TEOLOGIA EM FOCO

quinta-feira, 17 de maio de 2012

JESUS E OS FARISEUS

As pessoas têm o direito de professar a religião de sua escolha. A tolerância religiosa é extensiva a todos. Isto não significa, porém que todas as religiões são boas. Nos dias de Jesus, dois grupos de religiosos destacavam-se, entre outros: os saduceus (At 5.7) e os fariseus (At 15.5). Embora tivessem posições religiosas distintas (At 23.8), Jesus, porém, não os poupou, chamando-os de hipócritas, filhos do inferno, serpentes, raça de víboras (Mt 23.23-15, 33). O mestre deixou claro que não aceitava a ideia de que todos os caminhos levam a Deus e ensinou que apenas dois caminhos: “o estreito, que conduz á vida eterna, e o largo espaçoso, que leva à destruição” (Mt 7.13-14).

A seita dos fariseus nos tempos de Jesus invalidou os mandamentos de Deus pelas suas tradições. Podemos ver um exemplo prático na vida de Jesus quando os fariseus O condenaram porque estava violando as tradições dos anciões.

“Então, vieram alguns de Jerusalém a Jesus alguns fariseus e escribas e perguntaram: Por que transgride os teus discípulos a tradição dos anciãos? Pois não lavam as mãos, quando comem? Ele, porém, lhes respondeu: Por que transgridem vós também o mandamento de Deus, por causa da vossa tradição? Porque Deus ordenou: Honra teu pai e tua mãe... E assim invalidastes, pela vossa tradição o mandamento de Deus. Hipócritas, bem profetizou Isaías a vosso respeito, dizendo: Este povo honra-me com os seus lábios, mas o seu coração está longe de Mim. Mas em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos dos homens” (Mt 15.1-9).

Aqui Jesus censura claramente contra o mal que os fariseus tinham perpetrado contra o povo judeu, de criar tradição oral supostamente igual ao ensino escrito de Deus e, na verdade, contradizia as Escrituras Sagradas. As pessoas simples não compreendiam como tinham sido enganadas, pois não possuíam a palavra escrita de Deus. Os fariseus tinham a palavra escrita de Deus e a guardavam para si mesmos. Nós o encorajamos a ler atentamente Mateus 15.1-20, entendendo que Jesus está falando aqui principalmente contra os ensinos e a prática mal elaborada dos fariseus. Jesus declara repetidamente que os fariseus vão para o inferno. Ele não mede suas palavras. Em duas ocasiões, Jesus descreveu os fariseus como “víboras”, um sinônimo de “serpentes”. Logicamente, sabemos que a serpente é consistentemente utilizada na Bíblia como um dos nomes de Satanás. Mas, Jesus não deixa espaço para erro nesse assunto, para que não deixemos de perceber que os fariseus não eram simplesmente pecadores. Em João 8.44, Jesus diz que o pai dos fariseus era o diabo. Ele não disse isto a nenhuma outra classe de pessoas. Ele sempre teve compaixão dos pecadores; a razão pela qual o Senhor Jesus foi tão severo com os fariseus é que Ele sabia que eles adoravam a Deus apenas de lábios.

Reverência pelo ensino oral.

[...] Os fariseus ensinavam que o “Ensino Oral” era tão importante e sagrado quanto qualquer obra escrita. Os fariseus davam esta ênfase no Ensino Oral, pois é um instrumento muito importante de Satanás. Lembre-se, Deus estabeleceu Sua Santa Palavra como uma obra escrita. Ele repetidamente disse que esta Palavra escrita nunca mudaria e que seria totalmente cumprida e que duraria por toda a eternidade. Como Satanás sempre trabalha da forma oposta de Deus, não devemos nos surpreender que coloque maior ênfase no ensino oral. Isto tem acontecido dentro de muitas igrejas hoje. Portanto devemos saber que o ensino oral é uma ferramenta de Satanás.[DAVID BAY. Disponível: http://www.espada.eti.br/ce1077.asp].

[....] Não obstante, quando se chegou as tradições dos judeus, Cristo dizia: “Vocês dizem.... eu, porém, vos digo”. Enquanto que os ensinos, as experiências, os costumes, as tradições e cultura podem e devem fazer parte de nossa igreja, estes elementos não devem ser o que estabelece nossa doutrina. Isso quer dizer as conclusões que formam a base do que cremos acerca de Deus. Muito menos deve ser o que formam os dogmas, é dizer, o que afirmamos de forma categoria [Vernon Peter. Revista Obreiro. Ano 27, nº 31 – 2005].

