a injustiça entristeceu-se e resolveu destruir a raça humana, menos a família de Noé, com a qual perpetuaria o mundo. No meio de tão violento juízo, lembrou-se Deus da misericórdia oferecendo a Noé um meio de escape, a arca que o salvou.
A palavra “violência” no hebraico é chamac, que significa “injustiça, ser violento com, tratar violentamente”.

O dilúvio só aconteceu em virtude da depravação humana e da violência.

“A terra estava corrompida à vista de Deus e cheia de violência. Viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque todo ser vivente havia corrompido o seu caminho na terra. Então, disse Deus a Noé: Resolvi dar cabo de toda carne, porque a terra está cheia da violência dos homens; eis que os farei perecer juntamente com a terra” (Gn 6.11-13).
A violência, a droga, assassinatos, roubos têm se multiplicado. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), morrem por ano em todo o mundo 1,6 milhões de pessoas, vítimas pela violência globalizada além de outras milhões de pessoas mutiladas por ataques.

A violência está em todo o lugar independente de raça posição social, religião, sexo e idade. O sequestro por exemplo, é uma das mais cruéis formas de violência, deixa sequelas psicoemocionais irreversíveis em indivíduos.

Nas sociedades globalizadas há violência doméstica envolvendo crianças e adolescentes, todavia o mais comum é contra a mulher: violência psicológica, assédio sexual, lesão corporal que é chamada de agressão física, cárcere privado, estupro. Os profetas Jó e Oséias proclamavam:

“A terra está entregue nas mãos dos perversos; e Deus ainda cobre o rosto dos juízes dela; se não é ele o causador disso, quem é, logo?” (Jó 9.24).

“O que só prevalece é perjurar, mentir, matar, furtar e adulterar, e há arrombamentos e homicídios sobre homicídios. Por isso, a terra está de luto, e todo o que mora nela desfalece, com os animais do campo e com as aves do céu; e até os peixes do mar perecem” (Os 4.2-3).

[...] Os governos mundiais estão atônitos, numa sensação arrepiante de pavor pelo crescente aparecimento da crueldade e desprezo pela vida de outrem. O salmista Asafe relata este episódio: “..pois os lugares tenebrosos da terra estão cheios de moradas de violência” (Sl 74.20). [Leão Carlos. O rei Está Voltando. Pg. 11-15].

Nos dias de Noé e de Ló as pessoas estavam despreocupadas, envolvidas no materialismo, corrupção, imoralidade, orgias e escândalos. “...comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento...”.

O mundo da época estava cheio de iniquidade a ponto de zombarem de Deus. Haviam esquecidos que existe um Criador um Deus soberano. Esta situação levou Deus a destruir os habitantes da terra nos dias de Noé. Cento e vinte anos foram o prazo que DEUS deu a geração de Noé para o arrependimento, e embora Noé, o pregoeiro da justiça advertisse o povo da aproximação do dilúvio, sua advertência não foi ouvida. Pouca atenção deu-lhe à admoestação.

“O mesmo aconteceu nos dias de Ló: comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam; mas, no dia em que Ló saiu de Sodoma, choveu do céu fogo e enxofre e destruiu a todos. Assim será no dia em que o Filho do Homem se manifestar” (Lc l7.28-30).
[...] Conforme as Sagradas Escrituras, o motivo que levou Adonai a destruir as cidades de Sodoma e Gomorra vindo do céu fogo, foi a vida dissoluta de seus moradores. Homens abomináveis, ingratos, sem afeição natural, praticavam uma vida dissoluta, era blasfemos e sanguinários, muito apegados a bens materiais (cobiça), possuem olhares lascivos, além é claro, de serem grandes pecadores, sem limite de pecar, indivíduos devassos, nutriam desprezo ou versão às mulheres. Os moradores destas cidades, não somente praticavam sexo abominável (homens com homens, e mulheres com mulheres) como também eram perversos, sem piedade para com os bons. Ló vivia afligido pelo procedimento libertino destes habitantes. [Leão Carlos. O rei Está voltando. Pg. 53].
Assim como aconteceu uma destruição nos dias de Noé, onde Deus mandou chuvas quarenta dias e quarenta noites sobre a face da terra, e todos pereceram por causa do pecado, exceto Noé e sua família que obedeceram à voz do Senhor Deus, e também para Sodoma e Gomorra onde Deus mandou fogo e enxofre, salvando apenas a família de Ló, também haverá um grande juízo sobre a terra devido à multiplicação do pecado.

Nos dia de Noé Deus preparou uma arca para salvá-los; e para Ló e sua família Ele enviou dois anjos com a ordem de afastarem-se urgentemente da cidade. Porém, hoje Deus não vai construir uma barca e nem mandar Seus anjos para nos avisar, pois Ele já enviou o Seu Filho Jesus, para salvar todo aquele que Nele crê (Mc 16.16).
Deus avisou o povo antediluviano por intermédio de Noé que viria uma destruição em massa. Agora Ele adverte através de Sua Palavra. Os sinais que estão registrados nela nos mostram que Jesus está vindo buscar um povo Seu zeloso e de boas obras. Quem estiver preparado subirá em júbilo, mas os despreparados ficarão em grande agonia para o Anticristo.

Pr. Elias Ribas

Nenhum comentário:

Postar um comentário