TEOLOGIA EM FOCO

quarta-feira, 26 de julho de 2017

AS BENÇÃOS CELESTIAIS


Efésios 1.3-14: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo, 4 assim como nos escolheu (elegeu), nele, antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor 5 nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade, 6 para louvor da glória de sua graça, que ele nos concedeu gratuitamente no Amado, 7 no qual temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça, 8 que Deus derramou abundantemente sobre nós em toda a sabedoria e prudência, 9 desvendando-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito que propusera em Cristo, 10 de fazer convergir nele, na dispensação da plenitude dos tempos, todas as coisas, tanto as do céu como as da terra; 11 nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade, 12 a fim de sermos para louvor da sua glória, nós, os que de antemão esperamos em Cristo; 13 em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa; 14 o qual é o penhor da nossa herança, até ao resgate da sua propriedade, em louvor da sua glória.

INTRODUÇÃO. Depois de saudar os irmãos, Paulo agradece a Deus pelas suas bênçãos espirituais em Cristo. Observe que Paulo dá graças pelas bênçãos espirituais “nas regiões celestiais” e não por bênçãos TERRENAS. Cristo morreu para tornar os homens ricos espiritualmente, não fisicamente. As bênçãos espirituais são encontradas “em Cristo” e não no mundo, na igreja ou no pastor. Fora de Cristo, realmente não há bênçãos, somente bens físicos, que perecerão quando morrermos.
No contexto acima o apóstolo Paulo começa a listar algumas das bênçãos:

I. A BENÇÃO DO PAI
Na perícope (no verso 4 e 5), há dois termos que precisam ser examinados. O primeiro no versículo 4 (elegeu) e o segundo no versículo 5 (predestinar).
Perícope é um termo grego que significa “cortar ao redor”, ou seja, uma parte destacada de um texto, para ser analisada e estudada em separado.
V. 4.Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor”.

1. Nos elegeu. Eleger no gr. “ekseleksato de eklegomai” que significa selecionar ou escolher.
Ek: tirar.

2. Escolheu: Do verbo escolher; do grego proginosko;é o ato de escolher; nomear; nomear;
Kaleo: Chamar.
Ekle é a raiz da palavra Ekklesia; chamados para fora.
A eleição dos santos é um assunto que sempre teve e sempre terá muitos opositores, visto ser mal compreendida, distorcida e contrariada pela mente carnal. Não obstante, é um princípio fundamental da obra redentora de Cristo e de Sua Maravilhosa Graça Salvadora. Ela é a expressão da Soberania de Deus, de Sua Graça e de Seu Amor Infinito para com a humanidade, porém, como já dita, mal compreendida.
O ato da eleição deu-se “antes da fundação” do mundo ou seja antes do primeiro instante da criação (a palavra “fundação” refere-se, comparativamente, ao momento em que se dá a fecundação do óvulo no ventre materno). A eleição é a resposta de Deus aos desastres das Suas criaturas. Pela eleição Deus preveniu-se contra o pecado sendo os eleitos revestidos de características capazes de contrariar o progresso do pecado e da derrocada da criação. E mais que isso viabilizar o progresso dos propósitos divinos pela eternidade futura.

1.1. Nos elegeu pela sua presciência.
1ª Pe 1.2: “Eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo: Graça e paz vos sejam multiplicadas”.
Presciência, é conhecer de antemão, conhecer o futuro; saber os fatos antes de acontecer. Pela Onisciência Deus conhece todas as coisas de antemão. Precisamos entender que, antes da predestinação vem a presciência de Deus. Em Sua Presciência Deus conhece o coração de todos os homens e estabelece a eleição de todos aqueles que n’Ele crerem.
Outro detalhe que precisamos levar em consideração é que Deus habita no tempo Kayrós (tempo de Deus, eternidade) e os homens no tempo Khronos (tempo cronológico).
Fora do Khronos, na eternidade (Kayrós), Deus já realizou a Sua obra redentora, visto que Salomão em Eclesiastes registrou:
“O que é já foi; e o que há de ser, também já foi...” (Ec. 3.15).
Em outras palavras, o presente, passado e futuro estão na eternidade e na eternidade de Deus já aconteceram.
É necessário notar ainda em Rm 8.30 que os verbos se encontram no Pretérito perfeito simples:
“... e os que justificou, e estes glorificou” (v.30b).
Isso nos indica que Paulo, inspirado pelo Espírito Santo e não movido pela sabedoria humana, nos apresenta o plano divino como já realizado, pois, para Deus não existe o fator tempo, Ele ocupa a Eternidade, que não tem começo nem fim.