Por que transgride os teus discípulos a tradição dos anciãos? - (v.1). Transgressão do lat. Trasgressio, é uma infração premeditada e consciente de um preceito, ou princípio. Assim é considerado um pecado contra os mandamentos de Deus.

Transgredir é o mesmo que invalidar a Palavra de Deus e isto é uma transgressão contra o próprio Deus. Os fariseus acreditavam que a tradições “lavar as mãos antes de comer (Mc 7.4)”, estava acima dos mandamentos de Deus. E então Jesus os reprova dizendo que eles estavam transgredindo invalidando os mandamentos de Deus pela tradição.

Embora na lei fossem especializados, os fariseus não tinham adquirido um entendimento adequado do propósito da lei. E o mais importante, faltava-lhes a fé em Deus.

Jesus salientou aos líderes religiosos da sua época que eles haviam tomado suas tradições e as haviam elevado a um nível mais alto que o das Escrituras. Como resultado, Jesus condenou-os como hipócritas. É fácil esquecermo-nos que os costumes e as tradições têm valor somente se estiverem num relacionamento subordinado às Escrituras. Os costumes e as tradições (não importa quantos séculos de idade tenham), se forem anti-bíblicos, contrário às Escrituras, precisam ser eliminados.

A tradição da lavagem das mãos era simples costume feito antes das refeições, mas veio a ser um tipo de purificação ritual para afastar a mínima possibilidade de a pessoa ter sido contaminada pela poeira advinda de alguma pessoa pagã. Note que Jesus passa a citar os mandamentos do decálogo para mostrar aos fariseus que as tradições dos judeus haviam invalidado os mandamentos de Deus.

Sabemos que grande parte da religião dos fariseus consistia em censurar os outros. Vieram de Jerusalém, uma viagem de muitos kilômetros, não para aprender, mas para criticar.

Jesus procura mostrar aos fariseus dizendo que: “Não é o que entra pela boca o que contamina homem, mas o que sai da boca, isto, sim, contamina o homem. Mas, o que sai da boca vem do coração, e é isso que contamina o homem. Porque do coração procede aos maus pensamentos, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmia. São estas coisas que contaminam o homem; mas o comer sem lavar as mãos não o contamina” (Mt 15.18-20).

O que aprendemos com as palavras de Jesus? O cristianismo é uma religião espiritual e não formal; que a verdadeira contaminação é o mal que sai do coração, não do alimento que entra pela boca.

Segundo a explicação dada por Jesus, a comida que não foi preparada segundo as tradições dos anciãos não prejudica ao ser ingerido. O que prejudica é o mal, concentrado no intimo do ser humano e exprimido através da boca, ou seja, o que sai do coração. Certos costumes não vão impedir a salvação do homem, mas Jesus nos ensina termos um coração puro e uma mente renovada.

O Senhor explica também que o processo de comer, ainda que sem a cerimônia de lavar as mãos, à qual os fariseus davam tanta importância, não contamina o homem.

É fácil haver uma religiosidade exterior que faz muita questão de ritos e cerimônias, da distribuição do cálice do Senhor em um ou mais copos, da atitude do corpo em oração, mas que não se preocupa com o estado do coração.

Podemos ter quase a certeza de que, na medida em que alguém se preocupa com as coisas materiais, deixa de apreciar os valores espirituais. Alguns chegam a ponto de excomungar os crentes mais espirituais, uma vez que estes não usam os mesmos ritos e cerimônias.

Precisamos tomar cuidado, para não cultivar o culto do bem-estar: Satisfeito com as tradições e regra, nossa igreja confortável, nosso fiel circulo de amizade, mas esquecemos com os milhares de insatisfeitos, feridos e aflitos que passam por nosso confortável templo e acabam indo embora sem encontrar o verdadeiro evangelho.

Marcos salienta mais do que Mateus o escrúpulo da religião farisaica, pois se preocupavam mais com o exterior (as lavagens, cerimoniais de mãos, copos, vasilhas, leitos etc); uma coisa enfadonha e sem proveito espiritual. Deus, pela boca de Isaías (29.13), havia caracterizado isto como mero externalismo sem coração. Mandamentos humanos pretendendo autoridade divina – uma coisa tão essencialmente oca que o Senhor a denuncia como hipocrisia.

