TEOLOGIA EM FOCO

segunda-feira, 21 de abril de 2014

A RESSURREIÇÃO DE CRISTO

1ª Co 15.14 “Se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa fé”.

De todas as religiões existentes no mundo, o cristianismo é a única que teve seu fundador ressurreto. De fato, os primeiros apóstolos demonstravam a autenticidade do cristianismo baseado no fato da ressurreição do Senhor Jesus Cristo. É interessante notar que a maioria das mensagens apresentadas no livro de Ato enfatiza a morte, sepultamento e ressurreição (At 1.22; 4.33; 17.18-31).

Paulo mostra que o fato histórico da ressurreição de Cristo é fundamental ao Evangelho. Sem um Cristo ressurreto, não teríamos Evangelho nenhum para anunciar! “Se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa pregação, e vã a nossa fé. Se mortos não ressuscitam, também Cristo não ressuscitou. E, se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados. E ainda mais: os que dormiram em Cristo perecem”. (1ª Co 15.14,17-18).

Paulo confessou abertamente que a ressurreição de Cristo era um fato absolutamente fundamental à sua pregação, pois sem essa ressurreição, não havia mensagem alguma de salvação e nem esperança para se pregar.

I. O FUNDAMENTO DO CRISTIANISMO – A RESSURREIÇÃO HISTÓRICA

O fundamento da igreja cristã é a confiabilidade da ressurreição de Jesus Cristo. Como observamos antes, o apóstolo Paulo disse: "Se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permanecereis nos vossos pecados" (1ª Co 15.17). Este é um fato extremamente poderoso. A igreja cristã não é uma religião filosófica como o hinduísmo, o budismo, ou as várias e "novas espiritualidades". Em vez disso, ela está ligada a uma questão extraordinariamente central – que a ressurreição de Jesus é um fato histórico!

Não dizemos que a ressurreição de Jesus Cristo seja a única questão teológica importante no cristianismo; longe disso. A crucificação de Jesus foi o evento que propiciou a salvação (foi o sacrifício) para aqueles que possuem um relacionamento pessoal com Ele. No entanto, foi a ressurreição de Jesus que confirmou a reivindicação profética de que Ele era o Filho de Deus – o Messias – e venceria a morte para que pudéssemos ter a vida eterna. Apenas Deus poderia realizar esta ressurreição. Era absolutamente necessário que isto acontecesse a fim de que a promessa de salvação tivesse um significado e uma importância incomensurável. Nenhum outro líder religioso fez algo semelhante. A ressurreição fez os primeiros discípulos se alegrarem por saber que Jesus era quem dizia ser, e que a vida eterna estava assegurada. A ressurreição deu aos discípulos a confiança necessária para enfrentarem a morte alegremente, sabendo que existia uma maior recompensa para eles, no céu.

Devido ao fato de o cristianismo ser baseado em um evento histórico que demonstra a divindade de Jesus, ele é muito diferente de qualquer outra religião. O cristianismo pode ser testado e confirmado por este único evento histórico – a ressurreição. Se isso ocorreu, então Jesus é de fato o Senhor e Salvador. Se não ocorreu, Ele não o é.

O meio de provar qualquer evento histórico desse tipo é através de provas "legais" – isto é, a prova pelo depoimento das testemunhas e também por outras provas que são frequentemente circunstanciais, a saber, as evidências.

Há um grande número de depoimentos de testemunhas de que a ressurreição ocorreu. Este conjunto de provas foi proporcionado por muitas testemunhas, incluindo os discípulos que tiveram uma mudança radical de atitude ao se tornarem ousados defensores e divulgadores de Cristo, imediatamente após a ressurreição do Senhor.

II. EVIDÊNCIA DA RESSURREIÇÃO DE JESUS

A ressurreição de Jesus como um evento real e histórico tem sido a pedra de esquina do cristianismo através dos séculos. O fato de que isso é crido por inúmeras pessoas por uma sucessão ininterrupta de gerações, tem dado pouca oportunidade para o surgimento de repentinos “mitos de Jesus” ou lendas. Além disso, sempre podemos comparar a crença moderna com milhares de escritos antigos do Novo Testamento, e com escritos não-cristãos, para verificar a coerência de vários relatos e garantir a exatidão histórica na doutrina e nas crenças.

Diferente de outras religiões, o cristianismo é baseado em fatos históricos. Ele não é uma filosofia ilusória. Se a ressurreição de Jesus nunca tivesse acontecido, não haveria absolutamente nenhuma base para a igreja cristã. Ela não existiria. Como vimos, há uma história contínua da igreja sem interrupção. Podemos voltar ao passado recorrendo aos documentos mais antigos da igreja (primeiros manuscritos do Novo Testamento) e encontrar o dogma essencial da igreja, que permanece o mesmo.