1.2. Nos elegeu antes da fundação do mundo.
Em sua sabedoria, Deus planejou salvar o homem em Cristo “antes da fundação do mundo”, mesmo antes que o homem tivesse cometido o primeiro pecado.

1.3. Nos elegeu n’Ele em Jesus Cristo (v.4).
2ª Tm 2.10: “Portanto, tudo sofro por amor dos escolhidos, para que também eles alcancem a salvação que está em Cristo Jesus com glória eterna”.
É a determinação soberana de Deus na qual Ele nos deu Sua graça salvadora sem olhar para qualquer mérito nos recipiente.
V. 6: “...para louvor da glória de sua graça, que ele nos concedeu gratuitamente no Amado...”.

1.4. Nos elegeu com um propósito.
Deus selecionou um povo especial em Cristo, justamente como selecionou a nação especial dos judeus, em Abraão (Êx 19.5-6).

A. Nos elegeu para sermos santos. Ele nos selecionou com uma meta: “para sermos santos e irrepreensíveis”. Aqueles que estão em Cristo foram perdoados de seus pecados e deverão viver de tal modo que não pequem mais.
1ª Pedro 2.9: Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz”.

B. Nos elegeu para proclamar as Boas Novas de salvação ao mundo perdido.
Somos geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para um determinado propósito: “...para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz”.

1.5. Nos elegeu para vivermos em amor uns com os outros (v. 4).
“Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor”.

2. NOS PREDESTINOU
V. 5. “E nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade”.
O verbo grego traduzido como “predestinar” é proorizo, significa, literalmente, “determinar de antemão, predeterminar, preordenar”.

2.1. O Pai predestinou a salvação em Jesus. Jesus nos chamou e nos justificou.
Romanos 8.29-30: “Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. 30 E aos que predestinou a estes também chamou; e aos que chamou a estes também justificou; e aos que justificou a estes também glorificou”.
O Pai pela sua presciência sabia que o homem iria pecar; por isso ele predestinou a nossa salvação, ou seja, preparou de antemão o plano de salvação em Jesus Cristo. Por esta razão o Pai enviou o Seu filho ao mundo para aquele que nele crê não pereça mas tenha a vida eterna.
João 3.16-18: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. 17 Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. 18 Quem crê nele não é julgado; mas quem não crê, já está julgado; porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus”.
A Bíblia deixa bem claro que é de vontade de Deus que todos os homens sejam salvos e que cheguem ao arrependimento, e não deseja que ninguém se perca:
“Porque a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens” (Tt 2.11).
Todavia, haverá aqueles que resistirão a graça de Deus e rejeitarão a Cristo como Salvador:
“Aquele que me rejeita e não acolhe as minhas palavras tem quem o julgue; a Palavra que proclamei essa o julgará no último dia” (Jo 12.48).
Rejeitar a graça de Deus é lutar contra a obra da salvação realizada através do Espírito Santo de Deus:
“Todavia digo-vos a verdade, que vos convém que eu vá; porque, se eu não for o Consolador não virá a vós; mas, quando eu for, vo-lo enviarei. E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo” (Jo 16.7-8).
O homem pode até resistir ao Espírito Santo e não ser salvo, porém, não tem condição alguma em influenciar em sua própria salvação, pois, ela é obra única e exclusiva de Deus:
“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus...” (Ef 2.8).
“Que nos salvou e nos chamou com uma santa vocação, não em virtude das nossas obras, mas por causa da sua própria determinação e graça” (2ª Tm 1.9).
A estes, aos que creem no seu nome, Deus em sua presciência, os elegeu desde o princípio para a salvação:
“Mas devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados do Senhor, por vos ter Deus elegido desde o princípio para a salvação, em santificação do Espírito, e fé da verdade” (2ª Ts 2.13).

2.2. O convite de Jesus.
A. Primeiro lugar Ele nos chama.
Chamar é um verbo grego Kaleo. Significa chamar em alta voz.
O convide de Jesus não é seletivo, mas para todos os homens. “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei” (Mt 11.28).
Deus chama o homem para desfrutar de uma porção especial no Seu evangelho.
Is 55.1-3 “Ó VÓS, todos os que tendes sede, vinde às águas, e os que não tendes dinheiro, vinde, comprai, e comei; sim, vinde, comprai, sem dinheiro e sem preço, vinho e leite. 2 Por que gastais o dinheiro naquilo que não é pão? E o produto do vosso trabalho naquilo que não pode satisfazer? Ouvi-me atentamente, e comei o que é bom, e a vossa alma se deleite com a gordura. 3 Inclinai os vossos ouvidos, e vinde a mim; ouvi, e a vossa alma viverá; porque convosco farei uma aliança perpétua, dando-vos as firmes beneficências de Davi”.