Os fariseus e os escribas cometiam o pecado do legalismo, pois substitui com palavras e práticas externas as atitudes internas requeridas por Deus, oriunda do novo nascimento, operado por Deus e pelo Espírito Santo. Tais pessoas honram a Deus com seus lábios, enquanto de coração estão longe d’Ele; externamente parecem justos, mas no seu íntimo não o amam de verdade.

Legalismo não é simplesmente a existência de leis, regulamentos, ou regras na comunidade cristã. Pelo contrário, legalismo tem a ver com os motivos pelos quais o cristão considera a vontade de Deus à luz da Sua Palavra. Qualquer motivo para cumprirem-se mandamentos e regras que não parta de uma fé viva em Cristo, do poder regenerador do Espírito Santo e do desejo sincero do crente e de agradar a Deus, é legalismo (Mt 6.1-6; Jo 14.21).

O cristão, neste tempo da graça, continua sujeito à instrução, à disciplina e ao dever da obediência à lei de Cristo e à Sua Palavra. O Novo Testamento fala da “lei perfeita da liberdade” (Tg 1.25), da “lei real” (Tg 2.8), “lei de Cristo” (Gl 6.2) e da “lei do Espírito” (Rm 8.2), mas não nos ensina a cumprir tradições criadas pelos homens!

O que o mestre Jesus diz acerca das tradição: “Invalidando a palavra de Deus pela vossa própria tradição, que vós mesmos transmitistes; e fazeis muitas outras coisas semelhantes” (Mc 7.13).

Invalidar assim a Palavra é tornar-se culpado do pecado dos fariseus e dos demais líderes. É necessário que um cristão tenha bom costume da ética e da moral, mas usar certas regras radicais como meio de salvação compromete a salvação pela graça, e o bom relacionamento entre os membros. Quando “certos costumes” são colocados pela força, passa a ser uma lei imposta por imposição humana. E essa lei Jesus o chamou de “doutrinas de homens” (Mt 15.8).

O próprio Senhor Jesus advertiu enfaticamente contra as formas e tradições. Ele reprovou os líderes religiosos de Seu tempo por evitar que as pessoas se aproximassem de Deus. Em todo caso, O Deus que nos criou com características, sentimentos e habilidades diferentes, poderia desprezar tal variedade?

Qualquer um pode vir a Deus como é, não para encontrar uma religião, e sim, para entrar em um relacionamento vivo com Ele. A fé cristã não é somente uma doutrina abrangente. É a revelação de Deus por meio de fatos evidentes, em especial pela vida, morte e ressurreição de Jesus Cristo, que veio para fazer conhecer a Deus e a Seu amor. Ritos religiosos pode ser um sinal de morte espiritual. A fé em Jesus Cristo, no entanto, significa liberdade, verdadeiramente vida, e é oferecida a todos gratuitamente.

Fé não são credulidade, ingenuidade ou estupidez. É aceitar a mensagem bíblica, reconhecendo que Deus fala através dela. A fé genuína não tem nada a ver com superstição ou fanatismo. É um ato de obediência para com Deus. Não se trata de aceitar tudo o que é dito pelos homens; é a convicção de que Deus é real e a disposição em conhecê-Lo e fazer a Sua vontade.

Quando o homem usa tradições como meio de salvação torna-se negligente. É o que Jesus diz: “Negligenciando o mandamento de Deus, guardais a tradição dos homens” (Mc 7.8). Os fariseus e os escribas pecavam por colocar a tradição humana acima da revelação divina, como vemos neste versículo. O tradicionalismo valoriza as práticas e opiniões consagradas pelos homens. Seu referencial religioso não é a Bíblia, mas sim o regimento interno da igreja: regras, tradições, dogmas, usos e costumes. Tradição ou regra deve ter base nas verdades correlatas das Escrituras.

As vezes as tradições e estruturas são fortes, e até me perguntam se elas não são inspiradas por um espírito maligno. E acredito que muitas são quando anulam a salvação pela graça. Quantas leis foram colocadas para a santificação da igreja e hoje não existem mais? As igrejas têm de resistir à tendência de exaltar tradições religiosas, sabedoria humana ou costumes contemporâneos que se sobrepõe à Bíblia.