Os muitos mártires da fé cristã morreram todos por essencialmente uma coisa – defender o fato histórico de que Jesus Cristo ressuscitou dos mortos. Os inimigos da igreja esperavam que a execução dos líderes da igreja fizesse a expansão do cristianismo cessar. Em vez disso, aumentou a determinação dos cristãos e fornece evidências pungentes da historicidade da ressurreição de Jesus às gerações posteriores.

III. CRISTO FALA DA SUA RESSURREIÇÃO

Em Jo 2.19 Jesus diz aos seus ouvintes: “Destruí este santuário, e em três dias o reconstruirei”. Cristo mesmo afirmou que Sua futura ressurreição seria o sinal pedido pelos judeus.

IV. O VALOR DA RESSURREIÇÃO

Cristo considerou tão importante a Sua ressurreição que permaneceu quarenta dias na terra após ressuscitar para apresentar e mostrar muitas provas incontestáveis. At 1.3 a estes também, depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas provas incontestáveis, aparecendo-lhes durante quarenta dias e falando das coisas concernentes ao reino de Deus.

Não somente os crentes em Jesus consideram o fato da ressurreição de Cristo como de suprema importância de sua fé, também os inimigos de Cristo se puseram desmentir esse acontecimento, destruiria pela base a fé cristã.

A recusa de muitos em admitir e confessar o fato da ressurreição não é novidade do século XX, pois tal atitude se manifestou logo após a ressurreição do Mestre! Lemos em Mt 28.12-15 diz: “Reunindo-se eles em conselho com os anciãos, deram grande soma de dinheiro aos soldados, recomendando-lhes que dissessem: Vieram de noite os discípulos dEle e o roubaram, enquanto dormíamos. Caso isso chegue ao conhecimento do governador, nós o persuadiremos, e vos poremos em segurança. Eles, recebendo o dinheiro fizeram como estavam instruídos. Esta versão divulgou-se entre os judeus até o dia de hoje”.

Outros indivíduos, não querendo admitir o fato da ressurreição, preferem acreditar que Jesus apenas desmaiou, mas não morreu. Tal teoria não convence as pessoas de mente sadia e bem intencionadas, o mesmo Cristo reapareceu em pleno vigor físico e mental; não estado de fraqueza ou semi-inconsciência. Além disso, os mesmos soldados que crucificaram Jesus cravaram uma lança no Seu lado esquerdo, e observaram que das Suas feridas saíram sangue e água, do qual João foi também testemunha ocular (Jo 19.34-35).

Os fisiologistas dos nossos dias são unânimes em declarar que tal efusão de água e sangue dos órgãos vitais do corpo resulta da morte do organismo previamente ocorrida.

Outros críticos incrédulos preferem dizer que Jesus apareceu apenas em espírito. Porém Jesus fez questão de comer na presença de muitas testemunhas após Sua ressurreição, comprovando assim a qualidade física do seu corpo ressurreto. Vejamos o que Jesus diz em Lc 24.39 “Vede as minhas mãos e os meus pés, que Sou Eu mesmo; apalpai-me e verificai, porque um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que Eu tenho”.

É mais correto concluir que aqueles que não creem, nem aceitam a ressurreição corporal do Senhor Jesus Cristo, adotam tal atitude para por meio dela tentarem acalmar sua consciência e daí evitarem a responsabilidade de responder à chamada pessoal e insistente de Jesus Cristo em seus corações, para que creiam no Evangelho, se arrependam, abandonem as vis imaginações humanas, as heresias e recebam a salvação que Jesus lhes oferece graciosamente.

Pr. Elias Ribas

pr.eliasribas2013@gmail.com.br

FONTE DE PESQUISA

1.       BÍBLIA PENTECOSTAL. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Revista e Corrigida - Edição 1995, CPAD, Rio de Janeiro RJ.
2.       BÍBLIA SHEDD. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil – 2ª Edição, Sociedade Bíblica do Brasil, Barueri - SP.
3.       BÍBLIA DE ESTUDO PLENITUDE. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Revista e Corrigida 1995. Sociedade Bíblica do Brasil. Barueri - SP.
4.       BÍBLIA DE ESTUDO APLICAÇÃO PESSOAL, R.C. CPAD.
5.       BÍBLIA DE ESTUDO PLENITUDE, Revista e Corrigida, S.B. do Brasil.
6.       Cristologia – EETAD.
7.       Dicionário Teológico Claudionor Corrêa de Andrade – CPAD.
9.       Pequena Enciclopédia Temática da Bíblia CPAD – Geziel Gomes.


Nenhum comentário:

Postar um comentário