B. O pecador precisa tomar uma decisão.
Ap 3.20:Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo.”
Se alguém ouvir a minha voz. Se o pecador arrepender-se e converter-se.
E abrir a porta.
Entrarei em sua casa. Eu me manifestarei a ele, curarei todas as suas fraquezas, perdoarei todas as suas iniquidades, e amá-lo-ei livremente.
E com ele cearei. Manterei comunhão com ele, alimentá-lo-ei com o pão da vida.
E com ele comigo. Levá-lo-ei finalmente a habitar comigo na glória eterna.

2.2. Ao aceitarmos o convite de Jesus somos recebidos como filhos de Deus por adoção em Jesus Cristo.
Os cristãos são filhos de Deus por adoção. A adoção é sempre questão de escolha pessoal, enquanto o filho que vem pela natureza tem que ser aceito quando vem. Deus “predestinou” alguns deles para adoção. Ele determinou desde antes do começo do mundo que adotaria todos os que estão em Cristo. A adoção por Deus não é apenas uma adoção por acaso. É uma escolha feita “por meio de Jesus Cristo”. Se respondemos em obediência ao evangelho de seu Filho, Deus nos adota.
Jo 1.12: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome”.
A. Éramos criatura, mas em Cristo Jesus somos filhos.
B. Estamos mortos em nossos delitos, mas em Cristo Jesus fomos vivificados.
Efésios 2.5: “Estando nós ainda mortos em nossos delitos, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos)”.
Colossenses 2.1: E, quando vós estáveis mortos nos pecados, e na incircuncisão da vossa carne, vos vivificou juntamente com ele, perdoando-vos todas as ofensas”.
Efésios 2.1: “E vos vivificou, estando vós mortos em ofensas e pecados”.

2.3. “No qual também fomos feitos herança” (1.11). Os filhos adotados receberão a mesma herança que Cristo, o filho legítimo e primogênito.
Romanos 8.14-17: “Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus esses são filhos de Deus. 15 Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes em temor, mas recebestes o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai. 16 O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. 17 E, se nós somos filhos, somos logo herdeiros também, herdeiros de Deus, e coerdeiros de Cristo: se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados”.

2.4. Quando recebemos Jesus como nosso Senhor:
A. Guiados pelo Espírito Santo (15).
B. Passamos ser filho de Deus. “O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus” (16).
C. Somos filhos por adoção. “...mas recebestes o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai”.
D. Somos herdeiros e coerdeiros em Cristo Jesus.
F. E seremos glorificados em Cristo Jesus.

2.5. A salvação vem do Senhor.
Sem ajuda divina nenhum homem poderia jamais ser salvo.
Isaías 59.16: “Viu que não havia ajudador algum e maravilhou-se de que não houvesse um intercessor; pelo que o seu próprio braço lhe trouxe a salvação, e a sua própria justiça o susteve”.
Rm 5.6: “Porque Cristo, quando nós ainda éramos fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios”.
Jo 6.37: Todo aquele que o Pai me dá, esse virá a mim; e o que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora.
Jo 6.39-40: “E a vontade de quem me enviou é esta: que nenhum eu perca de todos os que me deu; pelo contrário, eu o ressuscitarei no último dia. 40 “De fato, a vontade de meu Pai é que todo homem que vir o Filho e nele crer tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia”.
Jo 6.44: “Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia”.
Conforme a resposta positiva que Deus vê no coração do homem em aceitá-lo, ele restaura, liberta, perdoa e transforma o homem numa nova criatura.

II. A BENÇÃO DO FILHO

1. Em Jesus temos a redenção. “Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça” (v.7).
Redenção no grego lutroô, significa: livramento, resgate, libertação mediante o pagamento de uma soma.
Redenção segundo o dicionário português é o ato ou efeito de redimir ou remir, que significa libertação, reabilitação, reparo, salvação. É o ato de adquirir de novo, de resgatar, de tirar do poder alheio, do cativeiro. É livrar-se de um passo arriscado, é livrar-se das penas do inferno. Neste caso, o valor infinito do sangue vertido de Cristo é eficaz para remir os nossos pecados.

2. Redenção é o resgate da humanidade por Jesus Cristo. No conceito Cristão os privilégios da redenção incluem o perdão dos pecados (Efésios 1:7), a justiça (Romanos 5:17) e a vida eterna (Apocalipse 5: 9,10).
Deus perdoa os pecados dos filhos adotados porque Jesus morreu para sofrer o castigo por eles.
Colossenses 1.14: “Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a saber, a remissão dos pecados”.
Romanos 3.24: “Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus”.