No Rio Grande do Sul até fora dele, os gaúchos constroem CTG (Centros de Tradições Gaúchas), para manter suas tradições regionais. Muitos gaúchos gostam de andar pilchado. Manter as tradições de um povo é uma coisa, mas usar certas tradições como meio de salvação é outra bem diferente. Sei de “ministros” que para dissimular suas tradições e regras humanas dizem que um CTG tem suas regras e tradições e que a igreja não deve ser diferente. É difícil de acreditar que certos “líderes” religiosos compararam a igreja que é o local de louvor, adoração e reverência ao Santo Criador com um CTG que é um clube de divertimento, danças e tradições gaúchas. As regras da igreja deve ser a Palavra e não as tradições criadas pelos homens. Usar como subterfúgio para concretizar suas idéias pessoais é levar o povo a um desvio doutrinário.

A tradição humana leva o cristão ao individualismo, egocentrismo, ou seja, viver para si. Nada pode ser mais contrário ao ensino bíblico. Bastante adotado atualmente, o individualismo tem diferentes manifestações: o egoísmo, a inimizade, o ódio (Rm 1.29), entristecendo assim o Espírito Santo (Ef 4.30).

[...] Muitas vezes criticamos os católicos que usam suas tradições e dogmas como meio de salvação e achamos um absurdo vê-los nas procissões adorando imagens. E as tradições que são colocadas nas igrejas evangélicas? Será que não estamos invalidando os mandamentos do Senhor com isto? Isto é santidade e novo nascimento? Não devemos tentar tirar o argueiro dos olhos dos católicos, enquanto não tirarmos a trave que está em nossos olhos [Ortiz. P 132].

Os tradicionalistas e legalistas ensinam que suas leis e ordenanças fazem parte da santificação, isto é, contribui para a salvação. Porém, Jesus diz que a Palavra é que nos santifica: “Vós já estais limpos pela Palavra que vos tenho falado” (Jo 15.3; Jo 17.17). O que santifica é a Palavra e não os costumes. A verdadeira santificação vem do coração purificado pela Palavra e pelo Espírito Santo. Muitos estranham a afirmação de que Deus não aceita o esforço legalista que o cristão faz para alcançar a santidade. Devemos reconhecer que pela oração em que combatemos nossa “carne”, caminhamos em direção à santificação. Ser santo é ser separado do pecado.

Há líderes que chegam a dizer que a obediência aos ministros é a nossa legalidade contra Satanás; o sangue de Jesus que foi derramado na cruz é a nossa legalidade contra ele. A obediência e submissão não são impostas, e sim, conquistada através da Palavra de Deus, assim como lemos em 1ª Pedro 5.2 “Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, não por força, mas espontaneamente segundo a vontade de Deus; nem por torpe ganância, mas de boa vontade”.

A falsa adoração dos fariseus: “Este povo honra-me com os lábios; o seu coração, porém, está longe de mim. Mas em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homem” (Mt 15.8-9; cf. Is 29.13).
Cristo faz uma ligação entre o serviço religioso realizado por estes homens, e o culto que eles oferecem. O seu culto é ofuscado pelas espúrias tradições religiosas que se anexa a ele.

Como formalistas, foram extremamente preocupados em cumprir os ritos prescritos no Torá. Entretanto, suas tradicionais observâncias são contabilizadas por Cristo como vãs, vazias. Vã, porque engrandece humanas inovações (tradições), e é inútil, porque conduz à perdição (Mt 15.13-14).

Para quem vive tranquilamente, segundo os moldes das suas tradições eclesiásticas, descumprindo mandamentos bíblicos, no dia final experimentarão o afastamento de Cristo.

Foi impressionante a forte influência do farisaísmo nos tempos de Jesus e continua até hoje no meio cristão.   É visível o proceder cristão mesclado de farisaísmo nas igrejas de hoje.  O mundo nos chama de "crentes";  a religião nos chama de evangélicos;   mas o farisaísmo tem predominado entre os evangélicos e poucos se tocam. Esse rosário de regrinhas não mencionadas na Palavra de Deus que se estabelecem e incomodam os crentes, é farisaísmo.


Pr. Elias Ribas
Igreja Assembléia de Deus
Blumenau - SC.


FONTE DE PESQUISA

2.      JUAN CARLOS ORTIZ, o discípulo, 6ª edição, 1980, Ed. Betânia. Venda Nova MG.
3.      Vernon Peter. Revista Obreiro. Ano 27, nº 31 – 2005. Editora CPAD Rio de Janeiro RJ.




Nenhum comentário:

Postar um comentário