2.1. “Desvendando-nos o mistério da sua vontade” (1.9). Ninguém pode conhecer a mente de Deus a menos que ele resolva revelar seus pensamentos (veja 1ª Coríntios 2.9-13). Em Cristo sua vontade é revelada.

III. BENÇÃO DO ESPÍRITO

V. 11-14: Com o fim de sermos para louvor da sua glória, nós os que primeiro esperamos em Cristo; 12 Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa; 13 O qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão adquirida, para louvor da sua glória. 14 Por isso, ouvindo eu também a fé que entre vós há no Senhor Jesus, e o vosso amor para com todos os santos”.

1. Selo do Espírito. “Fostes selados com o Santo Espírito da promessa” (13).
O selo no V.T. era a circuncisão. Era no prepúcio do homem, era uma marca na carne.
No N. T. é no coração.
Rm 2.28-29: “Porque não é judeu quem o é apenas exteriormente, nem é circuncisão a quem é somente na carne. Porém, judeu é aquele que o é interiormente, e circuncisão, a quem é do coração, no espirito, não segundo a letra, e cujo louvor não procede dos homens, mas de Deus.

2. Quem recebe o selo. Aqueles que ouvem e respondem com fé à “palavra da verdade”, recebem o “selo” do Espírito Santo de Deus, mostrando quais ele escolheu para adotar (2ª Timóteo 2.19 e Apocalipse 7.3).

3. O Espírito Santo é uma promessa de Jesus.
“E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco, o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece; vós o conheceis, porque ele habita convosco e estará em vós” (Jo14.16-17).
De fato, o Espírito nos é dado para que possamos nos tornar aquilo que Jesus foi: parte do futuro de Deus chegando ao presente. Ele nos foi dado para que possamos compartilhar da vida e da Obra de Jesus. Nós, os que cremos em Jesus, recebemos o Espírito como uma “amostra” de como será o novo mundo. Ele é em nós a presença de Deus nos conduzindo, guiando, advertindo, entristecendo-se com as nossas falhas, e celebrando os avanços enquanto vamos em direção à nossa Herança.
A cura dos enfermos no ministério de Jesus carregava também esse sentido de “antecipação”. Na era vindoura toda a enfermidade será eliminada, não haverá morte. A boa nova é que pela fé podemos agora começar a experimentar o que um dia será pleno. Ele já levou as doenças, ele já nos livrou de toda a maldição, por isso não precisamos esperar chegar lá para vivermos saúde divina, pela fé estamos provando os poderes do mundo vindouro já na presente era. Não só provando em nossa vida pessoal, mas também somos veículos, instrumentos de cura e restauração para outros. Como o próprio Jesus nos comissionou: “se impuserem as mãos sobre enfermos, eles ficarão curados...” (Mc 16.18).

4. O qual é o penhor da nossa herança.
Penhor é uma palavra do âmbito jurídico e que significa testemunho, uma garantia, segurança, alguma coisa que assegure o pagamento.
O apóstolo Paulo está afirmando que o Espírito Santo que nos foi dado como penhor é o garantidor de que um dia o Senhor virá e nos dará a “possessão adquirida” por Cristo Jesus. Em outras palavras, o Espírito Santo é a garantia de plena salvação quando Jesus vier arrebatar Sua Igreja.
Escrevendo aos colossenses o apóstolo diz: “O qual nos tirou da potestade das trevas, e nos transportou para o reino do Filho do seu amor” (Cl 1.13). Quer dizer, como teríamos a segurança de que de fato fomos transportados “para o reino do Filho”, se não houvesse qualquer garantia verdadeira para nós?

5. Cristo a plenitude (1.15-23). Paulo ora para que eles cresçam “no pleno conhecimento d’Ele” (1.17). Se não conhecemos Cristo, como podemos esperar receber as bênçãos espirituais que ele nos oferece? Ressuscitando Cristo, Deus mostrou seu extremo poder para abençoar aqueles que creem.

CONCLUSÃO. Finalmente, Deus fez Cristo o cabeça da Igreja, o qual é o seu corpo (1.22-23). Procurar outra sede fora do céu, onde Cristo está, é negar a autoridade de Cristo.
Fomos predestinado, chamados e enviados; Jesus diz: “Assim como o Pai me enviou eu vos envio...”
Ele nos chamou para Seu reino.
Ele nos chamou para sermos santos.
Ele nos chamou para ser o e templo do Espírito Santo.

Ele nos chamou para oferecer sacrifício vivo que é vosso culto racional (Rm 12.1).

Pr. Elias Ribas

Nenhum comentário:

Postar um comentário